no es de com rcio eletr nico n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Noções de Comércio Eletrônico PowerPoint Presentation
Download Presentation
Noções de Comércio Eletrônico

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 153

Noções de Comércio Eletrônico - PowerPoint PPT Presentation


  • 130 Views
  • Uploaded on

Noções de Comércio Eletrônico. Oderson Dias de Mello www.oderson.com. Introdução. Para atingir 50 milhões de pessoas: O rádio levou 38 anos; A TV aberta 16 anos; A TV a cabo 10 anos e A Web apenas 5 anos. Origens do E-Commerce. Transferência eletrônica de fundos entre bancos

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Noções de Comércio Eletrônico' - cargan


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
no es de com rcio eletr nico

Noções de Comércio Eletrônico

Oderson Dias de Mello

www.oderson.com

introdu o
Introdução
  • Para atingir 50 milhões de pessoas:
    • O rádio levou 38 anos;
    • A TV aberta 16 anos;
    • A TV a cabo 10 anos e
    • A Web apenas 5 anos.
origens do e commerce
Origens do E-Commerce
  • Transferência eletrônica de fundos entre bancos
  • Mensagens eletrônicas
  • Anos 80: antecessora a Internet – compras e pedidos de fornecedores (transmissão de documentos entre empresas e fornecedores)
internet
Internet
  • Anos 90: disseminação da Internet
    • Facilidade de acesso
    • Operação amigável
    • Conectividade global e imediata
    • Recebimento e envio de informações rapidamente
    • Facilidade e baixo custo ao se disponibilizar documentos
    • Transformação de processos, produtos e serviços
definindo e commerce
Definindo E-Commerce

O Comércio Eletrônico é uma forma de comércio onde o produto é conhecido, demonstrado e vendido por meios eletrônicos, ou seja, é a capacidade de realizar transações envolvendo a troca de bens ou serviços entre duas ou mais partes utilizando ferramentas eletrônicas e tecnologias emergentes.

A localização geográfica é irrelevante, portanto há uma contribuição para o comércio mundial.

definindo e business
Definindo E-Business

O E-Business pode ser dividido em 3 áreas:

  • Dentro da Organização - Intranet
  • Entre organizações diferentes - B2B (Extranet)
  • Entre organizações e consumidores - B2C (Internet)
tipos de e business
Tipos de E-Business

Intra-

Business

Vendas

Indústria

B2C

B2B

Consumidores

Distribuidores

e business tipos de neg cios
E-BusinessTipos de Negócios
  • Intra-Business: integrar as várias funções da organização a fim de facilitar as aplicações de negócios.
  • Business-to-Business (B2B): relação entre empresas clientes e fornecedoras de um produto.
  • Business-to-Customer (B2C): venda diretamente para consumidores ou usuários finais.
com rcio eletr nico interdisciplinaridade
A solução de comércio eletrônico envolve áreas diversas, tais como: processo de compra e venda, marketing, logística e integração de sistemas de informação, além da área ligada a tecnologia.Comércio Eletrônico: interdisciplinaridade
estrat gias para se tornar on line
Estratégias para se tornar on-line
  • Os meus concorrentes estão on-line. Esse é um motivo para a minha empresa se tornar on-line?
  • Quais as razões para minha empresa se tornar on-line?
raz es para se tornar on line
Razões para se tornar on-line
  • Expansão do Alcance do Mercado: reunir experiência com um novo segmento de mercado.
  • Visibilidade: gerar mais visibilidade em seu mercado-alvo e ganhar parte da atenção dos seus consumidores.
  • Poder de Resposta: aumentar o poder de resposta aos seus clientes e parceiros.
raz es para se tornar on line1
Razões para se tornar on-line
  • Novos Serviços: prover novos serviços aos clientes e parceiros.
  • Fortalecimento do Relacionamento nos Negócios: aumentar o lucro para cada parceiro envolvido.
  • Redução de Custos: reduzir o custo do produto, suporte, serviço e propriedade.
  • Conflitos de canais: prevenir e resolver conflitos de canais.
raz es para se tornar on line2
Razões para se tornar on-line
  • Barateamento dos equipamentos.
  • Popularização dos meios de acesso.
  • Bom potencial de crescimento.
  • Longo alcance.
raz es para comprar on line
Razões para comprar on-line
  • Não há filas.
  • Pode-se comprar a qualquer hora.
  • Não há trânsito nem problemas de estacionamento.
  • Brasil:
    • Redução do medo de furto ou roubo.
vantagens do com rcio eletr nico
Vantagens do Comércio Eletrônico
  • Acessibilidade Global e Alcance de Vendas
    • Acesso fácil e veloz.
    • Empresas podem expandir sua base de clientes e até mesmo sua linha de produtos.
  • Relacionamento mais Próximo
    • Transações B2B podem gerar relacionamentos mais próximos.
vantagens do com rcio eletr nico1
Vantagens do Comércio Eletrônico
  • Testes Gratuitos
    • Produtos podem ser testados na Web de forma rápida, fácil e sem custos.
  • Custos Reduzidos
    • As empresas podem reduzir seus custos de produção adequando dinamicamente os preços.
vantagens do com rcio eletr nico2
Vantagens do Comércio Eletrônico
  • Mudanças de Meio de Comunicação
    • A internet reduz o número de mudanças de meios de comunicação necessárias para transportar a informação.
  • Tempo para Comercialização
    • Tempo mais curto para comercializar e menor tempo de resposta em relação às mudanças da demanda do mercado.
vantagens do com rcio eletr nico3
Vantagens do Comércio Eletrônico
  • Lealdade dos clientes
    • Melhoria na lealdade dos clientes e nos serviços por meio de acesso mais fáceis a informações atualizadas e sempre disponíveis.
dificuldades ao se tornar on line
Dificuldades ao se tornar on-line
  • Conflito de Canal
    • Revendedores e comerciantes temem que com o contado direto ao consumidor haja prejuízo para as partes envolvidas na negociação.
  • Competição
    • A competição que era local agora torna-se mundial.
    • Competição desleal e desonesta.
dificuldades ao se tornar on line1
Dificuldades ao se tornar on-line
  • Violação dos direitos de propriedade intelectual (Direitos Autorais)

Definição:

“É o direito que assegura ao autor de obra literária, artística ou científica, a propriedade exclusiva sobre a mesma”.

