METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA - PowerPoint PPT Presentation

Ava
metodologia do ensino de hist ria e geografia l.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA PowerPoint Presentation
Download Presentation
METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

play fullscreen
1 / 37
Download Presentation
METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA
1889 Views
Download Presentation

METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA Gabriele Rosa e Maiane Rosa

  2. INFORMAÇÕES SOBRE O LIVRO: • Metodologia do Ensino de História e Geografia é um livro integrante da Coleção do Magistério – Série Formação do Professor – Coordenada pelos estudiosos Selma Garrido Pimenta e José Carlos Libâneo e de autoria de Heloísa Dupas Penteado. • A Coleção é destinada à formação do professor das Séries Iniciais (Normalistas) e o livro do qual tratamos foi publicado no ano de 1994, pela Cortez Editora.

  3. A Organização do Livro: O livro de organiza em três partes: • A primeira (com um Capítulo) faz um panorama geral da área e do Ensino das Ciências Humanas. • A segunda parte (com dois capítulos) apresenta uma discussão sobre os Eixos Geradores do Conhecimento e sobre a Metodologia dos Componentes História e Geografia no 1º Grau. • A terceira parte do livro (dividida em seis capítulos) procura apresentar, de forma bastante prática, os conteúdos e formas de trabalho com os mesmos em cada série. Além disso, discute a formação do professor e a atuação do aluno-mestre em sala de aula.

  4. PARTE I O Ensino de Ciências Humanas • Capítulo I – As Ciências Humanas • Área do conhecimento humano; • OBJETO DE ESTUDO: “O homem e suas relações” • FOCO DO LIVRO: História e Geografia. • As Ciências Humanas no 1º Grau; • Contribuição das Ciências Humanas para a formação do aluno de 1º Grau.

  5. HISTÓRIA: Estudar o homem através dos tempos, nos diferentes lugares em que tem vivido; • GEOGRAFIA: Estuda as relações do homem com o espaço em que está situado. • Geografia Física; • Geografia Humana;

  6. AS CIÊNCIAS HUMANAS NO PRIMEIRO GRAU • Inseridas na Educação Básica através das disciplinas História e Geografia; • Essa redução das Humanas causava preocupação. Pois, apesar dos dois componentes serem muito importantes para a formação do educando, as Ciências Humanas não se reduziam a elas; • (hoje o nível médio também é parte da Educação Básica)

  7. Por que um motivo de preocupação? • A escola constitui um canal social de acesso da população ao conhecimento sistematizado, organizado já produzido pelas Ciências Humanas; • A oportunidade de acesso vem sendo, de alguma maneira, garantida; • O acesso da população ao conhecimento produzido pelas Ciências Humanas vem sendo negligenciado.

  8. CONTRIBUIÇÕES DAS CIÊNCIAS HUMANAS PARA A FORMAÇÃO DO ALUNO DE 1º GRAU • “Conhecer que o homem é um ser construtor e criador; Que faz a sua construção através de sua ação, de seu trabalho sobre a natureza, juntamente com outros homens, para garantir a sua sobrevivência”. • “A vida social construída pelo homem é reconstruída ao longo das gerações; que essa reconstrução não significa necessariamente avanços ou melhorias”.

  9. PARTE II Proposta de Ensino de História e Geografia • Capítulo II – Eixos Geradores do Conhecimento; • Capítulo III – Metodologia de Ensino de História e Geografia no 1º Grau.

  10. EIXOS GERADORES DO CONHECIMENTO: • FORMA COMO SE CARACTERIZA O ENSINO DA HISTÓRIA NAS ESCOLAS: • Heróis desvinculados do seu contexto; • Apego à ordem cronológica dos acontecimentos; “A História se desenvolvendo num sentido único” • FORMA COMO SE CARACTERIZA O ENSINO DA HISTÓRIA NAS ESCOLAS: • Extensas listas de acidentes geográficos; • Extensa lista de números;

  11. EIXOS GERADORES DO CONHECIMENTO: A TENDENCIA MAIS RECENTE: • Três princípios: • O processo de aprendizagem do homem ocorre mais facilmente quando se dá do próximo para o distante; • O processo dá-se de maneira mais fácil quando sai do concreto ao abstrato; • O processo de aprendizagem realiza-se de maneira mais acessível quando se caminha da parte para o todo.

