slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
COBRA NORATO Raul Bopp PowerPoint Presentation
Download Presentation
COBRA NORATO Raul Bopp

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 30

COBRA NORATO Raul Bopp - PowerPoint PPT Presentation


  • 537 Views
  • Uploaded on

COBRA NORATO Raul Bopp. COBRA NORATO – CONTEÚDO NARRATIVO DE CADA SEGMENTO – I – “Um dia eu hei de morar nas terras do Sem-fim”

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'COBRA NORATO Raul Bopp' - alyssa


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

COBRA NORATO

Raul Bopp

slide2

COBRA NORATO

– CONTEÚDO NARRATIVO DE CADA SEGMENTO –

I – “Um dia

eu hei de morar nas terras do Sem-fim”

Este é o verso de abertura. O desejo do Poeta. A ideia de BUSCA. O Poeta estrangula a Cobra Norato, mete-se em sua pele e começa a correr o mundo. Quer visitar a Rainha Luzia. “Quero me casar com sua filha”.

slide3

II – “Começa agora a floresta cifrada”

O Poeta entra na floresta “cifrada”; a floresta que tem de ser decifrada, entendida, compreendida. Sombras, sapos, pedaço de mato, árvores, fio d’água, lama, atoleiros, o Bicho do Fundo, a selva imensa. Sempre buscando a filha da Rainha Luzia, buscando suas pegadas.

slide4

III– “Sigo depressa machucando a areia

Erva-picão me arranhou.”

O Poeta continua sua busca pela floresta, que se revela pouco a pouco. Caules gordos, galhinhos fazendo psiu. Moitas de tiririca, um charco de umbigo mole. Tais elementos compõem o quando da travessia do Poeta, em busca da filha da Rainha Luzia.

slide5

IV – “Esta é a floresta de hálito podre

parindo cobras.”

É a descrição da floresta parada, imensa nas águas podres. Rios magros, raízes despenteadas, o charco que engole a água do igarapé, o fedor, o pau seco que despenca, o sapo que pergunta: “Quem é você? – Sou Cobra Norato/ Vou me amasiar com a filha da Rainha Luzia.”

slide6

V – “Aqui é a escola das árvores

Estão estudando geometria.”

Árvores cegas de nascença que têm de obedecer ao rio. São as escravas do rio. Na “escola das árvores”, as árvores cantam em uníssono, como as crianças, na escola primária: “Ai ai! Nós somos escravas do rio.” As árvores fazem sombras para afogar o homem.

slide7

VI – “Passo nas beiras de um encharcadiço

Um plasma visguento se descostura

e alaga as margens debruadas de lama”

O Poeta avança, sempre mais, na pele da Cobra Norato, fura paredões moles, cai num fundo de floresta mal assombrada, soldados fabricam terra, o mato amontoado se derrama no chão, arbustos desconhecidos, vento-ventinho, etc.

slide8

VII – “Ai! Tenho presa. Vou andando

Furo tabocas

- onde estou?”

Árvores de galhos idiotas, águas defuntas esperando apodrecer, raízes com fome, carobas sujas, açaís pernaltas, miritis, sapo sozinho, o ronco do trovão, a sombra com os horizontes.

slide9

VIII – “Desaba a chuva

levando a vegetação”

A tempestade assola a floresta, nuvens negras, palmeiras voltadas para o céu, as tiriricas fogem, as saracuras piam, guariba puxa rezas lagoas se arrebatam, galhos secos despencam... O “céu tapa o rosto/ Chove... Chove... Chove...”

slide10

IX – “Ai que estou perdido

Num fundo de mato espantado mal-acabado”

Cobra Norato (o Poeta) fica na lama, depois da tempestade. Aparece alguém na escuridão: o Tatu de bunda-seca. O Poeta pede auxílio para sair do lodaçal (“goela podre”). Responde o Tatu: “Então segure no meu rabo que eu le puxo”.

slide11

X – “Agora

quero um rio emprestado pra tomar banho”

É uma imagem. Os rios estão sujos de lama, o Poeta quer um rio limpo para tomar banho e dormir “três dias e três noites/com o sono do Acutipuru.”

slide12

XI – “Acordo

O silêncio dói dentro do mato”

Aparecem as estrelas, depois da tempestade, as águas refluem. O Poeta explica sua vontade: ouvir música mole, “música com gosto de lua” e do corpo da filha da Rainha Luzia. O Poeta prossegue.

slide13

XII – “A madrugada vem se mechendo atrás do mato”

Dia claro, depois da noite de lua “ com olheiras” (crescente/minguante). As raízes acordam, o rio vai para a escola estudar geografia, gaivotas, árvores acocoradas. Os horizontes chamam o Poeta que tem de prosseguir na busca, na travessia.

slide14

XIII – “Solzinho Infantil

cresceu engordurado e alegre”

A floresta atravancada, fechada. Rios escondidos, que surgem aqui e acolá. O sol forte.

