slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
FORMAS E GÊNESE DO RELEVO TERRESTRE PowerPoint Presentation
Download Presentation
FORMAS E GÊNESE DO RELEVO TERRESTRE

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 50

FORMAS E GÊNESE DO RELEVO TERRESTRE - PowerPoint PPT Presentation


  • 192 Views
  • Uploaded on

FORMAS E GÊNESE DO RELEVO TERRESTRE. 1. Agentes internos (endógenos) formadores do relevo. a) OROGÊNESE : movimento horizontal das placas tectônicas. a.1) Orogênese Convergente : choque entre as placas   . . a.2) Orogênese Divergente : afastamento das placas  .

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'FORMAS E GÊNESE DO RELEVO TERRESTRE' - bidelia


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

FORMAS E GÊNESE DO RELEVO TERRESTRE

1. Agentes internos (endógenos) formadores do relevo

a) OROGÊNESE: movimento horizontal das placas tectônicas.

a.1) Orogênese Convergente: choque entre as placas  .

a.2) Orogênese Divergente: afastamento das placas .

a.3) Orogênese Deslizante ou Paralela: atrito entre as placas .

slide7

2. Agentes Externos (Exógenos) formadores do relevo

FÍSICO: água (líquida e sólida), ventos, temperatura, gravidade

QUÍMICO: água (infiltração e dissolução)

Intemperismo

EROSÃO

BIOLÓGICO: seres vivos (plantas e agentes decompositores)

Denudação e transporte: retirada do material do seu local de origem por meio dos ventos, enxurradas, gravidade etc. (suspensão, rolamento e saltação).

Sedimentação: acúmulo de detritos nas partes mais baixas do relevo (planícies, depressões, dolinas etc.)

slide9

CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS BRASILEIROS:

QUANTO À FERTILIDADE:

a) muito férteis;

b) moderadamente férteis;

c) pouco férteis.

QUANTO À PROFUNDIDADE

a) rasos (menos de 50 cm);

b) pouco profundos (50 a 100 cm);

c) profundos (100 a 200 cm);

d) muito profundos (mais de 200 cm).

slide10

Principais solos do Brasil:

  •  Massapé: são solos característicos do NE, onde foi muito explorado pelas culturas canavieiras.
  •  Latossolos: são os solos formados a partir de derrames basálticos (grande quantidade de óxidos de ferro), muito profundos, espessos, porosos, de coloração avermelhada (latossolo vermelho – terra-roxa) ou amarelada, com grande concentração de argila. É característico de áreas de climas tropicais (forte lixiviação e intemperização).
  •  Litossolos: solos rasos, pouco desenvolvidos, quase indiferentes nos seus diversos horizontes.
  •  Podzólicos: solos pouco profundos, vermelhos ou amarelos, com horizontes bem definidos, típicos de climas úmidos, como no sul do Brasil ou no interior da Europa (tchernozións).
  •  Aluviões: solos ricos em minerais devido à reposição destes pelas enchentes dos rios (solos de aluvião ou depósitos aluvionares). Desenvolvem-se nas margens fluviais.
  • Sal-gema
  • Salmourão: solos muito diversos, mas com elevados teores de cascalho e/ou areia grossa.
slide11

RELEVO BRASILEIRO

O território brasileiro é formado por estruturas geológicas antigas (com exceção das bacias recentes do Pantanal, Amazônia ocidental e trechos do litoral nordeste e sul  Cenozóico).

Os afloramentos rochosos do país são formados por grandes bacias sedimentares (Paleozóico ao Mesozóico) e escudos cristalinos (Pré-cambriano).

 64% Bacias Sedimentares

 36% Escudos Cristalinos

OBS.: no território brasileiro, as estruturas e as formações litológicas (substrato rochoso) são antigas (Pré-cambriano – rochas magmáticas e metamórficas - e Paleozóico – rochas sedimentares antigas), mas as formas de relevo são recentes (ação da erosão).

slide15

Extremo Norte (setentrional): Monte Caburaí-RR (nascente do rio Ailã)

05°16'20"N

Extremo Ocidental (oeste): Serra da Contamana-AC (nascentes do rio Moa)

73°59'32"W

Extremo Oriental (Leste):

Ponta do Seixas-PB

34°47'30"W

4.320 Km

4.395 KM

Extremo Sul (meridional): Arroio Chui-RS

33°45'03"S

slide21

Vale do Paraíba do Sul (Pindamonhangaba - Campos do Jordão – Pico do Itapeva/Serra da Mantiqueira)

slide26

Extremos do Brasil (dados atualizados)