  12. Metodologia de Ensino de História e Geografia no 1º Grau. • Condições de Aprendizagem e Níveis de ensino - O professor como mediador entre condições internas e externas - Três níveis: • Específicos da série; • Ampliação; • Exploratório.

  13. PARTE III Metodologia do Ensino de História e Geografia CAPÍTULO 4 – A 1ª SÉRIE (OU 2º ANO) • Idéias Norteadoras • Identidade Social do aluno; • Objetivos a serem atingidos: . Exploração e uso organizado do espaço escolar; . Vivência organizada das relações sociais escolares; . Introdução à contagem do tempo cronológico; . Desenvolvimento dos conceitos de natureza e cultura.

  14. O 1° Semestre: Vivência e Conteúdo Relações Sociais • A atuação do professor - Combinados Ex: Banheiro e água - O que será trabalhado? Tempo - Será trabalhada a idade das crianças; - O que é o dia do aniversário; - A data e o mês em que estão.

  15. Espaço • Será trabalhado com a criança o espaço escolar, onde primeiramente ela fará um breve passeio pela escola e poderá representar através de escrita (se já tiver o domínio), desenhos. - Onde fica a nossa sala? - Quais são as salas que ficam mais próximo a nossa? - Fica perto do banheiro? - Fica perto da cantina?

  16. 2° Semestre: Natureza e Cultura - Levantamento de conhecimentos prévios; - Observações orientadas; - Registro das respostas alcançadas; - Jogos e brincadeiras-exercícios. - Questões sobre o que é Natural e o que é Cultura; - Definir com a classe o que é Natureza e o que é Cultura; • Registros no caderno (se já tiver o domínio), desenho.

  17. Ampliação dos conceitos Aprofundamento no conceito Natureza: - Estabelecer conceitos iniciais de rio, mar, lago, montanha, planalto, morro etc. - Questionar se é natureza ou Cultura; - Criar jogos corporais coletivos; - Fazer registros no caderno; - Criar com os alunos cartazes; - Utilizar desenhos, imagens ou fotos para mostrar aos alunos; • Construir maquetes. O último bimestre do ano letivo deverá ser dedicado a um detalhamento do conceito de cultura, orientados pelos itens indicados na proposta programática: habitação, vestuário, brinquedos, meios de transporte, alimentação etc. * Utilizar o mesmo procedimento anterior.

  18. PARTE III Metodologia do Ensino de História e Geografia CAPÍTULO 5 – A 2ª SÉRIE (OU 3º ANO) • Idéias norteadoras Já foi trabalhado o conceito de relações sociais no nível exploratório, e deve continuar sendo abordado no início de cada ano letivo ate a 4ª serie. Tempo - Na 2ª serie, o conceito de tempo, nas suas dimensões meteorológicas e cronológicas, será trabalhado no decorrer de todo o ano letivo por meio de registros diários e sistemáticos. - Será colocado todos os dias na lousa a data completa do dia; - As condições meteorológicas que serão representadas em quadrinhos e ficarão fixados na parede, assim os alunos irão tirar conclusões sobre o seu estado; - Será trabalhado também com as crianças o passado, presente e futuro, mostrando para eles que o dia de ontem foi passado e que o dia de amanhã será futuro.

  19. Conceito Específico da Série • Será retomada a questão da localização da sala de aula, pois quando foi trabalhado eles eram 1ª serie e estavam em outra sala de aula; - O tamanho do espaço escolar. - Serão feitos jogos e brincadeira-exercício para que os alunos possam descobrir mais coisas sobre o tempo e o espaço e assim aprendam brincando. 1° semestre – divisões espaciais • A criança está na fase de operações mentais concretas, portanto, mesmo que o assunto não tenha sido dado em sala o conteúdo fronteiras e domínios, por exemplo, através de um jogo, por estar sendo falado tempo todo nesta palavra, a criança interioriza a idéia e o conceito da palavra. Eles aprenderam a partir da experiência. - Domínio e fronteira . Jogos feitos na sala ou no recreio; - Ao explicar o assunto, não mecanizar respostas; - Representar fronteiras e domínios através de desenhos, mostrando como fizeram no jogo.