Dividido entre direito moral ( natureza personalíssima, inalienável) e direito patrimonial (bem de natureza econômica).

dificuldades ao se tornar on line2
Dificuldades ao se tornar on-line
  • Uma vez publicada a informação na Internet, torna-se fácil sua cópia (arquivos tipo MP3 por exemplo).
  • Facilidade de reprodução c/ alta qualidade, distribuição e alcance.
  • Meios ainda pouco eficientes para evitar proliferação de infrações e para punir os infratores.
  • Não existe uma estrutura legal a nível mundial.
dificuldades ao se tornar on line3
Dificuldades ao se tornar on-line
  • Aceitação do Cliente
    • As empresas têm receio se os consumidores irão aceitar essa nova forma de negócio.
  • Lealdade
    • Pelo fato da procura ser mais rápida e fácil, os consumidores não garantem lealdade ao seu vendedor.
dificuldades ao se tornar on line4
Dificuldades ao se tornar on-line
  • Preço
    • Os preços podem diminuir mas o diferencial será os serviços prestados aos consumidores.
  • Segurança
    • Cartões de crédito.
    • Páginas clonadas ou com informações falsas.
dificuldades ao se tornar on line5
Dificuldades ao se tornar on-line
  • Serviço
    • É muito mais fácil e rápido comparar os produtos de uma empresa e outra.
  • Viabilidade
    • Muitas empresas estão inseguras em relação à viabilidade de seu próprio negócio digital.
dificuldades ao se tornar on line6
Dificuldades ao se tornar on-line
  • Barreiras do Usuário
    • Custo de acesso
    • Tecnologia em constantes avanços
    • Aprendizado da nova forma de negócio
categorias de e business
Categorias de E-Business
  • E-Auctioning
  • E-Banking
  • E-Directories
  • E-Engineering
  • E-Franchising
  • E-Gambling
categorias de e business1
Categorias de E-Business
  • E-Learning
  • E-Marketing
  • E-Operational Resources Management
  • E-Procurement
  • E-Recruiting
e auctioning
E-Auctioning
  • Os leilões eram restritos a um local ou número de pessoas.
  • Com a Internet:
    • Qualquer pessoa pode participar do leilão
    • Não existe custo para locomoção até o local do leilão
    • Os lances são finalizados em segundos.
    • O leiloeiro registra os lances e envia a mercadoria ao participante que deu o maior lance.
e banking
E-Banking
  • Comodidade para os clientes que através de um site simples podem acessar suas contas da mesma maneira que um caixa automático (ATM – Automated Teller Machine).
  • Redução de pessoas no banco e facilidade para o cliente que não precisa se deslocar até o banco para movimentação ou consulta a conta.
e directories
E-Directories
  • Listas telefônicas tanto para linhas residenciais como para linhas empresariais não estão centralizadas em um único lugar no qual você deve ligar para obter a informação desejada.
  • São mais fáceis e rápidas para recuperação da informação da mesma maneira que se torna difícil devido a quantidade de informações disponíveis na rede.
e engineering
E-Engineering
  • Era restrito a todos os engenheiros que trabalhavam em um projeto estarem em um mesmo escritório.
  • Com a internet houve a facilidade de desenvolvimento independente de onde os engenheiros envolvidos estão.
  • Com isso qualquer pessoa é capaz de contribuir com o código sempre que houver um tempo disponível.
e franchising
E-Franchising
  • Na internet o ganho é devido a grandes marcas terem links para seus parceiros. Livrarias geralmente fazem isso. Colocam o seu nome com link para os seus parceiros, garantindo assim o sucesso do site.
e learning
E-Learning
  • Ensino à distância
    • Assíncrono
    • Síncrono
  • Implicações tecnológicas
e marketing
E-Marketing
  • Marketing tradicional focava um grupo de pessoas em particular.
  • Com a internet o público é diverso e existe a necessidade de tratar cada cliente de forma específica, ou seja, o marketing um-a-um se tornou o padrão para a internet.
e gambling
E-Gambling
  • O jogo ainda é considerado ilegal em alguns países e em alguns países que os jogos são permitidos, os mesmos são regidos por leis.
  • Com a internet qualquer pessoa pode acessar os cassinos a partir de um clique de mouse.
  • Geralmente os sites que operam com jogos estão situados em países no qual o jogo é legalmente permitido.
e procurement
E-Procurement
  • Tem como objetivo reduzir os gastos das compras rotineiras de materiais que são importantes para o funcionamento da organização.
  • Ex.: canetas e papéis possuem custo baixo e número de procedimentos pequenos, mas se a necessidade da empresa em compras de matérias primas for algo considerável, a utilização dessa categoria de e-business pode diminuir de 5% a 15% os custos e de 70% a 80% as quantidades de procedimentos
e recruiting
E-Recruiting
  • Seleção de candidatos a uma vaga.
com rcio eletr nico x com rcio tradicional
Comércio Eletrônicox Comércio Tradicional

