Download

DIREITO MATRIMONIAL






Advertisement
/ 81 []
Download Presentation
Comments
xerxes
From:
|  
(1086) |   (0) |   (0)
Views: 40 | Added:
Rate Presentation: 0 0
Description:
DIREITO MATRIMONIAL. Matrimônio. Pacto; Consórcio de toda a vida entre homem e mulher; Ordenado ao bem dos cônjuges, à geração e educação dos filhos; Entre batizados não pode existir casamento válido que não seja também sacramento. Propriedades. Unidade e indissolubilidade. Fazem o matrimônio.
DIREITO MATRIMONIAL

An Image/Link below is provided (as is) to

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use only and may not be sold or licensed nor shared on other sites. SlideServe reserves the right to change this policy at anytime. While downloading, If for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.











- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




Direito matrimonial l.jpgSlide 1

DIREITO MATRIMONIAL

Matrim nio l.jpgSlide 2

Matrimônio

Pacto; Consórcio de toda a vida entre homem e mulher; Ordenado ao bem dos cônjuges, à geração e educação dos filhos; Entre batizados não pode existir casamento válido que não seja também sacramento.

Propriedades l.jpgSlide 3

Propriedades

Unidade e indissolubilidade.

Fazem o matrimônio

O consentimento livre e manifestado entre pessoas hábeis; É ato de vontade, de entrega e irrevogável.

Validade l.jpgSlide 4

Validade

O matrimônio é válido enquanto

não se prove o contrário.

Matrim nio v lido entre batizados l.jpgSlide 5

Matrimônio válido entre batizados

Ratificado e consumado; Realização de modo humano; Aberto à vida; Tornam-se uma só carne; Havendo coabitação, presume-se consumado; Matrimônio inválido chama-se putativo.

Noivado l.jpgSlide 6

Noivado

  • É promessa de casamento;

  • Chamado de esponsais;

  • Não cabe ação para exigir a celebração do matrimônio;

  • Cabeação para reparação de danos.

Cap i cuidado pastoral l.jpgSlide 7

CAP I – Cuidado Pastoral

Missão dos pastores

  • Pregação da Palavra de Deus;

  • Catequese;

  • Preparação pessoal;

  • Frutuosa celebração do matrimônio;

  • Auxílio aos casais.

Para um matrim nio com frutos l.jpgSlide 8

Para um matrimônio com frutos

  • Sejam confirmados, se possível; Confissão;

  • Eucaristia.

Condições

Deve constar que nada impede a válida e lícita celebração.

Normas da confer ncia dos bispos l.jpgSlide 9

Normas da conferência dos bispos

  • Colóquio pessoal do pároco com os nubentes; Documentos, como formulário dos dados pessoais, certidão de batismo de seis meses, atestado de óbito, se é o caso, comprovante de habilitação no civil; Proclamas, também em outras paróquias; Sanar questões de impedimentos ou proibições; Cuidar da formação doutrinal e espiritual.

Obriga es l.jpgSlide 10

Obrigações

  • Os fiéis têm obrigação de manifestar ao pároco os impedimentos que souber.

Sem licen a do ordin rio n o assista l.jpgSlide 11

Sem licença do ordinário, não assista

  • Matrimônio de vago;

  • Só no religioso;

  • De quem tem obrigações naturais;

  • De quem tenha abandonado a fé;

  • De menor, contra a vontade dos pais;

  • Por procuração.

Pedido da igreja l.jpgSlide 12

Pedido da Igreja

  • Evitar casamento de jovens com idade aquém da exigida.

Cap ii impedimentos dirimentes em geral l.jpgSlide 13

CAP II – Impedimentos Dirimentes em Geral

  • Impedimento dirimente

Torna a pessoa inábil para um casamento válido.

Impedimento p blico l.jpgSlide 14

Impedimento público

  • Pode ser provado no foro externo;

  • Caso contrário, é oculto.

Proibi o de matrim nio l.jpgSlide 15

Proibição de matrimônio

  • Só por causa grave e enquanto esta perdura;

  • Só temporariamente;

  • O ordinário local;

  • Só a autoridade suprema pode acrescentar cláusula dirimente.

Ordin rio local l.jpgSlide 16

Ordinário local

  • Pode dispensar os súditos dos impedimentos de direito eclesiástico;

  • Não pode dispensar dos impedimentos reservados à Sé Apostólica;

  • Os reservados como, ordem sagrada, votos públicos perpétuos, crime para contrair matrimônio;

  • Não se dispensa da consangüinidade em linha reta e do segundo grau em linha colateral.

