slide1 n.
Download
Skip this Video
Download Presentation
Saúde pública e farmacoepidemiologia

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 34

Saúde pública e farmacoepidemiologia - PowerPoint PPT Presentation


  • 232 Views
  • Uploaded on

Saúde pública e farmacoepidemiologia. Farmacoepidemiologia (Epidemiologia Farmacêutica) Ciência voltada para o benefício e o risco das drogas usadas em populações e para a análise dos resultados das terapias [feitas] com essas drogas.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Saúde pública e farmacoepidemiologia' - arawn


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide3

Farmacoepidemiologia

(Epidemiologia Farmacêutica)

Ciência voltada para o benefício e o risco das drogas usadas em populações e para a análise dos resultados das terapias [feitas] com essas drogas.

É o estudo do uso e dos efeitos dos medicamentos em um grande número de pessoas (STROM, 2000)

.

http://www.anvisa.gov.br/farmacovigilancia/conceito_glossario.htm

slide4
A farmacoepidemiologia é um campo de estudo que constitui uma ponte entre a farmacologia, a terapêutica, a epidemiologia e a estatística.
  • Conceitua-se a fármaco- epidemiologia como a aplicação de raciocínio e métodos epidemiológicos ao estudo dos efeitos, tanto benéficos quando adversos, e do uso dos medicamentos na população (Hartzema)
slide5

Os dados farmacoepidemiológicos vêm tanto de ensaios clínicos como dos estudos epidemiológicos, com ênfase em:

métodos para descoberta e avaliação dos efeitos adversos relacionados com as drogas,

avaliação da razão risco/benefício da terapia com a droga, padrões de utilização da droga, [a relação entre] custo e eficiência das drogas específicas,

metodologia de vigilância “pós- marketing", e a relação entre farmacoepidemiologia e a formulação e interpretação das diretrizes reguladoras

slide6

Endemia

É uma doença localizada em um espaço limitado denominado “faixa endêmica”. Isso quer dizer que, endemia é uma doença que se manifesta apenas numa determinada região, de causa local.

É doença infecciosa que ocorre habitualmente e com incidência significativa em dada população ou região.

Se uma doença ocorre com freqüência em determinada região sempre acometendo grande número de habitantes, chamamo-la de endemia.

Há, por exemplo, endemia de dengue nas grandes cidades brasileiras.

Todo ano, na temporada de chuvas, muitas pessoas são acometidas pela dengue.

slide7
Epidemia
  • É uma doença infecciosa e transmissível que ocorre numa comunidade ou região e pode se espalhar rapidamente entre as pessoas de outras regiões, originando um surto epidêmico.
  • Isso poderá ocorrer por causa de um grande desequilíbrio (mutação) do agente transmissor da doença ou pelo surgimento de um novo agente (desconhecido).
  • É doença geralmente infecciosa, de caráter transitório, que ataca simultaneamente grande número de indivíduos em uma determinada localidade.
  • Se uma doença ocorre em determinada época (mas não com freqüência, ou seja, não todo ano) acometendo grande número de habitantes, chamamo-la apenas de epidemia.
  • Por exemplo: Em um ano, várias pessoas foram acometidas pelo sarampo. Nos anos passados isso não havia ocorrido: epidemia de sarampo
slide8

Pandemia

É uma epidemia que atinge grandes proporções, podendo se espalhar por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes ou destruindo cidades e regiões inteiras.

FARMACOVIGILÂNCIA:

ciência relativa à detecção, avaliação, compreensão e prevenção dos efeitos adversos ou quaisquer problemas relacionados a medicamentos (THE IMPORTANCE OF PHARMACOVIGILANCE, 2002).

slide9

MEDICAMENTO: substância química utilizada para modificar a função de um organismo biológico por razões médicas e, que são administrados na forma de um produto farmacêutico (COBERT & BIRON, 2002).

MEDICAMENTO: produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins diagnósticos (BRASIL, LEI MS N° 5991/73).

http://www.anvisa.gov.br/farmacovigilancia/conceito_glossario.htm

slide10

PROBLEMAS RELACIONADOS A MEDICAMENTOS: qualquer afastamento dos parâmetros de conformidade e no ciclo do medicamento que possam trazer risco ao usuário.

REAÇÃO ADVERSA A MEDICAMENTOS:

é uma reação nociva e não-intencional a um medicamento, que normalmente ocorre em doses usadas no homem.

