slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
INFORME TÉCNICO SOBRE A VACINA PNEUMOCÓCCICA 10 VALENTE CONJUGADA Laura Dina B Bertollo Consultor Técnico CGPNI/DEVEP/S PowerPoint Presentation
Download Presentation
INFORME TÉCNICO SOBRE A VACINA PNEUMOCÓCCICA 10 VALENTE CONJUGADA Laura Dina B Bertollo Consultor Técnico CGPNI/DEVEP/S

Loading in 2 Seconds...

  share
play fullscreen
1 / 27
Audrey

INFORME TÉCNICO SOBRE A VACINA PNEUMOCÓCCICA 10 VALENTE CONJUGADA Laura Dina B Bertollo Consultor Técnico CGPNI/DEVEP/S - PowerPoint PPT Presentation

162 Views
Download Presentation
INFORME TÉCNICO SOBRE A VACINA PNEUMOCÓCCICA 10 VALENTE CONJUGADA Laura Dina B Bertollo Consultor Técnico CGPNI/DEVEP/S
An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author. While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. INFORME TÉCNICO SOBRE A VACINA PNEUMOCÓCCICA 10 VALENTE CONJUGADA Laura Dina B Bertollo Consultor Técnico CGPNI/DEVEP/SVS/MS Seminário de Divulgação da Vacinação contra Influenza Pandêmica (H1N1) 2009 e a Inclusão de novas vacinas no Calendário Básico do Programa Nacional de Imunização Goiânia 3 de Março de 2010

  2. Apresentação O Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Imunizações, incluirá no calendário básico de vacinação da criança a partir de março de 2010, a vacina pneumocócica 10-valente (conjugada) sorotipos 1, 4, 5, 6B, 7F, 9V, 14, 18C, 19F e 23F. .

  3. Objetivo • Proteger as crianças menores de dois anos de idade contra doenças invasivas e otite média aguda causadas por Streptococcus pneumoniae sorotipos 1, 4, 5, 6B, 7F, 9V, 14, 18C, 19F e 23F.

  4. Justificativa • O pneumococo vem se apresentando como principal causador de infecções em neonatos e em crianças até 2 anos de idade. • 76,5% das cepas isoladas foram encontradas em crianças menores de 5 anos com meningite.1 • < de 2 anos, a incidência média anual de meningite foi de 5,9 casos/100.000 habitantes. • < de 1 ano a incidência média anual de meningite foi de 9,5 casos/100.000 habitantes.2 • A letalidade média para < 2 e < 1 ano de idades foi 33 e 34%, respectivamente. 2 • No período de 2000 a 2008 das 7.129.291 internações por pneumonias 45% foi em < de 5 anos.3 1 Brandileone MC et al. Appropriateness of a Pneumococcal Conjugate Vaccine in Brazil: Potential Impact of Age and Clinical diagnosis, with Emphasis on Meningitis. JID 2003; 187:1206-12. 2 Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância Sanitária, Coordenação de Vigilância de Doenças Respiratórias e Imunopreveníeis, 2009. 3 Ministério da Saúde, Sistema de Informação Hospitalares do SUS, 2009

  5. Aquisição 2010 - Quantitativo : 13 milhões de doses • Custo dose R$ 30,80 • Total aquisição R$ 400.400.000,00

  6. Vacinas Pneumocócicas • As vacinas polissacárides capsulares pneumocócicas estão licenciadas no mundo desde 1977. BRASIL • A pneumocócica 23-valente – incorporada pelo MS em 1992 nos CRIE 1999 passa a compor a Campanha Nacional do Idoso em indivíduos asilares • A vacina pneumocócica 7-valente - incorporada pelo MS em 2001 nos CRIE. • A vacina pneumocócica 10-valente será incorporada em 2010, na rotina de vacinação em todo país, para imunizar crianças menores de 1 ano. (1) [WHO, 2008]. WHO. Worldwide progress in introducing pneumococcal conjugate vaccine, 2000-2008. Wkly Epidemiol Rec. 2008; 43: 388-92.

