slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
O RIO DE JANEIRO Visto pelos artistas franceses (1551-1886) Pintores, Litógrafos e Gravadores. PowerPoint Presentation
Download Presentation
O RIO DE JANEIRO Visto pelos artistas franceses (1551-1886) Pintores, Litógrafos e Gravadores.

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 23

O RIO DE JANEIRO Visto pelos artistas franceses (1551-1886) Pintores, Litógrafos e Gravadores. - PowerPoint PPT Presentation


  • 140 Views
  • Uploaded on

O RIO DE JANEIRO Visto pelos artistas franceses (1551-1886) Pintores, Litógrafos e Gravadores. Mais uma homenagem ao ano da França no Brasil que se festeja em 2009. Dedicado aos apaixonados pela história do Rio de Janeiro e aos estudantes das belas-artes.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'O RIO DE JANEIRO Visto pelos artistas franceses (1551-1886) Pintores, Litógrafos e Gravadores.' - Thomas


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

O RIO DE JANEIRO

Visto pelosartistas franceses(1551-1886)

Pintores, Litógrafos e Gravadores.

Mais uma homenagem ao ano da França no Brasil

que se festeja em 2009.

Dedicado aos apaixonados pela história do Rio de Janeiro e aos estudantes das belas-artes.

Série Artistas Franceses no Rio de Janeiro – Parte I

Pesquisa de imagens, desenhos, formatação e texto: Cau Barata – 11.05.2009.

slide2

Este estudo, da imagem carioca, vista pelo olhar dos franceses, relaciona 116 artistas que deixaram suas impressões da Cidade Maravilhosa entre 1550 e 1889.

Alguns deles não estiveram no Rio de Janeiro, nem mesmo no Brasil, mas retrataram a Cidade, tomados pela paixão da sua beleza exuberante, através do contato com os trabalhos feitos por seus conterrâneos, ou olhando os flagrantes fotográficos de outros que aqui estiveram.

Há casos em que uma só pintura ou fotografia gerou diversos trabalhos impressos por litógrafos franceses, deixando, por vezes, dúvidas sobre quem realmente viu o que desenhou, ou sobre quem foi o autor da primeira imagem.

“Journal Français du Brésil” – Présences Françaises au Brésil. Edition Spéciale. Rio de Janeiro, 14 Juillet 1957 (Exemplar da Coleção Cau Barata)

slide3

Inicialmente, pensei em apresentar estes artistas, em ordem alfabética, pelos seus prenomes; no entanto, ao analisar seus trabalhos, achei que seria mais interessante, para que se entenda, iconograficamente, a evolução histórica e arquitetônica da Cidade do Rio de Janeiro, apresentar seus trabalhos em ordem cronológica.

Cabe registrar que descartei, neste trabalho, os cartógrafos, salvo aqueles cujos trabalhos foram apresentados em perspectivas, ou com a representação do casario do centro urbano. Estes, na sua maior parte, elaboraram seus trabalhos do século XVI ao XVIII.

Foi dada a preferência para as imagens de vistas, paisagens e tipos da Cidade, descartando-se, também, as fotografias, que ficam para uma outra ocasião.

“Journal Français du Brésil” – Présences Françaises au Brésil. Edition Spéciale. Rio de Janeiro, Noel 1958. (Coleção Cau Barata).

slide4

Atribuída àJean Cousin

Guerreiros em ação.

Cotidiano.

Carregando o Pau Brasil.

O casal

1551

Raríssimo opúsculo, impresso em 1551, no qual há um capítulo referente ao Brasil, acompanhado de uma bela ilustração. Tem o seguinte título: “CEST LA DEDUction du sumptueux ordre plaisantz speCTACLES ET MAGNIFIQUES THEATRES DRESSES, ET EXHIBES PAR LES CITOIens de Rouen ville Metropolitaine du pays de Normandie, A la sacree Majesté du Treschristian Roy de France, Henry second leur souverain Seigneur.”

Jean Cousin nasceu na França, em 1522, e faleceu em 1594.

“Esta gravura, representando índios em festa na França, é uma prova insofismável do conhecimento que os franceses tinham de nosso país, nesta época remota, graças à frequência e facilidade que achavam em percorrer a costa, fazendo escambo com os índios. Vem aqui reproduzida já que os tupinambás viviam na baía da Guanabara.”(Gilberto Ferrez – Iconografia do Rio de Janeiro, 1530-1890).

“Esta é a primeira peça iconográfica brasileira, feita com conhecimento de causa, e na qual aparecem nativos. A gravura fixa usos e costumes dos índios tabajaras e tupinambás. Aparecem combatendo, dançando, caçando, dormindo, cortando e transportando os brasis para os navios franceses; vemos suas armas, casas, trajes, etc. Esta célebre festa, na qual havia 50 índios de mistura com marinheiros franceses fantasiados de índios, com todos os apetrechos de guerra e de festa, araras, macacos e frutos, deu-se nas margens do rio Sena, em Rouen, em honra do rei de França, Henrique II, e sua mulher Catarina de Médicis, que estiveram presentes em 1.º de outubro de 1550. Quem primeiro chamou a atenção dos historiadores sobre esta raridade foi Ferdinand Denis, em Une Fête Brésilienne célebrée a Rouen en 1550, Paris, 1850, onde a gravura foi reproduzida tal qual o original, em litografia executada pela oficina de M. Lemercier.”(Gilberto Ferrez – Iconografia do Rio de Janeiro, 1530-1890).

Combate - Detalhe da xilogravura (17,5 x 26,3 cm), que encontra-se no referido opúsculo do qual só existem, talvez, meia dúzia de exemplares, um dos quais está no Brasil. Traz por título: Figure des Brisilians.

slide5

AndréThevet

1556-1557

LISLE DE MARGAIAS - ILHA DO GOVERNADOR. Ainda entre os trabalhos cartográficos de Thevet, consta a hoje Ilha do Governador, que aparece em sua Carta Riviere de Ganabara ou de Janvier, com o nome Lisle des Margaias (Ilha dos Maracajás). Até 1554, antes da chegada dos franceses ao Rio de Janeiro, a Ilha do Governador era habitada pelos índios Temiminós, também chamados de Maracajás (gato bravo), razão pela qual os portugueses deram à Ilha de Paranapuã, denominação indígena da Ilha do Governador, os nomes de Ilha do Gato e Ilha dos Maracajás [Alvaro Teixeira Filho – Roteiro Cartográfico, 36].

André Thevet, nasceu na França, em 1502, e faleceu em 1592. Frade franciscano e cosmógrafo, que esteve no Rio de Janeiro, em 1556, na expedição de Villegaignon.

