a era da cat strofe 1914 1945
Download
Skip this Video
Download Presentation
A Era da Catástrofe 1914 - 1945

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 28

A Era da Catástrofe 1914 - 1945 - PowerPoint PPT Presentation


  • 169 Views
  • Uploaded on

A Era da Catástrofe 1914 - 1945. Primeira Guerra Mundial, a ascensão dos regimes totalitários e a Segunda Guerra Mundial. Antecedentes da I Guerra Mundial. Situação conflituosa

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' A Era da Catástrofe 1914 - 1945' - zalman


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
a era da cat strofe 1914 1945

A Era da Catástrofe1914 - 1945

Primeira Guerra Mundial, a ascensão dos regimes totalitários e a Segunda Guerra Mundial.

antecedentes da i guerra mundial
Antecedentes da I Guerra Mundial
  • Situação conflituosa
    • Tensão entre França, Inglaterra e Alemanha (que acabara de se centralizar, e consequentemente, queria novas colônias para fortalecer economicamente – NEOCOLONIALISMO) disputando novos mercados, tanto na Europa, quanto fora dela.
    • Ásia e África.
    • Cada país tentava dificultar a expansão econômica do outro.
os movimentos nacionalistas
Os movimentos nacionalistas
  • Pan Eslavismo x Pan Germanismo
    • Os eslavos queriam unir todos os povos eslavos da Europa Oriental (influência russa)
    • Os germânicos queriam unir à Alemanha, os territórios da Europa Central.
o revanchismo franc s
O revanchismo francês
  • Alsácia-Lorena – região rica em minério de ferro e carvão. Esta região foi tomada pela Alemanha da França na Guerra Franco Prussiana (1870).
  • Era o período da paz armada. Era o início de uma corrida armamentista, fortalecendo seus exércitos e formando alianças.
    • Triplice Aliança (Alemanha, Áustria e Itália)
    • TripliceEntente (França, Inglaterra e Rússia)
o acirramento das tens es
O acirramento das tensões
  • Crise Marroquina (França x Alemanha)
    • França teria supremacia no Marrocos, e para os alemães foi dada uma pequena parcela de terra no sudoeste africano. A Alemanha não aceitou, e a França cedeu parte do território do Congo aos germânicos.
  • Crise Balcânica (Alemanha, Áustria x Rússia)
    • Nacionalismo servo x nacionalismo germânico
    • Em 1908 a áustria-hungria anexou a Bósnia e isso gerou conflitos internos. Os movimentos nacionalistas sérvios passaram a reagir violentamente contra a anexação austríaca.
o fasc nio pela guerra
O fascínio pela guerra

Esses dias de agosto são momentos únicos e inesquecíveis (...). Romances, poesias, fotografias, filmes, canções, testemunhos epistolares e memórias descrevem de maneira semelhante esse clima de expectativa e embriaguez, de excitação e de entusiasmo coletivo. Multidões agitando bandeiras nas praças, com músicas e paradas militares, a partida dos trens abarrotados de soldados, com civis aplaudindo nas estações e nas estradas de ferro...

Crônica de um jornal britânico em 1914.

o conflito
O Conflito
  • 1914-1915 – Guerra de movimento
    • Plano Schliefen
    • Intensa movimentação das forças bélicas. Os alemães chegaram até Paris (Batalha do Marne)
  • 1915 – 1917 – Guerra de Trincheiras
  • 1917- 1918 – Saída da Rússia e entrada dos EUA.
a primeira guerra mundial
A Primeira Guerra Mundial
  • “Estamos tão exaustos que dormimos, mesmo sob intenso barulho. A melhor coisa que poderia acontecer seria os ingleses avançarem e nos fazerem prisioneiros. Ninguém se importa conosco. Não somos revezados. Os aviões laçam projéteis sobre nós. Ninguém consegue mais pensar. As rações estão esgotadas – pão, conservas, biscoitos, tudo terminou! Não há uma única gota de água! É o próprio inferno!”

