slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
TRACHEOPHYTA (traqueófitas ou plantas vasculares) PowerPoint Presentation
Download Presentation
TRACHEOPHYTA (traqueófitas ou plantas vasculares)

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 33

TRACHEOPHYTA (traqueófitas ou plantas vasculares) - PowerPoint PPT Presentation


  • 688 Views
  • Uploaded on

TRACHEOPHYTA (traqueófitas ou plantas vasculares). TRACHEOPHYTA (traqueófitas ou plantas vasculares). Grupamento monofilético (com um ancestral em comum a toda a linhagem). Características básicas: Presença de elementos condutores de seiva – traqueídes;

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'TRACHEOPHYTA (traqueófitas ou plantas vasculares)' - chibale


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

TRACHEOPHYTA

(traqueófitas ou plantas vasculares)

slide2

TRACHEOPHYTA

(traqueófitas ou plantas vasculares)

  • Grupamento monofilético (com um ancestral em comum a toda a linhagem).
  • Características básicas:
  • Presença de elementos condutores de seiva – traqueídes;
  • A fase esporofítica (ou sexuada) é a dominante no ciclo de vida;
  • Esporófito com ramificações;
  • Reprodução oogâmica;
  • Semelhanças moleculares entre as espécies.
slide3

Sistemas de classificação mais utilizados:

  • 1) Sistema de classificação proposto por Cronquist, Tahktajan e Zimermann (1966).
  • Plantas vasculares sem sementes
  • - Bryophyta – briófitas
  • - Rynophyta (Psilophyta) – pteridófitas primitivas
  • Psilotophyta – pteridófitas
  • Lycopodiophyta – pteridófitas
  • Equisetophyta – pteridófitas
  • Polypodiophyta – pteridófitas
  • Plantas vasculares com sementes
  • - Pinophyta – Gimnospermas
  • Magnoliophyta - Angiospermas
slide4

Sistemas de classificação mais utilizados:

  • 2) Sistema de classificação proposto por Bremer (1985), Bremer et al. (1987) e MoraN (1995).
  • Plantas vasculares sem sementes
  • Divisões:
  • - Psilotophyta – pteridófitas
  • Lycopodiophyta (licopódios e selaginelas)– pteridófitas
  • Equisetophyta (cavalinhas) – pteridófitas
  • Polypodiophyta (samambaias em geral) – pteridófitas
  • O conjunto é parafilético, enquanto que cada divisão, por si só, é monofilética.
slide5
3) Sistema de classificação utilizado por Raven et al. (1996)

a) Primeiras plantas vasculares:

- Rhyniophyta, Zosterophyllophyta e Trimerophytophyta: fósseis do período Siluriano Médio até o Devoniano Médio, há cerca de 420 até 370 milhões de anos atrás.

b) samambaias, Lycophyta, Sphenophyta e pró-gimnospermas: período Devoniano Superior até o fim do Carbonífero, há cerca de 380 a 290 milhões de anos atrás.

c) Gimnospermas (plantas com sementes): surgiram no Devoniano Superior, há pelo menos 360 milhões de anos atrás, com muitas linhas evolutivas até o período Permiano.

d) Plantas com flores (plantas com sementes): surgiram a aproximadamente 127 milhões de anos. Dominam o planeta atualmente.

slide6

Sistemas de classificação mais utilizados:

  • 4) Sistema de classificação utilizado por Judd et al. (1999)(não inclui os fósseis).
  • Plantas vasculares sem sementes (pteridófitas)
  • - Lycopodiophyta
  • Psilotophyta
  • Equisetophyta
  • Fetos leptosporangiados (samamabaias mais comuns)
  • Plantas vasculares com sementes (fanerógamas)
  • - cicas, coníferas, gnetófitas e angiospermas.
slide7

Sistemas de classificação mais utilizados:

  • 5) Sistema de classificação proposto por Reimers (1954), e utilizado por Rajan (2000).
  • Pteridophyta
  • 5.1) PSILOPHYTOPSIDA - representantes fósseis.
  • Ex.: Rhynia, Asteroxylon, Psilophyton.
  • 5.2) PSILOTOPSIDA - representantes fósseis e atuais.
  • Ex. de atuais: Psilotum e Tmesipteris.
  • 5.3) LYCOPSIDA - fósseis e atuais.
  • a) Protolepidendrales
  • b) Lycopodiales (Lycopodium, Phylloglossum)
  • c) Lepidodendrales (Lepidondendrum e Lepidocarpon: fósseis)
  • d) Selaginellales (Selaginella)
  • e) Isoetales (Isoetes)
  • Principais representantes atuais: Lycopodium e Selaginella.
slide8

Sistemas de classificação mais utilizados:

  • Continuação do Sistema de classificação proposto por Reimers (1954) e utilizado por Rajan (2000).
  • 5.4) SPHENOPSIDA (Articulatea) - fósseis e atuais.
  • Hygeniales
  • Sphenophyllales (Sphenophyllum)
  • Calamitales (Calamites: fóssil; e Calamostachys)
  • Equisetales (único gênero atual: Equisetum).
  • 5.5) PTEROPSIDA - fósseis e inclui a maioria das Pteridophyta atuais.
  • Primofilices (Cladoxylales e Coenopteridales): (Zygopteris, Botryopteris)
  • Eusporangiatae (Ophioglossales e Marathiales): Ophioglossum e Angiopteris
  • Osmundidae (Osmundales): Osmunda
  • Leptosporangiatae
  • - Filicales: Hymenophylum, Adianthum, Pteris e Pteridium;
  • - Marsileales: Marsilea eAzolla;
  • - Salviniales: Salvinia
slide9

