slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
paradigmas da estética clássica - RENASCIMENTO - 1400 - 1500 PowerPoint Presentation
Download Presentation
paradigmas da estética clássica - RENASCIMENTO - 1400 - 1500

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 47

paradigmas da estética clássica - RENASCIMENTO - 1400 - 1500 - PowerPoint PPT Presentation


  • 115 Views
  • Uploaded on

paradigmas da estética clássica - RENASCIMENTO - 1400 - 1500 . O pensamento humanístico, do qual a arte é parte essencial, modificou profundamente as concepções de espaço e de tempo. A forma ou a representação passou a ser ordenada

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'paradigmas da estética clássica - RENASCIMENTO - 1400 - 1500' - birch


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide2

O pensamento humanístico, do qual a arte é parte essencial, modificou profundamente as concepções de espaço e de tempo. A forma ou a representação passou a ser ordenada

segundo a perspectiva que, foi uma descoberta e não uma invenção.

O sistema de perspectiva do Quatrocentos foi a redução à unidade de todos os modos de visão possíveis. O ponto de localização ideal era o frontal.

O espaço era considerado como uma forma onde todas as partes se dividiam simétricamente

partindo de uma linha mediana ou cêntrica.

slide5

O “Código Posterior” Arte egípcia

O “Esquema de tres círculos” da

Arte bizantina

slide6

Medidas e proporções do corpo

humano, 1521, Da Arquitetura, de

Vitrúvio

Figura proporcionada,

discípulo de Da Vinci,

Exempeda, L.B. Alberti

Medidas e proporções, Da Vinci, 1500

slide8

O pensamento de Mantegna baseava-se na Antiguidade

Clássica. A imagem se tornou forma, o mito, história, a

alegoria , conceito.

Andrea Mantegna, São Sebastião,

painel, 1455-60, Kunsthistorisches

Museum, Viena

slide10

Enquanto Brunellesch representou uma tendência

intelectual e idealizadora, Donatello uma tendência

dramática e realista.

Donatello, Davi, bronze, 1430,

Museo del Bargello, Florença

slide11

Madalena é a imagem alucinante da angústia que hoje

chamaríamos existencial.

Donatello, Madalena, madeira, 1453-55

Museo dell’ Opera del Duomo, Florença

slide14

A renovação artística em Florença nasceu como polêmica ao gótico no momento de

ascensão da alta burguesia financeira, como oposição ao gosto aristocrático.

O conjunto da arte italiana desse período é um entrelaçamento de correntes.

Nesse período se delineia em Florença e na corte dos Medici uma nova corrente

filosófica, o neoplatonismo.

slide15

Botticelli foi considerado um místico do belo ideal

Sandro Botticelli, Primavera, têmpera sobre madeira, 1478, Galleria dgli Uffizi, Florença

slide16

O belo que o pintor quer exaltar não é físico e, sim espiritual, a nudez de Venus

significa pureza, falta de ornamentos.

Sandro Botticelli, O Nascimento de Venus, têmpera sobre madeira, 1485, Galleria degli

Uffizi, Florença

slide18

A pintura que Da Vinci mostra aos florentinos é o oposto do ideal de Botticelli, não

possui contornos nítidos, nem cores límpidas, ao contrário é um movimento de

massas, um turbilhão de luzes e de cores.

slide19

Leonardo representa a figura junto com a atmosfera que a envolve

Leonardo da Vinci, Anunciação, têmpera sobre madeira, 1475, Galleria degli Uffizi, Florença

slide21

A Virgem dos Rochedos possui vários significados

Herméticos e não simbólicos. Leonardo pretendia

que os significados ficassem obscuros, sombreados.

A caverna - víscera da terra, natureza subterrânea.

Leonardo era o único renascentista que não acreditava

na volta dos antigos.

A luz aparece pelas frestas e pela abóbada da caverna.

Encontro de Cristo com Batista.

Batista significa uma intuição que revelará Cristo à

humanidade.

