Ativa o neural e tipos de contra es musculares l.jpg
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 37

Ativação Neural e Tipos de Contrações Musculares PowerPoint PPT Presentation


  • 91 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Ativação Neural e Tipos de Contrações Musculares. Introdução. Fadiga central  Redução no drive neural ou comando motor para o músculo, resultando num declínio no desenvolvimento de tensão;

Download Presentation

Ativação Neural e Tipos de Contrações Musculares

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Ativa o neural e tipos de contra es musculares l.jpg

Ativação Neural e Tipos de Contrações Musculares


Introdu o l.jpg

Introdução

  • Fadiga central  Redução no drive neural ou comando motor para o músculo, resultando num declínio no desenvolvimento de tensão;

  • Fadiga Periférica  Diminuição na tensão muscular, relacionada a diminuição do potencial de ação, acoplamento excitação contração ou prejuízo no ciclo das pontes cruzadas na presença de inalterado ou aumentado drive neural.


Introdu o3 l.jpg

Introdução

  • Eletromiografia é uma técnica usada para examinar o drive neural durante a fadiga. A análise da integrada da EMG (IEMG) permite determinar a ativação da unidade motora, enquanto que a freqüência do sinal da EMG é geralmente um bom indicador da velocidade de condução do sinal.


Introdu o4 l.jpg

Introdução

  • Muitos estudos utilizam a contração isométrica para o entendimento da fadiga neuromuscular, entretanto a isometria não pode ser representativa da atividade física por não se relacionar com o movimento humano;

  • Desta forma, dados tem sugerido que o desenvolvimento da fadiga é tipo de contração dependente.


Objetivo l.jpg

Objetivo

  • Avaliar e comparar as trocas neuromusculares nas três ações musculares durante 100s de realização do exercício máximo.


Metodologia l.jpg

Metodologia

  • Realização de CVM Concêntricas, Excêntricas e Isométricas.

  • Teste de Endurance (100s) em dinamômetro isocinético;

  • EMG registrada em cada teste no Reto Femural do membro direito.


Resultados l.jpg

Resultados


Resultados8 l.jpg

Resultados


Resultados9 l.jpg

Resultados


Discuss o l.jpg

Discussão

  • O componente elástico do músculo e do tecido conjuntivo pode contribuir para a geração de força durante o trabalho excêntrico e essa contribuição pode ter atenuado a diminuição da força durante repetidas contrações Excêntricas


Discuss o11 l.jpg

Discussão

  • Tem sido sugerido que o músculo esquelético não é completamente ativado durante ação excêntrica;

  • Incompleta ativação de UMs na ação excêntrica irão criar uma reserva de UMs durante o exercício prolongado, aumentando o ciclo das UMs e retardando a fadiga;

  • Esta adaptação pode explicar a grande resistência à fadiga da ação excêntrica quando comparada a Isom. e Conc.


Discuss o12 l.jpg

Discussão

  • Durante contrações sub-máximas, é possível aumentar o comando motor para contra-balançar qualquer redução na produção de força;

  • Isso acontece aumentando o recrutamento das UMs;

  • Entretanto sobre condições máximas, não se pode aumentar o comando motor, e assim, o aumento da freqüência de recrutamento das UMs é utilizado.


Discuss o13 l.jpg

Discussão

  • Isso é conseguido por diminuir a velocidade de condução do sinal neural, e assim, pode-se manter a produção de força por alterar o padrão de recrutamento das fibras musculares, para fibras mais resistentes à fadiga.

  • Esse é o motivo que a MPFS da ação Exc. mudou pouco em relação às Isom. e Conc.


Discuss o14 l.jpg

Discussão

  • Assim, a contração excêntrica pode ser essencialmente sub-máxima em relação ao recrutamento das UMs;


Conclus o l.jpg

Conclusão

  • A combinação da reserva motora (UMs) e a grande utilização da energia elástica / mecânica são os fatores que contribuem para a resposta de resistência a fadiga da ação muscular excêntrica.

  • Existe um diferente padrão de atividade neuromotora nas diferentes ações musculares.


Introdu o17 l.jpg

Introdução

  • Diversos trabalhos descrevem que o relacionamento da curva força - velocidade durante ativação voluntária máxima é maior na ação Excêntrica que na Isométrica qual também é maior que na Concêntrica.

