l ngua portuguesa 1 a s rie do ensino m dio cel pimentel prof hildenize l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
LÍNGUA PORTUGUESA 1 a. Série do Ensino Médio Cel Pimentel Profª Hildenize PowerPoint Presentation
Download Presentation
LÍNGUA PORTUGUESA 1 a. Série do Ensino Médio Cel Pimentel Profª Hildenize

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 23

LÍNGUA PORTUGUESA 1 a. Série do Ensino Médio Cel Pimentel Profª Hildenize - PowerPoint PPT Presentation


  • 246 Views
  • Uploaded on

LÍNGUA PORTUGUESA 1 a. Série do Ensino Médio Cel Pimentel Profª Hildenize . Médico – Dói? Paciente – Não, eu estou gritando só para assustar a enfermeira. *** Apostador (No prado) – A senhora gosta de corrida de cavalos?

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'LÍNGUA PORTUGUESA 1 a. Série do Ensino Médio Cel Pimentel Profª Hildenize' - Albert_Lan


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide2
Médico – Dói?

Paciente – Não, eu estou gritando só para assustar a enfermeira.

***

Apostador (No prado) – A senhora gosta de corrida de cavalos?

Apostadora – Não eu venho aqui para sofrer.

Jô Soares, Veja 10/06/93

g neros textuais objetivos
GÊNEROS TEXTUAISOBJETIVOS:
  • compreender os gêneros textuais como um uso social da língua;
  • ler gêneros textuais diversos, reconhecendo-lhes o propósito comunicativo.

Leitura de estudo: P&A (Cap. 4)

g neros textuais
GÊNEROS TEXTUAIS
  • Refletem as atividades comunicativas de uma sociedade.
  • Os textos (orais ou escritos) constituem gêneros cuja especificidade depende da interação verbal, do momento em que ela ocorre e das relações que a envolvem.
  • São normalmente agrupados por domínio discursivo (ex.: jornalístico, didático, científico, religioso, jurídico, etc.)
g neros textuais x tipo de texto
GÊNEROS TEXTUAIS X TIPO DE TEXTO
  • TIPO DE TEXTO: característica de natureza lingüística
    • narração
    • descrição
    • dissertação
  • GÊNEROS TEXTUAIS: situações sociocomunicativas
    • carta
    • e-mail
    • telefonema
    • notícia
    • editorial
    • entrevista
    • crônica
    • conto
    • poema
    • etc.
fun es da linguagem objetivos
FUNÇÕES DA LINGUAGEMOBJETIVOS:
  • identificar os elementos do processo de comunicação no texto;
  • identificar as funções da linguagem;
  • relacionar os elementos do processo de comunicação com as funções da linguagem.

Leitura de estudo: P&A (Cap. 5)

Gram. (p. 30-40)

Atividade: P&A: p. 74 e 75

Gram.: q. 1, 4, 6, 8

os elementos da comunica o verbal
OS ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO VERBAL

(referente)

(emissor)

(receptor)

(canal)

fun es da linguagem
FUNÇÕES DA LINGUAGEM

referencial

(referente)

poética

conativa

emotiva

(receptor)

fática

(emissor)

(canal)

metalingüística

slide10

TEXTO 1

“É mais fácil suportar dores crônicas do que a fome. Trinta e cinco anos de clínica me ensinaram que geralmente somos patifes para dores agudas de forte intensidade; vi doentes rolarem no chão e suplicarem a Deus que se lembrasse deles no auge de uma cólica renal, de uma crise de vesícula ou de uma cefaléia excruciante. Em compensação, muita gente convive com dores crônicas na coluna, cólicas abdominais, episódios repetitivos de enxaquecas, estoicamente, sem lamentar a sorte. (...)Já com a fome não é assim. Quando ela aperta, o prazer de estar vivo desaparece. A paisagem mais encantadora, a mulher amada, o prêmio da loteria, nada traz ao faminto alegria que se compare a um prato de comida.”

