slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
UniverCidade - Turismo Transporte II Prof. Cristina Rodrigues Prof. George Irmes

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 56

UniverCidade - Turismo Transporte II Prof. Cristina Rodrigues Prof. George Irmes - PowerPoint PPT Presentation


  • 174 Views
  • Uploaded on

Turismo - Transporte II. UniverCidade - Turismo Transporte II Prof. Cristina Rodrigues Prof. George Irmes Prof. Nylvando F. Oliveira Jr. Prof. Rogério Schaffer Prof. Selma Azevedo. UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade I – Empresas Aéreas.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'UniverCidade - Turismo Transporte II Prof. Cristina Rodrigues Prof. George Irmes' - caraf


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1
Turismo - Transporte II

UniverCidade - Turismo

Transporte II

Prof. Cristina Rodrigues

Prof. George Irmes

Prof. Nylvando F. Oliveira Jr.

Prof. Rogério Schaffer

Prof. Selma Azevedo

slide2
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade I – Empresas Aéreas

INTRODUÇÃO – O Surgimento da Aviação

Alberto Santos Dumont foi o primeiro aeronauta a voar em público, por duas vezes, em presença de testemunhas oficiais qualificadas para comparar, reconhecer e registrar seus inventos e os direitos comerciais deles decorrentes.

Construiu primeiro o 14 Bis, e posteriormente o Demoiselle, este modelo mais assemelhado as atuais aeronaves. Voou em ambos em demonstrações públicas e previamente programadas.

Outro brasileiro também destacou-se no surgimento da aviação, o sacerdote jesuíta Bartolomeu Lourenço de Gusmão (O Padre Voador), que, no século XVII, perante a Corte portuguesa, em Lisboa, subiu ao ar em seu Passarola, um aerostato ou balão dirigível.

Seu invento foi muito importante porque, mesmo após a industrialização e a comercialização dos aviões, aos quais as grandes distâncias ainda eram inatingíveis, por problemas de impossibilidade de pouso e abastecimento, os dirigíveis – aperfeiçoados por Ferdinand Zeppelin, em 1900, por causa de sua longa autonomia de vôo, realizavam os transportes aéreos de maior alcance.

Assim o Hindenburg e o Graf Zeppelin, em suas rotas aéreas sobre o Atlântico, chegaram a transportar um total de 52.000 passageiros. Mas, os acidentes com o Akron em 1933, com o Macon em 1935, e o Hindenburg em 1936, decretaram o fim dos dirigíveis como transportes regulares de carreira.

slide3
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade I – Empresas Aéreas
  • De 1919 a 1931, inúmeros aviões restantes da Primeira Guerra, passaram a fazer vôos comerciais e científicos, em diversas partes do mundo, com regularidade de rota e horário.
  • Neste período surgiram diversas pequenas empresas aéreas de comercialização regular. E dentre as primeiras rotas semanais destacaram-se Paris/Londres, Toulouse/Casablanca e Leipzig/Berlim.
  • Segundo as datas de sua primeira operação comercial oficial, as empresas internacionais mais antigas do mundo são as seguintes:
  • 1919 – Avianca – Companhia Aérea Nacional Colombiana
  • 1920 – KLM – Companhia Real Holandesa
  • 1923 – Aeroflot – (Russia)
  • 1926 – TWA Western Air Transport (Estados Unidos)
  • 1926 – Lufthansa – (Alemanha)
  • 1927 – Varig – Viação Aérea Rio-Grandense (Brasil)
  • 1927 – Iberia – (Espanha)
slide4
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade I – Empresas Aéreas
  • 1 - Definição de Empresa Aérea:
  • Entidades comerciais que tem como objetivo principal, a exploração dos serviços de transporte aéreo público regular ou não regular de passageiro, carga ou mala postal ou de serviços aéreos especializados.
  • 1.1 - O que uma empresa aérea oferece?
    • Algo Tangível(algo físico) ou Intangível (não pode ser tocado e manuseado)
    • Serviço - atos prestados por uma empresa ou alguém que geram algum tipo de valor ou benefício ao cliente.
  • 1.2 - Características de Serviços
    • Intangibilidade: É a dificuldade que o cliente tem em avaliar um serviço antes da compra ou consumo.
    • Variabilidade: É a falta de consistência durante a prestação do serviço
    • Simultaneidade: A produção e o consumo do serviço acontecem ao mesmo tempo
    • Perecibilidade: Os serviços são produtos perecíveis, pois não podem ser produzidos e estocados para serem consumidos posteriormente.
slide5
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade I – Empresas Aéreas
  • 1.3 – Classificações em transportes aéreos:
    • Transporte aéreo regular
    • Transporte aéreo não-regular
      • Vôo “Charter”de passageiros – permitida a comercialização dos espaços individuais ao público em geral em duas modalidades:
        • a) IT (“INCLUSIVE TOUR”): incluindo, além do transporte aéreo uma programação terrestre;
        • b) NIT (“NON INCLUSIVE TOUR”): incluindo apenas o transporte aéreo, sem qualquer vinculação a uma programação terrestre.
      • Vôo de Fretamento: –, executado para atender a um contrato de transportesendo vedada a comercialização de espaços individuais ao público em geral,
slide6
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade I – Empresas Aéreas
  • 1.3 – Classificações em transportes aéreos (cont.)
  • 1.3.1 - Classificação quanto ao local em que as empresas aéreas operam:
    • Regional
    • Doméstica
    • Internacional
  • 1.3.2 - Classificação quanto ao conteúdo transportado:
    • Cargueira
    • Passageiros
  • 1.3.3 - Classificação quanto ao seu modelo econômico de atuação:
    • Low Cost ou Baixo Custo
    • Full Service ou Empresas de Carreira
  • 1.4 - Tipos de vôos
    • Vôo Diurno
    • Vôo Noturno
    • Vôo Direto, Sem Escalas ou Non Stop
    • Vôo Com Escalas
    • Vôo Com conexão
slide7
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade I – Empresas Aéreas
  • 1.5 - Tipos de Aeronaves
  • 1.5.1 - Quanto ao tipo de propulsão
    • Hélice
    • Turbo Hélice
    • Jatos
  • 1.5.2 - Quanto à quantidade de motores
    • Monomotor
    • Bimotor
    • Trimotor
    • Quadrimotor
slide8
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade I – Empresas Aéreas
  • 1.6 - Configuração Interna de uma aeronave
    • O espaço interno de um avião é dividido entre as classes de serviços de passageiros e áreas funcionais como a cabine de comando, cozinhas e lavatórios.
  • 1.6.1 - Classes de serviços
    • Vôos domésticos de curta duração ou destinos de baixo preço:
      • Uma classe de serviço – Classe Econômica somente.
    • Vôos domésticos:
      • Duas Classes de serviço – Primeira Classe ou Classe Executiva e Classe Econômica.
    • Vôos Internacionais:
      • Duas classes de serviço – Executiva e Classe Econômica.
      • Três classes de serviço - Primeira Classe, Executiva e Classe Econômica.
      • Quatro classes de serviço - Primeira Classe, Executiva e Classe Econômica premium e Classe Econômica regular – Exclusividade da British Airways.
slide9
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade I – Empresas Aéreas
  • 1.6.2 - Configuração Interna de uma aeronave (cont.) – Mapa de assentos de um 777
  • As poltronas de avião estão divididas em fileiras alfanuméricas, sendo a “letra” correspondendo à fileira horizontal e o “número” à fileira vertical. Através do cruzamento destas informações podemos localizar a poltrona de um passageiro.
  • PRIMEIRA CLASSE: F / P / A
  • Fileiras: 1 a 4 - Número de Assentos: 15
  • EXECUTIVA: J / C / U / D / ZFileiras: 9 a 13 - Número de Assentos: 35
  • ECONÔMICA: Y / B / K / M / H / Q / L / V / W / S
  • Fileiras: 20 a 44 - Número de Assentos: 190
  • Galley – Cozinha
  • Lav. – Lavatório
  • VOC – Área de descanso da tripulação
  • V ou Vídeo Display – Telas de projeção
  • Closet - Armário
slide10
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade I – Empresas Aéreas
  • 1.7 - Tipos de serviços de bordo
  • 1.7.1 - Primeira Classe: É o Top de Linha do serviço de bordo, é a melhor classe de serviço. É nela que as empresas aéreas fazem o maior investimento em tecnologias e amenidades para o conforto do passageiro.
  • 1.7.2Classe Executiva: É a classe intermediária. Também desenhada para proporcionar alto conforto ao passageiro, porém sem o alto grau de sofisticação da Primeira Classe.
  • 1.7.3 - Classe Econômica ou Turística: é o que podemos chamar de classe popular. Aqui encontramos os menores preços, a maior quantidade de assentos no avião, serviço de bordo mais simples e um menor investimento em tecnologias e conforto a bordo.
  • - Diferenças dos serviços:
    • A Bordo
    • Em Terra
    • Perfil do Passageiro
slide11
UniverCidade - Turismo - Transporte II - Unidade I – Empresas Aéreas
  • 1.8 – Parcerias e Alianças
    • A Globalização é uma realidade.
    • Atender o mercado globalizado é inviável para as empresas aéreas
      • Soluções: alianças e parcerias como os code shares.
  • 1.8.1 – Alianças - são parceiras e acordos firmados entre várias empresas aéreas com o objetivo de oferecer uma malha aérea global e uma gama de serviços e benefícios que não podem ser oferecidos por uma empresa somente.
    • Vantagens
    • Desvantagens
  • 1.8.2 – Atuais Alianças
  • 1.8.3 - Code Share – acordo entre duas empresas aéreas somente em que as duas empresas comercializam um determinado vôo como se fosse seu, mas o serviço é prestado por uma das empresas, com características semelhantes as alianças