Tornou-se um dos principais cronistas da “França Antártica”. Publicou em Paris, França, em 1557, seu livro Les Singularités de la France Antarticque.

“Nele constam várias xilogravuras valiosas e curiosas por sua força descritiva, assim como por serem os primeiros desenhos dos hábitos e costumes dos primeiros habitantes da baía do Rio de Janeiro.”

(Gilberto Ferrez)

O abacaxi

A mandioca

Mulheres preparando o cauim

Edição de 1558– folha 45v.

Ilha do Governador

A preguiça Edição de 1558 – folha 99v.

Colhendo cajus e expremendo-os Edição de 1558 – folha 117v.

Típica embarcação francesa que cruzava os mares em meados do século XVI, em direção ao Brasil. Imagem de Caravela (Colosses de Rhodes), segundo consta da obra de André Thevet – Cosmographie de Levant, de 1554.

Paul Gaffarel, ao anotar a edição de Paris, de 1878, concluiu que os desenhos da segunda edição de André Thevet, em 1558, foram de Jean Cousin (com quem iniciei este estudo), dirigido por Thevet, e que os da terceira edição, de Anvers, também de 1558, seriam uma cópia do gravador Assuerus van Londerzeel.

Thevet, no seu Grand Insulaire, afirma que os desenhos foram feitos por ele, assim como na Cosmographia Universalle, impressa em 1575.

O fumo.

“Les singularitez de la France Antarctique, autrement nommée Amerique, [et] plusieurs terres [et] isles decouvertes de nostre temps / par F. Andre Thevet ...”

O corte do pau brasil.

Ilha de Villegaignon

Ruse de Quoniambech

O grande chefe Cunhambebe.

Poutraiet du Roy Quoniambec

Retrato do célebre chefe da tribo Cunhambebe.

Paris, Chez les heritieres de Maurice de la Porte, 1557, in-4.º

(O sucesso da edição de 1557 obrigou a impressão imediata de outras duas em 1558.)

Gravura anônima, baseada em desenho de Thevet, de 1556. 146 x 182mm. Manuscrito da Biblioteca Nacional de Paris.

“Preciosa gravura mostrando com todos os detalhes, a ilha de Villegaignon, suas fortificações e habitações. Nos dois montículos então existentes, havia uma casa no topo de cada um e uma bateria de canhões no da esquerda. No trecho plano, vemos na parte central da ilha fortificações e, mais para dentro, a grande casa com outras pequenas, assim como tendas e soldados de guarda. Na extremidade esquerda, um grupo de palmeiras. (Gilberto Ferrez – Iconografia do Rio de Janeiro, 1530-1890)

Segunda edição.

A Paris, Chez les heritieres de Maurice de la Porte, au Clos Bruneau, à l´enseigne S. Claude,1558.

Terceira edição.

A Anvers [Belgica] : De l´imprimerie de Christophle Plantin a la Licorne d´or, 1558. in-8.º, 163. [1]f. : il. ; 15cm. (8vo). Foi ricamente ilustrada com 38 gravuras.Original: Biblioteca Nacional de Paris. Marca do tipógrafo Christophle Plantin na página de rosto. Capitais ornamentadas.

Nouvelle édition, avec des notes et commentaires, par Paul Gaffarel. – Paris, Maisonneuve et C.ie, 1878, petit in-8.º, LXII et 459 pages, avec figuressur bois.

Reimpressão da edição de Paris, 1558.

(Exemplar da coleção Cau Barata)

Ex-Libris comemorativo do Centenário da França Antártica, 1555 – 12 de novembro 1955.

No centro, estampado a folha de rosto da segunda edição da obra de André Thevet, Paris, 1558.

(Exemplar da coleção Cau Barata)

Retrato de André Thevet gravado no folio 11, de seu trabalho “Des vrais pourtaits et vies dês hommes ilustres”, Paris, 1584.

Thevet esteve, no Rio de Janeiro, entre 10 de novembro de 1555 e 31 de janeiro de 1556.

Mulheres preparando o cauim Edição de 1557– folha 46v.

A preguiça Edição de 1557 – folha 99v.

Colhendo cajus e expremendo-os Edição de 1557 – folha 120v.

slide6

Jean deLery

1557 (1578)

Jean de Lery, calvinista francês, nasceu em 1534, em La Margellee, e faleceu em 1611, em Berna.

Foi mais um dos participantes da expedição de Villegaignon, no Rio de Janeiro, em 1556. Embarcou no navio “La Grande Roberge”, que largou velas a 19.11.1556. Chegaram ao Rio de Janeiro, no domingo, 07.03.1557.

Deixou o Rio de Janeiro, aos 04.01.1558, a bordo do navio “Jacques”.

Sua experiência em terras cariocas deu origem ao livro Viagem à Terra do Brasil, impresso em 1578, com o título original: HISTOIRE D'VN VOYAGE FAIT EN LA TERRE DV BRESIL, AVTREment dite Amerique. Contenant la nauigation, choses remarquables, veues sur mer par l' aucteur .... A La Rochelle : par Antoine Chappin, 1578.

Foi Livro de grande repercussão na Europa, onde teve numerosas edições a partir desta de 1578, 19 européias e depois 5 brasileiras, até 1988.

“Nesta obra de Jean de Lery ocorrem várias xilogravuras sobre os usos e costumes dos índios que habitavam a baía do Rio de Janeiro. As edições, dadas por Lery enquanto vivo, foram todas de Genebra: 1578, 1580, 1585, 1594, 1599 e 1611, apesar de na primeira edição estar dito que foi impressa em La Rochelle(Reverdin, Olivier, Quatorze Calvinistes chez les Topinambous, Genebra, 1957, nota na página 11). Na folha de rosto lê-se: Avec les figures, revue, corrigee & bien augmentee par l´Auteur. O número de ilustrações na primeira edição é menor que nas subsequentes.” (Gilberto Ferrez – Iconografia do Rio de Janeiro, 1530-1890).

Folha de rosto da primeira edição – 1578.

Portrait du combat entre les Tououpinambaoults & Margajas Sauvages Brésiliens

No primeiro plano, combate feroz entre tupinambás e maracajás, ao longe, tabas, redes, moquém, índios em descanso e, mais distante ainda, montanhas do Rio de Janeiro. Xilogravura de 16,0 x 22,0 cm, que consta da obra de Jean de Lery: Histoire d’un voyage fait en la terre du Brésil, pág. 204, edição de 1578.

Chorando a morte de um dos seus.

Índios dançando

Chorando a morte de um dos seus.