  7. Estratégia de Implantação No primeiro ano de implantação a vacinação terá um esquema especial e será destinada as crianças < 2 anos, a partir dos 2 meses de idade, contemplando aproximadamente 6 milhões de crianças em todo país. A partir de 2011 a vacina passa a incorporar a rotina dos serviços para crianças na faixa etária entre 2 a 6 meses de idade.

  8. Operacionalização • Cada Estado apresentou um plano de implantação até 11/12/09, contendo: • Forma de implantação, • Nº de doses de vacinas necessárias por mês • Quantitativo Programado de Seringa • Espaço para Armazenamento da Vacina • Capacitação de equipes • Período de Implantação • Recursos para Divulgação • Estratégias de Comunicação • Dentre Outros

  9. A Vacina Pneumocócica 10-valente (conjugada) Composição Constituída por 10 (dez) sorotipos de pneumococos (1,4,5,6B,7F,9V, 14, 18C, 19F, 23F) e conjugada com a proteína D de Haemophilus influenzae para oito de seus sorotipos e carreadores de toxóide diftérico (DT) e de toxóide tetânico (TT ou T) usados por dois sorotipos. • A vacina contém excipiente cloreto de sódio, fosfato de alumínio e água para injeção, (q.s.p. 0,5ml). Não contém conservantes.

  10. A Vacina Pneumocócica 10-valente (conjugada) Indicações Imunização ativa de crianças a partir de 6 semanas a < 2 anos de idade contra doenças invasivas e otite média aguda causadas por Streptococcus pneumoniae sorotipos 1, 4, 5, 6B, 7F, 9V, 14, 18C, 19F e 23F. Administração Intramuscular de preferência na área ântero-lateral da coxa Conservação Refrigeração entre 2ºC e 8ºC – não pode ser congelada

  11. A Vacina Pneumocócica 10-valente (conjugada) Apresentação • A embalagem possui 10 frascos-ampola de vidro, apresentados em unidose, com 0,5 ml.

  12. Esquema de Vacina

  13. Esquema de Vacinação para Grupos Atendidos pelos CRIE • Em reunião do Comitê Técnico Assessor de Imunização - CTAI realizada em 25 de novembro de 2009, foi aprovado a oferta da vacina pneumocócica 10-valente (conjugada) nos CRIE- Centro de Referência de Imunobiológicos Especiais, para crianças menores de 5 anos. • Aqueles que já iniciaram o esquema com a vacina pneumocócica 7-valente (conjugada) irão completá-lo com a pneumocócica 10-valente (conjugada).

  14. Estudos de Eficácia • Após esquema completo, a soroconversão é maior que 90% em crianças hígidas • A eficácia da vacina para os três sorotipos adicionais é: 1 = 97,3% 5 = 99,0% 7F = 99,5% • Não há inferioridade entre a 7 e a 10 valente • A duração da proteção após a vacinação ainda não é conhecida • A proteção contra otite média é inferior a proteção contra as doenças pneumocócicas invasivas

  15. Imunogenicidade de 1 dose da vacina 9-valente as 12 meses ou 2 doses as 12 e 14 meses GMC (ug;mL) (95% CI) Goldblatt, PIDJ 2006

  16. Imunogenicidade de 1 dose da vacina 9-valente as 12 meses ou 2 doses as 12 e 14 meses % >0.35 ug/mL (95% CI) Goldblatt, PIDJ 2006

  17. Estudo de efetividade da vacina 7-valente contra doença pneumococica invasiva: Esquemas alternativos em crianças >12 meses *Esquema recomendado pelo ACIP Whitney et al Lancet 2006