  20. Representações espaciais - Fazendo desenhos dos jogos, inicia-se nos alunos um trabalho com a representação espacial; - O professor deve mostrar ao aluno que quando uma coisa “faz de conta” que é “outra”, esta coisa é uma representação; - Trabalhar com figuras para mostrar representações. Representações convencionais do espaço terrestre • Mostrar aos alunos que eles também podem fazer representações da Terra. • A professora deverá ir mostrando aos alunos as representações já trabalhadas como gravuras, fotos etc, e em seguida apresentar a classe uma fotografia da Terra tirada pelos cosmonautas e contar de onde a foto foi tirada. - o que vêm na foto? • o que falta da Terra na foto? Globo, mapa-múndi e planta • Mostrar para os alunos as outras formas de representar a Terra.

  21. O 2° semestre: conceitos específicos e em nível de ampliação Do continente ao município No primeiro mês do segundo semestre retorna-se ao planisfério para uma retomada: - fazer leituras coletivas de continentes e oceanos, com destaque ao nosso continente; - questioná-los sobre o tamanho dos países e compará-los com o nosso; - mostrar a organização: . o estado esta dentro do pais; . o pais esta dentro do continente; . o continente é o domínio de terra maior; . o pais é um pedaço do continente; . o estado é um pedaço do pais. Será aplicado da mesma forma para o município.

  22. Zona rural e zona urbana: natureza, cultura e tempo - trabalhar zona rural e zona urbana; - fazer maquetes para representa-las; - fazer comparações; Estas são atividades que trabalham simultaneamente conceitos específicos da série – espaço – e no nível de retomada e ampliação, os conceitos de natureza e cultura.

  23. PARTE III Metodologia do Ensino de História e Geografia CAPÍTULO 6 – A 3ª SÉRIE (OU 4º ANO) Dois conteúdos são eixos de trabalho nesta série: o espaço e o tempo. (registro sistemático do tempo cronológico e das condições do tempo, através de ficha de registro).

  24. O PRIMEIRO SEMESTRE: • Pontos Cardeais: • durante uma semana, no início e no término de cada dia, deve-se levar os alunos a observar onde está o sol, em relação ao prédio da escola e registrar através de desenho; • Quando o horário do período escolar não possibilitar a observação, o professor deverá informar o local onde nasce o sol ou onde se põe, em relação ao prédio da escola e registrar no desenho; • Ao final, o professor deverá trabalhar as respostas obtidas: • “ O sol nasce sempre do mesmo lado e se põe sempre do mesmo lado”. Após o domínio destes conhecimentos, explicar que o sol nasce ao LESTE e se põe ao OESTE.

  25. O ESPAÇO EM MOVIMENTO: • A movimentação do espaço, nas séries iniciais do Ensino Fundamental, deve ser explorada com atividades bem concretas (dimensões totalmente dominadas pela vista). • No caso da terceira série (4º ano), esse trabalho se complica pelos conceitos específicos ao ano. • Trabalhar com Movimento Giratório da Terra requer que a criança já tenha trabalhado com: • Propriedades topológicas do espaço; • Espaço em Movimento;

  26. O autor apresenta jogos que podem ajudar a criança a compreender as dimensões da superfície, as fronteiras e o espaço em movimento. • Para evidenciar o movimento de rotação da terra podemos desenvolver as seguintes atividades com as crianças: • Observação das sombras e sua posição em relação a um foco de luz; • Observação de sombras e do seu deslocamento, quando o objeto iluminado se movimenta; • O sol, como foco de luz, sempre na mesma posição com relação à terra; • Movimento de Rotação: sentido (direção) e sua conseqüência (dia e noite).

  27. LEITURA DAS HORAS: • Ensinar a ler horas inteiras explicando que o ponteiro grande tem que sair do 12 e dar uma volta inteira no relógio para passar uma hora; • Ensinar a ler as meias horas; • Ensinar que os espaços entre os algarismos do relógio podem ser divididos em cinco partes iguais; • Explicar que o tempo que o ponteira leva de um pontinho para o outro é um minuto.