Família Brasileira

1557/1558 – CARTA FICTÍCIA. Carta de La France Antartique autrement Le Rio Ianeiro, 9,0 x 13,0 cm, Tirée des Voyages que Villegaignon et Jean de Léri ont faits au Brésil Les Années 1557 et 1558, original da Biblioteca Nacional de Paris. Se julga ser de autoria de Jean de Lery. Parece ter sido realmente desenhada no Século XVI para ilustrar a obra de Lery, Histoire d’un voyage faite en la terre du Brésil. Não teve o seu autor a preocupação de assinalar os acidentes geográficos, mas de apresentar, exclusivamente, os núcleos de população indígena em ambas as margens da baía de Guanabara e da Ilha do Governador, situando os pontos de ocupação francesa no Rio de Janeiro [Alvaro Teixeira Filho – Roteiro Cartográfico, 44]. Reproduzido em Arthur Heulhard, Villegaignon roi d´Amerique, Paris, 1897, p.111

Um casal de índios com um filho diante de uma rede. No primeiro plano, vemos um abacaxi e outro fruto não identificado. O índio traz nas mãos o arco e flechas. Xilogravura de 13,7 x 8,0 cm, que consta da obra de Jean de Lery.

Xilogravura de 13,7 x 8,0 cm, que consta da obra de Jean de Lery, Histoire d’un voyage fait en la terre du Brésil, pág. 246, edição de 1578 (Sobe este livro ver a data 1578).

Xilogravura de 13,7 x 8,0 cm, que consta da obra de Jean de Lery, Histoire d’un voyage fait en la terre du Brésil, pág. 284, edição de 1578.

Xilogravura de 13,7 x 8,0 cm, que consta da obra de Jean de Lery, Histoire d’un voyage fait en la terre du Brésil, pág. 301, edição de 1578.

slide7

Jacques de Vau de Claye

1579

Le vrai pourttraict de Gèneure et du Cap de Frie

Belíssima vista do Rio de Janeiro, apenas 12 anos após a fundação da Cidade (1567).

Mapa desenhado pelo cartógrafo normando Jacques de Vau de Claye, considerado obra prima de espionagem do govêrno francês.

O nome "de Gèneure" que aparece no título é uma corruptela de "de Janeiro".

Original: uma folha de pergaminho manuscrito, com as dimensões de 310 por 670 mms, que se encontra na Biblioteca Nacional da França - Paris.

BOTAFOGO, GLÓRIA & RIO CARIOCA

LAGOA DO BOQUEIRÃO – PASSEIO PÚBLICO

MORRO DO CASTELO

POT DE SUCRE

Na enseada de Botafogo, nota-se um engenho de açúcar e, um pouco acima, duas casas próximas à legenda Riviére deau douce sapele carioca (rio de água doce chamado carioca) – Rio Carioca, que nasce no alto do Cosme Velho, e desagua, um dos seus braços, na hoje praia do Flamengo, na direção da rua Barão do Flamengo. Na Glória, vê-se a briqueterie, olaria construída pelos franceses, em 1566, e a legenda: - Ice ce pren la thuile (aqui se fazem as telhas). O nome Botafogo, ainda não era dado ao bairro e à enseada que, inicialmente, denominou-se Francisco Velho, proprietário de uma sesmaria no local (1568) e, depois, por abandono deste, foi repassada para João Pereira de Souza Botafogo, cujo nome perpetuou-se.

Em 1579, na Carta do Rio de Janeiro de Jacques de Vau de Clayne, figura uma enseada, na área compreendida pela antiga Lagoa do Boqueirão e a zona alagadiça a oeste do Morro do Castelo, onde surgiria, mais tarde, a Praça Paris, o Passeio Público e parte da Lapa. Ainda sobre o local, a legenda “lelipupó les auges et brigadins”, esclarece que o lugar, bebedouro de animais, era mal freqüentado. [Alvaro Teixeira Filho]. A lagoa do Boqueirão foi aterrada no século XVIII, com terra tirada do extinto Morro das Mangueiras. Foi aterrada com a função de se construir, em seu lugar, um Jardim (Passeio Público), obra original do Mestre Velentim, que recebeu novas adaptações, em meados do século XIX, por parte do paisagista francês Auguste Glaziou.

No morro em que se formava a Cidade (Morro do Castelo), cercado e fortificado, nota-se, entre o casario, a primeira Igreja de São Sebastião (1567), a de maior dimensão no alto, com um cruzeiro no lugar da torre. Vindo do alto da Cidade, vê-se a primitiva Ladeira da Misericórdia - nome que ainda não existia em 1579 - uma das três que conduzia ao alto, e que desce em direção à beira-mar, onde se vê o antigo Forte de São Tiago, mais tarde Calabouço, depois Casa do Trem (século XVIII), e hoje Museu Histórico (desde 1922). Representado com suas ameias, muro alto, casa e dois canhões, esclarece a legenda que se trata da fortaleza que guarda a entrada da baía: - le fort de la riviére.

Consta da Carta do Rio de Janeiro de Jacques de Vau de Clayne (citada acima), o Pão de Açucar, com o nome de Pot de Sugre (açucareiro). “A orla marítima da Zona Sul está bem representada, notando-se, na entrada da barra, o Pão-de-Açúcar, e a legenda Pot au beurre (mantegueira), nome que os franceses deram ao conhecido morro carioca. Curiosamente, Vaulx de Claye esclarece que o Pão-de-Açúcar tem o nome de Pot de sucre (açucareiro) e se vê de Cabo Frio, conforme legenda à esquerda do morro: - Cette montagne sapele Pot de sucre et ce beoit du Cap de Frie. (Alvaro Teixeira Filho, Roteiro Cartográfico). Na frente do Pão de Açúcar, vê-se o Morro Cara de Cão e, no alto, uma guarita (Forte de São João), indicando o ponto avançado de vigia e guarda da cidade.

“É uma das primeiras representações gráficas, não só de todo o contôrno da baía de Guanabara, como também das terras adjacentes até Cabo Frio, contendo indicações importantes quanto ao desenvolvimento, nos primeiros anos, da cidade e das primeiras indústrias em terras cariocas: engenhos de açúcar e olarias.” (Gilberto Ferrez)

slide8

1602 (c)

Rio de Janeira – original manuscrito da Bibliothèque Nationale, Paris, França.

“É uma imagem, em cores, idêntica à do desenho que ilustra o livro de Olivier van Noort. A cidade do Rio de Janeiro é mostrada sobre o Morro do Castelo e suas edificações aparecem divididas em duas partes, sobre dois morros. Poderia ser uma vista do Forte de São João, junto ao Castelo.” (Nestor Goulart Reis, Imagens de Vilas e Cidades do Brasil Colonial).

slide9

François Froger

1695

St. Sebastian

O título está em uma flâmula, no centro superior da gravura, e, logo abaixo, Ville Episcopale du Brésil. Não se conhece o nome do gravador. Ocorre na obra de François Froger, Relation d´um Voyage Fait em 1695, 1696 & 1697 aux Côtes d´Afrique, Détroit de Magellan, Brezil, Cayenne... Paris, 1698, e nas edições de Paris 1699 e 1700.