&

slide12
UniverCidade - Turismo - Transporte II - Unidade I – Empresas Aéreas
  • 1.9 - Programa de Fidelidade ou Milhas
    • Conceito – É um programa de relacionamento entre as empresas aéreas e seus clientes.
  • 1.9.1 –Objetivos
  • 1.9.2 - Como funciona – Milhas, Pontos ou Trechos voados
  • 1.9.3 - Como acumular milhas
  • 1.9.4 - Como funciona nas alianças
  • 1.9.5 -Categorias ou Status
  • 1.9.6 -Quanto maior o status do passageiro, maiores serão os benefícios
  • 1.9.4 – Prêmios
slide13
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica
  • 2.2 – História da Legislação Aérea:
  • Convenção de Varsóvia, de 12.10.29 e seus Protocolos de Haia, Guatemala e Montreal. = Tratava da unificação de regras relativas ao transporte aéreo internacional
  • Convenção de Chicago, de 07.12.44 e seus protocolos para emenda a essa Convenção.= Tratou da uniformização de regulamentos, padrões, normas, organização e procedimentos relativos às aeronaves, tripulantes, aerovias e serviços auxiliares, tais como:
      • Sobrevoar territórios dos países assinantes da Convenção, serviços aéreos, alfandegários, regulamentos do ar.
      • Nacionalidade da aeronave, investigação de acidentes.
      • Documentos, reconhecimentos de certificados e licenças.
      • Procedimentos padronizados internacionais.
      • Assistência técnica, financeira, estatística.
  • Em 1945 foi criada a IATA – International Air Transport Assocciation. Associação não governamental da qual participam empresas de transporte aéreo, padronizando os procedimentos entre as empresas aéreas
slide14
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.2 – História da Legislação Aérea (cont.)
  • No Brasil, como resultado desse procedimento, na prática, toda comercialização do transporte aéreo internacional de passageiro e de carga está subordinada às regras e mecanismos da IATA, cujas Resoluções são aprovadas pela ANAC (Agência Nacaional de Aviação Civil) e dessa forma incorporadas à legislação interna do País.
  • Em 1947, foi fundada a International Civil Aviation Organization (ICAO), o que significa Organização da Aviação Civil Internacional, faz parte da ONU e tem objetivos o desenvolvimento e planejamento do transporte aéreo internacional.
  • 2.3 – Acordos Bilaterais
    • Cada país designa a sua empresa de transporte aéreo regular, podendo haver mais de uma empresa de bandeira, ou seja, da nacionalidade do país em questão.
    • O acordo determina quais serão os direitos que esta ou estas empresas terão no outro país, como:
      • Quais serão as cidades e/ou aeroportos que serão servidos.
      • Qual a freqüência dos vôos – dias e quantos vôos por semana.
      • Qual o horário do vôo.
      • Qual a rota a ser voada.
    • Estes direitos de tráfego aéreo são conhecidos como “As Liberdades do Ar”.
slide15
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.3.1 – Acordos Bilaterais – As Liberdades do Ar
    • Primeira Liberdade - liberdade de sobrevôo sem escalas
    • Segunda Liberdade - liberdade de escalas técnicas –
    • Terceira Liberdade - Liberdade de transportar passageiros e cargas, geradores de receitas, entre o país doméstico e outro país.
    • Quarta Liberdade – Liberdade de transportar passageiros e cargas, geradores de receitas, entre um outro país e o país doméstico
    • Quinta Liberdade – Liberdade de transportar passageiros e cargas, geradores de receita, entre dois países, não sendo ela de bandeira de nenhum destes dois países.
    • A Quinta Liberdade pode ser:
      • Pleno – a companhia aérea pode transportar quantos passageiros quiser durante o ano.
      • De cotas – a companhia aérea é limitada a transportar um determinado número de passageiros por ano, não entrando na cota os passageiros gratuitos, tripulação, etc.
  • 2.3.2 – Liberdades dentro da Comunidade Européia
    • Atualmente, dentro da Comunidade Européia, as empresas aéreas operam livremente dentro do que se denomina “Open Skies – Céus Abertos.
slide16
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.5 – Portaria 676/ GC5
  • As Condições do Transporte Aéreo estão dispostas em doze capítulos e subdivididos em diversas seções, como segue:
  • Capítulo I – Do Contrato de Transporte Aéreo
  • Capítulo II – Do Transporte de Pessoas
    • Seção I – Do Bilhete de Passagem
    • Seção II – Do endosso
    • Seção III – Do reembolso
    • Seção IV – Da Confirmação e Cancelamento da Reserva
    • Seção V – Do Extravio
    • Seção VI – Da apresentação do Passageiro
    • Seção VII - Da Lista de Espera
    • Seção VIII – Do Transporte de Idosos, Doentes, Deficientes Físicos e Mentais, Menores Acompanhados e Desacompanhados
    • Seção IX – Das alterações no Contrato de Transporte
    • Seção X – Dos Vôos Charters Domésticos
  • Capítulo III – Do Transporte de Coisas
    • Seção I – Da Bagagem
    • Seção II – Da Franquia de Bagagem
    • Seção III – Do Excesso de Bagagem
    • Seção IV – Da Bagagem de Mão
    • Seção V – Do Transporte de Animais Vivos
    • Seção VI – Do Transporte de Artigos Perigosos
  • Capítulo IV – Do Transporte de Carga
  • Capítulo V – Das Vendas
    • Seção I – Das Tarifas de Passagens Aéreas
    • Seção II – Das Comissões Pagas pelo Transportador
  • Capítulo VI - Dos Deveres dos Passageiros
  • Capítulo VII – Da Disciplina a Bordo
  • Capítulo VIII – Das Proibições ao Transportador
  • Capítulo IX – Das Providências Administrativas
  • Capítulo X – Da responsabilidade do Transportador
  • Capítulo XI – Do Procedimento Amigável para o Pagamento de Reparações
  • Capítulo XII – Das Disposições Gerais e Finais
slide17
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.5 – Portaria 676/ GC5 (cont)
  • Abordaremos aqui os capítulos mais importantes:
  • 2.5.1 - Capítulo I - Do Contrato de Transporte Aéreo
    • Art. 1o O transporte aéreo de pessoas, de coisas e de cargas será realizado mediante contrato entre o transportador e o usuário.
    • Parágrafo único. Constituem provas do contrato de transporte aéreo: o bilhete de passagem para o transporte de pessoas, a nota de bagagem para o transporte de coisas e o conhecimento aéreo para o transporte de cargas.
    • Nota: O bilhete de passagem é o contrato de serviço de transporte aéreo firmado entre o passageiro e a empresa aérea no ato da sua compra.
    • Ao emitir uma passagem, tanto o passageiro como a empresa aérea, aceitam os termos e condições previstos em lei.
slide18
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.5 – Portaria 676/ GC5 (Cont.)
  • 2.5.1 - Capítulo I - Do Transporte de pessoas
    • Seção VII - Da Lista de Espera
      • Art. 17. O passageiro que não comparecer ao embarque, ou não se apresentar no horário previsto no artigo anterior, terá sua vaga preenchida por passageiro inscrito em lista de espera.
    • Seção IX - Das Alterações no Contrato de Transporte
      • Art. 21. Quando o passageiro solicitar alteração no itinerário original da viagem, antes ou após o seu início, dentro do prazo de validade do bilhete de passagem, o transportador deverá substituir o bilhete, podendo realizar os ajustes de tarifas ou variações cambiais ocorridas no período de sua validade.
      • Art. 22. Quando o transportador cancelar o vôo, ou este sofrer atraso, ou, ainda, houver preterição por excesso de passageiros, a empresa aérea deverá acomodar os passageiros com reserva confirmada em outro vôo, próprio ou de congênere, no prazo máximo de 4 (quatro) horas do horário estabelecido no bilhete de passagem aérea.
      • 1o Caso este prazo não possa ser cumprido, o usuário poderá optar entre: viajar em outro vôo, pelo endosso ou reembolso do bilhete de passagem.
