slide1 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Engº CARLOS ROBERTO DOS SANTOS CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental PowerPoint Presentation
Download Presentation
Engº CARLOS ROBERTO DOS SANTOS CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 34

Engº CARLOS ROBERTO DOS SANTOS CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental - PowerPoint PPT Presentation


  • 177 Views
  • Uploaded on

SINDITÊXTIL / SP SINDICATO DAS INDÚSTRIAS TÊXTEIS DO ESTADO DE SÃO PAULO. “CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL”. Engº CARLOS ROBERTO DOS SANTOS CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. São Paulo 23 de novembro de2006. CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Engº CARLOS ROBERTO DOS SANTOS CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental' - Antony


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

SINDITÊXTIL / SP

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS TÊXTEIS DO ESTADO DE SÃO PAULO

“CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL”

Engº CARLOS ROBERTO DOS SANTOS

CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental

São Paulo

23 de novembro de2006

slide2

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL

É cada vez mais usual o caráter compulsório da certificação para a comercialização de produtos que se relacionam com a saúde, a segurança e o meio ambiente.

Instrumento solidário ao controle de poluição ambiental

2

slide3

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 306, de 5 de julho de 2002

“Requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais, objetivando avaliar os sistemas de gestão e controle ambiental nos portos organizados e instalações portuárias, plataformas e suas instalações de apoio e refinarias, tendo em vista o cumprimento da legislação vigente e do licenciamento ambiental”.

PORTARIA N. 319, de 15 de agosto de 2003

Estabelece os requisitos mínimos quanto ao credenciamento, registro, certificação, qualificação, habilitação, experiência e treinamento profissional de auditores ambientais para execução de auditorias ambientais dispostas na

Resolução CONAMA nº 306.

3

slide4

EVOLUÇÃO DO LICENCIAMENTO em SÃO PAULO

DECRETO 47.397

Licenciamento de Postos de Combustíveis

  • MICROEMPRESA
  • LEI DE CRIMES

Fonte: CETESB, 2006

slide5

AGÊNCIAS AMBIENTAIS DA CETESB

(ESCRITÓRIOS)

35 - DISTRIBUÍDAS NO ESTADO DE SÃO PAULO

slide6

Marília

Ribeirão Preto

Limeira

Campinas

Sorocaba

Taubaté

São Paulo - Sede

Cubatão

LABORATÓRIOS NA CETESB

  • PRODUÇÃO MÉDIA ANUAL - 250.000 ensaios
slide8

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL

  • Reconhecimento FORMAL (3ª parte)
  • Sistema de Gestão Ambiental, conforme modelo pré - estabelecido
  • Documentado, implementado e operando.

8

slide9

POR QUE CERTIFICAR-SE ? ?

ISO 14001 ?

  • REDUZIR CUSTOS
  • AUMENTAR COMPETITIVIDADE
  • MINIMIZAR RISCOS
  • RELAÇÕES COM CLIENTES
  • COMPROMISSO
  • RELAÇÃO COM PESSOAL
  • OBTENÇÃO DE RECURSOS
  • DESEMPENHO
  • FERAMENTA
  • IMAGEM
  • MONITORAMENTO
  • AGREGAR VALOR
  • LIDAR COM ERRO
  • MELHORIAS

ISO14001

9

slide10

SISTEMA BRASILEIRO DE

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL - DEFINIÇÕES

  • CREDENCIAMENTO - reconhecimento formal (INMETRO)
  • CERTIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE - certificação e que atesta a qualidade de um sistema, processo, produto ou serviço (CERTIFICADORA).
  • CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA - dá prioridade às questões de segurança, de interesse do país e do cidadão, abrangendo as questões relativas aos animais, vegetais, proteção da saúde, do meio ambiente e temas correlatos. CERTIFICADORA).
  • CERTIFICAÇÃO VOLUNTÁRIA - é decisão exclusiva do solicitante e tem como objetivo garantir a conformidade de processos, produtos e serviços às normas elaboradas por entidades reconhecidas no âmbito do Sinmetro. CERTIFICADORA).
  • AVALIAÇÃO DE FORNECEDOR - Por organismos credenciados.

