O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 e POLÍTICA NACIONALISTA - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 e POLÍTICA NACIONALISTA PowerPoint Presentation
Download Presentation
O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 e POLÍTICA NACIONALISTA

play fullscreen
1 / 28
O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 e POLÍTICA NACIONALISTA
117 Views
Download Presentation
ashby
Download Presentation

O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 e POLÍTICA NACIONALISTA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 e POLÍTICA NACIONALISTA

  2. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 • COINCIDIU COM A CRISE ECONÔMICA: • Processo sucessório presidencial sob liderança de Getulio Vargas; • Assassinato do candidato a vice-presidência João Pessoa; • Renuncia do presidente Washington Luis.

  3. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 • FIM DA REPÚBLICA VELHA A ruptura política e, também econômica social e cultural com o Estado oligárquico vigente nas décadas anteriores.

  4. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 • NOVO PROGRAMA • Garantia do direito do voto; • Proteção á economia nacional; • Proteção ao trabalho; • Proteção ao ensino público.

  5. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 • ENFRENTAMENTO DA CRISE CAMBIAL • Suspendeu parte dos pagamentos da dívida externa e congelou a remessa de lucros para o exterior; • Controle de Câmbio; • Desvalorização da moeda nacional; • Elevou as tarifas de importação.

  6. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 • RESULTADOS OBTIDOS: • Violenta queda no valor das importações: de US$ 416,6 milhões em 1929 para US$ 108,1 milhões em 1932; AS IMPORTAÇÕES CAÍRAM MAIS QUE AS EXPORTAÇÕES O DÉFICIT COMERCIAL SE TRANSFORMOU EM SUPERÁVIT DE US$ 72,5 MILHÕES EM 1932.

  7. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 PRODUÇÃO DE CAFÉ

  8. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 A COMPRA E A DESTRUIÇÃO DOS EXCEDENTES DO CAFÉ MANTINHAM A RENDA E O EMPREGO NO SETOR CAFEIRO, VIABILIZANDO SUA DEMANDA JUNTO AOS DEMAIS SETORES DA ECONOMIA.

  9. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 • A PRODUÇÃO INDUSTRIAL, SE DESTINAVA EM SUA TOTALIDADE AO MERCADO INTERNO Anos Setores

  10. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 • DESLOCAMENTO DO EIXO DINÂMICO • A industrialização brasileira é conhecida como industrialização por substituição de importações. A INDUSTRIALIZAÇÃO CONTOU COM DOIS PILARES FUNDAMENTAIS: A IMPLEMENTAÇÃO DA INDÚSTRIA DE BASE, E A DINAMIZAÇÃO DO MERCADO INTERNO.

  11. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 • DESLOCAMENTO DO EIXO DINÂMICO • Em 1942 começou a construir a CSN Companhia Siderúrgica Nacional; • Criou a Vale do Rio Doce – com o objetivo de garantir os minérios necessários a CSN.

  12. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 • DESLOCAMENTO DO EIXO DINÂMICO • A dinamização do mercado interno deveu-se: Criação do Ministério do Trabalho; Criação do salário mínimo em 1941; Lei da sindicalização, e outros.

  13. O PROGRAMA ECONÔMICO SOCIAL DA REVOLUÇÃO DE 1930 • DESLOCAMENTO DO EIXO DINÂMICO • Os resultados dessas medidas em termos quantitativos: O VOLUME DE GASTOS DE CONSUMO DA POPULAÇÃO CRESCEU EM MAIS DE 130%.

  14. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • Nos anos de 1930 a 1954, O NACIONALISMO passou a ser um elemento importante nos debates sobre problemas políticos e econômicos brasileiros. PASSOU A FIGURAR DE MODO MAIS FREQUENTE NOS DISCURSOS DOS GOVERNANTES, NAS DIRETRIZES CONSTITUCIONAIS E NAS PRÓPRIAS REALIZAÇÕES DE DO GOVERNO.

  15. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • PRINCIPAIS OBSTÁCULOS: • Setores sociais beneficiários da economia agroexportadora que perdia peso para a industrialização, sobretudo os cafeicultores paulistas; AS MUDANÇAS EM CURSO, PROMOVERAM UM LEVANTE ARMADO EM SÃO PAULO, A PARTIR 09 JULHO DE 1932.