XIV– “Meio dia

de um céu demorado”

O sol que começa a secar tudo. Dormem os sáurios.

slide15

XV – “Céu muito azul

Garcinha branca voou voou

Pensou que o lago era lá em cima.”

Modorra, o mormaço, passarão que voa sozinho no silêncio.

XVI – “Mar fica longe, compadre?

- Fica

São dez léguas de mato e mais dez léguas.

- Então vamos.”

Começa a escurecer, a tarde fica vermelha, sombras se alongam, um inhambu, um grito de pixi-pixi, a noite “encalhou com um carregamento de estrelas.”

slide16

XVII – “A floresta vem caminhando

- Abra-se que eu quero entrar”

O charco começa a secar; um rio filhote passa pedindo para o sol não aparecer, senão ele seca; não há comida, a água da lagoa parou.

XVIII – “Vou me estirar neste paturá

para ouvir barulhos na beira de mato

e sentir a noite toda habitada de estrelas.”

Quem sabe as estrelas não teriam visto o rasto da filha da Rainha Luzia? O silêncio total da noite quente.

slide17

XIX – “Mar desarrumado

de horizontes elásticos

passou toda a noite com insônia

monologando e resmungando”

O mar quebrando suave na areia, falando sozinho (marulhando) “De onde vem tanta água, compadre?”

slide18

XX – “Começa hoje a maré grande”

A pororoca vai começar com a lua (cheia). É preciso andar de pressa.

XXI - “Noite pontual

Lua cheia apontou, pororoca roncou.”

A pororoca vem, em vagalhões imensos. As ilhas somem, a vegetação desaparece, a água invade a floresta, as árvores se rompem, a pororoca traz de volta a terra que fugiu com a correnteza.

slide19

XXII – “Paisagem encharcada

o luar espesso amansa as águas

árvores parecem pássaros inchados”

A reversão do rio, o mar inverte o fluxo, a polpa de mato que surge ao longe: o melhor é navegar para ela, aproveitando a enchente.

XXIII – “Noite grande”

Navega-se num braço de mar e num céu que não acabam mais.

“Há tanta coisa que a gente não entende, compadre/ - O que é que haverá atrás das estrelas?”

slide20

XXIV – “Compadre, eu já estou com fome

Vamos lá pro putirum roubar farinha?”

O cunhado jabuti sabe o caminho para o Putirum. Joaninha Vintém, a farinheira conta o causo do Boto.

XXV – “A festa parece animada, compadre

- Vamos virar gente pra entrar?

- Então vamos.”

O Poeta entra na festa, dizendo um verso quebrado para a dona da casa. Um golinho de cachaça, e mais “chorado” na viola.

slide21

XXVI – “Noite está bonita

Parece envidraçada”

As pororocas dormem na beira do rio, os jacarés em férias, uma suçuarana que passa de leve, vento suave.

XXVII – “Mais estrelas adiante uma pajelança.”

É a sessão com o Pajé, o feiticeiro da tribo. O Pajé atende aos que o solicitam, fazendo suas benzeduras e suas mágicas.

slide22

XXVIII – “A floresta se avoluma

Movem-se espantalhos monstros

riscando sombras estranhas pelo chão.”

O luar no mato sonolento. A paisagem no silêncio. Ruídos que anunciam o trem Maria-fumaça, que passa. Um navio que se vai.

slide23

XXIX– “Escuta, compadre

O que se vê não é navio. É a Cobra Norato.”

O Navio é a Cobra Grande que vai em procura de uma virgem. Casamento de Cobra Grande chama desgraça. É preciso fazer mandinga para afastar a Cobra Grande.