Dispensa em perigo de morte l.jpgSlide 17

Dispensa em perigo de morte

  • Da forma e dos impedimentos é dada pelo ordinário local, exceto da ordem do presbiterato;

  • Não podendo recorrer ao ordinário, o pároco ou o celebrante podem dispensar;

  • O confessor dispensa nos casos de impedimentos ocultos, dentro ou fora da confissão.

Tudo preparado l.jpgSlide 18

Tudo preparado

  • Descobre-se um impedimento;

  • O casamento não pode ser adiado porque causaria mal;

  • O ordinário local pode dispensar, exceto da ordem sagrada, do voto público e perpétuo, de crime para casar;

  • Outros podem dispensar, se oculto;

  • Também na convalidação.

Cap iii impedimentos dirimentes em especial l.jpgSlide 19

CAP III – Impedimentos Dirimentes em Especial

  • 01. Idade para o casamento

Homem, 16 anos; Mulher, 14 anos; Normas da conferência dos bispos, mais dois anos cada.

02 impot ncia l.jpgSlide 20

02. Impotência

  • Antecedente, perpétua, absoluta ou relativa;

  • Na dúvida tem-se por válido o matrimônio;

  • A esterilidade não dirime o matrimônio; Dirime quando houver dolo.

03 v nculo l.jpgSlide 21

03. Vínculo

  • Impede matrimônio, mesmo não tendo sido consumado;

  • Tem que constar a nulidade / dissolução do anterior.

04 disparidade de culto l.jpgSlide 22

04. Disparidade de culto

  • Pessoa batizada / católica;

  • Outra pagã;

  • Exige dispensa;

  • Na dúvida do batismo, presume-se válido.

05 ordem l.jpgSlide 23

05. Ordem

  • Impede o casamento;

  • Também aos diáconos permanentes.

06. Voto

  • Público e perpétuo de castidade;

  • Impede o casamento.

07 rapto l.jpgSlide 24

07. Rapto

  • Para hoje é impedimento discriminatório, só a mulher; arrebatamento da mulher voluntariamente;

  • O matrimônio é nulo;

  • Impede a liberdade da mulher.

08 crime l.jpgSlide 25

08. Crime

  • Matar o cônjuge para casar com o outro;

  • O matrimônio é nulo;

  • Também quem coopera física ou moralmente.

09 consang inidade l.jpgSlide 26

09. Consangüinidade

  • Impede o matrimônio;

  • Linha reta, natural ou legítima;

  • Colateral, até o 4º grau inclusive.

10 afinidade l.jpgSlide 27

10. Afinidade

  • Só em linha reta e em qualquer grau;

  • Torna o matrimônio nulo;

  • Em linha colateral não existe mais.

11 p blica honestidade l.jpgSlide 28

11. Pública honestidade

  • Tem origem em matrimônio inválido ou concubinato;

  • Torna nulo o matrimônio no 1º grau de linha reta com consangüíneo do outro;

  • Não é verdadeiro parentesco;

  • Evitar escândalo.

12 ado o l.jpgSlide 29

12. Adoção

  • Cria parentesco legal;

  • Proíbe matrimônio entre adotante e adotado, adotante e o cônjuge do adotado e vice versa, adotado e o filho superveniente ao pai ou a mãe adotiva;

  • Não existe impedimento entre o adotado e o filho do adotante nascido antes da adoção.

Cap iv consentimento matrimonial l.jpgSlide 30

CAP IV – Consentimento Matrimonial

  • Incapazes para o matrimônio

Os sem suficiente uso de razão;

Falta de discrição de juízo sobre direitos / deveres do matrimônio;

Deficiência psíquica.

Para o consentimento l.jpgSlide 31

Para o consentimento

  • Não ignore o consórcio permanente;

  • Não ignore a cooperação sexual para a prole;

  • Isto não se presuma depois da puberdade – 14 anos.

Slide32 l.jpgSlide 32

Erro

  • Da pessoa torna inválido o matrimônio;

  • Da qualidade da pessoa, se for direta e principalmente visada;

  • Erro é juízo falso da inteligência.