10

slide11

INMETRO

ACREDITADOR NACIONAL

CRITÉRIOS / PROCEDIMENTOS PARA CREDENCIAMENTO

NI-DINQP-073/R.1

NI-DINQP-077

NI-DINQP-076

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE AUDITORES AMBIENTAIS

ORGANISMOS DE TREINAMENTO DE AUDITORES AMBIENTAIS

NI-DINQP-078/R.1

CRITÉRIOS PARA CERTIFICAÇÃO DE AUDITORES DE

“SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL”

SISTEMA BRASILEIRO DE

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL

11

slide13

O ORGANISMO DE NORMALIZAÇÃO (ISO)

  • ISO significa “Internacional Organization for Standardization”
  • Organização Internacional de Normalização
  • Setor privado, com sede em Genebra, Suíça
  • Fundada em 1947
  • Sua atribuição é promover a harmonização e o desenvolvimento de normas para produtos, processos, sistemas de gestão etc.

13

slide14

O INÍCIO DOS SISTEMAS DE GESTÃO ...

  • Em 1983, a ISO criou um Comitê Técnico 176 para desenvolver Normas de Gestão de Qualidade para organizações
  • Surgiu dessa forma a Série ISO 9000
    • Normas ISO 9001, 9002 e 9003 de Garantia da Qualidade
      • uso contratual,
      • harmonizar as relações comerciais,
      • facilitar as transações no mercado globalizado.
          • Hoje somente a ISO 9001

ISO

SINDITÊXTIL

14

slide15

PORQUE A SÉRIE ISO 14.000 FOI CRIADA ??

  • Crescentes pressões das comunidades de diferentes países.
  • Preocupação com a proteção ao meio ambiente.
  • Surgiram várias padronizações regionais e nacionais com respeito à Gestão e Rotulagem Ambiental (Globalização):
    • Inglaterra Norma BS-7750 sobre Gestão Ambiental.
    • Canadá, a Canadian Standards Association, normalizou um modelo próprio de Gestão Ambiental.
    • C.E.E. - Comunidade Econômica Européia, formulou normas para rotulagem, gestão e auditoria ambiental.
    • Países como EUA, Alemanha e Japão criaram programas nacionais de rotulagem ambiental.

15

slide16

POLÍTICA

MELHORIA CONTÍNUA

REVISÃO DO SISTEMA PELA

ALTA ADMINISTRAÇÃO

PLANEJAMENTO

PDCA

IMPLEMENTAÇÃO

E

OPERAÇÃO

MONITORAMENTO

E

AÇÃO CORRETIVA

BÁSICO DE UM “SGA” NA ORGANIZAÇÃO ...

16

b sico de um sga na organiza o
BÁSICO DE UM “SGA” NA ORGANIZAÇÃO ...
  • POLÍTICA AMBIENTAL - Diretrizes
  • ASPECTOS - IMPACTOS AMBIENTAIS *
  • REQUISITOS LEGAIS E REGULAMENTARES
  • PRÁTICAS e PROCEDIMENTOS
  • RESPONSABILIDADES
  • INFORMAÇÕES: INVESTIGAÇÕES E INCIDENTES ANTERIORES
  • TREINAMENTO E COMPETÊNCIA
interpreta o da norma b sico
INTERPRETAÇÃO DA NORMA - Básico
  • COMUNICAÇÃO
  • DOCUMENTAÇÃO(ESTRUTURA CONTROLE)
  • CONTROLE OPERACIONAL - REGISTROS
  • MONITORAMENTO (Não conformidades)
  • AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO
  • ANÁLISE CRÍTICA PELA ALTA ADMINISTRAÇÃO
slide19

IMPACTOS AMBIENTAIS ...