Sistemas de classificação mais utilizados:

  • 6) Sistema de classificação utilizado por Judd et al. (2008)(exceto fósseis), com enfoque filogenético:
  • Licófitas: esporângios de deiscência lateral, presença de microfilos, ramos dicotômicos. Abundantes em locais brejosos no período Carbonífero. Maioria com gametas masculinos biflagelados.
  • b) Eufilófitas: apresentam megafilos e gametas masculinos multiflagelados/ciliados.
  • b.1) Monilófitas: samambaias leptosporangiadas, Marattiales, Ophioglossales, Psilotales e Equisetófitas (cavalinhas).
  • b.2) Lignófitas: pró-gimnospermas (Aneurófitas e Archaeopteris, fósseis) e as Espermatófitas (plantas com sementes).
slide10

Plantas vasculares sem sementes

Condição essencial para manutenção no ambiente terrestre:

- Presença de cutícula revestindo os órgãos aéreos

e possivelmente, desenvolvimento dos estômatos;

- Capacidade de sintetizar lignina;

- Desenvolvimento de células especiais para condução de água e produtos da fotossíntese (xilema e floema).

- Presença de esporos com paredes de proteção resistente à desidratação (unidades reprodutivas dispersas pelo vento).

Consequências:

- Possibilidade de manutenção de estruturas vegetativas de maiores dimensões;

- Possibilidade de dispersão a longas distâncias.

slide11

Semelhanças com as Briófitas:

- Ciclo de vida heteromórfico;

- Estrutura vegetativa do gametófito;

- Parasitismo do esporófito;

- Estrutura dos anterídeos e arquegônios.

Diferenças das Briófitas:

- Nas Pteridófitas o esporófito é a geração mais desenvolvida;

- presença de tecido de condução.

slide12

Estruturação vegetativa das espécies primitivas

Raízes: absorção e fixação

Sistema caulinar: captação de energia luminosa e fotossíntese.

Esporân-

gios

Ramificações dicotômicas

(Cooksonia caledonica)

Cooksonia pertoni;representação esquemática, pintura e fóssil da planta primitiva mais conhecida (Período Siluriano).

slide13

Rhynia (Rhyniophyta):o primeiro fóssil de planta terrestre com ramificações verticais e horizontais.

Altura média de 0,5 metros.

Eixo caulinar áfilo e dicotômico.

Esporângios terminais.

slide14

A

B

Grupos extintos de pteridófitas:

A) Rhyniopsida (Rhynia)

B) Trimerophytopsida (Trimerophyton)

Eixo caulinar áfilo e dicotômico.

Esporângios terminais.

Trimerophyton robustion

slide15

Zoosterophyllum sp

  • (Zosterophyllophyta)
  • Esporângios agregados em espigas terminais.
  • caules áfilos e dicotômicos (crescimento para cima e para baixo).
slide16

Psilotophyta – fósseis vivos

  • Psilotum sp e Tmesisteris sp - Não apresentam folhas nem raízes verdadeiras.
  • Esporângios trilobados nas terminações dos ramos laterais.
  • Epífitas sobre samambaias arborecentes, ou rupícolas onde ocorre húmus.

Tmesipteris tannensis:— Fig. A: Habit of plant. B and C: Habit of fructification. D: Habit of the rhizome.

Psilotum triquetrum:— Fig. E: Habit of plant. F: Habit of fructifications. G: Structure of fructification. H: Habit of rhizome.

slide17

Psilotophyta - Tmesipteris

esporângios

Tmesipterisobliqua

(Endangered on Mainland Australia)

Tmesipteris tannensis

slide19

Psilotumnudum e P.complanatum – encontrados na Califórnia, Flórida, Texas e Havai (EUA), Espanha e japão.

Condição epífita

esporângio

Condição rupícola no Havai.

slide20

Psilotophyta Psilotum

Psilotumcomplanatum encontrado na Califórnia, Flórida, Texas e Havai (EUA), Espanha e japão.

Detalhes dos esporângios

psilotum
Psilotum

esporângio

esporos

Corte transversal de um esporângio com esporos

slide24

Psilotophyta – detalhes do ciclo de vida

  • - Após a germinação, os esporos originam o gametófito, que é uma estrutura aclorofilada, saprófita e subterrânea, com associação micorrízica;
  • Os anterozóides de Psilotum necessitam de água para nadar até a oosfera;
  • o esporófito originado sexualmente fica, inicialmente, preso ao gametófito, absorvendo seus nutrientes, mas depois desprende-se.
slide26
Lycopsida ou Lycophyta
  • Seus representantes possuem esporófitos com raízes, caules e folhas.
  • São isosporados ou heterosporados e cada esporângio nasce a partir de um esporofilo.
  • OrdemIsoetales, com uma única Família: Isoetaceae (Isoetes).
  • Ordem Lycopodiales,com uma única família: Lycopodiaceae (Huperzia, Lycopodiella, Lycopodium e Phylloglossum).
  • Ordem Selaginellales, com uma única família:Selaginellaceae(Selaginella).
slide27

Lycophyta primitivas

(fósseis)

A) Protolepidodendron sp

B) Asteroxylon sp

- Com esporângios

nas ramificações laterais;

- Rizóides e folhas escamiformes.

slide28

Lepidodendron e Sigillaria,

Licopodiáceas arborecentes

(fósseis)

slide31

selaginela

isoete

Licopódio

(atuais)