  16. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • Convocação de uma Assembléia Nacional Constituinte (ANC) a realizar em 1934, para dotar o país de uma nova constituição; • Foi editado normas eleitorais, incluindo: • O voto universal e secreto; • O voto feminino; • E a Justiça Eleitoral.

  17. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • O mandato de Getúlio encerraria em 1934, mas a Constituinte eleita naquele ano concedeu-lhe mais quatro ano, sem direito a nova reeleição. EM 10 NOVEMBRO DE 1937, GETULIO SUSPENDEU AS ELEIÇÕES E COMEÇOU A IMPLANTAR O QUE ELE DESIGNOU “ESTADO NOVO” QUE DURARIA ATÉ 1945.

  18. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • MEDIDAS IMPLEMENTADAS, ESTADO NOVO, DE CARÁTER ECONÔMICO SOCIAL: • Suspendeu o pagamento dos juros e amortização da dívida externa; • Suspendeu o sistema de valorização artificiais de compra e queima do café; • Começou a implementar a indústria de base; • Acelerou a adoção de medidas trabalhistas (CLT).

  19. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • Nas eleições de 1946, foi eleito Presidente da República o candidato apoiado por Getúlio Vargas, o Marechal Eurico Gaspar Dultra; AÇÕES ECONÔMICA: Na área social – Manteve intocada a legislação trabalhista, mas não concedeu reajuste, durante o seu governo;

  20. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • AÇÕES ECONÔMICAS GOVERNO DUTRA: • Manteve a construção da Usina Volta Redonda; • Manteve controle nacional sobre o Petróleo e FNM; • Utilizou as reservas para resgatar antecipadamente dívidas externas futuras; • Liberação de importações.

  21. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • CONSEQUENCIAS DAS MEDIDAS ECONÔMICAS: • A rápida pulverização das reservas e o intenso aumento do coeficiente de importação; • Nova inundação do mercado interno com produtos industriais importados; • Comprometimento do esforço industrializante que vinha desde a década anterior.

  22. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • AÇÕES EMANADAS PELO GOVERNO PARA CORRIGIR AS DISTORÇÕES EXTERNAS – através de controle seletivo de importações: • A redução relativa das importações de manufaturas acabadas de consumo; • O aumento das importações de bens de capital e matérias-primas.

  23. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • RESULTADO ALCANÇADO • O SETOR INDUSTRIAL FOI FAVORECIDO DUPLAMENTE: • A possibilidade de concorrência externa se reduzia ao mínimo através do controle das exportações; • As matérias-primas e os equipamentos podiam ser adquiridos a preços relativamente baixos.

  24. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • O RETORNO DE GETULIO E A INDUSTRIALIZAÇÃO PESADA • Em outubro/1950, Getúlio Vargas retorna ao poder através das eleições; • A independência econômica seria obtida, através da implantação da indústria de base; • Através de reforma cambial de 1953 o governo buscou encarecer os bens de capital importados a fim de estimular sua produção interna;

  25. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • Foi criado o Fundo de Reaparelhamento Econômico e o Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDE); • Essas medidas propiciaram a aceleração do crescimento que já vinha desde o começo dos anos de 1930; • O produto per capita, que crescer a 3% ao ano no período 1946 a 1949, passou a crescer 3,5% no período de 1949 a 1954.

  26. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 O CASO DO NORDESTE – no início do segundo Governo, Vargas deparou-se com um problema urgente na região nordeste: a seca 1950/52. • Seus graves efeitos: • Incapacidade do DNOCS em solucionar a questão; • A corrupção dessa velha máquina burocrática; • Falácia da política de “açudagem”.

  27. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 • A percepção da desvantagem do Nordeste no processo de desenvolvimento nacional, dada a sua condição de exportador de produtos primários e consumidor de produtos industrializados de outras regiões do país; • Carência de crédito Bancário – criação BNB; • Criação da CHESF em outubro 1945.

  28. POLÍTICA ECO NACIONALISTA 1930 A 1954 NO PERÍODO 1939-1950, A REGIÃO NORDESTE MARCOU PASSO, ENQUANTO O PAÍS, COMO UM TODO, CRESCEU CONTINUAMENTE. Entre 1948 e 1952 as relações de troca, pioraram de 39 a 42%. Com isso, reduziu-se de 4% a renda da região e, de 50% a sua capacidade de poupança e investimento.