Can o do amor imprevisto m rio quintana
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 10

Canção do amor imprevisto Mário Quintana PowerPoint PPT Presentation


  • 82 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Canção do amor imprevisto Mário Quintana. Sofiah Neves. Mario Quintana. Mario de Miranda Quintana era um poeto, jornalista e tradutor brasileiro. Ele estudou num Colégio Militar, e ali publico algumas produções literárias . Trabalhou no Editora Globo e depois numa farmácia paterna.

Download Presentation

Canção do amor imprevisto Mário Quintana

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Can o do amor imprevisto m rio quintana

Canção do amor imprevistoMário Quintana

Sofiah Neves


Mario quintana

Mario Quintana

  • Mario de Miranda Quintana era um poeto, jornalista e tradutor brasileiro. Ele estudou num Colégio Militar, e ali publico algumas produções literárias. Trabalhou no Editora Globo e depois numa farmácia paterna.

  • Nascido: Julho 30, 1906, Alegrete, Brazil, Rio Grande do Sul, Brazil

  • Morreu: Maio 5, 1994, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brazil

  • Pais: Celso de Oliveira Quintana de Miranda, Virginia de Miranda Quintana


Obras dele

Obras dele

  • Obra poética

  • A Rua dos Cataventos - Porto Alegre, Editora do Globo, 1940

  • Canções - Porto Alegre, Editora do Globo, 1946

  • Sapato Florido - Porto Alegre, Editora do Globo, 1948

  • O Aprendiz de Feiticeiro - Porto Alegre, Editora Fronteira, 1950

  • Espelho Mágico - Porto Alegre, Editora do Globo, 1951

  • Inéditos e Esparsos - Alegrete, Cadernos do Extremo Sul, 1953

  • Poesias - Porto Alegre, Editora do Globo, 1962

  • Caderno H - Porto Alegre, Editora do Globo, 1973

  • Apontamentos de História Sobrenatural - Porto Alegre, Editora do Globo / Instituto Estadual do Livro, 1976

  • Quintanares- Porto Alegre, Editora do Globo, 1976

  • A Vaca e o Hipogrifo - Porto Alegre, Garatuja, 1977

  • Esconderijos do Tempo - Porto Alegre, L&PM, 1980

  • Baú de Espantos - Porto Alegre - Editora do Globo, 1986

  • Preparativos de Viagem - Rio de Janeiro - Editora Globo, 1987

  • Da Preguiça como Método de Trabalho - Rio de Janeiro, Editora Globo, 1987

  • Porta Giratória - São Paulo, Editora Globo, 1988

  • A Cor do Invisível - São Paulo, Editora Globo, 1989

  • Velório Sem Defunto - Porto Alegre, Mercado Aberto, 1990

  • Água - Porto Alegre, Artes e Ofícios, 2011


Obras dele1

Obras dele

  • Livros infantis

  • O Batalhão das Letras - Porto Alegre, Editora do Globo, 1948

  • Pé de Pilão - Petrópolis, Editora Vozes, 1968

  • Lili inventa o Mundo - Porto Alegre, Mercado Aberto, 1983

  • Nariz de Vidro - São Paulo, Editora Moderna, 1984

  • O Sapo Amarelo - Porto Alegre, Mercado Aberto, 1984

  • Sapato Furado - São Paulo, FTD Editora, 1994

  • Antologias

  • Nova Antologia Poética - Rio de Janeiro, Ed. do Autor, 1966

  • Prosa & Verso - Porto Alegre, Editora do Globo, 1978

  • Chew me up Slowly (Caderno H) - Porto Alegre, Editora do Globo / Riocell, 1978

  • Na Volta da Esquina - Porto Alegre, L&PM, 1979

  • Objetos Perdidos y Otros Poemas - Buenos Aires, Calicanto, 1979

  • Nova Antologia Poética - Rio de Janeiro, Codecri, 1981

  • Literatura Comentada - Editora Abril, Seleção e Organização Regina Zilberman, 1982

  • Os Melhores Poemas de Mario Quintana (seleção e introdução de Fausto Cunha)- São Paulo, Editora Global, 1983

  • Primavera Cruza o Rio - Porto Alegre, Editora do Globo, 1985

  • 80 anos de Poesia - São Paulo, Editora Globo, 1986

  • Trinta Poemas - Porto Alegre, Coordenação do Livro e Literatura da SMC, 1990

  • Ora Bolas - Porto Alegre, Artes e Ofícios, 1994

  • Antologia Poética - Porto Alegre, L&PM, 1997

  • Mario Quintana, Poesia Completa - Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 2005


Can o do amor imprevisto m rio quintana

  • Canção do amor imprevisto

  • Mário Quintana

  • Eu sou um homem fechado. O mundo me tornou egoísta e mau. E a minha poesia é um vício triste, Desesperado e solitário Que eu faço tudo por abafar.

  • Mas tu apareceste com a tua boca fresca de madrugada, Com o teu passo leve, Com esses teus cabelos... E o homem taciturno ficou imóvel, sem compreender nada, numa alegria atônita... A súbita, a dolorosa alegria de um espantalhoinútil,Aonde viessem pousar os passarinhos.


Conte do

Conteúdo

Eu penso que este poema e um poema porque tem uma linguagem poética e usa palavras bonitas e descritas e tem um sujeito poético. Usa versos e estrofes.

O tema deste poema e amor. O primeiro estrofe e sobre o homem que ele é como ele vive. O segundo estrofe e sobre como ele muda quando ele conhece com uma menina e como ele apaixonasse com ela.

Emoções ele sentiu:

Acho ele escreveu este poema sobre a vida dele. Talvez ele era fechado e silencioso mas depois de conhecer uma menina ele mudou e ficou mais alegre.

Quando eu li este poema a primeira vez não percebe nada porque era complicado e tinha muitas palavras difíceis. Mas depois de ler algumas vezes outra vez, eu comecei perceber o significado dele. Eu percebi muito e quando lia eu fiquei um cadinho feliz porque ele encontro uma mulher que ficou ele feliz.


Estrutura

Estrutura

O poema só tem duas estrofes mas tem muitas palavras bonitas e com um bonito tema. Não tem um específico numero de versos na estrofes mas na primeira estrofe tem menos versos de que o segundo estrofe.

Nesta poema não tem rimas mas acho que não e preciso porque ele usa palavras bonitas que não e preciso rimas.

Neste poema usam palavras muito bonitas e únicas que as pessoas não usam todos os dias. Usa palavras que eu nunca sabia de e tinha de encontrar o significado. Acho que poema pode ser curta mas tem muito significado.

Neste poema ele usa muitas palavras que tem significado mas ele não usa palavras simples usa palavras complexos que pessoas não usam todos os dias . Ele também descreve ela muito bem e usa metáforas bonitas.


Dicion rio

Dicionário

  • Taciturno- em outras palavras significa triste o silencioso.

  • Imóvel- Para não movimentar, o não se mexe.

  • Atônita- sem reação o surpreso.

  • Súbita- de repente

  • Espantalho- um tipo de boneco para assustar o passaros.

  • Inútil- que não e util.

  • Imprevisto- o que não se pode prever.


Fotos

Fotos


Bibliografia

Bibliografia

http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Quintana

http://www.mensagenscomamor.com/poemas_e_poesias_de_mario_quintana.htm

http://en.wiktionary.org/wiki/taciturno

http://pt.wiktionary.org/wiki/im%C3%B3vel

http://www.dicionarioinformal.com.br/s%C3%BAbita/

http://pt.wiktionary.org/wiki/in%C3%BAtil

http://www.dicionarioinformal.com.br/imprevisto/


  • Login