Morro do Castelo

Morro de São Bento

Parte central da Cidade: entre-morros (Castelo e São Bento)

No canto esquerdo, no alto, a Igreja de São Sebastião (letra F – La Cathedrale), edificada a partir de 1567. Foi concluída no ano de 1583, como perpetuou o epitáfio gravado sobre a sepultura de Estácio de Sá: “Aqui jaz Estácio de Sá, capitão e conquistador desta terra e cidade. E a campa mandou fazer Salvador Corrêa de Sá, seu primo, segndo capitão e governador com suas armas. E esta capella acabou no anno de 1583”. O grande edifício, no centro da imagem, no alto (letra D – Les Jesuites), é o Colégio dos Jesuítas e a Igreja de Santo Inácio de Loyola. Na base do morro, à beira mar, o Forte de São Tiago (letra H – Fort qui comande larade) – hoje Museu Histórico.

No centro e no alto, a Igreja e o Mosteiro de São Bento (letra B – Les Benedictins). Em 1589, chegam ao Rio de Janeiro os frades beneditinos, que receberam, no ano seguinte, de doação, as terras de Manuel de Brito, para nelas se instalarem.Os beneditinos iniciaram a construção do seu Mosteiro e, no ano de 1633, na abadia de frei Miguel do Desterro, iniciaram a obra de construção de sua grande igreja, que ficou concluída em 1641 ou 1642.Dez anos depois, unido à igreja, erguia-se o convento, situado sobre o morro de São Bento, com acesso pela escadaria que começa no fim da rua Primeiro de Março (antiga Rua Direita), um dos mais antigos logradouros da Cidade.

A parte principal da Cidade e seu porto, localizados na atual Praça XV de Novembro. À esquerda, destaca-se a torre da Igreja de São José, cuja construção, por tradição, é atribuída a um tal Egas Moniz, no ano de 1608, em terreno cedido pelo Governador Luís de Almeida.Bem ao centro (Letra C – Les Carmes), a torre da Igreja da Ordem do Carmo, anexa ao Convento, que ainda existe. A Câmara deu aos Carmelitas, em 1611, todo o terreno anexo à antiga Igreja do Ó, para erguerem o convento. À direita, no alto do morro da Conceição (Letra E – Les Capucins), a ermida onde estiveram alojados, entre 1659 e 1701, os Capuchinhos franceses. Logo abaixo, na base desse monte, na rua Direita, hoje rua Primeiro de Março, a Casa do Governador (Letra A – La maison du Gouverneur), mais tarde Casa dos Contos e atual Banco do Brasil.

“Esta é a primeira vista panorâmica da cidade tomada do ancoradouro, ao findar do século XVII. Os principais edifícios estão indicados por letras cujas legendas estão nos cantos, ao alto. No primeiro plano, no mar, lê-se: Rivieri de Ianeyro; e no canto. O panorama abrange o litoral, desde a praia de Santa Luzia e morro do Castelo até o de São Bento; tudo bem desenhado e corretamente executado, sendo fácil identificar as igrejas e prédios indicados. Obviamente foi gravada de desenho executado in-loco, como aliás, se diz na olha de rosto... Dessinés sur le lieux, pelo engenheiro Froger, que reafirma no prefácio: que fay dessinées sur le lieux.” (Gilberto Ferrez, Iconografia, Tomo I, p. 44)

slide10

João Massé

1713

Jean Massé, também conhecido como João Massé, engenheiro militar, de origem francesa, a serviço de Portugal.

Como Capitão Engenheiro, serviu no exército aliado que marchou, de Portugal sobre Madri, em defesa dos direitos e povoações de Carlos III. Em 1712, passou ao Brasil, retornando, mais tarde, a Portugal.

Por Ato de 17.07.1712, foi incumbido de examinar e reparar as fortificações do Rio de Janeiro, executando as obras necessárias para conservação, daí a origem desta Planta da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.

Morro de São Bento, com sua Igreja e Mosteiro (Letra M), sobre as quais já falamos no quadro referente ao ano de 1695. Próximo ao mar, na aba do morro, encontra-se o Armazém da Junta (Letra N), posteriormente ocupado pela Marinha Brasileira. Defronte ao morro, com acesso por ponte, está a Ilha das Cobras, que pertenceu a Pero Rodrigues, a quem foi dada por Estácio de Sá, em 1565, quando era denominada “Ilha da Madeira”.

Planta da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, com suas Forttificações.

Morro de São Bento

Jean Massé

Centro da Cidade

O centro da Cidade, entre os Morros do Castelo e São Bento. A primeira grande rua, paralela e próxima ao mar, representa a atual rua Primeiro de Março (antiga rua Direita). As letras H (casa da moeda) e G (armazém del rei), representam a futura Casa dos Governadores, hoje, o Paço Imperial, na Praça XV de Novembro. Na letra I, no fundo do largo, com frente para a rua Direita, está o Convento do Carmo (letra I). Ainda com frente para a rua Direita (letra L), as Casas do Governador e Alfândega (Casa dos Contos). No fundo, o eixo principal que corta a Cidade, paralelo à praia, representa a antiga rua da Vala, atual rua Uruguaiana.

Morro do Castelo

Morro da Conceição

Morro do Castelo e arredores: no alto, à direita, o Forte do Castelo (Letra A – Forte de S. Sebastião com suas obras feitas de novo, e dessinadas) – erguido em 1567; à esquerda, um baluarte (letra B); em frente ao Forte, fica o Colégio dos Jesuítas (letra C), de onde sai uma ladeira (da Misericórdia), atingindo, na parte baixa, a Santa Casa (Letra D). Na ponta que avança ao mar, o Forte de Santiago (letra X), hoje Museu Histórico.

Morro Da Conceição: quase ao centro, a Fortaleza da Conceição (letra Q); ao seu lado, o Palácio da Conceição (letra R), ambos ainda existem. À beira mar, à direita, um trapiche (letra P – trapixe dos Terceiros) e, na parte baixa, também à beira mar, uma bateria (letra O – bateria da Prainha), na atual Praça Mauá. O nome do morro deve-se à pequena ermida da Conceição, edificada em 1634, posteriormente incorporada ao Palácio Arquiepiscopal da Conceição (Palácio do Bispo).

Bico de pena a nanquim, aquarelado, 57,5 x 87,0m, original sem assinatura (João Massé).

slide11

Anônimo Francês

1717 (c)

“Gilberto Ferrez considera que esse desenho teria sido feito depois de 1716, porque já indica a presença de algumas fortalezas, cujas obras haviam sido concluídas até aquele ano. Ao mesmo tempo, observa que há vários enganos nos nomes dos fortes, revelando pouco conhecimento do local.