Cadeia de Valores

Produtor

Distribuidor

Atacadista

Varejista

Consumidor

Objetivo do Comércio Eletrônico

Diminuir as cadeias de valores eliminando intermediários

com rcio eletr nico x transa o comercial convencional
Comércio Eletrônicox Transação Comercial Convencional
  • Etapas de uma transação comercial convencional:
    • Apreciação da Mercadoria: o comprador busca reunir informações a respeito das especificações do produto e a adequação a suas necessidades;
    • Negociação: preços, quantidades, condições e prazos;
com rcio eletr nico x transa o comercial convencional1
Comércio Eletrônicox Transação Comercial Convencional
  • Etapas de uma transação comercial convencional:
    • Pagamento: pagamento à vista ou parcelado, cheque, dinheiro ou cartão de credito;
    • Entrega: prazo para o comprador receber seu produto.
com rcio eletr nico x transa o comercial convencional2
Comércio Eletrônicox Transação Comercial Convencional
  • Etapas de uma transação comercial convencional:
    • Apreciação da Mercadoria
    • Negociação
    • Pagamento
    • Entrega

Como adaptar essas etapas no

comércio eletrônico?

com rcio eletr nico formas de pagamento
Comércio EletrônicoFormas de Pagamento
  • Ligar 0800-xxxxxx e informar os dados necessários.
  • Enviar um fax ou e-mail com as informações necessárias para o comerciante.
com rcio eletr nico formas de pagamento1
Comércio EletrônicoFormas de Pagamento
  • Preencher formulário disponível no site com:
    • Servidor seguro (dispõem de recursos de criptografia para enviar os dados);
    • Servidor inseguro (não utiliza recursos de segurança para transmissão dos dados).
  • Pagamento digital (direto no banco), CyberCash.
com rcio eletr nico formas de pagamento2
Comércio EletrônicoFormas de Pagamento

Problema

Pessoas temem colocar o

número do cartão na rede

Importante

Confiabilidade dos Pagamentos

com rcio eletr nico seguran a
Comércio EletrônicoSegurança
  • Segurança na Identidade:
    • as empresas envolvidas precisam estar seguras de quem está na outra ponta do fluxo de comunicação;
com rcio eletr nico seguran a1
Comércio EletrônicoSegurança
  • Segurança na Privacidade:
    • o fluxo de informação deve ser conhecido somente pelo interlocutor de cada mensagem;
com rcio eletr nico seguran a2
Comércio EletrônicoSegurança
  • Segurança na Informação:
    • garantir que as mensagens sejam reconhecidas pelas partes envolvidas, garantindo que o seu conteúdo não seja negado posteriormente;
com rcio eletr nico seguran a3
Comércio EletrônicoSegurança
  • Segurança nas Transações de Fundos:
    • garantir que os valores das transações não sejam desviados e seu percurso eletrônico possa ser recomposto a qualquer momento.
com rcio eletr nico seguran a4
Comércio EletrônicoSegurança
  • Secure Electronic Transactions (SET)
    • Protocolo único de proteção eletrônica.
    • Desenvolvido em parceria com a Mastercad, Visa, Microsoft, Netscape, IBM.
com rcio eletr nico seguran a5
Comércio EletrônicoSegurança
  • Principais Garantias do SET:
    • Oferece confidencialidade de pagamento e da informação sobre os pedidos;
    • Garante a integridade de todos os dados transmitidos;
    • Oferece autenticação de que um portador de cartão é um usuário legítimo de uma conta;
com rcio eletr nico seguran a6
Comércio EletrônicoSegurança
  • Principais Garantias do SET:
    • Oferece autenticação de que o comerciante pode aceitar pagamentos com cartões bancários através do seu relacionamento com uma instituição financeira;
    • Facilita e encoraja a interoperabilidade entre os fornecedores de software e de rede.
com rcio eletr nico custos
Comércio EletrônicoCustos
  • Pode-se atender a todos os gostos e bolsos.
  • Se for um site simples, sem muito recursos, o custo é baixo.
  • O custo aumenta a medida que se utiliza mais recursos no site.
preparando o neg cio on line
Preparando o Negócio On-Line
  • Análise dos Concorrentes
  • Entendimento do Quarto Canal
  • Paradigmas da Nova Economia
  • Reengenharia do Processo de Negócios
  • Projeto, Desenvolvimento e Implementação do Sistema
an lise dos concorrentes
Análise dos Concorrentes
  • Identificando a concorrência:
    • Procure saber o que sua concorrência quer atingir, qual a meta dela.
    • Como eles mantêm contato com os clientes.
    • Descubra se eles estão somente mantendo as ofertas na internet ou se oferecem algum diferencial.
    • Não copie seu concorrente mas utilize as idéias deles, pois o seu site não pode oferecer menos do que o concorrente está oferecendo.
an lise dos concorrentes1
Análise dos Concorrentes
  • Obtendo informações sobre os concorrentes:
    • Facilidade em adquirir informações diretamente nas páginas dos concorrentes.
    • Facilidade em obter informações dos clientes, é possível questioná-los no próprio site.
    • Assine listas de seus concorrentes e veja o que os clientes estão recebendo e quais as promoções que estão sendo oferecidas.
preparando o neg cio on line1
Preparando o Negócio On-Line
  • Análise dos Concorrentes
  • Entendimento do Quarto Canal
  • Paradigmas da Nova Economia
  • Reengenharia do Processo de Negócios
  • Projeto, Desenvolvimento e Implementação do Sistema
canais tradicionais
Canais tradicionais
  • Face-a-face
  • Correio
  • Telefone
entendimento do quarto canal
Entendimento do Quarto Canal

Os canais são utilizados por um conjunto de organizações independentes que estão envolvidas no processo de tornar um produto ou serviço disponível, para uso ou consumo, para consumidores ou para uma empresa.

entendimento do quarto canal1
Entendimento do Quarto Canal
  • Permite acesso direto do cliente ao fabricante.
    • Reduz custo e distribuição.
  • Funciona 24 horas/dia de segunda a segunda.
  • A venda não se limita a um determinado lugar, pode receber pedidos internacionais desde que esteja preparado para manusear estes tipos de pedidos.
entendimento do quarto canal2
Entendimento do Quarto Canal
  • Evitando conflitos na cadeia de valores
    • Não eliminar a cadeia de valor intermediária.
    • Definir quem vende o que e para quem vende, para que os esforços não fiquem apenas em vendas ao consumidor final.
    • Quando ocorre um conflito entre os canais, todos os parceiros da cadeia ficam abalados e são prejudicados.
entendimento do quarto canal3
Entendimento do Quarto Canal
  • Resolvendo o conflito na cadeia de valores
    • Verificar qual o mercado alvo de cada revendedor e vendedor e conversar entre si para solucionar o problema.
    • Preparar estratégias para os conflitos de canal de forma cautelosa com seus parceiros se você se sentir prejudicado.
entendimento do quarto canal4
Entendimento do Quarto Canal
  • Resolvendo o conflito na cadeia de valores
    • Documentar os conflitos de forma a permanecer calmo e não se tornar emotivo à competição desleal.
    • Definir um limite de tempo para que seus parceiros respondam as suas reclamações em um conflito de canal.
preparando o neg cio on line2
Preparando o Negócio On-Line
  • Análise dos Concorrentes
  • Entendimento do Quarto Canal
  • Paradigmas da Nova Economia
  • Reengenharia do Processo de Negócios
  • Projeto, Desenvolvimento e Implementação do Sistema
paradigmas da nova economia
Paradigmas da Nova Economia
  • Empresa um-a-um
    • Deve existir uma estratégia de marketing um-a-um para a empresa ser bem sucedida na internet.
    • Deve existir, obrigatoriamente, uma personalização em massa.
paradigmas da nova economia1
Paradigmas da Nova Economia
  • Comércio Dinâmico
    • Com constantes mudanças na Internet, deve existir flexibilidade na forma como os negócios são realizados.
    • Flexibilidade da empresa e de seus parceiros.
preparando o neg cio on line3
Preparando o Negócio On-Line
  • Análise dos Concorrentes
  • Entendimento do Quarto Canal
  • Paradigmas da Nova Economia
  • Reengenharia do Processo de Negócios
  • Projeto, Desenvolvimento e Implementação do Sistema
reengenharia do processo de neg cios
Reengenharia do Processo de Negócios
  • Alterando os processos de negócio
    • Informação em tempo real
    • EDI (Electronic Data Interchange)
reengenharia do processo de neg cios1
Reengenharia do Processo de Negócios
  • Introdução à reengenharia de processos de negócio
    • Proporcionar meios para otimizar e aumentar os processos de negócios (tanto para produção como para administração)
    • BPR (Business Process Re-engineering)
reengenharia do processo de neg cios2
Reengenharia do Processo de Negócios
  • Métodos de Reorganização
    • Iniciada pelos Funcionários: pessoas-chaves em toda a empresa.
    • Iniciada pela Estrutura da Empresa: mudanças estruturais faz com que as pessoas sejam remanejadas de forma a se adaptar na nova estrutura.
reengenharia do processo de neg cios3
Reengenharia do Processo de Negócios
  • Sistemas de Planejamento
    • Com o comércio eletrônico as informações sobre a demanda do cliente já estão em forma digital.
    • Há agilidade na atualização dos dados.
    • Existe a necessidade de novos planejamentos para adaptar-se a nova realidade.
reengenharia do processo de neg cios4
Reengenharia do Processo de Negócios
  • Just in time
    • Toda empresa tem como meta o gerenciamento de estoque just-in-time.
    • É necessário para isso: mudar os processos de comunicação entre fornecedor e comprador; alcançar um nível maior de cooperação entre as empresas e trabalhar efetivamente com as entradas e saídas do estoque da empresa.
preparando o neg cio on line4
Preparando o Negócio On-Line
  • Análise dos Concorrentes
  • Entendimento do Quarto Canal
  • Paradigmas da Nova Economia
  • Reengenharia do Processo de Negócios
  • Projeto, Desenvolvimento e Implementação do Sistema
projeto desenvolvimento implementa o identificando o neg cio on line
Projeto/Desenvolvimento/Implementação Identificando o negócio on-line
  • Existem 3 categorias de fornecedores:
    • Bens de consumo digitalizáveis
    • Bens de consumo não-digitalizáveis
    • Serviços
projeto desenvolvimento implementa o identificando o neg cio on line1
Projeto/Desenvolvimento/Implementação Identificando o negócio on-line
  • Bens de consumo digitalizáveis
    • Podem ser distribuídos pela Internet.
    • Exemplos: informações (BD, Pesquisa), softwares (jogos de computadores), música, filmes.
projeto desenvolvimento implementa o identificando o neg cio on line2
Projeto/Desenvolvimento/Implementação Identificando o negócio on-line
  • Bens de consumo não-digitalizáveis
    • Devem ser distribuídos da maneira tradicional.
    • Exemplo: brinquedos, vestuários, material eletrônico.
projeto desenvolvimento implementa o identificando o neg cio on line3
Projeto/Desenvolvimento/Implementação Identificando o negócio on-line
  • Serviços
    • Podem ou não ser digitalizados.
    • Podem ser distribuídos de maneira convencional ou pela Internet, depende do serviço prestado.
    • Exemplo: tradução, propaganda, reservas e vendas de ingresso para espetáculos.
projeto desenvolvimento implementa o an lise do neg cio eletr nico
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoAnálise do Negócio Eletrônico
  • Identificação: identificar o tipo de negócio em que você se encontra.
  • Avaliação: avaliar a internet como o canal de vendas e distribuição.
  • Metas: estabelecer metas realistas para o negócio on-line.
  • Redução: utilizar a internet para reduzir custos.
projeto desenvolvimento implementa o an lise do neg cio eletr nico1
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoAnálise do Negócio Eletrônico
  • Vendas: utilizar a internet para realizar vendas.
  • Localização: colocar seu site em um provedor ou conectar-se a internet.
  • Comercialização: projetar a forma apropriada de comercialização para seus clientes.
  • Traçando o perfil: obter o máximo de informações possíveis de seus clientes.
projeto desenvolvimento implementa o an lise do neg cio eletr nico2
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoAnálise do Negócio Eletrônico
  • Divulgação: anunciar e promover o site.
  • Pagamento: aceitar o pagamento on-line.
  • Aspectos Legais: respeitar as leis internacionais.
projeto desenvolvimento implementa o desenvolvendo um plano de neg cio
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoDesenvolvendo um Plano de Negócio
  • Identificar os clientes atuais: há benefícios para o cliente, mas também haverá um custo para se tornar on-line.
  • Atender novos clientes: a empresa não conhece qual o perfil deles.
  • Verificar qual a Tecnologia a ser utilizada: atualmente as tecnologias têm mudado rapidamente, dessa forma os processos têm que ser adaptáveis a essas mudanças.
projeto desenvolvimento implementa o desenvolvendo um plano de neg cio1
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoDesenvolvendo um Plano de Negócio
  • Conhecer a Concorrência: não existe mais tempo para análise extensa da concorrência.
  • Definir quais os fatores importantes para o público-alvo definido como meta da empresa.
  • Analisar os riscos existentes: servidor de web defeituoso, conexão com a Internet inativa, quebras de segurança, conflito de canais.
projeto desenvolvimento implementa o desenvolvendo um plano de neg cio2
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoDesenvolvendo um Plano de Negócio
  • Definir cronograma: considerando desde a fase inicial até a implantação.
  • Integrar os novos processos (e-business) aos processos já existentes na empresa: o sucesso do e-business depende da integração de forma global desses processos.
projeto desenvolvimento implementa o preparando se p a revolu o eletr nica
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoPreparando-se p/ a revolução Eletrônica

