aspectos gerenciais de hospitais filantr picos no brasil n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Aspectos gerenciais de hospitais filantrópicos no Brasil PowerPoint Presentation
Download Presentation
Aspectos gerenciais de hospitais filantrópicos no Brasil

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 27

Aspectos gerenciais de hospitais filantrópicos no Brasil - PowerPoint PPT Presentation


  • 115 Views
  • Uploaded on

Aspectos gerenciais de hospitais filantrópicos no Brasil. Comparando os hospitais com planos de saúde próprios com o conjunto de hospitais do setor. Origem. 2 pesquisas de abrangência nacional realizadas pela ENSP/FIOCRUZ. Estudo do Setor Hospitalar Filantrópico no Brasil – BNDES – 2000 a 2002.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Aspectos gerenciais de hospitais filantrópicos no Brasil' - betrys


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
aspectos gerenciais de hospitais filantr picos no brasil

Aspectos gerenciais de hospitais filantrópicos no Brasil

Comparando os hospitais com planos de saúde próprios com o conjunto de hospitais do setor

origem
Origem

2 pesquisas de abrangência nacional realizadas pela ENSP/FIOCRUZ

origem1
Estudo do Setor Hospitalar Filantrópico no Brasil – BNDES – 2000 a 2002

Estudo das Operadoras de Planos de Saúde de Hospitais Filantrópicos - ANS – 2003 e 2004

Origem
equipe
Equipe
  • Alícia D. Ugá (coordenadora da pesquisa operadoras de HF)
  • Margareth C. Portela (coordenador da pesquisa HF)
  • Pedro R. Barbosa (coordenador da pesquisa HF)
  • Miguel V. Murat
  • Sheyla M. Lemos Lima
  • Silvia Gerschman
objetos
Totalidade de hospitais filantrópicos

Subconjunto

Hospitais com operadoras próprias de planos de saúde

Objetos
objetivo comum aos dois estudos
Objetivo comum aos dois estudos

Caracterização do nível de desenvolvimento gerencial dos hospitais

Sistema de classificação do desenvolvimento gerencial

sistema de classifica o do desenvolvimento gerencial
Sistema de classificação do desenvolvimento gerencial
  • Direção e planejamento
  • Econômico-financeira
  • Recursos humanos
  • Serviços técnicos
  • Serviços logísticos
  • Tecnologia de informações
sistema de classifica o do desenvolvimento gerencial1
Sistema de classificação do desenvolvimento gerencial

Para cada dimensão foram identificadas variáveis marcadoras das condições estruturais

Validadas na literatura e apreciadas por especialistas

pesquisa de campo
Pesquisa de campo
  • Dirigentes entrevistados por pesquisadores de campo
  • Instrumento de coleta de dados contemplando as dimensões mencionadas
objetivo
Objetivo
  • Descrever o desempenho gerencial de hospitais filantrópicos com operadoras de planos de saúde em comparação com o conjunto de hospitais filantrópicos no Brasil
m todos
Métodos
  • Estudo descritivo exploratório
  • Comparadas estruturas gerenciais presentes nos HFs e nos HFs com operadoras próprias de planos (2 estudos mencionados)

Variáveis comuns aos dois estudos nas 6 dimensões

amostra
69 hospitaisrepresentativos da totalidade hospitais com menos de 599 leitos prestadores SUS

94 hospitais com operadoras próprias de planos de saúde com menos de 599 leitos prestadores SUS

Amostra
resultados
Hospitais com 50 leitos (média 39,7 leitos)

Baixa complexidade assistencial (Clínicas Básicas sem UTI)

Hospitais de médio e grande porte (média 175 leitos)

Várias especialidades e com UTI

Resultados
resultados1
1/3 dos hospitais com atividades de ensino (residência, especialização mestrado ou doutorado)

80% dos hospitais com atividade de ensino

40,2% dos hospitais realizam PACs

Resultados
discuss o
Discussão
  • HFs com estrutura gerencial pouco desenvolvida
  • Diferenciação positiva nos HFs com operadoras própias de planos em todas as dimensões gerenciais
  • Dimensões mais diferenciadas – Econômico-financeira e TI – (exigências ANS) -
discuss o1
Discussão
  • HFs com planos parece ter maior preocupação com a qualidade pelos melhores resultados encontrados na Dimensão Serviços Técnicos (dose unitária ou individualizada; comissão de padronização; prontuário único)
  • Ponto crítico para todos – RH – capacitação permanente; incentivos; diminuição de rotatividade
discuss o2
Discussão

A operação de planos próprios constitui-se em estratégia para viabilizar os HF?

  • Receita
    • 64% SUS
    • 16% convênios com operadoras

Para alguns HFs, a operação de planos próprios representa a 2a maior receita

72,4% dos HF são simultaneamente prestadores ao SUS e a planos de saúde independentemente de terem planos próprios

discuss o3
Discussão
  • A operação de planos próprios requer ou implica em níveis diferenciados de desenvolvimento gerencial?

Possivelmente uma qualificação mínima é condição para a operação de planos

mas a qualificação pode ser incrementada como resultante da operação de planos

considera es finais
Considerações finais

Setor hospitalar filantrópico é importante para o SUSe para a Saúde Suplementar

  • 1/3 dos leitos
  • Rede capilarizada com pequenos hospitais de baixa complexidade em municípios do interior e alguns hospitais de alta complexidade em geral em região metropolitana
  • Grande parte dos HFs são únicos em seus municípios
considera es finais1
Considerações finais
  • Setor filantrópico reúne 3 condições que lhes conferem destaque na formulação de políticas de saúde
    • Prestador de serviços ao SUS
    • Prestador de serviços a operadoras de planos de saúde
    • Operador de planos próprios de saúde
considera es finais2
Considerações finais
  • A condição gerencial incipiente – ausência de estruturas e instrumentos básicos - tem implicações para sua sobrevivência
  • Identificação de estratégias, incentivos e políticas que assegurem sua manutenção, desenvolvimento e maior integração ao sistema de saúde