As edificações da cidade são representadas de modo simbólico, como é o caso da igreja de São Bento, sem suas torres e sem o mosteiro ao lado. O mesmo se pode dizer do Colégio dos Jesuítas.

O desenho traz uma legenda extensa, mas com alguns equívocos referidos.”

(Nestor Goulart Reis – Imagens de Vilas e Cidades do Brasil Colonial).

No Morro do Castelo estão as Igrejas de Santo Inácio, dos Jesuítas (n.25), e de São Sebastião (n.27), e as ameias do Forte de São Sebastião (n.22). Na base do morro, o Forte São Tiago (n.21), hoje Museu Histórico. No centro, o largo do Carmo, hoje Praça XV (n.24) e, na outra ponta da cidade, o Morro de São Bento, com sua igreja (n.26). Os dois morros mais distantes representam o de Santo Antonio (n.28) e o da Conceição (n.29), que marcam o limite da cidade, ligados que foram por um muro fortificado (não terminado), representando hoje as ruas Uruguaiana e Acre.

“Plan du Rio Janeiro” – original manuscrito da Bibliothèque Nationale, Paris.

slide12

Anônimo Francês

1731

“Plan de Rio janairio” – original manuscrito da Bibliothèque Nationale, Paris.

“Em 1731, esteve no Rio de Janeiro o navio francês “La Sirenne”. Pelo que indica a legenda, esse desenho teria sido feito a bordo, procurando destacar o sistema de fortificações e os principais edifícios.

Segundo Ferrez, o contorno na Guanabara, muito esquemático, seria uma cópia de um dos desenhos dos Teixeiras, do século XVII.

A qualidade dos desenhos dos edifícios é bem melhor que a da imagem anterior (de 1717), mas a semelhança com as obras a que se referem é, também nesse caso, muito pequena.”

(Nestor Goulart Reis – Imagens de Vilas e Cidades do Brasil Colonial).

A cidade avança à beira mar, entalada entre os dois principais morros, o do Castelo, à esquerda, e o de São Bento, à direita. No fundo, o sertão, que avançava, infinitamente, para além da atual rua Uruguaiana. No morro do Castelo, a representação da Igreja e o Colégio dos Jesuítas (letra C), e, na base do morro, o Forte de São Tiago (letra F), hoje Museu Histórico. A parte central da cidade, onde ficava o largo do Carmo (hoje Praça XV), com seu Convento e Igreja, vem assinalado com a letra A. Diante do mosteiro de São Bento (letra D), a ilha das Cobras (letra I).

slide13

François Moyen

1744

Vue em perspective De Riougenaire, Ville de la Merrique merd.ne.le. dependente de Sa Mte. portugaise ou les flottes vont cherché l´or.

Dessiné sur les lieue (?) par – Moyen em octobre 1744.

Morro do Castelo, destacando-se a Igreja e Colégio dos Jesuítas. Mais à direita, parte da Fortaleza de São Sebastião. Ao fundo, à esquerda, a entrada da barra, com o Pão de Açúcar.

Forte da Ilha das Cobras

Mosteiro de São Bento

Sobre a fortificação da Ilha das Cobras, seguem alguns comentários no quadro seguinte, referente ao ano de 1757.

Sobre o Morro de São Bento, seguem alguns comentários no quadro referente ao ano de 1695.

“Apesar dos defeitos de perspectiva e do desenho falseado das torres das igrejas, não deixa de ter valor, uma vez que foi executado em 1744, época considerada remota para a deficiente iconografia carioca nesse século; e por alguns detalhes importantes, como as grandes rodas d´água que parecem ser o guindaste dos padres beneditinos; detalhes das muradas dos fortes da ilha das Cobras e de São Sebastião do Castelo e os guindastes de rodas da Alfândega.” (Gilberto Ferrez, Icong.).

slide14

Leveux

1757

Plan de la Baye de Rio-Janeiro et de ses Défenses Tel qu´il a été dressé par Mr. Leveux.

Nanquim, colorido, 23,3 x 43,0m – Bibliothéque Nationale de France. Escola em 2 lieu = 4.800 toise.

O autor certamente fez parte da esquadra francesa comandada pelo conde de Aché que, a pretexto de tratar dos doentes, aqui arribou em 15.07.1757. O original traz a legenda e um índice remissivo, no alto, no canto esquerdo. Está dividido em duas partes: à esquerda, planta da baía de Guanabara e a cidade; à direita, parte mais importante, desenhos corretos de todas as fortalezas (Gilberto Ferrez), destacadas nesta página:

Forte de Nossa Senhora da Boa Viagem

Fortaleza de Villegaignon

Forte da Conceição

Fortaleza da Lage

Forte de São Sebastião

Fortaleza de Santa Cruz

Forte da Ilha das Cobras

Forte da Misericórdia

Forte de Santiago da Misericórdia ou do Calabouço, construído 1696, no mesmo local onde havia sido construído, em 1693, uma Bateria, com a invocação de S. Tiago.

Mais tarde, foi uma grande prisão e, durante quase um século, a Casa do Trem (Arsenal de Guerra). Desde 1922, é o Museu Histórico Nacional.

Aspecto da Fortaleza da Lage, em 1894, por ocasião da Revolta da Armada. Foto de Juan Gutierrez.

Teve início, em 1555, com a instalação, pelo almirante francês Villegaignon, da Bateria Ratier, constante de duas peças. Foi logo abandonada.

Em 1584, no governo de Salvador Corrêa de Sá, a construção foi retomada. Em ruínas, foi novamente edificada em 1710; restaurada em 1715-16; e foi concluída em 1770.

Fortaleza de Santa Cruz, na entrada da Barra, no local onde existiram peças de artilharia, instaladas, em 1555, por Villegaignon. Foi ocupada, em 1567, por Mem de Sá, e, melhorada por Salvador Corrêa de Sá com a denominação de “Bateria de N. S. da Guia”.

Em 1632, recebeu melhoramentos, passando a denominar-se Fortaleza de Santa Cruz da Barra, ainda existente.

Fortaleza ou Forte de São Sebastião, construído por Mem de Sá, no Morro do Castelo, em 1567, após a conquista da Cidade aos franceses. Tinha como finalidade a defesa do porto dos Padres da Companhia de Jesus, no Largo do Paço, atual Praça 15 de Novembro.

Foi arrasada, com a demolição do Morro do Castelo, em 1922.

“Ile de Bon Voyage”, em 1837, no olhar do francês León Jean Baptiste Sabatier, litografada por Benard et Frey.