      • 2o Caso o usuário concorde em viajar em outro vôo do mesmo dia ou do dia seguinte, a transportadora deverá proporcionar-lhe as facilidades de comunicação, hospedagem e alimentação em locais adequados, bem como o transporte de e para o aeroporto, se for o caso.
slide19
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.5 – Portaria 676/ GC5 (Cont.)
  • 2.5.2 - Capítulo III - Do Transporte de Coisas
    • Seção I - Da Bagagem
      • Art. 32. No transporte de bagagem, o transportador é obrigado a entregar ao passageiro o comprovante do despacho com a indicação do lugar e a data de emissão, os pontos de partida e destino, o número do bilhete de passagem, a quantidade, o peso e o valor declarado dos volumes, se houver.
      • Parágrafo único. A execução do contrato inicia-se com a entrega deste comprovante e termina com o recebimento da bagagem pelo passageiro, sem o protesto oportuno.
      • Art. 33. O recebimento da bagagem, sem protesto, faz presumir o seu bom estado.
      • Art. 35. A bagagem será considerada extraviada se não for entregue ao passageiro no ponto de destino.
      • 1o A bagagem extraviada, quando encontrada, deverá ser entregue pelo transportador no local de origem ou de destino do passageiro, de acordo com o endereço fornecido pelo passageiro.
      • 2o A bagagem só poderá permanecer na condição de extraviada por um período máximo de 30 (trinta) dias, quando então a empresa deverá proceder a devida indenização ao passageiro.
slide20
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.5 – Portaria 676/ GC5 (Cont.)
  • 2.5.2 - Capítulo III - Do Transporte de Coisas (cont.)
    • Seção I - Da Bagagem (cont.)
      • Art. 36. A bagagem despachada não poderá conter artigos classificados como perigosos para o transporte aéreo, descritos na Seção VI deste Capítulo, bem como deverão ser observadas as restrições e instruções especiais para o transporte de armas tratadas em legislação específica.
    • Seção II - Da Franquia de Bagagem
      • Art. 37. Nas linhas domésticas, a franquia mínima de bagagem por passageiro é de:
  • a) 30 (trinta) quilos para a primeira classe.
  • b) 23 (vinte e três) quilos para as demais classes.
  • c) 10 (dez) quilos para as aeronaves de até 20 (vinte) assentos.
      • Art. 38. Nas linhas internacionais, o franqueamento de bagagem será feito pelo sistema de peça ou peso, segundo o critério adotado em cada área e na conformidade com a regulamentação específica.
      • Art. 39. Nas linhas domésticas em conexão com linhas internacionais, quando conjugados os bilhetes de passagem, prevalecerá o sistema e o correspondente limite de franquia de bagagem, estabelecido para as viagens internacionais.
slide21
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.5 – Portaria 676/ GC5 (Cont.)
  • 2.5.2 - Capítulo III - Do Transporte de Coisas (cont.)
    • Seção I - Da Bagagem (cont.)
    • Bagagem despachada - transportada sob responsabilidade da empresa aérea, no porão da mesma aeronave utilizada pelo passageiro, e para qual ele recebe como comprovante um documento numerado de identificação
    • Franquia de bagagem
      • Conceito de peças ou Piece Concept (PC) – baseado no número de peças de bagagem transportadas, e na limitação das dimensões destas peças, que é de duas peças com 32 quilos cada.
      • Conceito de peso ou Weigth Concept (WC) – baseado no peso da bagagem transportada.
  • Notas:
    • O conceito varia conforme o roteiro. A Franquia pode variar conforme a empresa aérea e/ou conforme a tarifa paga.
    • Muitas empresas aéreas não despacham alguns artigos na franquia permitida como artigos esportivos e musicais e cobram taxas para despachá-los, mesmo que o passageiro não esteja utilizando a sua cota de franquia de bagagem.
slide22
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.5 – Portaria 676/ GC5 (Cont.)
  • 2.5.2 - Capítulo III - Do Transporte de Coisas (cont.)
    • Seção I - Da Bagagem (cont.)
    • Bagagem não despachada -Transportada pelo passageiro sob sua inteira responsabilidade, na cabine da aeronave. A Bagagem de mão, como normalmente é chamada
    • Deve ter tamanho padrão cuja soma das três dimensões não pode exceder 115cm e não poderá ter mais de 5 quilos (com algumas variações conforme a empresa aérea).
slide23
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.5 – Portaria 676/ GC5 (Cont.)
  • 2.5.3 - Capítulo V - Das Vendas
    • Seção I - Das Tarifas de Passagens Aéreas
      • Art. 52. As empresas de transporte aéreo deverão registrar, na ANAC, as tarifas aéreas domésticas, para aplicação exclusivamente no País, obedecendo ao disposto em regulamentação específica sobre a matéria, e as publicarão em moeda nacional.
      • Art. 53. As empresas de transporte aéreo submeterão à aprovação da ANAC as tarifas aéreas domésticas, para aplicação exclusivamente no exterior, e as publicarão em moeda estrangeira.
      • Art. 54. As tarifas aéreas internacionais serão aplicadas entre pares de cidade e serão aprovadas e publicadas, em dólares americanos, pela ANAC, obedecendo ao disposto nos acordos sobre serviços aéreos firmados pelo governo brasileiro com outros países.
      • Art. 59. Quando a acomodação do passageiro a bordo exigir mais de um assento, poderá o transportador cobrar passagem pelo número de poltronas bloqueadas.
slide24
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.5 – Portaria 676/ GC5 (Cont.)
  • 2.5.4 - Capítulo VI - Dos Deveres dos Passageiros
      • Art. 61. São deveres dos passageiros:
        • apresentar-se, para embarque, munido de documento legal de identificação na hora estabelecida pelo transportador no bilhete de passagem;
        • estar convenientemente trajado e calçado;
        • obedecer os avisos escritos a bordo ou transmitidos pela tripulação;
        • abster-se de atitude que cause incômodo, desconforto ou prejuízo aos demais passageiros;
        • não fumar a bordo;
        • manter desligados aparelhos sonoros, eletrônicos e de telecomunicações, que possam interferir na operação da aeronave ou perturbar a tranqüilidade dos demais passageiros;
        • não fazer uso de bebidas que não sejam aquelas propiciadas pelo serviço de comissaria da empresa transportadora
        • não conduzir artigos perigosos na bagagem;
        • não acomodar a bagagem de mão em local de trânsito dos passageiros ou em locais que interfiram nas saídas de emergência;
        • manter sob sua guarda e vigilância, enquanto permanecer no terminal de passageiros, toda a sua bagagem devidamente identificada; e
        • não transportar bagagem que não seja de sua propriedade ou que desconheça o seu conteúdo.
slide25
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade II – Legislação Aeronáutica
  • 2 – Legislação Aeronáutica (cont.)
  • 2.5 – Portaria 676/ GC5 (Cont.)
  • 2.5.5 - Capítulo VII - Da Disciplina a Bordo
    • Art. 62. O comandante da aeronave exerce autoridade sobre as pessoas e as coisas que se encontram a bordo, podendo, para manter a disciplina a bordo, adotar as seguintes providências:
      • impedir o embarque de passageiro alcoolizado, sob ação de entorpecentes ou de substância que determine dependência psíquica.
      • impedir o embarque de passageiro que não se encontre convenientemente trajado e calçado.
      • fazer desembarcar, na primeira escala, o passageiro que:
        • venha a encontrar-se nas situações referidas nos itens acima.
        • torne-se inconveniente, importunando os demais passageiro.
        • recuse obediência às instruções dadas pela tripulação.
        • comprometa a boa ordem ou a disciplina.
        • ponha em risco a segurança da aeronave ou das pessoas e bens a bordo.
slide26
A - ALFA