(Soldado Alemão – Somme)

as consequ ncias da primeira guerra
As consequências da Primeira Guerra
  • A entrada da mulher na economia do Estado;
  • Todas as áreas da sociedade se envolveram na guerra – Guerra Total.
  • Destruição de áreas produtivas – vários países sofreram com a fome no período pós-guerra.
  • Os tratados de paz.
  • Nova geografia mundial
slide13
Artigo 45 – A Alemanha cede à França a propriedade absoluta das regiões da Alsácia – Lorena, com direito total de exploração e as minas de carvão situadas na bacia do rio Sarre.
  • Artigo 80 – A Alemanha renuncia, em favor das potências vencedoras, a todos os direitos sobre as colônias ultramarinas.
  • Artigo 160 - O exército alemão não deverá ter mais do que sete divisões de infantaria. Não podendo ultrapassar 100 mil homens.
  • Artigo 171 – Estão proibidas na Alemanha a fabricação e a importação de carros blindados, tanques ou qualquer outro instrumento que sirva a objetivos de guerra.
  • A Alemanha se compromete a reparar todos os danos causados à população civil das potências vencedoras da Guerra (...)
slide17
A Marcha Sobre Roma – 1921
  • GiacomoMatteotti.
  • “O essencial do fascismo é a sua concepção de Estado. Tudo no Estado. Nada contra o Estado. Nada fora do Estado. (...) o indivíduo está subordinado ao Estado”.
  • O tratado de Latrão (1929)
  • A Carta de’l Lavoro
  • Na política externa, Mussolini inicia sua política expansionista.
    • Conquista daEtiopia, 1936.
    • Conquista da Albânia, 1939.
    • Guerra Civil Espanhola, 1936.
o fascismo alem o
O Fascismo Alemão
  • Antecedentes:
    • O Tratado de Versalhes
    • A República de Weimar
    • O NSPAD – Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães.
    • Adolf Hitler
      • O Putsh de Munique
      • MeinKampf
        • O anti-semitismo
        • Arianismo
        • Totalitarismo
        • O Espaço Vital
slide19

“ Eu estava convencido de que o Estado se encontrava em situação de poder dominar e inutilizar qualquer alemão verdadeiramente grande e de apoiar qualquer coisa que fosse contra o germanismo. Odiava o conglomerado de raças, tchecos, polacos, húngaros, rutenos (ucrânianos), sérvios, croatas, etc, e acima de tudo, aquela excrescência desses cogumelos presentes em toda parte – judeus e mais judeus.

MeinKampf

solu es para a crise alem
“Soluções” para a crise alemã
  • Limitar-se, artificialmente, o acréscimo de nascimentos e, com isso, impedir uma super-população;
  • Colonização interna – Evitar os males sociais, livrar a terra da especulação geral. Mesmo assim, há a necessidade de conquistar territórios para garantir o futuro da nação.
  • Podiam-se adquirir novos territórios a fim de, anualmente, derivar os milhões excedentes, conservando dessa maneira a nação em condições de poder alimentar-se a si mesma.
  • Uma política territorial na própria Europa.
superioridade da ra a ariana
Superioridade da Raça Ariana
  • “O povo alemão, hoje destruído, morrendo, entregue, sem defesa, aos pontapés do resto do mundo, tem absoluta necessidade da força que a confiança em si proporciona. Todo sistema educacional deve ter como objetivo dar às crianças de nosso povo a certeza de que são absolutamente superiores aos outros povos.”

(Adolf Hitler – Mein Kampf)

o anti semitismo
O anti-semitismo
  • “Em 13 de agosto de 1933, quem estivesse no centro de Nuremberg poderia assistir a uma cena humilhante. Uma jovem alemã, de cabeça raspada, era arrastada pelas ruas por soldados nazistas, sendo obrigada a carregar um cartaz com a seguinte inscrição – “Entreguei-me a um judeu”. A jovem era magra, frágil e, apesar do seu estado, era uma moça bonita. Sob escolta dos soldados, foi levada pelas ruas principais, se seguida por uma multidão. Durante o percurso a jovem desfaleceu várias vezes. Mas os soldados a erguiam a fim de que todos os espectadores pudessem vê-la. A população nazista aproveitava, então, para insultá-la de várias maneiras.”

(The Times, Londres. 1933)

slide26

Os judeus não cogitam absolutamente de implantar na Palestina um Estado para ali viverem. O que eles desejam, é, unicamente, um centro de organização autônomo, um abrigo da intrusão de outras potências. Querem apenas um refúgio seguro para a sua canalhice, isto é, uma academia para a educação de trapaceiros.

      • MeinKampf
ad