MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA
Download
1 / 11

MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA Severina Sílvia Ferreira - PowerPoint PPT Presentation


  • 67 Views
  • Uploaded on

MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA Severina Sílvia Ferreira Universidade Católica de Pernambuco - Recife (PE) - Brasil. MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA. OBJETIVOS

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA Severina Sílvia Ferreira ' - zanta


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

Severina Sílvia Ferreira

Universidade Católica de Pernambuco - Recife (PE) - Brasil


MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

OBJETIVOS

(1) Identificar os marcadores prosódicos da fala materna asseguradores do desencadeamento e manutenção do processo interativo mãe-bebê.

(2) Mostrar como esta experiência precoce da criança vai favorecer a sua inserção na linguagem.

(3) Com base nesses elementos, indagar se a instalação de quadros patológicos como o autismo pode estar associado à ausência dessa experiência no início da vida.


MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

  • PRESSUPOSTOS TEÓRICOS:

  • Mães das mais diversas culturas dirigem-se à criança pequena utilizando padrões prosódicos acentuados (“motherese” – “manhês”), convocando o bebê à interação (Elliot, 1982; Ferreira, 199º; Fernald, 1989, Kuhl, 1997, entre outros).

  • Isto faz a criança participar ativamente do processo interativo.

  • As enunciações maternas atribuem sentido âs manifestações da criança e oferecem pistas sobre a intenção comunicativa do seu interlocutor (a mãe).

  • Favorecimento para a estruturaçao de uma interação (mãe-criança), cujo sentido é construído conjuntamente.

  • Da interação emergem dois sujeitos (“falantes”): mãe e bebê.


MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

  • DIÁLOGO MAE-BEBÊ

  • Turno de fala 1 – Mãe – // Tumá um suquinho\ Tumá um suquinho\ mainha\

  • Vamu\ tumá um suquinho\ mainha\ Vamumainha\ tumá um suquinho\

  • Quando a mãe se aproxima, Francisco volta a cabeça na direção dela, os movimentos de braços e pernas se intensificam, e ele vocalizano último ato de fala de Vitória. A mãe, interpretando a vocalização do bebê, e falando por ele, responde:

  • Turno de fala 2- Bebê – Sim\ mainhasim\ Bora\ tumá o suquinho\

  • A mãe começa a dar o suco ao bebê, dizendo:

  • Turno de fala 3 – Mãe – Pon:to\ gosto:so mamãezinha\

  • goto:somamãe\ (ri)

  • goto:somamãezinha\ é/ mamãe/


MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

  • Em seguida, utilizando o turno de fala 4, destinado ao outro falante (a criança), a mãe fala pelo bebê, confirmando o que ela supõe:

  • Turno de fala 4 – Bebê - Goto:so\ sim\mainhasim\mainhasim\ mamãezinha sim\

  • A mãe procura confirmar se o suco tem um bom sabor:

  • Turno de fala 5 – Mãe Goto:soheim/

  • Francisco é mais uma vez alçado à posição de interlocutor da mãe, quando esta, no turno seguinte (6), atribui a ele o seguinte enunciado,

  • que vem confirmar a interpretação de Vitória:

  • Turno de fala 6 Gotosinho\ Gotosinhomainha\\


MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

  • O BEBÊ É UM INTERLOCUTOR (SUJEITO)

  • O comportamento da criança (careta, choro, agitação de braços e pernas, gritos, sorriso, direção do olhar, sons) é interpretado pela mãe como uma solicitação para ser alimentado, isto é, como uma mensagem.

  • Ele é um interlocutor que lhe dirige demandas (atos de fala) e não apenas um ser que manifesta necessidades (Freud, 1976; Lacan, 1998).

  • As manifestações do bebê têm um destinatário certo: a mae.

  • Mas, ele é um interlocutor especial: por isso, a mãe fala “manhês”.


MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

  • MOTHERESE – MANHÊS

  • Modificações em vários níveis da língua: sintático, léxico, prosódico ...

  • Modificações prosódicas:

    • Tom de voz: voz sussurrada ou em falsete, tom geralmente alto.