O Forte parece ter sido construído pelos portugueses, entre 1695 e 1710, numa ponta e numa colina que dominam a praia das Flechas, em Niterói. Foi reparado entre 1769 e 1779, e desarmado em 1861.

Fortaleza da Conceição, construída, em 1715, no Governo de Antonio de Albuquerque, no morro da Conceição (bairro da Saúde), no mesmo local onde, em 1711, o comandante francês Duguay Trouin instalou uma bateria. Foi melhorada, em 1763, no governo do conde de Bobadela, Gomes Freire de Andrade. A Fortaleza existe atualmente.

Ilha das Cobras, fotografada em 1893, por Juan Gutierrez.

Vista tomada do alto do morro do Mosteiro de São Bento. No alto da ilha, a fortaleza de São José, construída em 1711, e, remodelada e ampliada em 1736.

Conforme havia dito no princípio deste estudo, evitei incluir, entre os artistas franceses que “olharam” para o Rio de Janeiro, os cartógrafos; no entanto, tal regra não foi aplicada para os trabalhos onde aparecem vistas e perspectivas. Nesse caso, temos uma Planta da Cidade do Rio de Janeiro, com os desenhos das fortalezas que protegiam a Cidade, sobretudo na área central.

Fortaleza de S. Francisco Xavier de Villegaignon, ou apenas Villegaignon. Construída, na Ilha de Villegaignon, em 1555, pelo Almirante francês Nicolau Durant de Villegaignon, que a denominou de Forte Coligny. Foi arrasada pelos portugueses em 1567, e, reconstruída em 1695.

slide15

Jean-Joseph Maillet

1807

Detalhe da Entrada da Barra, próxima ao Pão de Açúcar, vendo-se, na ponta direita, o Forte de São João (Morro Cara de Cão), que fazia a defesa estratégica da entrada da baía de Guanabara, juntamente com os fortes da Lage (dentro da baía) e Santa Cruz, do outro lado da barra.

Duas importantes panorâmicas do Rio de Janeiro. Acima, em mar aberto, temos a entrada da barra (baía de Guanabara), vendo-se, à esquerda, o Pão de Açúcar e, à direita, a Fortaleza de Santa Cruz. Abaixo, do interior da baía de Guanabara, observa-se, à esquerda, o Pão de Açúcar e a Urca ao seu lado, e vislumbramos a bela imagem da Cidade até a Ilha das Cobras, situada à direita.

Entrada da Barra (detalhe da primeira gravura).

Vue des terres qui environnent le port de Rio de Janeiro

Gravura (água-forte) de Jean Joseph Maillet, nascido em 1751, em Paris, França, e falecido em 1811.

Vista do Morro do Castelo, local onde Mem de Sá estabeleceu a Cidade, em 1567, depois da terra conquistada aos franceses. Sobre o monte ergueram-se, logo nos primeiros tempos, a Igreja Matriz de São Sebastião, a Igreja de Santo Inácio de Loyola, o Colégio dos Jesuítas e o Forte de São Sebastião, sobre o qual foram apresentadas referências no quadro do ano de 1757. Foram abertas três ladeiras entre a parte baixa da cidade e o alto do morro: a do Poço do Porteiro (depois da Ajuda, e do Seminário), a da Misericórdia e a do Colégio.

Descendo o Morro do Castelo, na parte baixa, na antiga Várzea, surge a cidade, espraiada, correndo daquele morro ao do Mosteiro de São Bento, cujo casario delineia a antiga rua Direita, hoje rua Primeiro de Março. Finalmente, à direita, no penúltimo morrote, vemos a Igreja e o Mosteiro de São Bento, ali erguidos no século XVII, como ficou dito no quadro referente ao ano de 1695. No canto direito, defronte ao Morro de São Bento, está a ilha das Cobras com sua fortificação (ver quadro referente ao ano de 1757).

Detalhe da boca da Barra (entrada da baía de Guanabara), vendo-se, à frente, a ilha da Lage e sua fortificação, sobre a qual se falou no quadro referente ao ano de 1757.

Entrando na Barra (detalhe da segunda gravura).

slide16

Louis Est. D´Arcy de La Rochette

1810

View in Rio de Janeiro

Segundo E. Bénézit, o coronel e artista D´Arcy de La Rochette, era oficial de artilharia e havia exposto, na Royal Academy, paisagens aquareladas.

A imagem representa o largo do Rossio, hoje Praça Tiradentes, tendo, à esquerda, o antigo pelourinho e casas da face norte.

Largo do Rossio - 1810

O mesmo pelourinho, do Largo do Rossio (Praça Tiradentes), desenhado, após 25 anos, pelo também artista francês Jean Baptiste Debret (1835).

As duas imagens foram executadas, com 25 anos de diferença, pelos franceses D´Arcy de La Rochette e de Debret.

Na gravura de Rochette, o maior destaque é dado ao belo sobrado do brigadeiro Manuel Luis Ferreira e, a de Debret, vista de um ângulo invertido, busca destacar, não só o mesmo pelourinho, mas o Real Teatro de S. João (hoje Teatro João Caetano). A diferença entre os destaques deve-se à inexistência desse teatro no tempo de Rochette.

O belo sobrado colonial, à direita, na esquina da rua do Sacramento (antiga travessa da Lamnpadosa, aberta antes de 1791, e atual Avenida Passos), era propriedade do brigadeiro Manuel Luis Ferreira, onde se hospedaram o enviado da Pérsia em Londres e o embaixador inglês, Sir William Gore Ouseley, ambos de passagem por essa Corte a caminho do oriente.

Pelourinho

“Era, entre nós, coluna de pedra, que se colocava em lugares públicos, geralmente diante das municipalidades, e onde os criminosos recebiam açoites. Também nela se prendiam condenados a forca. As pontas recurvadas, de ferro, geralmente vistas na parte superior, serviam para separar a cabeça dos que acabavam no baraço. Uma esfera armilar, símbolo da monarquia portuguesa, rematava a coluna, solenemente, austeramente, quiçá amenizando-lhe a aparência trágica com uma linha, até certo ponto, decorativa e plástica.” (Luus Edmundo, O Rio de Janeiro no Tempo dos Vic-Reis).

O mesmo sobrado, visto por outro ângulo, em 1835, pelo artista francês Debret.

Em frente à residência, várias carruagem aguardam a saída dos ilustres hóspedes.

Belíssima gravura, em buril (20,8 x 31,0cm), do coronel Louis Estanilas D´Arcy de La Rochette, francês, nascido no século XVIII. Representa o antigo largo do Rossio, atual Praça Tiradentes –1810.

Largo do Rossio - 1835

No primeiro plano, uma caleça atravessa o largo.

slide17

Baron de Coubertin

1816

Casa do Duque de Cadaval, nas Laranjeiras.