  18. Uso com Outras Vacinas • Pode ser administrada concomitantemente com qualquer uma das seguintes vacinas monovalentes ou combinadas [incluindo DTPa-HBV-IPV/Hib e DTPw-HBV/Hib]: vacina contra difteria-tétano-pertussis acelular (DTPa), vacina contra hepatite B (HBV), vacina inativada contra poliomielite (IPV), vacina contra Haemophilus influenzae tipo b (Hib), vacina contra difteria-tétano-pertussis de célula inteira (DTPw), vacina contra sarampo-caxumba-rubéola (MMR), vacina contra varicela, vacina conjugada meningocócica do sorogrupo C (conjugada com CRM197 e TT), vacina oral contra poliomielite (VOP) e vacina contra rotavírus.1 • Não há estudos que indicam que a vacina pode ser administrada simultaneamente com a Febre Amarela – F. A. Recomenda-se priorizar a vacinação contra a F. A. em áreas de potencial risco e adiar a vacinação da pneumocócica 10v respeitando-se o intervalo de 30 dias após a administração da F. A. 1[Bermal, 2009; Chevallier, 2009; Knuf, 2009; Wysocki, 2009].A referência completa está no final do Informe

  19. Contra-indicação • A vacina pneumocócica 10-valente (conjugada) não deve ser administrada em indivíduos com hipersensibilidade conhecida a qualquer componente da vacina (ver composição).

  20. Eventos adversos • De acordo com sua freqüência, essas reações podem ser: • Muito comuns: ≥ 1/10 • Comuns: ≥ 1/100 a < 1/10 • Incomuns: ≥ 1/1.000 a < 1/100 • Raras: ≥ 1/10.000 a < 1/1.000 • Relatada após a vacinação de reforço.

  21. Eventos adversos • Muito comum: sonolência perda de apetite, dor, rubor, edema no local da injeção e febre (≥ 38°C por via retal). iirritabilidade • Comuns: enduração no local da injeção e febre (> 39°C por via retal). • Incomum: apnéia em bebês muito prematuros (≤28 semanas de gestação) diarréia, vômito. hematoma, hemorragia e nódulo no local da injeção e febre (> 40°C por via retal)*. choro anormal. • Raros: convulsões febris. rash. reações alérgicas (tais como dermatite alérgica, dermatite atópica, eczema)

  22. Estudo do Impacto • Proposta: “Investigação da efetividade da vacina 10-valente contra doença pneumocócica invasiva após a introdução da vacina no calendário básico do programa nacional de imunização do Brasil, previsão - maio de 2010 a abril de 2012.” Ministério da Saúde - Instituto Adolfo Lutz SES/SP OPAS - Instituto Sabin – CDC

  23. Estudo do Impacto • Objetivo: “Estimar a efetividade de uma ou mais doses da vacina contra as doenças invasivas causadas pelo pneumococo dos 10 sorotipos incluídos na vacina

  24. Estudo do Impacto Metodologia: • Identificação dos casos de doenças invasivas por Streptococus pneumoniae e Haemophilus influenzae e identificação de controles pareados por idade e vizinhança, em coordenação com as equipes de vigilância dos estados • Seleção dos estados com maior capacidade de identificar doença pneumocócica invasiva e encaminhar amostra ao Instituto Adolfo Lutz Tipo de Estudo • Caso-controle prospectivo

  25. Critérios para inclusão de novas vacinas • Epidemiológicos: relevância da doença (prevalência/incidência) • Imunológicos:a vacina alta deve conferir alta imunogenicidade e segurança • Tecnológicos: incorporação da tecnologia de produção ao parque nacional público • Socioeconômicos:custo/benefício compensatório com os gastos advindos da aquisição e administração da vacina • Logísticos:capacidade de armazenamento, estoque e conservação dos produtos

  26. PROPOSTAS DE INCORPORAÇÃO DE VACINAS PARA O CALENDÁRIO DA CRIANÇA • Vacinas Programadas (metas do Mais Saúde) • Pneumocócica - a partir de março de 2010 • Meningocócica-C- 2011 Perspectivas • Varicela e Hepatite A; • Influenza sazonal (dependendo da produção nacional); Obs: Dependendo das incorporações tecnológicas e dos estudos de custo- efetividade.

  27. OBRIGADA !!!