  • Ponto mais alto: Pico da Neblina (2.994 m)
  • Ponto mais baixo: Oceano Atlântico (0 m)
  • Extremo setentrional: nascente do rio Ailã, Roraima (05°16'20"N, 60°12'43"W)
  • Extremo meridional: Arroio Chuí, Rio Grande do Sul (33°45'03"S, 53°23'48"W)
  • Extremo oriental (continente): Ponta do Seixas, Paraíba (07°09'28"S, 34°47'30"W)
  • Extremo oriental (incluindo as ilhas oceânicas): Ilha do Sul, arquipélago de Trindade e Martim Vaz, Espírito Santo (20°31′00″S, 28°51′00″W)
  • Extremo ocidental: nascente do rio Moa, Acre (07°33'13"S, 73°59'32"W)
  • Município mais setentrional: Uiramutã, Roraima
  • Município mais meridional: Chuí, Rio Grande do Sul
  • Município mais oriental: João Pessoa, Paraíba
  • Município mais ocidental: Mâncio Lima, Acre
  • Maior município em extensão territorial: Altamira, Pará (159.695,938 km²)
  • Menor município em extensão territorial: Águas de São Pedro, São Paulo (3,640 km²)
  • Maior município em população: São Paulo, São Paulo (11.016.703 hab., est. 2006)
  • Menor município em população: Borá, São Paulo (828 hab., est. 2006)
  • Município com o melhor IDH: São Caetano do Sul, São Paulo (0,919, PNUD/2000)
  • Município com o pior IDH: Manari, Pernambuco (0,467, PNUD/2000)
caracteriza o do espa o brasileiro1
CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO BRASILEIRO

Brasil: gigante pela própria natureza

1º - Rússia (17.075.400 km2)2º - Canadá (9.922.330 km2)3º - China (9.461.300 km2)4º - Estados Unidos (incluindo o Alasca e Hawaii: 9.363.124 km2)5º - Brasil (8.514.876,599 km2) segundo o IBGE www.ibge.gov.br

slide30

Brasil: posição geográfica e extensão territorial

 Com uma área aproximada de 8.514.876,599 km2 (há controvérsias sobre essa área), o Brasil é o 5º maior país em terras descontínuas (o 4º em terras contínuas, caso desconsidere as áreas do Alasca e Havaí nos EUA).

  • Brasil:
  • 1,6% da superfície terrestre
  • 6% das terras emersas
  • 20,8% da América
  • 41,5% da Am. Latina
  • 47,7% da Am. Sul
localiza o do brasil
Localização do Brasil

7% Norte

93% Sul

92% Intertropical

8% Temperada

LIMITES:

N: Guianas

S: Uruguai

NO: Colômbia

O: Peru e Bolívia

pontos extremos
Pontos extremos

N: LN 5°16’20” e LnO 60o 12'43" na nascente do Rio Ailã/monte Caburaí em Roraima

S: LS 33°45’03” e LnO 53o 23'48" no arroio Chuí no Rio Grande do Sul

L: LS 07°09’28” e LnO 34o 47'30" na ponta do Seixas/Cabo Branco na Paraíba

O: LS 07°33’13” e LnO 73°59’32” na nascente do Rio Moa/serra de Contamana no Acre

slide33

Extremo Norte (setentrional): Monte Caburaí-RR (nascente do rio Ailã)

05°16'20"N

Extremo Ocidental (oeste): Serra da Contamana-AC (nascentes do rio Moa)

73°59'32"W

Extremo Oriental (Leste):

Ponta do Seixas-PB

34°47'30"W

4.320 Km

4.395 KM

Extremo Sul (meridional): Arroio Chui-RS

33°45'03"S

organiza o pol tico administrativa do brasil
ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO BRASIL
  • DIVISÃO POLITICA E REGIONAL DO BRASIL
lei n 11 662 de 24 abril de 2008
LEI Nº 11.662, DE 24 ABRIL DE 2008
  • Art. 1o  Esta Lei altera as alíneas “b” e “c” e revoga a alínea “d” do art. 2o do Decreto no 2.784, de 18 de junho de 1913, a fim de modificar os fusos horários do Estado do Acre e de parte do Estado do Amazonas do fuso horário Greenwich “menos cinco horas” para o fuso horário Greenwich “menos quatro horas”, e da parte ocidental do Estado do Pará do fuso horário Greenwich “menos quatro horas” para o fuso horário Greenwich “menos três horas”. 
slide38

b) o segundo fuso, caracterizado pela hora de Greenwich ‘menos três horas’, compreende todo o litoral do Brasil, o Distrito Federal e os Estados interiores, exceto os relacionados na alínea ‘c’ deste artigo; 

  • c) o terceiro fuso, caracterizado pela hora de Greenwich ‘menos quatro horas’, compreende os Estados de Mato Grosso, de Mato Grosso do Sul, do Amazonas, de Rondônia, de Roraima e do Acre. 
brasil estrutura geol gica e relevo
BRASIL: ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO
  • apresenta escudos cristalinos ou núcleos cratônicos, bacias sedimentares e dobramentos antigos
  • As bacias sedimentares ocupam cerca de 64% da área total do território brasileiro.
  • São divididdas em grandes e pequenas bacias, que se formaram nas eras Paleozóica, Mesozóica e Cenozóica.
slide41