J – JULIET

K - KILO

S - SIERRA

B - BRAVO

T - TANGO

L - LIMA

C - CHARLIE

U - UNIFORM

M - MIKE

D - DELTA

V - VICTOR

N - NOVEMBER

E - ECHO

X - X-RAY

O - OSCAR

F - FOXTROT

Y - YANKEE

G - GOLF

P - PAPA

W - WHISKY

Q - QUEBEC

H - HOTEL

Z - ZULU

I - INDIA

R - ROMEU

UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade III – Alfabeto Fonético e Códigos

  • Criados para facilitar e padronizar a comunicação
    • Alfabeto Fonético – Utilizado no caso de soletrar algo para evitar confusões com letras com o mesmo som – B & D.
slide27
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade III – Alfabeto Fonético e Códigos
  • Principais empresas aéreas e seus códigos:
  • Nacionais:
  • Gol - G3 Pantanal - P8 Taba - T2
  • Ocean Air - O6 Tam - JJ Varig - RG
  • Internacionais:
  • Aerolineas Argentinas - AR Air Canada - AC Air France -AF
  • Alitalia - AZ American Airlines - AA Avianca - AV
  • British Airways - BA Continental Airlines - CO Copa - CM
  • Cubana de Aviacion - CU Delta Airlines - DL Ecuatoriana - EU
  • Iberia - IB Japan Airlines - JL KLM - KL
  • Corean Air - KE Lan Chile - LA Lufthansa - LH
  • Lloyd Aereo Boliviano - LB Mexicana - MX Pluna - PU
  • S A S - SK Spanair - JK Swiss - LX
  • South African Airways - SA TAAG - DT
  • United Airlines - UA TAP Air Protugal - TP
slide28
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade IV – Reservas Aéreas
  • 4 – Reservas Aéreas (cont.)
  • 4.1 – Dados necessários de uma reserva aérea:
    • Tenha em mãos as seguintes informações – Mandatório.
      • Itinerário desejado, incluindo origem, destino e possíveis paradas no meio do caminho. Construa um itinerário o mais reto possível, geograficamente falando. Isso pode baratear a tarifa.
      • Datas de saída e chegada em cada cidade.
      • Qual o tipo de classe ou tarifa desejada pelo passageiro.
      • Nomes dos passageiros, iguais aos documentos de identificação como identidade ou passaporte.
      • Telefones de contato do passageiro, agência de turismo ou da pessoa responsável pela reserva.
    • Informações e ações extras em uma reserva:
      • Informar o número do programa de milhagem/fidelidade do passageiro.
      • Reservar do assento, como janela ou corredor.
      • Informar o tipo de alimentação especial, como comida vegetariana, se necessário.
      • Informar, caso haja necessidade, se o passageiro precisa de auxilio para locomoção como uma cadeira de rodas.
      • Informar, se aplicável, que o passageiro necessita de alguma assistência especial como menor desacompanhado, passageiro idoso ou enfermo.
slide29
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade IV – Reservas Aéreas
  • 4 – Reservas Aéreas (cont.)
  • 4.2 – Reserva de grupos:
    • Possuem lugares limitados.
    • Reserva somente na empresa.
    • Mínimo de dez passageiros.
  • 4.3 – Cuidados com uma reserva aérea:
    • A empresa transportadora poderá cancelar a reserva sem nenhum aviso ao passageiro, se o bilhete não for pago até a data limite por ela determinada.
    • Se o passageiro deixar de utilizar uma reserva, a empresa transportadora terá o direito de cancelar todas as reservas de continuação ou retorno
    • Uma reserva só garante o lugar reservado, a reserva não garante o preço em vigor no dia da reserva. Caso haja aumento ou queda no preço, o valor cobrado é o valor no dia da emissão da passagem.
    • As empresas aéreas podem alterar os prazos de emissão previamente acordados conforme a sua conveniência.
slide30
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade IV – Reservas Aéreas

4 – Reservas Aéreas (cont.)