EXEMPLO 01

Atividade: manuseio de produtos perigosos

Aspecto ambiental: risco de vazamento / acidente

Impacto ambiental: contaminação do solo / água

EXEMPLO 02

Atividade: manutenção de veículos

Aspecto Ambiental: emissões pelo escapamento

Impacto Ambiental: poluição do ar

19

slide21

Avaliação de

Desempenho

Ambiental

Avaliação de

Ciclo de Vida

Sistema

de

Gestão

Ambiental

Projeto para o Ambiente

(NOVO)

Auditoria

Ambiental

Foco: Empresa

Foco: Produto

Comunicação Ambiental

OS SUBCOMITÊS DA ISO / TC 207 ...(FERRAMENTAS DE GESTÃO AMBIENTAL)

Rotulagem

Ambiental

21

slide24

AS DUAS GRANDES MENTIRAS DA AUDITORIA

Bom dia,

vim para ajudar !

Seja bem -vindo !

AUDITADO

AUDITOR

24

slide25

POR QUE AUDITAR ?

É NECESSÁRIO AUDITAR / AVALIAR ??

MELHORAR A IMAGEM PÚBLICA

AUMENTAR A CONSCIENTIZAÇÃO

E O ENTENDIMENTO DO RISCO

REDUZIR CUSTOS ATRAVÉS DE

UMA OPERAÇÃO EFICIENTE E

SEGURA

REDUZIR A EXPOSIÇÃO DOS

EMPREGADOS E DA COMUNIDADE

AOS IMPACTOS AMBIENTAIS

MELHORAR A CONDIÇÃO DE

CONFORMIDADE COM A LEGISLAÇÃO

REDUZIR A OCORRÊNCIA DE

PENALIZAÇÕES

25

slide26

PRINCIPAIS DESAFIOS

  • Mapeamento das condições ambientais
  • Controle e monitoramento
  • Avaliação de desempenho ambiental
  • Trabalho conjunto com a iniciativa privada
  • Gestão ambiental integrada

26

res duos s lidos domiciliares
RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES
  • Inventário Estadual de Resíduos Sólidos Domiciliares, divulgado anualmente, nos termos da Resolução SMA 13, de 27.02.1998.
  • Informações coletadas, em cada um dos 645 municípios do Estado.
slide29

INADEQUADO

CONTROLADO

ADEQUADO

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS NO ESTADO DE SÃO PAULO - IQR - 1997

77 % dos Municípios

Condições INADEQUADAS.

slide30

INADEQUADO

CONTROLADO

ADEQUADO

SOMENTE COMPOSTAGEM

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS NO ESTADO DE SÃO PAULO - IQR - 2005

23 % dos Municípios

Condições INADEQUADAS.

slide31

BIBLIOGRAFIA

[ABNT] Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 9001 - Sistemas da gestão da qualidade – Requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro: ABNT; 2000.

[ABNT] Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 14001 - Sistemas da gestão ambiental - Requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro: ABNT; 2004.

[ABNT] Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 14015- Gestão ambiental - Avaliação ambiental de locais e organizações (AALO). Rio de Janeiro: ABNT; 2003.

31

slide32

BIBLIOGRAFIA

[ABNT] Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 19011- Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental. Rio de Janeiro: ABNT; 2002.

[ABNT] Associação Brasileira de Normas Técnicas. Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário. Rio de Janeiro: ABNT; 2000b.

Brasil. Portaria n.319, de 15.08.2003. Estabelece os requisitos mínimos quanto ao credenciamento, registro, certificação, qualificação, habilitação, experiência e treinamento profissional de auditores ambientais para execução de auditorias ambientais que especifica. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: < URL: > [2005 out 20].

32

slide33

BIBLIOGRAFIA

[INMETRO] Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Documentos Necessários para Credenciamento de Organismos de Certificação de Sistema de Gestão Ambiental. Disponível em: < URL: > [ 2005 out 20]a.

[INMETRO] Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Sistema Brasileiro de Certificação (SBC). [2005].

Rowan M. Retorno do investimento em ISO 14001. Banas Ambiental 1(3)p.36; 1999.

33

contato
CONTATO

Eng.º CARLOS ROBERTO DOS SANTOS

Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB)

Av. Prof. Frederico Hermann Jr., 345 CEP 05459-900 - São Paulo - SP

Tel.: (11) 3133-3142

e-mail: carlosrs@cetesbnet.sp.gov.br