XXX – “Abre-te vento

que eu te dou um vintém queimado”

É preciso passar pelo mundo mágico, em busca da Cobra Grande. O Poeta leva um anel e um pente de ouro para a noiva da Cobra Grande.

slide24

XXXI – “Esta é a entrada da casa da Boiúna”

A Boiúna é o outro nome da Cobra Grande. Um Cururu está de sentinela. O Poeta desce a grota cheio de medo. Passa uma canoa carregada de esqueletos. O Poeta avista a noiva de Cobra Grande. Fica surpreendido: é a filha da Rainha Luzia que ele estava procurando. A Cobra Grande vai acordar. A Cobra Grande vem vindo, o Poeta fugindo, pedindo auxílio para despistá-la. Pajé-pato, a pedido do Poeta, ensina o caminho errado para Cobra Grande. A Cobra Norato se salva, enquanto a Cobra Grande, no caminho errado, entra com a cabeça no cano da Sé, e fica com ela enfiada “debaixo dos pés de Nossa Senhora”.

slide25

XXXII– “E agora, compadre

vou de volta pro Sem-fim.”

É o canto e o desejo da Cobra Norato (o Poeta). Ir para as terras altas, levar consigo a noiva, filha da Rainha Luzia.

XXXIII – “Pois é, compadre,

Siga agora o seu caminho.”

É o canto final do Poeta (Cobra Norato), o epílogo. Dirige-se ao compadre que o acompanhou na aventura. As pessoas convidadas para o casamento se encontram no poema.

slide26

ESTUDO SOBRE O POEMA

Exemplo da estética antropofágica – põe em movimento o ritual de devoração das tradições, da mescla do universal com o local.

Há no poema ecos das epopeias greco-latinas, nas quais um personagem atravessa mundos desconhecidos em busca da superação dos próprios limites.

A lenda, o mito e o folclore em que Bopp se baseia para construir sua história são oriundos das narrativas colhidas entre índios, negros, caboclos, ribeirinhos, etc., com quem o poeta conviveu ao longo de sua viagem.

slide27

Poema: drama épico e mitológico nas selvas amazônicas, incorporando à moderna estrutura do verso livre elementos do folclore e da fala regional, fundindo imagens originais com o ritmo tenso, sintético, sincopado, quase telegráfico.

O poema “Cobra norato”, trata da história de um eu poético que mergulha no mundo maravilhoso do sonho, encarna a cobra lendária da Amazônia e segue para as “ilhas decotadas”, isto é, as terras do “sem fim”, em busca da mulher desejada.

slide28

A aventura de Cobra Norato segue o padrão de unicidade ao descrever a trajetória do herói mítico:

PARTIDA (SEPARAÇÃO)/ INICIAÇÃO/RETORNO.

“Um dia

Hei de morar nas terras do Sem-fim

Vou andando caminhando caminhando

Me mistura no ventre do mato mordendo raízes.”

Expressa o desejo do narrador de retornar às origens, portanto, à mãe. O herói vive o momento do sonho, configurado pelo tempo “um dia”. Ao penetrar no “ventre” da floresta, ele segue por tortuosos caminhos, logo sente que “(...) o sono escorregou nas pálpebras pesadas”.

slide29

O termo “sem fim” remete para os horizontes sem fronteiras do imaginário, confirmando, dessa forma, a irrupção do inconsciente.

Inspirado na experiência pessoal, o poeta tenta transmitir em seus versos o sentimento de deslumbramento e de terror que a floresta infunde no estrangeiro que adentra seus domínios.

A personificação da floresta é um recurso recorrente na construção de “Cobra Norato”. Por meio desse artifício, o autor reitera o caráter mítico de sua narrativa, igualando num só nível os universos humano, animal e vegetal.

slide30

A justaposição de imagens na composição dos cenários da floresta é índice do dinamismo descritivo de “Cobra Norato”. Busca-se associar a linguagem ao ritmo da viagem, recurso que aproxima a forma e o sentido do poema.

Na pororoca, o mar e o rio são elementos díspares que se enfrentam, devorando e transformando tudo em volta, o que é uma alegoria do Movimento Antropofágico. A violência extasiante da cena é apresentada numa sucessão de imagens, por meio da exploração musical dos signos em suas recorrências aliterativas.

“Noite pontual

Lua cheia apontou, pororoca roncou.

Vem que vem vindo como uma onda inchada

Rolando e embolando

Com a água aos tombos.”