4.4 – Leitura de horários e freqüências de vôos no PanRotas

slide31
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade IV – Reservas Aéreas
  • 4 – Reservas Aéreas (cont.)
  • 4.5 – GDS(Global Distribution System) – Sistemas Globais de Distribuição
    • São grandes empresas, donas de bancos de dados que reúnem informações sobre tarifas, rotas, horários de vôos e disponibilidade de assentos nos aviões de companhias aéreas do mundo todo.
    • As empresas aéreas começaram a desenvolver os seus sistemas de reserva
    • Atualmente existem quatro dos grandes sistemas de reservas no Brasil: Amadeus, Galileu, Sabre e Worldspan
    • Oferecem:
      • Reservas em empresas aéreas.
      • Reservas de carros.
      • Reservas em hotéis, navios.
      • Programas e soluções para o agente de viagem como os sistemas de back office.
slide32
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade IV – Reservas Aéreas
  • 4 – Reservas Aéreas (cont.)
  • 4.6 – Leitura de horários e freqüências de vôos em um sistema Sabre
    • Data 07APR
    • Dia da Semana: FRI
    • Origem/Dif. Fuso Horário Zulu SAO/Z-3
    • Destino/Dis Fuso Horário origem: MIA/‡0
    • Seguimento: 1 – 2 – 3 – 4 –5
    • Empresa Aérea: RG
    • Num. Vôo: 8818
    • Classes de serviço: F4 A0 C7 D2 Z0 J0 Y7 B2 K2 M2 H0 QO L0 V0 WO
    • Origem: GRU
    • Destino: MIA
    • Horário Local Partida: 2355
    • Horário local Chegada: 0700 + 1 (CHEGA NO DIA SEGUINTE)
    • Equipamento: 772
    • Serviço de bordo: M
    • Quantidades de Escalas: 0
slide33
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade IV – Reservas Aéreas
  • 4.7 - Passo a passo de uma reserva GDS:
  • 4.7.1 - Puxe a disponibilidade de lugares entre um par de cidades
    • Neste caso vôos entre São Paulo e Miami no dia 07 de abril com a Varig
slide34
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade IV – Reservas Aéreas
  • 4.7 - Passo a passo de uma reserva GDS (cont.)
  • 4.7.2 - Reserve os vôos e as classes escolhidas.
  • 4.7.3 - Repita as operações anteriores (disponibilidade e reserva do vôo) até completar todo o itinerário desejado
  • 4.7.4 - Tarife e arquive a tarifa na reserva
    • Este não é um campo obrigatório de uma reserva básica. Mas deve ser efetuado sempre que se fizer uma reserva para que se verifique se a classe de serviço reservado seja aplicável a tarifa desejada e se existe prazo de emissão exigido pela empresa aérea.
    • O arquivamento da tarifa é recomendado para que haja um melhor controle por parte do agente de viagens
slide35
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade IV – Reservas Aéreas
  • 4.7 - Passo a passo de uma reserva GDS (cont.)
  • 4.7.5 - Insira os nomes dos passageiros
  • 4.7.6 - Insira os telefones de contato do passageiro, da agência de turismo ou da pessoa responsável da reserva.
  • 4.7.7 - Insira o prazo de emissão ou número do bilhete emitido
slide36
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade IV – Reservas Aéreas
  • 4.7 - Passo a passo de uma reserva GDS (cont.)
  • 4.7.8 - Insira nome da pessoa que efetuou a reserva e nome da agência ou empresa, se for o caso.
  • 4.7.9 - Feche a reserva e obtenha o código localizador (LOC, RELOC OU RECODE LOCATER).
slide37
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade V – Tarifas Aéreas
  • 5 – Tarifas
  • 5.1 – O que é uma tarifa - “Valor cobrado pela empresa aérea conforme a classe de serviço a ser fornecida, para o transporte do passageiro e sua bagagem, na quantidade permitida pela franquia correspondente”.
    • As tarifas aéreas são calculadas entre o ponto de origem e o ponto de destino de uma viagem e existem dois métodos:
      • Sistema de rotas – Cálculo baseado em roteiros pré-definidos.
      • Sistema de milhas – Cálculo baseado na distância percorrida.
    • Nota: Não importa o sistema utilizado, tente montar um itinerário que seja o mais reto possível, geograficamente falando. Isto irá baratear o preço da passagem.
slide38
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade V – Tarifas Aéreas
  • 5.2 – Sistema de rotas – Roteiro pré-definido pela empresa aérea e cada roteiro demonstra qual o caminho que pode ser percorrido na aplicação da tarifa aérea.
  • 5.2.1 - Diagramas de Rotas Tarifárias
  • 5.2.1 - Regras para cobrança das Tarifas de passagens domésticas
    • São aplicadas de aeroporto a aeroporto e a sua construção é feita pela soma das distâncias dos percursos.
    • É permitida a construção da tarifa do ponto de partida ao ponto extremo da viagem, quando esta tarifa for menor.
    • Se entre duas cidades não existir tarifa publicada, esta será construída somando-se as tarifas dos trechos do ponto de origem ao de conexão e deste ao ponto de destino.
slide39
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade V – Tarifas Aéreas
  • 5.3 – Sistema de Milhas – No sistema de milhas, o cálculo da tarifa é feito sobre as distâncias voadas entre cidades. É o sistema utilizado no cálculo das tarifas internacionais.
  • 5.3.1 – Como Funciona em um roteiro básico
    • Cada empresa aérea define o valor que que cobrar entre duas cidades e se o itinerário que o passageiro precisa fazer, incluindo paradas voluntárias e conexões, estiverem dentro da milhagem permitida, é cobrada o preço entre a origem e o destino.
    • A IATA define qual é a milhagem real entre duas cidade e qual é o máximo de milhas permitidas (somatório de todos os trechos voados) que o passageiro poderá utilizar até o seu destino.
    • Cada trecho voado possui a sua milhagem real.
    • Cada trecho voado é somado e o resultado é comparado ao máximo de milhas permitidas entre a origem e destino.
    • Se o valor das milhas voadas for igual ou menor, o preço aplicado é o da cidade de origem com a cidade de destino.
    • Se o valor das milhas voadas for maior, podem ser cobrados excessos de milhas nos valores 5%, 10%, 15%, 20% e 25%, conforme a proporção de milhas que ultrapassaram este limite.
    • Se o excesso for muito alto e ultrapassar os 25%, é necessário se cobrar a tarifa em duas ou mais partes.
slide40
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade V – Tarifas Aéreas
  • 5.3.2 – Exemplo:
  • - Sem excesso de milhas - Rio de Janeiro e Nova York