Dráuzio Varella

fun o emotiva quem emissor
FUNÇÃO EMOTIVA (Quem: emissor)
  • Traduz opiniões e sentimentos do emissor da mensagem.
  • Nas cartas pessoais, nos poemas confessionais, nas canções sentimentais, nos artigos de opiniões, nos diários, há predomínio dessa função.
slide12

TEXTO 2

Colabore com a campanha Natal sem Fome.

Ação contra a Fome e pela Cidadania.

fun o conativa para quem receptor
FUNÇÃO CONATIVA (Para quem: receptor)
  • Influi no comportamento do receptor da mensagem por meio de um apelo, ordem, súplica, sugestão etc.
  • Entre os gêneros em que há predomínio dessa função estão os anúncios publicitários, os discursos políticos, as previsões (horóscopos) e outros.
slide14

TEXTO 3

Funai mantém alimentos estocados onde índios passam fome

Um mutirão foi formado ontem por determinação da Presidência da República para que as cerca de 27 toneladas de alimentos estocadas há 19 dias na sede da Funai em Dourados (MS), sejam embaladas e distribuídas aos índios. Desde janeiro, 21 indiozinhos morreram de desnutrição. A Funai alegava não dispor de pessoal ou material para embalar os alimentos entregues pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O governo federal desconhecia o fato de que os alimentos estavam estocados enquanto os índios passam fome na região.

O Globo, 11 mai 05.

fun o referencial o qu referente
FUNÇÃO REFERENCIAL (O quê: referente)
  • Traduz objetivamente a realidade, privilegiando o referenteda mensagem, isto é, o assunto de que se fala.
  • É a função que predomina nos gêneros de caráter científico, didático e jornalístico.
slide16

TEXTO 4

O bicho

Vi ontem um bicho

Na imundície do pátio

Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,

Não examinava nem cheirava:

Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão.

Não era um gato,

Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.

Manuel Bandeira

fun o po tica como mensagem
FUNÇÃO POÉTICA (Como: mensagem)
  • Enfatiza a elaboração da mensagem de modo a ressaltar o significado e produzir um efeito artístico.
  • Tem seu lugar privilegiado nos gêneros literários, mas podemos encontrá-la em anúncios publicitários, canções etc.
slide18

TEXTO 5

fome

[Do lat. fame.]

S. f.

1. Grande apetite; urgência de alimento.

2. Subalimentação (1).

3. Falta do necessário; penúria, miséria.

4. Situação de míngua ou escassez de víveres: a fome assolou a região.

5. Fig. Avidez, sofreguidão.

Dicionário Aurélio

fun o metaling stica com o qu c digo
FUNÇÃO METALINGÜÍSTICA (Com o quê: código)
  • Utiliza o código como assunto ou como explicação do próprio código.
  • Os exemplos mais comuns em que há predominância dessa função são as aulas, os livros de gramática e os dicionários. Há também metalinguagem em um poema que reflete sobre a criação poética, um filme que tematiza o próprio cinema etc.
fun o f tica por onde canal
FUNÇÃO FÁTICA (Por onde: canal)
  • Abre, prolonga, testa ou interrompe um canal de contato entre emissor e receptor.
  • Em textos orais, por exemplo, essa função se manifesta todas as vezes em que se inicia e se termina um ato comunicativo.
o di logo entre as fun es
O DIÁLOGO ENTRE AS FUNÇÕES
  • A maioria das mensagens se utiliza de várias funções da linguagem estreitamente relacionadas.

"Se você gosta de viajar para bem longe nas férias, uma dica: o Brasil tem 8.547.403,5 Km2." (ANÚNCIO PUBLICITÁRIO DA VARIG)

importante
IMPORTANTE

Seja para efeito de análise ou produção de um exemplar de determinado gênero textual, deve-se definir sempre:

  • o conteúdo da mensagem;
  • a situação de comunicação;
  • a atitude do emissor;
  • o perfil do receptor;
  • a escolha dos meios a serem usados e
  • a utilização de uma ou outra função (os propósitos comunicativos).