Nesta descrição, a questão importante é que é uma reação do paciente, na qual fatores individuais podem desempenhar papel importante, e que o fenômeno é nocivo (uma reação terapêutica inesperada, por exemplo, pode ser um efeito colateral, mas não uma reaçãoadversa)(OMS,2002).

http://www.anvisa.gov.br/farmacovigilancia/conceito_glossario.htm

slide11

EVENTOS ADVERSOS: qualquer ocorrência médica não desejável, que pode estar presente durante um tratamento com um produto farmacêutico, sem necessariamente possui uma relação causal com o tratamento. Todo evento adverso pode ser considerado como uma suspeita de reação adversa a um medicamento (COBERT & BIRON, 2002).

http://www.anvisa.gov.br/farmacovigilancia

slide12
EVENTO ADVERSO GRAVE: Efeito nocivo que ocorra na vigência de um tratamento medicamentoso que ameace a vida, resulte em morte, em incapacidade significante ou permanente, em anomalia congênita, em hospitalização ou prolongue uma hospitalização já existente.
  • EVENTO ADVERSO INESPERADO: É qualquer experiência nociva que não esteja descrita na bula do medicamento, incluindo eventos que possam ser sintomaticamente e fisiopatologicamente relacionados a um evento descrito na bula, mas que diferem desse evento pelo grau de severidade e especificidade. Além disso, é considerado inesperado o evento adverso cuja natureza, severidade ou desfecho é inconsistente com a informação contida na bula.
  • ( ANVISA)
fundamentos em sa de p blica
Fundamentos em Saúde Pública
  • Epidemiologia – base da saúde pública
  • Epidemiologia é portanto, o estudo de alguma coisa que aflige ou afeta a população.
  • Ciência que estuda o processo saúde-doença em coletividades humanas, analisando a distribuição e os fatores determinantes das enfermidades, danos à saúde e eventos associados à saúde coletiva, propondo medidas específicas de prevenção, controle, ou erradicação de doenças, e fornecendo indicadores que sirvam de suporte ao planejamento, administração e avaliação das ações de saúde” (Rouquayrol, 1999)
slide14
Conceito saúde-doença
    • OMS – ‘Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas ausência de doença’ (Forattini, 1992)

Abordagem ampla

    • Doença – ausência de saúde
    • Saúde pública – abordagem mais complexa, abrange a saúde coletiva
fundamentos em sa de p blica1
Fundamentos em Saúde Pública
  • OMS 1992

‘ A saúde, tanto individual como coletiva, é resultado das complexas inter-relações entre os processos biológicos, ecológicos, culturais e socio-econômicos que se dão na sociedade, ou seja, é o produto das inter-relações que se estabelecem entre o homem e o ambiente social e natural em que vive’

Prof Ms Benigno Rocha: www.fug.edu.br

fundamentos em sa de p blica2
Fundamentos em Saúde Pública
    • Alguém vive o ideal em saúde?
    • Populações – parcela a sofrer, doenças, mortes
    • Depende de serviços de saúde
    • Sistema integrado – fatores determinantes das doenças, prevenção/profilaxia
  • MEDICINA Saúde do indivíduo
  • SAÚDE PÚBLICA Saúde coletiva

Prof Ms Benigno Rocha:

fundamentos em sa de p blica3
Fundamentos em Saúde Pública
  • Numerosos agravos à saúde e doenças afetam o homem (OMS 1997)
  • Área geográfica – doenças emergem como problema de Saúde Pública
  • Problema?
    • Doenças com freqüência de impacto que causa morbimortalidade – tuberculose, malária, dengue
    • Doenças conhecidas – métodos de prevenção
    • Agravos - acidente de tráfego, uso de drogas, desnutrição

Prof Ms Benigno Rocha

breve hist ria da epidemiologia
Breve História da Epidemiologia
  • Hipócrates – 2500 AC, medicina racional
  • John Graunt – 1662 – Tratado de mortalidade de Londres, analisados por sexo e idade.
  • Pierre Louis – introduziu o método estatístico, na investigação da doença.
  • Louis Villermé – Relacionou condições socioeconômicas e mortalidade.
  • Wlliam Farr – produção de informações epidemiológicas que subdisiaram o planejamento em saúde pública em Londres.
  • John Snow – Conduziu o estudo que levou ao esclarecimento da epidemia de cólera em Londres.

Prof Ms Benigno Rocha:

o que epidemiologia
O que é EPIDEMIOLOGIA?