    • A milhagem real entre o Rio e Nova York é de 4884 milhas e o máximo permitido é de 5874 milhas.
    • Se o passageiro fizer um vôo direto entre o Rio e Nova York irá voar 4884 milhas.
    • Mas se o passageiro tiver que fazer uma conexão em Miami, irá voar a soma das milhas reais entre o Rio e Miami e entre Miami e Nova York (4179 + 1092) 5271 milhas. Como este valor está abaixo do valor máximo, a tarifa cobrada é a do Rio para Nova York e o passageiro pode parar em Miami se a regra da tarifa da empresa aérea permitir.
  • Com excesso de milhas - Rio de Janeiro e Orlando
    • A milhagem real entre o Rio e Orlando é de 4380 milhas e o máximo permitido é de 5256milhas.
    • Se o passageiro tiver que fazer uma conexão em Nova York, irá voar a soma das milhas reais entre o Rio e Nova York e entre Nova York e Orlando(4884 + 938) 5822 milhas, excedendo em 15% o máximo permitido e estes 15% de excesso são cobradas na tarifa. Ou seja, para ir do Rio de Janeiro para Orlando via Nova York, será cobrada a tarifa entre o Rio e Orlando mais 15%, referente ao excesso de milhas voadas.
    • Se este valor ultrapassar os 25% de excesso de milhas, será necessário cobrar uma Rio/Nova York + Nova York/Orlando.
slide41
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade V – Tarifas Aéreas
  • 5.4 – Tipos de Tarifas
    • Ida ou One Way (OW) – Tarifa calculada entre a origem e o destino somente.
    • Ida e Volta ou Round Trip (RT) – Tarifa calculada entre a origem e o destino, prevendo o retorno a cidade ou país de origem.
    • Normal, Cheia ou Full Fares – São tarifas sem restrições - Tarifas IATA -. Conhecida como tarifa “YY”, normalmente é uma tarifa mais alta, porém com poucas restrições.
    • Promocionais – São as tarifas mais baratas e com restrições. Quanto mais barata for a tarifa, mais restrita ela será.
      • Passes - Diversas empresas aéreas têm um programa de passes que permite ao turista estrangeiro a compra de uma passagem sem limites ou com poucas limitações de viagens durante a sua estadia no país que está visitando. Os bilhetes devem ser comprados no exterior e em conjunto com um bilhete internacional de ida e volta.
      • Ponto a Ponto ou Apex – Muito restritivas (PEX/APEX/SUPERPEX)
      • Excursão – Menos Restritivas ( EE / E)
slide42
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade V – Tarifas Aéreas
  • 5.5 – Definições de termos técnicos de uma tarifa
  • Paradas (Stopover) – Parada em cidade intermediária, por mais de 24 horas em vôos internacionais e 4 horas em vôos domésticos
  • Side Trip – Entre a origem e o destino, o passageiro passa em uma mesma cidade mais de uma vez.
  • Open Jaw – Acontece principalmente nas viagens internacionais, quando o passageiro sai de uma cidade no seu país e retorna para outra cidade ou quando ele chega e sai de cidades diferentes no país de destino, mas a tarifa é considerada como de ida e volta. O Open Jaw pode ser na origem, no destino ou em ambos
    • Open Jaw na origem: RIO – MIA – SAO
    • Open Jaw no destino: RIO – MIA // NYC – RIO
    • Open Jaw na origem e no destino: RIO – MIA // NYC – SÃO
  • Circle Trip – Qualquer viagem que inclua mais de um destino, retornando ao mesmo ponto de partida. EX: RIO / SSA / BSB / RIO
  • Ponto de Quebraou Construção – É o ponto onde a tarifa foi quebrada ou seja, onde foi cobrada e geralmente é o ponto mais distante da rota ou o ponto de retorno de um itinerário.
  • EX: RIO / MIA / BOS 1000.00 Y MIA / RIO 1000.00 Y
slide43
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade V – Tarifas Aéreas
  • 5.6 – Elementos de uma tarifa promocional
    • Penalidades (Penalty) – Prevê se a tarifa aplicada possui multas para alterações de datas e/ou itinerários.
    • Reserva e Emissão (Reservation/Ticketing) – Prevê se existem prazos de antecedência de compra antes da viagem ou limite de tempo para a compra após a reserva feita.
    • Mínimo de estada (Minimun Stay) – Pode limitar a permanência no destino por um período mínimo.
    • Máximo de estada (Maximun Stay) - Pode limitar a permanência no destino por um período máximo.
    • Temporada (Season) – Limita ou determina o período do ano em que a tarifa é aplicada, como baixa ou alta temporada.
    • Blackout – Limita ou proíbe a utilização da tarifa por um período.
    • Restrição de Emissão (Ticket Restrictions) – Prevê ou restringe a utilização de PTA, MCO ou MPD como forma de emissão.
    • Descontos (Discounts) – Prevê os descontos aplicados para crianças, idosos, militares, estudantes e outros. A lei brasileira prevê desconto de 90% sobre a tarifa de adulto para crianças com menos de 2 anos. Crianças de 2 a 12anos incompletos ficam a critério das empresas aéreas e o desconto geralmente é de 25%.
    • Transferências e Conexões (Transfers) – Prevê a quantidade máxima de conexões entre a origem e destino.
    • Reemissão ou reitineração (Reroute) – Regulamente a possibilidade de reemitir ou alterar o itinerário original, que já podem estar previstas no item “Penalidades”.
slide44
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade V – Tarifas Aéreas
  • 5.6 – Elementos de uma tarifa promocional (cont.)
    • Paradas (Stopover) – Prevê quantas paradas são permitidas e se é cobrado algum valor adicional.
    • Side Trip – Prevê se o passageiro pode retransitar pela mesma cidade.
    • Open Jaw – Prevê se a tarifa permite ou não que os pontos de origem e/ou destinos não sejam os mesmos.
    • Co-Terminals – Prevê se aeroportos em uma mesma região são considerados como a mesma cidade.
    • Circle Trip – Prevê a possibilidade de incluir outros destinos na mesma tarifa.
slide45
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade V – Tarifas Aéreas
  • 5.7 – Leitura de uma regra tarifária
  • Geralmente a base tarifária, que é o “nome” da tarifa, dá boas indicações sobre as suas regras e condições sem que você tenha que ler as suas regras. Vejamos o exemplo abaixo de uma tarifa da American do Rio de Janeiro para Miami:
  • LHW2MBR
  • L – Classe de reserva.
  • H – High Season (alta temporada) ou L – Low Season (baixa temporada).
  • W – Weekend (válida no final de semana somente) ou X ( meio de semana somente).
  • 2M – Permanência máxima de 2 meses.
