slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
UM RELATO SOBRE O PROGRAMA DE CONTROLE DO TABAGISMO EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NO DISTRITO SANITÁRIO DO CENTRO HISTÓRICO PowerPoint Presentation
Download Presentation
UM RELATO SOBRE O PROGRAMA DE CONTROLE DO TABAGISMO EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NO DISTRITO SANITÁRIO DO CENTRO HISTÓRICO

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 27

UM RELATO SOBRE O PROGRAMA DE CONTROLE DO TABAGISMO EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NO DISTRITO SANITÁRIO DO CENTRO HISTÓRICO - PowerPoint PPT Presentation


  • 140 Views
  • Uploaded on

UM RELATO SOBRE O PROGRAMA DE CONTROLE DO TABAGISMO EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NO DISTRITO SANITÁRIO DO CENTRO HISTÓRICO. HUMBERTO COSTA Odontologo. Salvador-Ba, 05 de setembro de 2011.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'UM RELATO SOBRE O PROGRAMA DE CONTROLE DO TABAGISMO EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NO DISTRITO SANITÁRIO DO CENTRO HISTÓRICO' - alodie


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

UM RELATO SOBRE O PROGRAMA DE CONTROLE DO TABAGISMO EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NO DISTRITO SANITÁRIO DO CENTRO HISTÓRICO

HUMBERTO COSTA

Odontologo

Salvador-Ba, 05 de setembro de 2011

slide2

“Não me ative à sua proibição de fumar. Crês realmente que é uma grande sorte viver muitos anos uma existência miserável?”

Sigmund Freud

Fonte: http://www.artsz.org/freud-and-art/

introdu o
O Tabagismo é considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a principal causa de doenças e morte evitável e um dos maiores problemas de saúde pública, de proporções internacionais. O consumo de tabagismo pode causar dependência física, psicológica ou emocional e dependência comportamental ou de hábito (DUARTE, 2007).Introdução
slide4
Desde 1989 o Ministério da Saúde através do Instituto Nacional do Câncer (INCA) criou o Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNTC), com o objetivo de reduzir a prevalência do tabagismo e a morbi-mortalidade por doenças ocasionadas pelo tabaco no país.
slide5
Na Bahia, o Programa Estadual de Controle do Tabagismo e Outros fatores de Risco de Câncer (PECT) é desenvolvido pela Secretária de Saúde do Estado (SESAB) através da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVEP), vinculado a Superintendência de Vigilância e Proteção a Saúde (SUVISA) e coordenado nacionalmente pelo Ministério da Saúde por intermédio do Instituto Nacional do Câncer (BAHIA, 2010).
slide6

Objetivo Geral

  • Descrever as características dos pacientes atendidos no Programa de Controle do Tabagismo no período de 2008 a junho de 2010 em uma unidade de saúde no distrito sanitário do Centro Histórico de Salvador-Ba, também reflito sobre os resultados que serão apresentados nos momentos finais da escrita.

Foto By Daniela Gama

slide7

Revisão de literatura

  • O tabaco é uma planta cuja espécie mais conhecida e a Nicotina tabacum, explorada comercialmente sob a forma de charutos, cigarros, cigarrilhas, fumo para cachimbo, tabaco mascável e rapé.
  • Silverstein (2002) observou os efeitos deletérios destes, devido aos mais de 4000 constituintes tóxicos.
slide8

Destas substâncias, a nicotina é um dos componentes mais importantes do tabaco devido seu potencial tóxico.

  • Seus efeitos estimulantes (o humor, melhora a concentração, diminui ansiedade e o peso), reforçam seu uso.
  • A nicotina exerce também ações especificas sobre outros sistemas neurotransmissores, que dão origem à síndrome de abstinência.
slide9

Várias patologias são associadas ao cigarro , tais como: doenças coronarianas, doenças respiratórias, doenças cerebrovascular.

  • Dos 24,6 milhões de dependentes, 33,9% fumam de 15 a 24 cigarros por dia. E nada menos do que 60,3% deles acendem o primeiro cigarro do dia no máximo 30 minutos depois de acordar. Dois de cada dez começam a fumar apenas cinco minutos após despertar (BRASIL, 2008).
relato de experi ncia
Relato de Experiência
  • A vivência diária do autor como profissional da equipe foi muito importante para facilitar a avaliação do programa.
  • A população de estudo corresponde ao Distrito Sanitário do Centro Histórico, constituído de seis Unidades Básicas de Saúde (USB) e duas Unidades de Saúde da Família (USF).
  • A Unidade Básica de Saúde do D.S.C.H, é a Unidade de São Francisco, localizada no bairro do Tororó
instrumentos e m todos
PPA (Planilha de Produção Ambulatorial) para registro semanal dos atendimentos em grupo;

Planilhas de coleta de informações do tabagismo, planilhas de consolidação de informações do tratamento do tabagismo nos relatórios mensais e anuais de grupo;

Analise dos dados destas planilhas considerando idade, sexo, terapêutica medicamentosa, quantidade de sessões freqüentadas, cessação ou não de fumar.

Instrumentos e métodos
funcionamento do programa de controle
Programa de Controle do Tabagismo

As ações educativas

Campanhas de conscientização e mobilização da sociedade

O atendimento das pessoas

Terapia de reposição ou substituição com nicotina

Funcionamento do programa de controle
slide13

Resultados

Tabela 1: Consolidação das informações dos grupos de tabagismo anos 2008/2009/2010.