O comércio eletrônico revolucionará a forma como você conduz seus negócios, portanto é necessário o envolvimento de todos na empresa.

projeto desenvolvimento implementa o preparando se p a revolu o eletr nica1
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoPreparando-se p/ a revolução Eletrônica
  • Curso de Internet para os funcionários.
  • Cada departamento deve ter uma pessoa envolvida no plano de negócios.
  • Os funcionários devem desenvolver um página pessoal para se familiarizarem com a Internet.
  • Definir os componentes para fácil adaptação as novas tecnologias.
projeto desenvolvimento implementa o projeto e desenvolvimento

Projeto

Implementação

Análise

Ciclo para Melhoria Contínua

Análise de

Novas

Tecnologias

Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoProjeto e Desenvolvimento
slide90

Processo de Desenvolvimento de Software

Análise de Sistema

Análise de Requisitos

DEFINIÇÃO

Projeto

Codificação

Teste

CONSTRUÇÃO

Entendimento Modificação Revalidação

MANUTENÇÃO

slide91

Processo de Software

Pessoas com

habilidades,

treinamento e

motivação

Processo

de

Desenvolvimento

Ferramentas e

Equipamentos

B

Procedimentos e métodos que definem o relacionamento

de tarefas.

A

D

C

slide92

QUALIDADE

pessoas

requisitos do desenvolvedor

procedimentos

requisitos do usuário

PROCESSO DE SOFTWARE

ferramentas

requisitos da organização

Gerência Eficaz Controle das Atividades

PROCESSO DE SOFTWARE MUITO BEM DEFINIDO

Gerenciamento de Processo

de Software

slide93

Modelos para Avaliação e Melhoria de Processo de Software

  • 1- Ciclo de MelhoramentoPDCA(Shewart)
  • 2 - Modelo IMPACT (ESI**)
  • 3 -Abordagem IDEAL (SEI*)

* (European Software Institute)

** (Software Engineering Institute)

slide94

Modelos para Avaliação e Melhoria de Processo de Software

  • 1- Ciclo de MelhoramentoPDCA(Shewart)
  • 2 - Modelo IMPACT (ESI*)
  • 3 -Abordagem IDEAL (SEI**)

* (European Software Institute)

** (Software Engineering Institute)

1 pdca passos do processo de melhoria
1- PDCA Passos do Processo de Melhoria
  • PDCA - modelo que engloba os 4 estágios do ciclo de melhoria de processo de software

(Plan) - Planejar

( Do) - Realizar

( Check) - Verificar

( Act) - Agir

slide96

Agir

  • Implementar Alterações
  • Determinar Eficiência

Planejar

  • Definir o Problema
  • Estabelecer Objetivos de Melhoria

Verificar

  • Coletar Dados
  • Avaliar Dados

Realizar

  • Identificar possíveis causas dos Problemas
  • Estabelecer Planos

1- PDCA Passos do Processo de Melhoria

A

P

C

D

slide97

1- PDCA Passos do Processo de Melhoria

  • 1- Planejar

- Estimar o processo em relação a um modelo de processo

reconhecido

  • 2- Realizar

- Identificar área potenciais de melhoramentos

- Colocar os objetivos de melhoramento

- Priorizar objetivos de melhoramento

- Definir um plano de ação

- Implementar o plano de ação

slide98

1- PDCA Passos do Processo de Melhoria

  • 3- Verificar

- Validar os melhoramentos em relação aos objetivos

- Avaliar o processo

- Medir eficiência de Processo

  • 4- Agir

- Institucionalizar melhorias

- Sustentar os ganhos de melhoria

slide99

Modelos para Avaliação e Melhoria de Processo de Software

  • 1- Ciclo de Melhoramento PDCA (Shewart)
  • 2 - ModeloIMPACT(ESI**)
  • 3 -Abordagem IDEAL (SEI*)

