Bh telesa de uma rede voltada para o programa sa de da fam lia
Download
1 / 14

- PowerPoint PPT Presentation


  • 72 Views
  • Uploaded on

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina e de Enfermagem Nescon LCC/CENAPAD Assessoria de Tecnologia da Informação MINISTÉRIO DA SAÚDE DATASUS SEGETS. COMUNIDADE EUROPÉIA PP Projeto @lis PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about '' - bono


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Bh telesa de uma rede voltada para o programa sa de da fam lia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

Hospital das Clínicas

Faculdade de Medicina e de Enfermagem

Nescon

LCC/CENAPAD

Assessoria de Tecnologia da Informação

MINISTÉRIO DA SAÚDE

DATASUS

SEGETS

COMUNIDADE EUROPÉIAPP

Projeto @lis

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE

Secretaria Municipal de Saúde

Secretaria Municipal de Políticas Sociais

Prodabel

BH TELESAÚDE: UMA REDE VOLTADA PARA O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA


Bh telesa de uma rede voltada para o programa sa de da fam lia1
BH TELESAÚDE: UMA REDE VOLTADA PARA O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

  • Contexto:

    • Incorporação de tecnologias de informação no Sistema Único de Saúde. Foco: utilização da telesaúde objetivando aperfeiçoamento de atividades assistenciais.

    • Implantação do PSF com equipes com problemas entre perfil de formação e a realidade encontrada.

    • Estrangulamento na rede de atenção secundária para suportar a grande expansão da atenção primária ocorrida no país.


Objetivos da rede bh telesa de
OBJETIVOS DA REDE BH TELESAÚDE FAMÍLIA

  • Estruturar um sistema de consultoria e segunda opinião (médica e de enfermagem), via rede, através de teleconsultas de especialistas do HC/FM da UFMG pelos médicos e enfermeiras da PBH que fazem atendimento nos Centros de Saúde, utilizando os recursos da Telesaúde não presencial, “off line”, para casos mais simples e da Telesaúde compartilhada, “on line”, para discussão de casos clínicos mais complexos, inclusive com transmissão de imagens diagnósticas e ECG.

  • Contribuir para o aumento da resolutividade dos casos atendidos na atenção básica, evitando o encaminhamento desnecessário para referência secundária


Objetivos da rede bh telesa de1
OBJETIVOS DA REDE BH TELESAÚDE FAMÍLIA

  • Montagem de uma estrutura, a baixo custo, para a realização de videoconferência para ações de educação continuada em serviço, através da transmissão de teleconferências e de sessões clínico-radiológicas originadas no HC para 14 unidades básicas simultaneamente, além da realização de videoconferências para discussão de casos e/ou patologias específicas, entre especialistas do HC/FM e do CHU de Rouen, com transmissão para as unidades básicas que acompanharão e participarão da discussão em tempo real. 


Metodologia
METODOLOGIA FAMÍLIA

  • CONSTRUÇÃO DE SISTEMA DE CONSULTORIA E SEGUNDA OPINIÃO:

    • análise de software de videoconferência e de aquisição, tratamento e visualização de imagens médicas – sametime e e-film;

    • estruturação de uma rede multicast envolvendo imagens, dados e voz e integrando o prontuário eletrônico com imagens médicas.

  • ESTRUTURAÇÃO E ANÁLISE DE PERFORMANCE DO SOFTWARE NA REDE INTERLIGANDO AS 14 UBS E O HC/UFMG

  • DEFINIÇÃO DO HARDWARE NECESSÁRIO: UM MICROCOMPUTADOR E SISTEMA MULTIMÍDIA, COM WEBCAM NAS UBS E SALA DE TELEMEDICNA NO HC; SERVIDOR; SCANER E CÂMERA DIGITAL.

  • AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE VIDEOCONFERÊNCIA E DE IMAGENS PELOS MÉDICOS E ENFERMEIRAS POTENCIALMENTE USUÁRIOS DO SISTEMA E TREINAMENTO DAS EQUIPES DAS 14 UBS E DOS ESPECIALISTAS DO HC.

  • DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE TELECONSULTAS E TELECONSULTORIA.




  • Bh telesa de uma rede voltada para o programa sa de da fam lia
    Distribuição das teleconsultas realizadas no HC/UFMG, por especialidade, no período de abril a outubro de 2004

    • Dermatologia 9

    • Endocrinologia 6

    • Pneumologia 5

    • Cardiologia 4

    • Gastroenterologia 4

    • Pediatria 3

    • Neurologia Pediátrica 2

    • Hematologia Pediátrica 2

    • Nefrologia 2

    • Ortopedia 2

    • Angiologia 2

    • Cardiologia pediátrica/Reumatologia/Nutrição/Cirurgia plástica/

    • Otorrino/Neurologia/Ginecologia/Angiologia/outras 1

    • TOTAL 54


    Resultados alcan ados1
    Resultados alcançados especialidade, no período de abril a outubro de 2004

    Distribuição das teleconsultas realizadas no HC/UFMG por tipo de encaminhamento, no período de abril a outubro de 2004

    • Número de teleconsultas realizadas: 54

    • Percentual de pacientes mantidos nos centros de saúde: 71,4%

    • Percentual de consultas encaminhadas para o HC/UFMG: 17,1 %

    • Percentual de consultas com utilização de fotos: 15%

    • Percentual de consultas com utilização de imagens: 22,5%


    Conclus es
    Conclusões especialidade, no período de abril a outubro de 2004

    • A estruturação de um sistema de telesaúde para o SUS, a baixo custo, permite um salto qualitativo no processo de formação dos profissionais da rede pública de saúde.

    • A realização de discussão de casos clínicos com especialistas permite a permanência dos pacientes em 71,43% dos casos, dotando a rede básica de maior capacidade de resolução de casos.

    • O principal problema refere-se à rotinização do processo de discussão de casos na unidade.


    Conclus o
    Conclusão especialidade, no período de abril a outubro de 2004

    • Dificuldades também para níveis diretivos absorverem a nova tecnologia.

    • Necessidade de readequação de acessos a exames propedêuticos por parte das UBS.

    • Processo voluntário de adesão dos profissionais, segundo seu ritmo, tornando o processo lento de utilização do potencial instalado.

    • O acesso à discussão com professores especialistas de alta capacidade faz com os profissionais avaliem o processo “ como muito gratificante, inovador na rede pública”.