  • BR – Só pode ser vendida no Brasil.
slide46
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade V – Tarifas Aéreas
  • 5.8 – Leitura de uma Costela de Tarifas ou Fare Break Down
  • Exemplo de uma Brasília/São Paulo/Chicago/Orlando/Washignton/São Paulo com Varig e United Airlines
  • BSB RG X/SAO Q28.00 UA CHI UA ORL436.00WLPEX UA WAS UA SAO Q28.00 413.50WLPEX 1S60.00 NUC965.50
  • BSB – Brasília.
  • RG – Varig.
  • X/SAO – Conexão em São Paulo.
  • Q28.00 – Taxa de USD 28.00 cobrada pela empresa aérea que pode ser taxa de segurança ou de combustível.
  • UA – United Airlines.
  • CHI – Chicago.
  • ORL – Orlando.
  • BSB/ORL – Perna de Ida.
  • ORL – Ponto de quebra da tarifa WLPEX, valor cobrado US$ 436.00.
  • WAS – Washington.
  • SÃO/ORL – Perna de volta.
  • 1S 60.00 – Foi cobrado uma parada em WAS, por ser a segunda parada por US$ 60.00.
  • WLPEX – Base tarifária.
slide47
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade V – Tarifas Aéreas
  • 5.9 – Validade de uma tarifa - A validade de uma tarifa está ligada a quantidade de dias ou período que o passageiro pode permanecer no seu destino com a tarifa adquirida.
    • Validade de 1 ano – Para determinar a validade de um ano em tarifas normais contamos da data de emissão até o mesmo dia do ano subseqüente.
    • Validade em meses – Para determinar a validade máxima de meses em tarifas promocionais, conta-se do dia do início da viagem até a mesma data do mês correspondente à validade respectiva para início da viagem de retorno. Exemplos:
      • Embarque em 01JAN e um mês de validade – até 01FEB.
      • Embarque em 15MAR e três meses de validade – até 15JUN.
      • Quando a data correspondente à validade não existe no mês de vencimento, teremos as seguintes exceções:
        • Embarque em 31JAN e um mês de validade – até 28 (29) FEB.
        • Embarque em 28 (29) FEB e validade de dois meses – até 30APR.
    • Validade de dias – Para determinar a validade mínima ou máxima em dias de tarifas promocionais, soma-se o número de dias correspondentes à data de chegada no destino:
      • Embarque em 08JUN – validade 14dias – até 22JUN.
      • Embarque em 07JUN – validade 45 dias – 22JUL. Somamos 7 + 45 e diminuímos 30, que é o número de dias do mês.
slide48
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade VI – Emissão de Bilhetes
  • 6.1 – O bilhete aéreo
    • O bilhete aéreo pode ser emitido pela própria empresa aérea, seus prepostos (Agentes Gerais – GSAS que são representantes da empresa) e agências de viagens
    • Principais agentes emissores e suas características:
      • GSA - É o preposto (representante) da cia. Aérea e responde legalmente pela empresa na região em que atua.
      • Consolidadores - É o intermediário comercial, sem vínculos jurídicos ou empregatícios.
      • Operadoras de Turismo – Também é um intermediário, porém as operadoras possuem “tarifas acordo” - geralmente chamadas de “T.O”,
      • Agências de Viagens – As agências de turismo cadastradas na IATA e no BSP podem emitir passagens aéreas desde que autorizado pela mesma.
  • 6.2 – Formulários
    • PTA (Prepaid Ticket Advice) – Pré-pagamento de um bilhete aéreo,
    • MCO (Miscellaneous Charge Order) – Documento expedido pela empresa aérea para cobrir despesas terrestres, serviços da empresa aérea, depósitos de grupos, crédito ou devolução de dinheiro.
    • MPD (Multiple Payment Document) –Tem função semelhante a do MCO. Porém é expedido pela agência de viagens para transações com as empresas aéreas que não estejam cobertas na emissão dos bilhetes como o pagamento de uma multa.
    • TRANSPORTATION VOUCHER – Vouchers emitidos pelas empresas aéreas
slide49
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade VI – Emissão de Bilhetes
  • 6.3 – Bilhete de Papel x Bilhete Eletrônico
    • Vejas as vantagens e desvantagens do E-TICKETS:
      • Vantagens:
        • O passageiro não corre o risco de ser roubado, perder ou esquecer o bilhete.
        • O passageiro pode adquirir o bilhete fora do horário comercial, até no meio da madrugada, se fizer a compra pela internet.
        • O agente de viagens não têm gasto para enviar a passagem aérea para o cliente.
        • A companhia aérea economiza até US$ 10 em comparação aos custos do bilhete de papel, valor que deixa de ser repassado para o passageiro.
        • Não há necessidade de pagamento de taxas em caso de cancelamento de bilhetes impressos.
        • A companhia aérea processa as informações com mais agilidade e não acumula papel.
      • Desvantagens
        • Muitas companhias aéreas não emitem e-tkts quando algum trecho for feito em outra empresa. Nesse caso, todo o trajeto precisa ser emitido em bilhete de papel.
        • Autoridades de imigração de vários países do Oriente Médio não permitem a entrada de passageiros com e-tkts por motivos de segurança. Os fiscais fazem questão de ver o bilhete de volta.
        • Muitos passageiros ainda desconfiam do e-tkts e tem resistência em aceitá-lo
slide50
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade VI – Emissão de Bilhetes
  • 6.4 – Emissão de Bilhete
  • 6.4.1 – BSP (Billing and Settlement Plan)
    • Trata-se de um sistema que simplifica os procedimentos de emissão de bilhetes, vendas, relatórios e pagamentos das agências para as companhias aéreas.
    • Até 1991 = Estoque de bilhetes, produzir relatórios de prestações de contas, retirar faturas, depositar os valores das passagens vendidas e etc para cada empresa aérea.
    • BSP:
      • Bilhetes neutros, um mesmo modelo de bilhete, válido para as diversas companhias
      • Só se especifica o nome da transportadora no ato da emissão.
      • A agência para o BSP que paga para as empresas aéreas em três relatórios mensais, um em cada decêndio (dias 3, 13 e 23)
slide51
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade VI – Emissão de Bilhetes
  • 6.4 – Emissão de Bilhete (cont.)
  • 6.4.2 – Bilhete aéreo físico
    • Fonte: PanRotas
slide52
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade VI – Emissão de Bilhetes
  • 6.4 – Emissão de Bilhete (cont.)
  • 6.4.2 – Bilhete aéreo físico
    • Fonte: PanRotas
slide53
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade VI – Emissão de Bilhetes