* (European Software Institute)

** (Software Engineering Institute)

slide100

2- IMPACT Passos do Processo de Melhoria

  • IMPACT - acrônimo que engloba os 6 estágios do ciclo de melhoria de processo de software

( Initiate) - Iniciar

( Measure)- Medir

( Plan) - Planejar

( Act) - Atuar

( Confirm) - Confirmar

( Transfer) - Transferir

slide101

Transferir

Confirmar

Iniciar

Atuar

Medir

Planejar

2- IMPACT Passos do Processo de Melhoria

IMPACT

slide102

2- IMPACT Passos do Processo de Melhoria

  • Iniciar

- Identificação dos objetivos do negócio

  • Medir

- Avaliação de métodos e ferramentas

  • Planejar

- Encenação de modelos de melhoria

  • Atuar

- Orientação de melhoramentos

  • Confirmar

- Focalização no método de avaliação

  • Transferir

- Serviço de treinamento e Informação

slide103

Modelos para Avaliação e Melhoria de Processo de Software

  • 1- Ciclo de Melhoramento PDCA (Shewart)
  • 2 - Modelo IMPACT (ESI**)
  • 3 -AbordagemIDEAL(SEI*)

* (European Software Institute)

** (Software Engineering Institute)

slide104

3- IDEAL Passos do Processo de Melhoria

  • IDEAL - acrônimo que engloba os 5 estágios do ciclo de melhoria de processo de software

( Initiating) - Inicialização

( Diagnosing)- Diagnóstico

( Establishing) - Estabelecimento

( Acting) - Ação

( Leveraging) - Alavacagem

slide105

3- IDEAL Passos do Processo de Melhoria

  • A abordagem IDEAL tem forte relacionamento com TQM (Gerenciamento da Qualidade Total):

- apoio e suporte

- treinamento

- uso de dados para tomada de decisão

- envolvimento dos participantes

- amarrado com os objetivos e necessidades do negócio

- continuidade e envolvimento do cliente

slide106

ALAVANCAGEM

5

Ações futuras

Analisar/ Validar

1

INICIALIZAÇÃO

Implementação

4

Infra-Estrutura

Contexto e Patrocínio

Estímulo

Refinamento

REALIZAÇÃO

Teste Piloto

2

Estado Atual e Desejado

Solução

DIAGNÓSTICO

Recomen-dações

Plano de Ação

3

Prioridades

DIRETRIZES

Abordagem

Fases da Melhoria de Processo de Software

slide107

1

INICIALIZAÇÃO

Infra-Estrutura

Contexto e Patrocínio

Estímulo

3- IDEAL Passos do Processo de Melhoria

  • estímulo para melhoria do processo de software
  • definição do contexto e do patrocinador
  • estabelecimento de infra-estrutura inicial para suporte da melhoria
slide108

3- IDEAL Passos do Processo de Melhoria

  • caracterizar o estadoatual e o estado futuro desejado da organização
  • desenvolver recomendações de como proceder nas fase subseqüentes

2

DIAGNÓSTICO

Estado Atual e Desejado

Recomen-dações

slide109

3- IDEAL Passos do Processo de Melhoria

3

DIRETRIZES

  • colocar prioridades para as alterações
  • desenvolver uma estratégia para realização do trabalho e identificar recursos disponíveis
  • desenvolver um plano de implementação detalhado

Plano de Ação

Prioridades

Abordagem

slide110

3- IDEAL Passos do Processo de Melhoria

  • criar a melhor solução que atenda as necessidades organizacionais identificadas
  • testar a solução criada através de um teste piloto
  • Modificar a solução para refletir o conhecimento, experiência e lições obtidas do teste
  • Implementar a solução em toda a organização

4

REALIZAÇÃO

Teste Piloto

Solução

Refinamento

Implementação

slide111

3- IDEAL Passos do Processo de Melhoria

  • lições são coletadas, analisadas e documen-tadas e as necessidades identificadas na fase de inicialização são reexaminadas para ver se foram atendidas
  • propostas de alterações para melhoria futura são fornecidas

5

ALAVANCAGEM

Analisar/ Validar

Ações futuras

projeto desenvolvimento implementa o projeto e desenvolvimento1

Projeto

Implementação

Análise

Ciclo para Melhoria Contínua

Análise de

Novas

Tecnologias

Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoProjeto e Desenvolvimento

Dados definidos no Plano de Negócios

projeto desenvolvimento implementa o projeto e desenvolvimento2

Projeto

Implementação

Análise

Ciclo para Melhoria Contínua

Análise de

Novas

Tecnologias

Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoProjeto e Desenvolvimento

Definir com aspectos técnicos e processos de negócio.

projeto desenvolvimento implementa o projeto e desenvolvimento3

Projeto

Implementação

Análise

Ciclo para Melhoria Contínua

Análise de

Novas

Tecnologias

Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoProjeto e Desenvolvimento

Implementar o que foi definido no Projeto.

projeto desenvolvimento implementa o projeto e desenvolvimento4

Projeto

Implementação

Análise

Ciclo para Melhoria Contínua

Análise de

Novas

Tecnologias

Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoProjeto e Desenvolvimento

Verificação constante de tecnologias para sempre buscar a melhoria contínua.