EPI=SOBRE

DEMO=POPULAÇÃO

LOGIA=ESTUDO

DOENÇAS

CAUSAS

Prof Ms Benigno Rocha

conceito de epidemiologia
Conceito de Epidemiologia

‘Ramo das ciências da saúde que estuda, na população, a ocorrência, a distribuição e os fatores determinantes dos eventos relacionados com a saúde’

Pereira, 2006

EVIDÊNCIAS

Prof Ms Benigno Rocha

slide21

Compreendendo o conceito deepidemiologia

  • Médico
    • Investigar alterações no organismo
    • Exame clínico
    • Solicita exames complementares
    • Chega a um diagnóstico
    • Indica prescrição
  • Epidemiologista
    • Investigar o agravo na população
    • Freqüência e distribuição da doença
    • Informações - dados
    • Hipóteses de fatores determinantes
    • Associação fator-doença
    • Profilaxia

Prof Ms Benigno Rocha:

reas de atua o da epidemiologia
Áreas de Atuação da Epidemiologia
  • Doenças infecciosas e as doenças carenciais.
  • Investigação das doenças no período mórbido e interepidêmico
  • Vigiar a ocorrência e distribuição das doenças agudas e crônicas. Buscar o agente etiológico
  • Pesquisar doenças nutricionais com desenvolvimento parecidos com doenças infecciosas. (Pelegra e Beriberi)
reas de atua o da epidemiologia1
Áreas de Atuação da Epidemiologia
  • Doenças crônicos degenerativos e outros danos a saúde.
  • Doenças comuns na velhice
  • Anomalias genéticas
  • Oncologia
  • Hábitos
  • Acidentes
  • Envenenamento
  • Estado nutricional
  • Cardio Vascular

Pro Ms Benigno Rocha:

reas de atua o da epidemiologia2
Áreas de Atuação da Epidemiologia
  • Os serviços de Saúde
  • Avaliar os serviços de saúde
  • Qualidade do atendimento
  • Propor melhorias
  • Qualidade do atendimento

Prof Ms Benigno Rocha

reas de atua o da epidemiologia3
Áreas de Atuação da Epidemiologia
  • Outras subdivisões da epidemiologia
  • Com a ampliação surgiram várias áreas:

_ Causas – Ambiental e Ocupacional

_ Grupo de risco – Criança e adolescente

_ Local de estudo – Comunitária, hospitalar

_ Outros critérios – Social, nutricional, farmacológica.

Prof Ms Benigno Rocha:

epidemiologia
Epidemiologia
  • Buscar registros
  • Contar número de casos
  • Verificar a distribuição espacial (onde?), temporal (quando?) e por pessoas (quem?)
  • Verificar fatores determinantes (porquê?)
  • Hipóteses sobre transmissão (associação)
  • Ações – atuar sobre os fatores determinantes
  • Avaliação das medidas - impacto

Prof Ms Benigno Rocha:

premissa b sica da epidemiologia
Premissa Básica da Epidemiologia

Os agravos à saúde não ocorrem, ao acaso, na população.

Prof Ms Benigno Rocha:

cabe epidemiologia encontrar respostas para as quest es
Cabe à Epidemiologia encontrar respostas para as questões:
  • Como a doença se distribui segundo as características das PESSOAS, dos LUGARES que elas habitam e da ÉPOCA considerada?
  • Quais são os FATORES que determinam a ocorrência da doença e sua distribuição na população?

Prof Ms Benigno Rocha:

a epidemiologia responde
A Epidemiologia responde:
  • Descrever as condições de saúde da população.
  • Investigar os fatores determinantes da situação de saúde.
  • Avaliar o impacto das ações para alterar a situação de saúde.

Prof Ms Benigno Rocha:

aplica o da epidemiologia
Aplicação da Epidemiologia
  • Geral – reduzir os problemas de saúde, na população.
  • Informar a situação da população:
  • Determinação das frequências.
  • Estudos da distribuição dos eventos.
  • Diagnóstico dos eventos ocorridos, identificando a parcela da população que foi afetada.

Prof Ms Benigno Rocha:

aplica o da epidemiologia1
Aplicação da Epidemiologia
  • Investigar os fatores que influenciam a situação de saúde.
  • Estudo científico das determinantes do aparecimento e manutenção dos danos à saúde, na população.
aplica o da epidemiologia2
Aplicação da Epidemiologia
  • Avaliar o impacto das ações propostas para alterar a situação encontrada
  • Determinação da utilidade e segurança das ações isoladas, dos programas e dos serviços de saúde.

Prof Ms Benigno Rocha:

aplica o espec fica da epidemiologia
Aplicação Específica da Epidemiologia

Fornecer os conceitos, o raciocínio e as técnicas para estudos populacionais, no campo da saúde.

Prof Ms Benigno Rocha:

epidemiologia interdisciplinar
Epidemiologia Interdisciplinar
  • Clínica – define a doença (CASO)
  • Análises Clínicas – exames laboratoriais, confirma o diagnóstico
  • Estatística – análises quantitativas
  • Sociologia – relação homem-homem e suas contradições, preocupação com a população humana
  • Ecologia – relações homem e meio ambiente
  • Geografia e geologia
  • Odontólogos, nutricionistas, biológos, enfermeiros,

Prof Ms Benigno Rocha: