Les es expansivas
Download
1 / 29

- PowerPoint PPT Presentation


  • 77 Views
  • Uploaded on

LESÕES EXPANSIVAS. ESCOLA DE MEDICINA UCPEL Prof. Antonio J. V. Pinho. LESÕES EXPANSIVAS: São todas as neo-formações, independente de suas naturezas. TUMORES: São as neo-formações teciduais. Conceitos. Tipos Histológicos. Os tumores podem ser:

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about '' - brook


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Les es expansivas

LESÕES EXPANSIVAS

ESCOLA DE MEDICINA

UCPEL

Prof. Antonio J. V. Pinho


Conceitos

LESÕES EXPANSIVAS:

São todas as neo-formações, independente de suas naturezas.

TUMORES:

São as neo-formações

teciduais.

Conceitos


Tipos histol gicos
Tipos Histológicos

  • Os tumores podem ser:

    - Primários: quando vindo de tecidos intra-cranianos.

    - Secundários: quando derivados de tecidos de outras partes do corpo.


Tumores prim rios i
Tumores Primários I

  • Gliomas:cerca de 40% dos tumores.

    - Astrocitoma

    - Oligodendroglioma

    - Meduloblastoma

    - Glioblastoma multiforme

    - Ependimoma


Tumores prim rios ii
Tumores Primários II

  • Meningeoma

  • Neurinoma

  • Hemangioblastoma

  • Pinealoma

  • Craniofaringeoma

  • Adenomas de Hipófise

  • Outros


Tumores secund rios
Tumores Secundários

  • Metátases:

    - Epitelioma

    - Coriepitelioma

    - Melano-sarcoma

  • Granulomas:

    - Criptocócico

    - Tuberculoma

  • Abscessos


Dados para diagn stico
Dados Para Diagnóstico

  • Síndrome hipertensiva.

  • Síndrome geral.

  • Síndrome focal.

  • Manifestações neuro-radiológicas.


S ndrome hipertensiva
Síndrome Hipertensiva

  • Cefaléia

  • Vômitos

  • Edema de papila


S ndrome geral
Síndrome Geral

  • Bradicardia

  • Respiração de Biot

  • Vertigens

  • Alteração do estado psíquico

  • Convulsões

  • Facies tumoral


S ndrome focal
Síndrome focal

  • Dá a topografia do tumor.

  • As funções da área diminuem.

  • Os neurônios em torno são excitados.


Tumores frontais
Tumores Frontais

  • Posteriores:

    - Paresia do hemicorpo contra-lateral. Crises epiléticas do tipo Bravais-Jacksonianas.

  • Anteriores:

    - Euforia, tendência erótica, exaltação ou apatia e indiferença, diminuição da atenção e da praxia,desinteresse pelo mundo, hipertonia, reflexo de preensão, tendência a retro pulsão


Tumores temporais
Tumores Temporais

  • Anteriores: mudos

  • Posteriores:

    - Hemisfério dominante: disfasia sensitiva.

    - Hemisfério não dominante: epilepsia temporal (alucinações auditivas, visuais e crises vestibulares) na face externa. Na face interna, crises uncinadas e psico-motoras.

    - Soma-se a hemianopsia homônima lateral.


Tumores parietais
Tumores Parietais

  • Deve-se considerar:

  • Tumores parietais anteriores

  • Tumores parietais posteriores

    - Hemisfério dominante

    - Hemisfério não dominante

  • Soma-se hemianopsia homônima de quadrante inferior


Tumores parietais anteriores
Tumores Parietais Anteriores

  • Manifestações sensitivas subjetivas:

    - Crises epilépticas sensitivas (parestesias não dolorosas) com progressão semelhante a das crises Bravais-Jacksonianas.

  • Manifestações sensitivas objetivas:

    - Diminuição da estereognosia, tato descriminativo e do sentido de posição dos membros, contra-lateral.


Tumores parietais posteriores de hemisf rio dominante
Tumores Parietais Posteriores de Hemisfério dominante

  • Manifesta perturbações bilaterais do esquema corporal que são: impossibilidade para designar as diferentes partes do corpo (autotopognosia) ou apenas incapacidade para identificar seus próprios dedos ou os do examinador (agnosia digital). Pode somar-se a incapacidade para distinguir direito- esquerdo ou a uma acalculia ou a uma agrafia ou a uma apraxia.


Tumores parietais posteriores de hemisf rio n o dominante
Tumores Parietais Posteriores De Hemisfério Não-dominante

  • Provoca uma negligência ou até uma ausência total da consciência do hemi-corpo contra-lateral (hemi-somatognosia), associada a uma insconciência do déficit motor (anosognosia)


Tumores occipitais
Tumores Occipitais

  • Superficiais: Causam hemianopsia homônima temporal, associada a crises epilépticas focais, que se manifestam por manchas brilhantes ou coloridas ou raios.

  • Profundos: Podem dar, por muito tempo, só hipertensão intra-craniana.


Tumores do tronco cerebral
Tumores do Tronco Cerebral

  • Mostram síndromes alternas, isto é, lesões dos pares cranianos do lado do tumor e hemiplegia contra-lateral.

    - III e IV pares – mesencéfalo

    - V, VI e VII pares – ponte

    - IX, X, XI e XII pares – bulbo.

    - Hipertensão intra-craniana tardia.


Tumores cerebelares
Tumores cerebelares

  • Do Vermis: perturbação estática do equilíbrio, com tendência a retro-pulsão, nistagmo, vertigem.

  • Dos hemisférios: síndrome cinética, com dismetria, adiadococinesia, assinergia e hipotonia, tudo ipsilateral e nistagmo ao olhar para a lesão.


Sinais de h rnias
Sinais de Hérnias

  • De uncus, que causa compressão do III par, do mesencéfalo e da artéria Cerebral posterior dando midríase ipsilateral, estupor, coma, postura de descerebração e parada respiratória

  • De amigdala cerebelar, que causa compressão do bulbo, dando apnéia, colapso circulatório e morte.


Sinais de falsa localiza o
Sinais De Falsa Localização

  • Paralisia do III par.

  • Paralisia do VI par.

  • Babinski bilateral.

  • Babinski ipsilateral ao tumor (por compressão do pedúnculo cerebral oposto, contra a incisura da tenda).


Exames para cl nicos
Exames Para-clínicos

  • TC mostra as diferenças de densidade dos tumores. Ruim para o tronco cerebral.

  • RM melhor qualidade e localização.

  • Angiografia mostra os deslocamentos e a hipervascularização tumoral.

  • Dosagens de hormônios, para os tumores hipofisários.


Tratamento
Tratamento

  • Cirurgia para os tumores benignos histologicamente e por suas localizações.

  • Derivações nas hidrocefalias.

  • Radioterapia nos gliomas.

  • Corticóides para o edema cerebral.

  • Anticonvulsivantes.


Met stases cerebrais
Metástases Cerebrais

  • Agem da mesma forma que os tumores primários, causando as mesmas síndrome: HIC, Geral e Focal.

  • Origem: pulmonar, rim, gastro-intestinal.

  • A maioria são supra-tentorais.

  • Podem ser múltiplas.

  • Exames: TC, RM, Angiografia.

  • Procurar o primário no corpo.


Met stases leptomeningeais
Metástases Leptomeningeais

  • Origem: mamas, linfomas, leucemias.

  • Agem de forma multifocal e causam lesões de raízes, invasão do cérebro e medula e hidrocefalia.

  • Líquor mostra: pleocitose aumento de proteínas e diminuição de glicose, presença de células malígnas.

  • TC e RM mostram aumento de contraste nas leptomeninges.

  • Tratamento: irradiação e Metotrexate.


Tumores da aids
Tumores da AIDS

  • Linfomas cerebrais primários, que se tratam com irradiação.

  • Toxoplasmose cerebral, que se trata com sulfadiazina e pirimetamina.

  • Criptococose, que se trata com Anfotericina B e Flucitosina.

  • Usam-se, TC, RM, Líquor e exames específicos


Tumores medulares
Tumores Medulares

  • O intramedular mais comum é o ependimoma.

  • Os extramedulares mais comuns são o neurofibroma e o meningeoma.

  • Infiltram e/ou comprimem a medula, dando paraplegias e anestesia inferiores.

  • Usam-se a TC, RM, Mielografia e Líquor

  • Tratamento: cirúrgia, irradiação e dexametasona.


Abscessos
Abscessos

  • Contaminação por contigüidade ou de forma metastática.

  • Estrepto, estáfilo e anaeréobicos.

  • Agem como tumores.

  • Usam-se a TC, RM e Angiografia.

  • Tratamento: cirurgia (aspiração ou excisão) e antibióticos sistêmicos.


Pseudo tumor cerebral
Pseudo Tumor Cerebral

  • Manifesta: Cefaléia, vômitos, edema de papila e diplopia pelo VI par.

  • Causado por: doenças pulmonares crônicas, hipoparatireoidismo, Adisson, vitamina A, tetraciclina, retirada de corticóides, anticoncepcionais.

  • Trata-se com acetazolamida, prednizona, derivação liquórica e correção do distúrbio.


ad