  • Os fatores neuromusculares envolvidos na maior geração do momento Excêntrico não estão bem descritos.


Introdu o18 l.jpg

Introdução

  • Tem-se postulado que diferenças no ciclo das ligações Acto-miosina pode permitir grande produção de tensão.

  • A presença de elementos elásticos relacionados ao engajamento de pontes cruzadas pode ser o fator principal nesta maior capacidade de produzir tensão muscular.


Objetivo19 l.jpg

Objetivo

  • Avaliar o momento de força gerado por um rápido alongamento de músculos submetidos a ação Isométrica.


Metodologia20 l.jpg

Metodologia

  • Realização de contrações Isométricas variando de 5 a 95% da CVM;

  • Ângulo de contração mantido em 60, com um alongamento rápido para 72, numa velocidade de 100 /segundo.

  • Avaliado o Momento Excêntrico para cada mudança de força Isométrica inicial.


Resultados21 l.jpg

Resultados


Resultados22 l.jpg

Resultados


Resultados23 l.jpg

Resultados


Discuss o24 l.jpg

Discussão

  • O aumento no momento de força observado durante a ação excêntrica foi atribuído ao desenvolvimento do Stiffness de baixa amplitude derivado do componente elástico dos sarcômeros ativos.

  • Stiffness  Força contraria ao movimento, através da energia de distenção acumulada.


Discuss o25 l.jpg

Discussão

  • A magnitude do aumento da força derivada ação Excêntrica é velocidade alongamento dependente.

  • 100/s = 151% da CMV;

  • 150/s = 167% da CVM;

  • 200/s = 183% da CMV


Discuss o26 l.jpg

Discussão

  • Mecanismo regulatório neural pode limitar o nível de ativação muscular durante a contração excêntrica voluntária, com a finalidade de proteger os sistema músculo esquelético da lesão.

  • Westing (1991) demonstrou que a atividade EMG é 10 – 30% menor na Excêntrica para movimentos de Iso-velocidades, o que consiste de restrita ativação neuromotora e diminuído custo energético.


Conclus es l.jpg

Conclusões

  • O momento excêntrico é dependente e linear ao nível de ação Isométrica anterior

  • O Pico Excêntrico foi de 51% > do que a CMV.

  • Stiffness é responsável por grande parte da geração do momento excêntrico


Introdu o29 l.jpg

Introdução


Slide30 l.jpg

Déficit Neural Excêntrico


D ficit neural exc ntrico l.jpg

Déficit Neural Excêntrico

  • Através do aumento do torque produzido pela ação excêntrica em contrações superpostas, pode-se concluir que o comando neural para contrações excêntricas é sempre sub-máximo.


Ordem de recrutamento l.jpg

Ordem de Recrutamento

  • Nardone et al., (1995) encontrou que UMs de alto limiar do gastrocnêmio medial foram seletivamente ativadas quando foi realizado flexão plantar excêntrica.

  • Alem disso, poucos potenciais do sóleus existiram durante a ação excêntrica, indicando menor atividade EMG destes na ação Excêntrica


Ordem de recrutamento33 l.jpg

Ordem de Recrutamento


Efeito da fadiga l.jpg

Efeito da fadiga

  • 32 repetições máximas promovem pouco efeito na ação excêntrica, mas 32-47% de queda na força concêntrica;

  • A EMG foi maior na ação Concêntrica do que na Excêntrica;

  • Ambas contrações musculares aumentam a atividade elétrica com o maior número de séries.


Efeito da fadiga35 l.jpg

Efeito da fadiga


Conclus es36 l.jpg

Conclusões

  • Baseados nestes dados, a ação excêntrica requer única técnica de ativação:

  • Reduzida ativação EMG;

  • Alterada ordem de recrutamento;

  • Grande Resistência à fadiga


Significado funcional l.jpg

Significado Funcional

  • Maximizar a ativação e preservar a integridade das UMs de alto limiar, pois estas UM são utilizadas minimamente durante atividades diárias, mas são essenciais para atletas e atividades emergenciais, as quais exigem grande potência muscular.


  • Login