    • Entonação destacada por acentuadas variações de altura para formar a curva melódica.

    • Velocidade de emissão mais lenta, silabação, alongamento de vogais.

    • Enunciações melodiosas (música) (Didier-Weill, 2011; Vives, 2010).


MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

  • ANÁLISE CONVERSACIONAL

  • Transcrição da fala materna com base na Análise Conversacional (Marcuschi, 1986).

  • Vantagens:

    • indicação dos falantes – turnos de fala

    • alternância dos turnos

    • seqüência de ações coordenadas e interdependência dos turnos

  • Resultado: aparecimento do texto (estrutura) como um diálogo (“diálogo vivo”) (Bakhtin, 1998, 1999)

  • Emergência de sujeitos (falante e ouvinte): reversibilidade de papéis. (Lacan, 1979, 1995, 2002; Tomasello, 2000)


MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

  • INSERÇAO DA CRIANÇA NO CAMPO DA LINGUAGEM

  • Alternância de lugares: existência de um agrupamento de pares presença-ausência (Lacan, 1995).

  • A mudança sequenciada dos turnos de fala introduz a criança no campo da linguagem e de suas leis.

  • Papel ativo da criança: o bebê não está alheio ao valor expressivo e dinâmico dos sons da linguagem: melodia, alongamento de vogais, ritmo...

  • A musica presente no manhês tem um papel fundamental.

  • Atenção da criança para as pistas para a tomada de turno.

  • È possível pensar a criança (bebê) como um “infans”?

  • Atenção conjunta.


MARCADORES PROSÓDICOS NA FALA MATERNA

  • AUSENCIA DE PROTOCONVERSAÇOES (MANHÊS) E AUTISMO

  • Autismo: perturbações da interação e da linguagem.

  • João, 3 anos, autista: os pais (sobretudo a mãe) não conversavam com ele, muito menos em manhês.

  • Ausência de experiências protoconversacionais no início da vida?

  • A ausência de elementos suprasegmentais invocando a criança à linguagem e à interação pode explicar a ausência de linguagem?

  • A organização interativa indicada nos turnos de fala (seqüência de turnos de fala, presença-ausência, reversibilidade de papéis) contribui para a entrada do bebê no universo da linguagem (Tomasello, Lacan).


  • UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO – UNICAP

  • PROJETO DE PESQUISA: PROSÓDIA E LINGUAGEM

  • Bolsa de Pós-Doutorado PDJ

  • Plano de Trabalho

  • Pesquisa

  • Ensino

  • Extensão

  • Proponente e supervisora: Profa. Dra. Marígia Aguiar

  • Candidata: Severina Sílvia Maria Oliveira Ferreira

  • Coordenador: Wanilda Maria Alves Cavalcanti

  • Projeto a ser desenvolvido junto ao Laboratório de Linguagem da UNICAP.

    • – Objetivos

  • 1.3.1 - Geral

  • Aprofundar a análise da relação existente entre os padrões prosódicos da fala materna, a constituição do processo interativo mãe-bebê e o assujeitamento da criança à ordem da linguagem.  

  • 1.3.2 - Específicos

  • Identificar os padrões prosódicos usados nas enunciações maternas no contexto da relação mãe-bebê e sua relação com a construção do processo interativo.

  • Investigar a relação existente entre os padrões entoacionais encontrados nas enunciações maternas e a significação atribuída às manifestações da criança.

  • Verificar a relação entre as curvas entoacionais e a musicalidade do padrão manhês.

  • Identificar os recursos prosódicos usados como marcas de interatividade que denotem distanciamento ou aproximação entre os componentes da relação mãe-bebê.

  • Verificar a relação existente entre as mudanças dos recursos prosódicos da fala materna e as distintas respostas da criança.

  • Investigar a apropriação, pela criança, de padrões prosódicos da fala materna e sua realização pragmática no circuito da interlocução.

  • * Investigar a relação entre essa apropriação e o assujeitamento da criança à ordem da linguagem.

  • Investigar se as trocas interativas mãe-bebê, em termos de produção dialógica constituída de elementos segmentais e supra-segmentais, podem ser consideradas um gênero textual.


ad