projeto desenvolvimento implementa o projeto
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoProjeto
  • Considerações relevantes na fase de projeto:
    • Questões sobre segurança.
    • Quais as tecnologias podem ser utilizadas para a implementação do processo de negócio e quais os processos devem ser redefinidos para tornar-se mais valioso.
    • Apresentação visual do site.
    • Manter uma equipe para avaliar as tecnologias novas e tomar decisões sobre o site, se deve ou não incorporar esses tecnologias.
projeto desenvolvimento implementa o desenvolvimento
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoDesenvolvimento
  • Considerações relevantes na fase de implementação:
    • Encontrar um patrocinador: faça com que uma gerência acompanhe o projeto e saiba explicar os benefícios desta nova forma de negócio.
    • Planejar mudanças: com a nova forma de negócio existirá mudanças a nível organizacional.
    • Definir projeto-piloto: para obter um retorno dos parceiros envolvidos e garantir uma qualidade do sistema.
projeto desenvolvimento implementa o desenvolvimento1
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoDesenvolvimento
  • Considerações relevantes na fase de implementação:
    • Estimar os custos: treinamento, manutenção e suporte irão compor a maioria dos custos.
    • Medir a produtividade: compare os resultados antes e após o projeto piloto.
    • Fazer reengenharia de processos de negócio: torne a tecnologia parte de seu processo de reengenharia de negócios.
projeto desenvolvimento implementa o desenvolvimento2
Projeto/Desenvolvimento/ImplementaçãoDesenvolvimento
  • Considerações relevantes na fase de implementação:
    • Aprender conforme há um avanço: faça os ajustes necessários sempre que necessário.
    • Prepare-se para resistências: ninguém muda da noite para o dia, o mesmo ocorre nas empresas.
projeto desenvolvimento e implementa o do sistema
Projeto, Desenvolvimento e Implementação do Sistema
  • Entrando em Produção
    • Após o projeto-piloto ter sido testado e validado, o site pode ser disponibilizado para o público em geral.
    • Deve-se então divulgar o site. O pessoal de marketing e comunicação deve entrar em ação para garantir a compra e o retorno do cliente ao site (promoções ?).
projeto desenvolvimento e implementa o do sistema1
Projeto, Desenvolvimento e Implementação do Sistema
  • Conectando a Intranet
    • Antes de conectar-se a Internet, uma Intranet deve estar funcionando na empresa.
    • Com a Intranet os processos internos da empresa são agilizados.
    • Ligando a Intranet com a Internet a empresa têm um ganho maior (processos mais rápidos, nova forma de atendimento ao cliente).
projeto desenvolvimento e implementa o do sistema2
Projeto, Desenvolvimento e Implementação do Sistema
  • Verificando os Resultados
    • No comércio eletrônico como os dados já estão digitalizados fica mais fácil emitir relatórios e mais fácil analisar diariamente/semanalmente o movimento da empresa. Esses dados podem ser obtidos a qualquer momento após a introdução do site na Web e, com isso é possível verificar quais as medidas necessárias para que o site possa ser melhorado.
tend ncias
Tendências
  • One-to-One Marketing: personalizar as consultas do cliente no site.
  • Produção “Build to order” e “Mass Customization”: produzir seguindo conforme as especificações do cliente.
tend ncias1
Tendências
  • Customer Care: cuidar bem do cliente, antecipando suas necessidades.
  • Integração da Cadeia de Fornecimento: integrar clientes, sites de comércio eletrônico, fornecedores e terceiros.
  • Middleware: integrar todos os processos existentes que estão em plataformas diferentes.
tend ncias2
Tendências
  • Just-in-time: fabricar os produtos em função de pedidos específicos, diminuindo assim o estoque da empresa.
  • Arquitetura modular: possibilita a implementação de soluções escaláveis, que possam começar com um tamanho reduzido e ser gradativamente expandidas.
  • Agentes Inteligentes e Regras de Negócio: facilita as modificações dos novos produtos e promoções.
tend ncias3
Tendências
  • Regras de negócio são encapsuladas pelos agentes, que são responsáveis pelo perfil do cliente, auxiliar a configuração do produto, etc.
  • Agentes de software são componentes de software e/ou hardware, que são capazes de agir, executando tarefas em benefício do usuário.
conclus es sobre os aspectos do com rcio eletr nico
Conclusões sobre os aspectos do Comércio Eletrônico
  • Seleção dinâmica de itens
    • Determinação de requisitos através de perguntas estratégicas.
    • Associação da necessidade do cliente aos itens que melhor se aplicam.
    • Recomendação automática de itens.
conclus es sobre os aspectos do com rcio eletr nico1
Conclusões sobre os aspectos do Comércio Eletrônico
  • Controle da oferta de itens
    • Priorização da oferta de itens.
    • Sugestão de itens alternativos caso o item desejado pelo cliente não se encontre disponível.
conclus es sobre os aspectos do com rcio eletr nico2
Conclusões sobre os aspectos do Comércio Eletrônico
  • Configuração
    • Configuração automatizada de produtos e serviços.
    • Seleção dinâmica de opções com base em regras de configuração.
conclus es sobre os aspectos do com rcio eletr nico3
Conclusões sobre os aspectos do Comércio Eletrônico
  • Promoção
    • Determinação automatizada de preços e descontos através de regras de negócios.
    • Possibilidade de personalizar programas de descontos de forma única para cada usuário.
conclus es
Conclusões
  • Mercado promissor.
  • Pesquisas mostram que os usuários estão comprando pela Internet e existe um interesse nesta nova forma de negócio.
  • Marketing é diferente do convencional.
  • Tecnologias atuais já suportam essa nova tendência.
conclus es 10 princ pios da nova economia
Conclusões10 princípios da nova economia

1 – Conteúdo: processar informação é dramaticamente mais poderoso e mais barato do que movimentar produtos tangíveis. Portanto, o valor de uma empresa não está somente no seu patrimônio contábil, mas nos aspectos intangíveis de seu negócio, isto é, pessoas, idéias e o conjunto estratégico composto pela informação disponível.

conclus es 10 princ pios da nova economia1
Conclusões10 princípios da nova economia

2 – Espaço: a distância física está desaparecendo. Com isso as oportunidades aumentaram quando o mundo conectado passa a ser potencial consumidor. No entanto, a concorrência também aumentou, quando um mundo de empresas disputa estes consumidores. As oportunidades e as ameaças nunca foram tão grandes.