Aquarela do barão Julien Bonaventure de Coubertin (1788-1871) , que serviu de ajudante-de-campo do Duque de Luxembourg, embaixador extraordinário no Brasil, em 1816.

slide18

Charles Cochelet

1816

Vue del´Entrée de la Rade de Rio-Janeiro, et du couvent de Gloria prise au dessus de celui de Santa Theresa.

Vista panorâmica do bairro da Glória feita de Santa Teresa, vendo-se a entrada da Barra (baía de Guanabara), a praia da Glória, o outeiro e a igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, cuja origem remonta ao ano de 1671, com a edificação da Ermida da Glória, pelo famoso ermitão, carioca, Antonio de Caminha.

“Na rua da Glória, perto do largo do mesmo nome, está esse chafariz de 1772, na encosta do morro de Santa Teresa. A sua composição central, com duas pilastras encimadas por entablamento e frontão curvo interrompido ao centro, tem à frente um tanque retangular de cantaria, que recebeu alterações. É ladeado de dois muros levemente curvilíneos, indicando a inserção do munumento na época rococó. No corpo central está a lápide com dizeres em latim, referente à construção da fonte, no governo de Lavradio.” (Texto do Prof. Mário Barata, Rio Colonial).

Abaixo, detalhe de uma pintura, do também francês Raymond de Monvoisin, onde mostra um grupo de pessoas no Chafariz da Glória, em 1847.

Maio

2009

Na mesma litografia,vem retratado o antigo Aqueduto da Glória, um dos muitos desvios dos canos da Carioca, e que conduzia água ao chafariz do caminho da Glória, inaugurado em 1772.

A Igreja da Glória do Outeiro, fotografada em 1862, também do alto de Santa Teresa, quase que do mesmo ângulo da gravura de Cochelet. O templo que vemos nas imagens foi construído entre 1714 e 1724. Nesse tempo, fizeram-se as obras magníficas do seu suntuoso adro, todo lajeado de cantaria, sistema, e ladeira. Teve sua confraria o beneplácido canônico de irmandade em 1739.

Importante litografia (18,5 x 34,9 cm), segundo desenho do francês Charles Cochelet, e uma das muitas que foram litografadas pelo francês Godfroy Engelmann.

Lápide com a inscrição, em latim, da história do Chafariz.

O Chafariz ainda existe, no mesmo local, há 237 anos, na rua da Glória, número 156.

slide19

Conde de Clarac

1816

Vue du Lac de Freitas belle plantation d´oranges, sur le devans des Plantes Grasses, um Aloes em fleur.

(Vista da Lagoa de Freitas, bela plantação de laranja, à frente das plantas suculentas, uma babosa em flor).

Escada de acesso da Capela

Charles Othon Fréderic Jean-Baptiste, Conde de Clarac, nascido em 1777, em Paris, França, onde faleceu em 1847. Estudou no colégio d´Harcourt, e desde cedo teve interesse por desenho e viagens. Esteve na Itália em 1793. Em 1816, fez uma viagem à América e, em 30 de maio, aportou no Rio de Janeiro, onde permaneceu até 13 de setembro. Fez vários desenhos. Em 1818 foi nomeado conservador no Museu do Louvre.

Fotografia do acervo da Secretaria Extraordinária de Promoção, Defesa, Desenvolvimentoe Revitalização do Patrimônio e da Memória Histórico-Cultural da Cidade do Rio de Janeiro.

Sanguínea (30,0 x 39,0 cm), assinada Ch. De Clarac e datada de 1816.

Capela da Cabeça – cerca de 393 anos.

Aspecto único da secular capelinha de Nossa Senhora da Cabeça, no Jardim Botâncio, e que ainda existe, quase iqual a que se vê na imagem, na Casa Maternal Mello Matos, na rua Faro n.º 80.

Na parte baixa, as águas da Lagoa Rodrigo de Freitas e, mais ao centro da imagem, os Dois Irmãos, uma bela rocha, imponente, que impera nas praias de Ipanema e Leblon.

Restauro da Capela da Cabeça

Fotografia do acervo da Secretaria Extraordinária de Promoção, Defesa, Desenvolvimentoe Revitalização do Patrimônio e da Memória Histórico-Cultural da Cidade do Rio de Janeiro.

Outra pintura da Capela.

slide20

Morro de Santo Antônio

Carlota Joaquina

Largo do Machado e Laranjeiras

Passeio à Real Quinta da Boa Vista.

Nicolas Taunay

1816 (c)

Vista da Glória.

Outras obras de Nicolas Antoine Taunay

Nicolas Antoine Taunay nasceu, em Paris, a 11.02.1755, e faleceu, na mesma cidade, a 29.03.1830. Paisagista de mérito e pintor histórico. Membro do Instituto de França e da Missão artística contratada para vir ao Brasil em 1816. Em 1821, retornou a França.

Mercado de escravos, no Rio.

Cascatinha da Tijuca

“Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, vista da praia da Glória. No primeiro plano, diversas faluas, além de canoas e personagens à beira da praia. Óleo sobre tela de Nicolas Antoine Taunay.

Largo da Carioca e o Marquesa de Belas

slide21

Jean-Baptiste Debret

1816-1831

Igreja de S. Francisco de Paula

Ainda existe

Ainda existe

Ainda existe

Ainda existe

Ainda existe

Ainda existe

Desenho de Jean-Baptiste Devret

Outras obras de Jean Baptiste Debret

Nascido, a 18.04.1768, em Paris, França, onde faleceu a 28.06.1848. Foi importante pintor, desenhista, gravador, professor, decorador, e cenógrafo francês. Filho de Jacques Debret (1736- 1805) - escrivão do Parlamento de Paris e dedicado aos estudos de História Natural e Arte,

Importante documento iconográfico da cidade, mostrando o conjunto do largo do Paço, atual praça Quinze de Novembro, visto do mar, com o cais e chafariz, no primeiro plano; o Convento do Carmo, as Igrejas do Carmo e Terceira do Carmo, no segundo plano; e casa dos Teles, à esquerda.

Segundo Gilberto Ferrez, “documento da mais alta importância, e que deve ser cortejado com os desenhos de Ender, Smyth e Linde. Estão aqui primorosamente desenhados com todos os detalhes arquitetônicos: o primeiro chafariz da Carioca e o belo casarão que lhe ficava à esquerda, a ladeira (com Cruzeiro e Caixa d´Água do chafariz) que levava ao convento e igreja de Santo Antonio e Ordem Terceira da Penitência e, finalmente, à direita, o grande casarão do Hospital da Ordem Terceira de São Francisco.”