As áreas cristalinas (escudos) ocupam cerca de 36%

  • arqueozóicas correspondem a 32%
  • proterozóicos a 4% da área do país.
  • Nos terrenos da Era Proterozóica, estão as riquezas mineriais do Brasil (ferro, manganês, bauxita, ouro entre outros).
  • Portanto, o que denominamos Complexo Cristalino Brasileiro formou-se na Era Arqueozóica e é constituído por rochas magmáticas (granito) e metamórficas (gnaisse).
resumindo
RESUMINDO
  • FORMADA POR DOIS MACIÇOS OU ESCUDOS CRISTALINOS:

DAS GUIANAS E BRASILEIRO (era Pré-Cambriana) e;

SEPARADOS POR BACIAS SEDIMENTARES

i escudos das guianas
I - ESCUDOS DAS GUIANAS

II – ESCUDO BRASILEIRO:

1- NÚCLEO SUL-AMAZÔNICO

2- NÚCLEO ATLÂNTICO

3- NÚCLEO ARAGUAIO-TOCANTINO

4- NÚCLEO BOLÍVIO-MATO-GROSSENSE

5- NÚCLEO GURUPI

6- NÚCLEO DO PAMPA

BACIAS

A – AMAZÔNICA

B – MEIO-NORTE

C - SANFRANCISCANA

D – PARANAICA

E – PANTANAL

F – COSTEIRA

classifica o do relevo brasileiro
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO
  • 1ª CLASSIFICAÇÃO: 1940 (AROLDO AZEVEDO) ALTIMETRIA – 200m
  • 2ª CLASSIFICAÇÃO: 1962 (AZIZ AB’SABER) MORFOCLIMÁTICO
  • 3ª CLASSIFICAÇÃO: 1989 (JURANDIR ROSS) PROJETO RADAM – PLANALTO, PLANÍCIE E DEPRESSÃO (ATUAL)
aroldo azevedo
AROLDO AZEVEDO
  • Empregou termos geomorológicos para denominar as divisões gerais (planalto e planícies) e critérios geológicos para classificar as subdivisões.
  • Para diferenciar planalto de planície, usou como critério a altimetria, estabelecendo o limite de 200m para distinguir uma forma da outra.
slide46
Aziz Ab´Saber: a segunda classificação – 1962 – usando ocritério morfoclimático (que explica as formas de relevo pela ação do clima)
  • PLANÍCIES:
  • 1- AMAZÔNICA
  • 2- COSTEIRA
  • 3- DO PANTANAL
  • 4- GAÚCHA (LITORÂNEA OU SUL-RIO GANDENSE
  • PLANALTOS:
  • 5- DAS GUIANAS
  • BRASILEIRO:
  • 6- CENTRAL
  • 7- ATLÂNTICO
  • 8- MERIDIONAL
o projeto radam e a classifica o de jurandir ross
O Projeto Radam e a classificação de Jurandir Ross
  • são consideradas três principais formas de relevo: planalto, planície e depressão
  • Morfoestrutural
  • Morfoclimática
  • Morfoescultural
slide49
As novas 28 unidades do relevo brasileiro foram divididas em onze planaltos, seis planícies e onze depressões:
  • PLANALTOS – Bacias sedimentares: 1- Amazônia oriental; 2- Planaltos e chapadas da bacia do Parnaíba; 3- Planaltos e chapadas da bacia do Paraná. Intrusões e coberturas residuais de plataforma: 4- Planalto e chapada dos Parecis; 5- Planaltos residuais Norte-Amazônicos; 6- Planaltos residuais Sul Amazônicos. Cinturões orogênicos: 7- Planaltos e serras do Atlântico Leste-Sudeste; 8- Planaltos e serras de Goiás-Minas; 9- Planaltos e serras residuais do Alto Paraguai. Núcleos cristalinos arqueanos: 10- Borborema; 11- Sul-Rio-Grandense.
  • DEPRESSÕES: 12- Amazônia ocidental; 13- Marginal Norte-amazônica; 14- Marginal Sul-Amazônica; 15- Araguaia-Tocantins; 16- Cuiabana; 17- Alto Paraguai-Guaporé; 18- Miranda; 19- Sertaneja e do São Francisco; 20- Tocantins; 21- Periférica da borda leste da bacia do Paraná; 22- Periférica Sul-Rio-Grandense.
  • PLANÍCIES: 23- Rio Amazonas; 24- Rio Araguaia; 25- Pantanal e rio Guaporé; 26; Pantanal Mato-Grossense; 27- Lagoas dos Patos e Mirim; e, 28- Planície e tabuleiros Litorâneos