Fonte: dados da amostra

slide17

Tabela 2: Quantidade de participantes que fizeram o uso da reposição da nicotina nos anos de 2008/2009/2010.

Fonte: dados da amostra

slide21

TESTE FAGERSTROM DE DEPENDÊNCIA DA NICOTINA (TFDN)

O questionário abaixo, batizado com o nome de um médico dinamarquês Karl Fagerstrom, oferece informações generalizadas sobre o grau de dependência física, mas pode ajudar quem deseja escolher o melhor método de desintoxicação. (*)

Quando você fuma o seu primeiro cigarro depois de acordar?

( ) Dentro de 5 minutos [3]

( ) Após 6 a 30 minutos [2]

( ) Após 31 a 60 minutos [1]

( ) Após 60 minutos

[0]

Você acha difícil respeitar as proibições de fumar?

( ) Sim [1]

( ) Não

[0]

De qual cigarro é mais abdicar?

( ) Do primeiro da manhã [1]

( ) Outros

[0]

Quantos cigarros você fuma por dia em média?

( ) Até 10 [0]

( ) 11 a 20 [1]

( ) 21 a 30 [2]

( ) 31 ou mais

[3]

Você costuma fumar mais de manhã do que durante o resto do dia?

( ) Sim [1]

( ) Não

[0]

Já aconteceu de você fumar quando está doente e precisa ficar de cama?

( ) Sim [1]

( ) Não [0]

Total de Pontos ________

(*) Avaliação: 0-4 pontos: Baixa dependência; 5-7 pontos: média dependência; 8-10 pontos: forte dependência

slide22

Tabela 3: Consolidado Resultado Teste Fagerstrom Ano 2008/2009/2010

Fonte: dados da amostra

relatos
“Foi gratificante a participação por buscar a abstenção e poder dialogar sobre os problemas do cigarro, alem do apoio do grupo”;

“Hoje me sinto feliz e toda a minha família. Penso que não volto a fumar de novo, pelo que foi feito nas semanas que participei do grupo”;

“Foi muito gratificante participar e ver os resultados. Alguns companheiros deixaram o vício, superaram os obstáculos. Eu ainda estou fumando, bem menos, mas meu desejo é deixar mesmo”.

Relatos
discuss o breves considera es
A atenção básica é um campo propicio para aplicação do Programa do Tabagismo;

A cobertura do programa no D.S.C.H é baixa;

O Programa de Tabagismo na unidade básica São Francisco cumpre a sua finalidade e obtém resultados satisfatórios.

A política municipal de controle do tabagismo deve ser fortalecida, com um caráter abrangente e agregador, envolvendo diretamente setores da sociedade, baseado na promoção e prevenção à saúde.

DISCUSSÃO: breves considerações
refer ncias
ACHUTTI, Aloysio. Guia Nacional de Prevenção e Tratamento do Tabagismo. Rio de Janeiro: Editora Vitrô comunicação, 2001.

ANDRADE, Tarcisio Matos. O uso de substâncias psicoativas no Brasil. Epidemiologia, Legislação, Políticas Públicas e Fatores Culturais. Supera SENAD. 46p. 2006. Brasília.

BAHIA SESAB, 2010. www.saude.ba.gov.br/portalsesab/antitabagismo. Acessado em jun 2010.

BRASIL, Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Tabagismo – Um Grande Problema de Saúde Pública. Ed. INCA, Rio de Janeiro, 2007.

DUARTE, Paulina do Carmo; Org. Prevenção ao uso Indevido de Drogas. Curso de Capacitação para Conselheiros Municipais. Brasília, Presidência da Republica, SENAD – 288p. 2008.

FOCCHI, Guilherme Raulino de A; BRAUN, Ivan Mário. Tratamento Farmacológico do Tabagismo. Rev. Psiquiátrica Clínica, n° 32, 266p. 2005.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

QUEIROZ, Rejane Christine. Validade e confiabilidade das declarações de óbito por câncer de boca no município do Rio de Janeiro. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2002.

Referências
slide27

Agradecimento (Usuário)

Em algum momento de nossas vidas, por fantasia ou acharmos bonito, resolvemos optar pelo uso de alguma droga lácita e em alguns casos, ilícitas. A conseqüência é que formos tragados pela dependência e, hoje de forma consciente dos malefícios que elas nos trazem, queremos nos livrar das mesmas e para tanto buscarmos saúde promovida por pessoas que se encontram dispostas a nos ajudar sem nada de nós cobrar.

A principio não consegui êxito total. Consegui apenas reduzir o numero de cigarros. No entanto, nas minhas próprias reflexões, quanto a redução, descobrir que estava trapaceando a mim própria. É até aceitável a infeliz condição de não livrar-me da dependência do tabagismo mas, trapacear a mim mesmo é uma condição inaceitável. Sobretudo por participar de terapias em grupos com tantos depoimentos deprimentes, infelizmente.

É uma questão vital gozar de saúde e principalmente livrar-me de uma suicídio lento e silencioso. Portanto, não engane a si próprio: É tudo ou nada!

Optei por tudo de bom ou seja gozar de uma vida prazerosa com a ausência do falso prazer causado pelas drogas, seja ela de qual tipo for, lícita ou ilícita.