conclus es 10 princ pios da nova economia2
Conclusões10 princípios da nova economia

3 – Tempo: o tempo nunca foi tão curto. No ambiente Internet, interatividade é fundamental, onde respostas imediatas e a capacidade de aprendizado e adaptação da empresa no mercado são os únicos diferenciais competitivos. Neste cenário as empresas vencedoras aceitam as constantes mudanças; e, são rápidas e eficientes em rever e reconstruir seus processos e produtos.

conclus es 10 princ pios da nova economia3
Conclusões10 princípios da nova economia

4 – Pessoas: o valor real do negócio é criado à partir de boas idéias e da tecnologia e modelos de negócio que elas geram. Os profissionais que têm essa capacidade de trabalho possuem valor inestimável; e os métodos de seleção e recrutamento deles passam por grandes transformações.

conclus es 10 princ pios da nova economia4
Conclusões10 princípios da nova economia

5 – Crescimento: a Internet pode dar um enorme impulso a qualquer produto ou serviço. A facilidade de comunicação gera consciência do produto com velocidade, tornando o meio bastante promissor para os novos entrantes.

conclus es 10 princ pios da nova economia5
Conclusões10 princípios da nova economia

6 – Valor: o valor cresce exponencialmente com participação de mercado e está mais presente em produtos que ajudam a estabelecer um novo padrão ou plataforma. O mundo conectado agrega mais valor a produtos e serviços encontrados pela rede.

conclus es 10 princ pios da nova economia6
Conclusões10 princípios da nova economia

7 – Eficiência: O intermediário eletrônico desempenha um importante papel quanto à obtenção de eficiência de mercado, através de coleta, filtragem e processamento de informações relevantes a consumidores e empresas.

conclus es 10 princ pios da nova economia7
Conclusões10 princípios da nova economia

8 – Mercados: o mercado da nova economia é composto por compradores cada vez mais poderosos e vendedores com mais oportunidades. De um lado, o consumidor já não precisa mais ir à rua ou ao shopping para comparar preços, agentes inteligentes já ajudam compradores a encontrar a melhor oferta. Do outro lado, a concorrente de uma empresa pode estar a um click de distância.

conclus es 10 princ pios da nova economia8
Conclusões10 princípios da nova economia

9 – Transações: as transações são pessoais, direcionadas ao consumidor. Como a informação já é uma parte substancial do valor total de um bem ou serviço e esta é personalizável, as ofertas passam a ser de acordo com o perfil do consumidor.

conclus es 10 princ pios da nova economia9
Conclusões10 princípios da nova economia

10 – Impulso: o hiato entre desejo e ação diminuiu bastante. Qualquer produto está disponível, uma vez que a “prateleira” da Internet não tem limites. Como conseqüência os processos de marketing, vendas e atendimento do pedido tornam-se um único processo.

slide143

ESTATÍSTICAS ATUAIS DO VAREJO “Varejo eletrônico deve crescer 30% em 2005” MARCELO BILLI da Folha de S.Paulo 25/09/2005 - 09h14

www.oderson.com

varejo eletr nico
Varejo eletrônico
  • Vendas devem chegar a R$ 9,8 bilhões (alta de mais de 30% em relação a 2004).
  • As transações on-line ainda representam menos de 1% do varejo total, porém avançam em ritmo acelerado.
  • Nos EUA, onde o varejo on-line já chega a US$ 100 bilhões anuais, não representa mais do que 5% do varejo total.
varejo eletr nico1
Varejo eletrônico
  • No primeiro semestre as transações eletrônicas envolvendo consumidores finais totalizaram R$ 4,6 bilhões.
  • Distribuição:
    • 62% - compras de veículos.
    • 23,12% - bens de consumo.
    • 14,4% - compras de serviços de turismo.
    • Pesquisa feita pela e-Consulting em parceria com a Câmara-e.net.
como explicar o crescimento
Como explicar o crescimento?
  • Aumento do número de internautas.
  • O relatório "Insider Information", da e-Consulting, mostra que o número de usuários de internet deve chegar a 25 milhões (alta de 20% sobre 2004).
como explicar o crescimento1
Como explicar o crescimento?
  • O valor médio das compras não mudou entre 2005 e 2004.
  • O aumento de faturamento do setor ocorreu pela adesão de mais usuários.
  • Relatório da e-Bit (consultoria de marketing on-line):
    • os consumidores que compram pela internet gastam em média R$300.
mudan a de perfil
Mudança de perfil
  • Pesquisa e-Bit:
    • primeiro semestre do ano passado: CDs, DVDs e livros representavam cerca de 48% do total das vendas do varejo virtual.
    • em 2005, a participação desses itens caiu para 39%. Ganharam espaço eletrônicos, produtos de beleza e eletrodomésticos.
virtual x real
Virtual x Real
  • Em lojas que têm tanto pontos reais como sites, o valor médio das compras atinge valores até 10 vezes maiores nas transações virtuais.
  • A renda média de quem compra on-line está hoje em torno de R$ 4.000.
estat sticas brasil
Estatísticas - Brasil
  • 10 lojas respondem por mais de 70% de todas as vendas feitas pela internet.
  • 10 milhões utilizam serviços bancários pela internet.
    • Menos da metade desses usuários compra na Internet.
  • 11,4 milhões de internautas residenciais (Ibope/NetRatings).
americanas com
Americanas.com
  • 2003: prejuízo de R$498 mil.
  • 2004: lucro de R$22,6 milhões.
  • 2005 até junho: 7,7 milhões.
extra com
Extra.com
  • Amélia fechou em 2001.
  • Entre todas as lojas Extra (75), Extra.com é a melhor em vendas.
  • Sistema de vigília ao concorrente.
    • Acompanha preços e promoções dos rivais.