slide1 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Variação diurna da temperatura PowerPoint Presentation
Download Presentation
Variação diurna da temperatura

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 11

Variação diurna da temperatura - PowerPoint PPT Presentation


  • 341 Views
  • Uploaded on

12 h. S. 8 h. 18 h. E. W. Atmosfera. a. Solo. b. Variação da obliquidade dos raios solares ao longo do dia. Variação diurna da temperatura. Horas. 0 3 6 9 12 15 18 21 24. T(ºC). Ocaso. Nascer do Sol. 30

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Variação diurna da temperatura' - chester


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

12 h

S

8 h

18 h

E

W

Atmosfera

a

Solo

b

Variação da obliquidade dos raios solares ao longo do dia

Variação diurna da temperatura

Horas

0 3 6 9 12 15 18 21 24

T(ºC)

Ocaso

Nascer do Sol

30

25

20

15

10

5

0

Termograma diurno respeitante a um lugar do país

slide2

Figura 2 - Variação anual do ângulo de incidência dos raios solares

Solstício de Junho

Zénite do lugar

Equinócios

Vertical do lugar

Solstício de Dezembro

S

N

Atmosfera

Ângulo de incidência

L

a

Solo

b

c

Variação do ângulo de incidência dos raios solares num lugar (L) situado em Portugal

Figura 1 - Variação do ângulo de incidência, da massa atmosférica e da extensão da superfície receptora com a Latitude

Equador

Pólo Sul

Pólo Norte

Atmosfera

a

Solo

b

b

A radiação solar incidente no Equador e nos pólos.

slide3

Figura 3 - Variação do ângulo de incidência da radiação solar em latitude nos Equinócios e Solstícios

Variação do ângulo de incidência da radiação solar

em latitude nos Equinócios e Solstícios

PN

Equinócios: 21 de Março

21 ou 22 de Setembro

P

Raios Solares

Equador

Ângulo de incidência: Portugal = 50º

Equador = 90º

PS

Solstício: 21 de Junho

PN

Equador

Raios Solares

P

Ângulo de incidência: Portugal = 73,45º

Equador = 66,55º

PS

PN

Solstício: 21 ou 22 de Dezembro

P

Raios Solares

Equador

Ângulo de incidência: Portugal = 26,55º

Equador = 66,55º

PS

slide4

Figura 4 - Variação da temperatura com a altitude

15

14

13

12

11

10

9

8

7

6

5

4

3

2

1

0

Altitude (Km)

Gradiente térmico vertical

-60 -50 -40 -30 -20 -10 0 10

Temperatura (ºC)

Figura 5 - Variação da temperatura e rarefacção do ar com a altitude

Alt. (km)

9

8

7

6

5

4

3

2

1

0

-1

C

12 ºC

24 ºC

B

30 ºC

Oceano

A

Continente

slide5

Figura 6 - Influência da orientação do relevo no ângulo de incidência dos raios solares.

Raios solares

20º

S

N

86º

Vertente

Soalheira

Vertente

Umbria

ANTUNES João, 1992.

Figura 7 – Grandes zonas climáticas do planeta Terra

P.N.

C

C

B

A – Zona quente

A

B – Zonas Temperadas

E

E’

A

C – Zonas Frias

B

C

P.S.

slide6

Figura 8 - A influência do oceano na variação anual da temperatura (Verão)

20ºC 22ºC 24ºC 26ºC 28ºC 30ºC 32ºC

Verão

Calor

Ventos húmidos

Modera as temperaturas

Oceano

Figura 9 - A influência do oceano na variação anual da temperatura (Inverno)

15ºC 13ºC 11ºC 9ºC 7ºC 5ºC 3ºC

Inverno

Frio

Ventos húmidos

Modera as temperaturas

Oceano

slide7

Figura 10 - Distribuição da temperatura no globo - isotérmicas de Janeiro

Figura 11 - Distribuição da temperatura no globo - isotérmicas de Julho

slide9

Figura 14 – Localização das diferentes cinturas barométricas no planeta.

Figura 15 – Distribuição da precipitação no globo terrestre.

PN

PN

Altas pressões polares (N)

Círculo Polar Árctico

Ventos de Leste

+ +

+ +

Baixas pressões subpolares (N)

Ventos de Oeste

Trópico de Cancer

Altas pressões subtropicais (N)

- -

- -

- -

- -

- -

- -

- -

- -

+ +

+ +

+ +

+ +

+ +

+ +

+ +

+ +

Ventos Alíseos

Norte

Baixas pressões equatoriais

Equador

Ventos Alíseos Sul

Altas pressões subtropicais (S)

Trópico de Capricórnio

Ventos de Oeste

Baixas pressões subpolares (S)

Ventos de Leste

Círculo Polar Antárctico

Altas pressões polares (S)

PS

PN

  • Relação entre a localização das cinturas de pressão e a distribuição da precipitação no globo
  • Nas médias latitudes situam-se as “cinturas de baixas pressões subpolares” que originam chuvas frontais.
  • No Equador situa-se a “cintura de baixas pressões equatorial” que origina chuvas convergentes.
  • Nos pólos situam-se as “altas pressões polares” que originam bom tempo (ausência de precipitação).
  • Nos trópicos situam-se as “altas pressões subtropicais” que originam bom tempo (ausência de precipitação).
  • Conclusão: o factor climático latitude origina diferentes cinturas de pressão que influenciam o estado do tempo e a precipitação. A precipitação é mais abundante nas zonas de baixas pressões (Equador e latitudes médias) e mais escassa nas áreas de altas pressões (trópicos e pólos).