  28. O SEGUNDO SEMESTRE: • MOVIMENTO DE TRANSLAÇÃO • AS ESTAÇÕES DO ANO • O CONCEITO DE TEMPO COM DURAÇÃO • REPRESENTAÇÃO DO TEMPO

  29. PARTE III Metodologia do Ensino de História e Geografia CAPÍTULO 7 – A 4ª SÉRIE (OU 5º ANO) • Construção da linha do tempo da História do Brasil; • Utilização da estrutura conceitual básica na compreensão da cultura do branco colonizador; • Utilização da estrutura conceitual básica na compreensão da cultura negra no Brasil;

  30. O PRIMEIRO SEMESTRE: • REPRESENTAÇÃO TEMPORAL DA HISTÓRIA DO BRASIL Para garantir a aprendizagem deste conteúdo a autora recomenda que se comece pela pergunta: Quantos anos tem o Brasil?” e verificar se os alunos conhecem a data em que foi “descoberto” o Brasil. Se o aluno não souber, o professor deve fornecer estas informações. Depois disso ela propõe a construção de uma linha do tempo. Aproveitar para falar com as crianças sobre a contagem do tempo em cem anos (séculos). Para este assunto é necessário garantir a aprendizagem: • Da duração de um século; • Da data de inicio e fim de cada século; • Da tuilização dos algarismos romanos para a identificação numérica dos séculos.

  31. AINDA NO PRIMEIRO SEMESTRE: • A Cultura Indígena... • Para o trabalho com a cultura Indígena a autora propõe que o professor se certifique de que as informações trabalhadas são verdadeiras com o objetivo de evitar informações esteriotipadas e incorretas. POSSIBILIDADES: Dramatização; Confecção de cartazes; Entrevista com um índio; Visita a museus.

  32. A CULTURA DO COLONIZADOR: Questionar as crianças com relação ao modo de vida do homem branco português que chegou ao Brasil em 1500, de onde eles vieram, por onde vieram e o que vieram fazer aqui. POSSIBILIDADES: Registro do roteiro no mapa-mundi; Utilização de figuras com vistas a identificar os tipos de família, os modos de vida, os meios de transporte, entre outras coisas.

  33. O SEGUNDO SEMESTRE: • CONCEITOS ESPECÍFICOS E EM NÍVEL DE AMPLIAÇÃO • A ORGANIZAÇÃO DA VIDA BRASILEIRA PELO BRANCO • A CULTURA DO NEGRO • As características da África; O processo de rapto dos negros dos seus países de origem. • Sentimentos e reações do povo africano com os sofrimentos impostos; • As Leis, seus interesses e suas conseqüências; • Tempo de duração da escravidão e tempo de liberdade; • O que aconteceu com os negros depois da Abolição? • Como vivem hoje os negros no Brasil?

  34. ESTRATÉGIAS... • Organizar pequenos roteiros de entrevista para um encontro com personagens negros da localidade. • Leitura de textos sobre a vida nos engenhos, nas fazendas. • Gravuras também podem ser utilizadas. (importante garantir que, assim como na cultura indígena, informações equivocadas não sejam trazidas)

  35. PARTE III Metodologia do Ensino de História e Geografia CAPÍTULO 8 – A FORMAÇÃO DO PROFESSOR: Para a formação do professor: • A recuperação da experiência do aluno-mestre com História e Geografia ao longo da sua formação; • O ensino de História e Geografia que está se processando nas Séries Iniciais do 1º Grau atualmente; • Fazer com que o aluno-mestre seja um elemento ativo do seu próprio processo de ensino-aprendizagem. • Conhecer o aluno “real e concreto”.

  36. PARTE III Metodologia do Ensino de História e Geografia CAPÍTULO 9 – A ATUAÇÃO DO ALUNO-MESTRE - o porquê de se aprender historia e geografia; - o ensino produtivo em oposição ao ensino reprodutivo; - livro didático e execução das aulas. • Porque aprender Historia e Geografia? Para ser um sujeito ativo, criativo e conseqüente em seu meio, como ser social, e em seu campo de trabalho, como profissional, é preciso estar sensível aos processos históricos em curso no meio em que se vive. • Boa parte da população mundial vê a historia e a geografia como meras matérias decorativas, e não vêm a importância de se estudar essas disciplinas.

  37. - Falta de entusiasmo do professor; - Falta de interesse por parte dos alunos com relação aos conteúdos estudados; - Há alunos que cobram autoridade do professor; - Características geo-sócio-históricas X alunos. Princípios do “ensino produtivo” em oposição ao “ensino reprodutivo” - Evitar informações prontas e acabadas; - Buscar compreensão da realidade em vez de buscar memorização; - Despertar a curiosidade da criança.