6.4 – Emissão de Bilhete (cont.) Fonte: PanRotas

6.4.2 – Campos do bilhete aéreo

(1) Campos utilizados para a construção tarifária (costela).

(6) FARE - Valor da tarifa convertida. sem as taxas, expresso em reais (BRL). Em caso de emissão internacional. o valor será convertido à moeda do pais de inicio da viagem, utilizando-se o câmbio lata (ROE - Rate of Exchange)

(7) TOTAL - Valor final a ser pago, incluindo as taxas (tarifas aeroportuárias), convertido para a moeda local em caso de emissão internacional (usar BRL junto ao valor se a moeda for o real).

(8) EOUIV. FARE PD. - Valor de 6) FARE. convertido para a moeda local de pagamento ao câmbio do dia da emissão. Exemplo: converter dólares (USD) para reais (BRL).

(9) (10) (11) TAX - Valores das tarifas aeroportuárias, em moeda local de pagamento (exemplo: BRL).

(17) FORM OF PAYMENT - Especificar a forma de pagamento neste campo (Ex. cash - à vista. CC cartão de crédito ou INVOICE).

(18) ENDORSEMENTS/RESTRICTIONS - Campo utilizado para informações sobre endossos e restrições

(20) AIRLINE DATA- BOOKING REFERENCE - Preencher com o localizador da reserva.

(21) NAME OF PASSENGER - Preencher com o nome do passageiro. Deve ser colocado o sobrenome seguido do primeiro nome, usando o tratamento MR, MRS, CHD (para crianças de dois a 12 anos incompletos, especificando a idade) ou INF (para crianças de até dois anos incompletos, especificando a idade). Em caso de sobrenome muito extenso, colocar somente a inicial do primeiro nome.

(22) DATE OF ISSUE - Colocar a data da emissão no formato dd/mm/aa.

(23) ISSUED IN EXCHANGE FOR - Campo utilizado na reemissão, quando se emite um bilhete em substituição a outro.

(24) CONJUNCTION TICKETS - Campo utilizado no caso de emissão de bilhetes conjugados. Preencher com os números de todos os bilhetes utilizados.

(25) ORIGINAL ISSUE - Campo utilizado também na da passagem. Em caso de emissão internacional, reemissão. Colocar os dados do bilhete que estiver informar neste campo a taxa de câmbio aplicada. sendo substituído, em caso de primeira reemissão.

slide54
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade VI – Emissão de Bilhetes

6.4 – Emissão de Bilhete (cont.) Fonte: PanRotas

6.4.2 – Campos do bilhete aéreo(cont.)

(26) FROM/TO - Neste campo colocam-se os nomes grafados em inglês, por extenso, das cidades constantes do itinerário, seguidas dos códigos dos respectivos aeroportos, quando na cidade existir mais de um aeroporto.

(27) CARRIER - Colocar o código da companhia aérea transportadora do segmento.

(28) FLIGHT/CLASS - Colocar o número do vôo e o código da classe utilizada (F, C, Y).

(29) DATE - Data da viagem. Preencher com dois dígitos o dia do mês e com três letras o mês, grafado em inglês.

(30) TIME - Colocar o horário de saída do vôo, utilizando-se quatro dígitos.

(31 ) STATUS - Informar a situação em que se encontra a reserva efetuada. Exemplo: OK, se confirmada, e RO, solicitada etc.

(32) FARE BASIS - Colocar o código da base tarifária aplicada.

(33) NOT VALID BEFORE - Não válido antes de . Referente ao período de validade da base tarifária aplicada.

(34) NOT VALID AFTER - Não válido depois de . Referente ao período de validade da base tarifária aplicada.

(35) ALLOW - Especificar a quantidade de bagagem permitida (franquia de bagagem).

(37) TOUR CODE - Colocar o código de acordo tarifário entre a agência de viagens e a companhia aérea.

(38) PLACE OF ISSUE - AGENCY - Espaço reservado para a aplicação do carimbo da agência emissora contendo o código lata da agência.

(40) X/O - Campo de descrição para o ponto de parada. Marcar com X se no segmento acontecer uma parada com conexão imediata.

(41) ISSUED BY/EMITIDO POR - Campo preenchido pelo nome da cia aérea transportadora.

(42) A/L AGENT INFO - Campo do código identificador do agente de viagens cadastrado no BSP.

slide55
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade VI – Emissão de Bilhetes
  • 6.4 – Emissão de Bilhete (cont.) Fonte: PanRotas
  • 6.4.2 – Campos do bilhete aéreo (cont.)
  • (43) CONTROL NO. - Número para controle de emissões (BSP).
  • (44) APP. CODE - Código da autorização para pagamento com cartão de crédito, fornecido pela administradora do cartão.
  • (45) REMITTANCE AREA - Campo para prestação de contas com a cia. aérea. Descrimina os valores da tarifa e das taxas, forma de pagamento (Cash ou parcelado - cartão de crédito) e a comissão paga pela cia.
slide56
UniverCidade - Turismo - Transportes II - Unidade VII – Aeroportos
  • 7 - Aeroporto – Conjunto de instalações e facilidades para apoio de operações de aeronaves e de embarque e desembarque de pessoas e cargas.
  • 7.1 – Processo de Check-in e embarque
    • Check-in - Procedimento de registro do passageiro quando da sua chegada para o embarque em um vôo.
      • Apresentação do bilhete aéreo ou e-ticket
      • Apresentação da documentação: carteira de identidade, passaporte
      • Despacho de malas
      • Troca da passagem pelo cartão de embarque.
    • Tempo de antecedência:
    • 1 hora de antecedência para vôos domésticos
    • De 2 à 3 horas para vôos internacionais, principalmente para os Estados Unidos
    • Após o check-in, o passageiro deverá se encaminhar o portão de embarque ou Gates
    • Tempo de antecedência no portão de embarque: mínimo entre 15 à 30 minutos.
ad