Leonardo da Vinci, A Virgem dos Rochedos,

Têmpera sobre madeira, 1485, Louvre, Paris

slide22

Para Leonardo o espaço não é não é uma estrutura geométrica, mas extensão real

da intuição e da experiência. O belo não tem forma própria nasce da inspiração ou

do impulso interior de indagar e de conhecer.

slide23

“O bom pintor há de pintar duas coisas principais, isto é, o homem e o conceito de

sua mente, o primeiro é fácil, o segundo, difícil, porque se tem de figurar com gestos

os movimentos dos membros”.

Leonardo da Vinci, A Última Ceia, têmpera sobre reboco, 1495-97, refeitório do convento

de Santa Maria della Grazie, Milão

slide26

O Quinhentos foi um século altamente dramático tanto para a política, a religião, a ciência

como para a arte. Foi o século das reformas.

A religião deixa de ser revelações de verdades eternas para tornar-se uma busca ansiosa de

Deus na alma humana.

slide27

Apesar dos estudos Michelangelo foi um

autodidata, concebendo, neoplatonicamente,

a arte como inspiração interior, furor da alma.

Michelangelo, cópia de Giotto (Ascensão de

São João Evangelista), bico de pena, 32 x 23 cm,

1488-90, Louvre, Paris

slide28

O demasiadamente acabado de Michelangelo

é o oposto metafísico do físico esfumado

de Da Vinci.

Michelangelo quer ir além do real, Leonardo

quer penetrar nele a fundo.

Da Vinci aproxima a arte da ciência no

sentido de análise.

Michelangelo aproxima a arte da filosofia

no sentido de síntese.

Michelangelo, Pietà, mármore, altura 174 cm,

Base 195 cm, 1498-99, São Pedro, Roma

slide29

O Movimento da figura não se expande no espaço,

encerra-se nos atos contrapostos dos membros.

O artista não representa a ação, mas o seu móvel moral,

a tensão interior que precede o ímpeto do gesto.

Para Michelangelo a excelência da escultura consistia na

vitória sobre a matéria.

Michelangelo, Davi, mármore, 1501-4,

434 cm, Galleria dell’Academia, Florença

slide30

O sentimento, a inquietação do não cumprido é

expresso na obra em que o artista queria

expandir-se por completo, a tumba de júlio II,

a qual nunca foi concluída.

Michelangelo, Moisés, mármore, tmba de Júlio II,

235 cm, 1513-15, San Pietro in Vincoli, Roma

slide34

Michelangelo, O Juizo Final, afresco, 1536-41, 13,70 x 12,70 cm,

capela Sistina, museu do Vaticano, Roma

slide35

O Juízo Final é a obra da crise, da contra-

reforma católica.

O núcleo temático é o gesto divino suscitando

o movimento das massas. É a concepção do

espaço sem ordens de planos e de grandeza.

Michelangelo, O Juízo Final, detalhe, afresco, 13,70 x 12,20 cm,

1536-41, capela Sistina, Museu do Vaticano, Roma

slide36

Michelangelo, série Escravos Despertando, mámore, 270 cm, 1530-34, Galleria

dell’Academia, Florença

slide37

Rafael, A Escola de Atenas, sa da Assinatura, afresco, 1509-11, 770 cm,

Museu do Vaticano, Roma

slide39

A cúpula é a catarse do drama da obra

nunca terminada, a tumba de Júlio II.

Michelangelo, cúpula de San Pedro, iniciada em 1557

(completada em 1593), Vaticano, Roma

slide42

Em Ticiano a experiência intelectual do

desenho maneirista não dá lugar a uma

pesquisa formalista, mas exaspera a

dramaticidade da figuração.

Ticiano, sr

slide45

Tintoretto, Cristo perante Pilatos, óleo sobre tela, 1566,

5,51 x 4,05, Sscuola di San Rocco, Veneza

slide46

El Greco, O enterro do Conde de Orgaz, óleo sobre tela,

1586, 4,88 x 3,61 m, São Tomé, Toledo, Espanha