Casa dos Teles: antigo palacete da família Teles de Menezes, abastados senhores de fazendas e engenhos na região de Jacarepaguá. Construída, cerca de 1745, pelo Eng.º Alpoim. Em fins do século XVIII, um grande incêndio destruiu parte do palacete. Hoje, resta apenas o Arco dos Teles.

Convento do Carmo, erguido à beira-mar, próximo à antiga ermida de Nossa Senhora do Ó. Nela, instalaram-se, em 1590, os Frades Carmelitas e aí iniciaram a edificação de sua residência. Em 1619, obtiveram consentimento para a extração de pedras da ilha das Enxadas, necessárias à construção.

amigo íntimo de Dauberton e Lesage, importantes naturalista da época – e de Elisabeth Jourdain, comerciante de roupas brancas (marchande lingère).

Entre 1785 e 1789, foi aluno de seu primo Jacques-Louis David na Ecole des Beaux Arts, Paris (França).

Igreja do Carmo, Construída próximo ao local onde existia a antiga ermida de N.S. do Ó. Em 1752, edificou-se novo templo, terminando as obras em 1770. Em 1808, com a chegada da Família Real Portuguesa, foi a mesma elevada a Capela Real e Catedral do bispado. A fachada atual está bem descaracterizada.

Chafariz do Mestre Valentim, construído, em 1789, por ordem do vice-rei D. Luis de Vasconcellos. O elegante chafariz, projeto do Mestre Valentim, é constituído por uma edificação de base quadrangular, com as faces onduladas. Tinha uma de suas faces voltada para o mar.

Palácio Real, depois Imperial, hoje Paço Imperial.

Construído, em 1743, no governo Gomes Freire, com projeto do engenheiro militar José Fernandes Pinto Alpoim. Foi sede do governo de 1743 a 1763, quando tornou-se Palácio dos Vice-Reis, até a chegada da Corte em 1808.

Real Teatro S. João, hoje Teatro João Caetano

Aclamaçâo de D. Pedro II, diante do Paço Imperial (1831).

Aclamação de D. João VI, no Rio de Janeiro.

Chafariz do Mestre Valentin, na Praça XV.

Veleiro norte-americano Calpé (ou Calphe)

Histórica embarcação, de três mastros, de bandeira norte-americana, que trouxe, à bordo, a famosa Missão Artística Francesa, saindo do porto de Havre, a 22.01.1816, e aportando, no Rio de Janeiro, a 26.03.1816. Foi a embarcação escolhida para trazê-los pela modicidade do preço das passagens.

Não poderia deixar de fazer parte desta Galeria Debret, a própria galeria do artista, ou seja, o seu atelier de pintura que funcionava no bairro do Catumbi, onde residiu.

A cidade vista do alto da ladeira do Morro de São Bento. No centro, a rua Direita, hoje Primeiro de Março.

Mosteiro de São Bento

slide22

Auguste-Henry Victor Grandjean de Montigny

1816-1850

Praça do Comércio (Casa França-Brasil)

Este prédio serviu, entre 1852 e 1901, de Alfândega.

Em 1955, ali instalou-se o 2º Tribunal de Júri. Com a inauguração, em 1978, de um novo edifício para aquele Tribunal, o prédio foi desocupado.

O esquema ao lado (coluna da esquerda), representa uma parte da Cidade do Rio de Janeiro, tomado de um Mapa de 1816, justamente no ano em que chegou a Missão Artística Francesa, com Grandjean de Montigny, Debret, os Taunay, e os Ferrez, entre outros.

Três detalhes do interior da Praça do Comércio, projeto de 1820, e prédio que ainda existe, onde está instalada a Casa França-Brasil.

Abaixo, o arquiteto Grandjean de Montigny se retrata, apresentando o magnífico projeto ao Rei Dom João VI.

Edifício construido para substituir os antigos trapiches, que já não atendiam às necessidades dos comerciantes. As obras iniciaram em 11.06.1819 e a inauguração ocorreu em 13.05.1820.

Projeto da Praça de Comércio: corte, fachada e planta baixa.

Em 1980, o prédio passou por novas reformas, na qual, sua cúpula foi escorada com madeira de lei (ipê). Hoje, ali, encontra-se instalada a Casa França-Brasil.

Desenho (aquarela) completo do interior da Praça do Comércio.

Alfândega (1852-1901)

O abamdono

Detalhe 1

Detalhe 2

O desenho ao lado (coluna do centro), de autoria do próprio Grandjean, apresenta um novo plano urbanístico para o centro da Cidade, no mesmo trecho estampado na primeira coluna. A Praça XV deixa de existir, surgindo, em seu lugar, o novo Palácio Imperial (ver os primeiros slides), de onde sai uma avenida monumental, ligando o centro com a Praça Tiradentes. Foi poupado o Paço Imperial.

Em seguida, abandonado.

Corte

Fachada

Detalhe 3

Detalhes do pórtico do Palácio Imperial, projeto de 1848, que acabou não sendo construído.

Traço e aguada geral de nanquim, com realce de aquarela nos elementos decorativos.

(Acervo da Escola Nacional de Belas Artes).

Detalhe 3

Detalhe 1

Detalhe 2

Auguste-Henry Victor Grandjean de Montigny, nascido a 15.06.1776, em Paris, no bairro do Marais, e fal. a 02.03.1850, no Rio de Janeiro, em sua residência, na Gávea.

Outro grande mestre da Missão Artística, embarcado no veleiro Calpé, que aportou, no Rio de Janeiro, a 26.03.1816.

Foto jornalística, publicada no jornal O Globo, de 17.06.1986, sem indicação do nome do fotógrafo.

II Tribunal do Júri (1955-1978)

Plano urbanístico da parte central da cidade, entre a Praça XV e a Praça Tiradentes, em 1816.

Plano urbanístico de Grandjean de Montigny, cerca de 1825. Pena, nanquim e aquarela.

O mesmo trecho em 2009. Retirou-se o Morro do Castelo, em 1922, e avançou-se a Praça XV sobre o mar.

Foto jornalística, publicada no Jornal do Brasil, de 21.03.1987. Fotógrafo: Custódio Coimbra.

slide23

FIM DA PRIMEIRA PARTE

Série Artistas Franceses no Rio de Janeiro – Parte I (de VI)

O RIO DE JANEIRO

Visto pelosartistas franceses(1551-1886)

Pintores, Litógrafos e Gravadores.

Mais uma homenagem ao ano da França no Brasil

que se festeja em 2009.

Dedicado aos apaixonados pela história do Rio de Janeiro e aos estudantes das belas-artes.

Pesquisa de imagens, desenhos, formatação e complemento de texto: Cau Barata

11.05.2009– 14.06.2009.

Agradecimentos ao amigo: cel. Carlos Alberto Paiva.