Slide33 l.jpgSlide 33

Dolo

  • É enganar o outro para obter consentimento;

  • É sobre qualidade que perturba o consórcio (esterilidade?, Virgindade?, doença?);

  • É inválido o matrimônio;

  • É vontade deliberada de induzir a erro.

Erro sobre unidade indissolubilidade dignidade sacramental l.jpgSlide 34

Erro sobre unidade, indissolubilidade, dignidade sacramental

  • Não vicia o consentimento se não determina a vontade.

Enunciado

  • Certeza ou opinião sobre

  • nulidade não exclui o

  • consentimento.

Presume se l.jpgSlide 35

Presume-se

  • Que o consentimento interno corresponda às palavras;

  • Exclusão de elementos essenciais torna nulo o matrimônio.

Viol ncia ou medo grave l.jpgSlide 36

Violência ou medo grave

  • Torna nulo o matrimônio;

  • Mesmo sem propósito.

Forma do matrim nio l.jpgSlide 37

Forma do matrimônio

  • Presença dos noivos ou procurador;

  • Expressão externa de consentimento;

  • Podem falar ou com sinais equivalentes.

Procurador l.jpgSlide 38

Procurador

  • Haja mandato especial para pessoa determinada;

  • Mandato do próprio mandante e exerça pessoalmente;

  • Valor do mandato depende de assinatura do mandante, do pároco ou ordinário, ou do sacerdote delegado, ou documento autêntico do civil.

Int rprete l.jpgSlide 39

Intérprete

  • É permitido no matrimônio; Deve constar de sua fidelidade.

Matrimônio inválido

Por impedimento ou falta de forma; Presume-se existência de consentimento; É causa de sanatio in radice.

Cap v forma da celebra o do matrim nio l.jpgSlide 40

CAP V – Forma da Celebração do Matrimônio

  • Validade do matrimônio

Diante da testemunha qualificada e mais duas testemunhas; Caso de erro comum ; Mediante leigo delegado; Em determinados casos, perante duas testemunhas; Com dispensa de forma; O assistente recebe o consentimento.

Testemunha qualificada por of cio l.jpgSlide 41

Testemunha qualificada por ofício

  • O ordinário local e o pároco; Não sejam excomungados, interditados ou suspensos; Nos limites territoriais próprios; Aos súditos; De não-súditos, mas ao menos um seja de rito latino.

Para validade l.jpgSlide 42

Para validade

  • Pelo menos um esteja dentro do território do ofício.

Ordin rio e p roco l.jpgSlide 43

Ordinário e pároco

  • Podem delegar faculdade, mesmo geral, para assistir matrimônio; Delegação a pessoa determinada, sacerdote ou diácono; Delegação especial, para matrimônio determinado; Delegação geral, dada por escrito.

Delega o a leigos l.jpgSlide 44

Delegação a leigos

  • Onde faltam sacerdotes e diáconos; Dada pelo bispo diocesano, com voto da conferência dos bispos e licença da Sé Apostólica; Seja leigo idôneo; É ato supletório.

Delega o especial l.jpgSlide 45

Delegação especial

  • A obrigação é só de assistir aquele matrimônio;

  • Deve comprovar o estado livre dos nubentes.

O assistente l.jpgSlide 46

O assistente

  • Age ilicitamente se não constar o estado livre dos nubentes;

  • Numa delegação geral, deve haver licença do pároco.

Local do matrim nio l.jpgSlide 47

Local do matrimônio

  • Paróquia de um dos nubentes; Onde tem domicílio, quase-domicílio ou residência há um mês; O vago, onde se encontra; Em outro lugar, com licença do ordinário ou do pároco.

Matrim nio s perante testemunhas l.jpgSlide 48

Matrimônio só perante testemunhas

  • Impossibilidade grave do assistente competente; Perigo de morte; Impossibilidade por um mês; Outro sacerdote ou diácono deve assistir como testemunha.

Forma can nica l.jpgSlide 49

Forma canônica

  • Pelo menos um dos nubentes seja católico;

  • Pode ser dispensada pelo ordinário.

Local do matrim nio misto l.jpgSlide 50

Local do matrimônio misto

  • Na Igreja paroquial;

  • Em outra Igreja ou oratório, com licença do ordinário ou do pároco;

  • Em outro lugar conveniente, conforme o ordinário.

Na celebra o do matrim nio l.jpgSlide 51

Na celebração do matrimônio

Observe-se o rito prescrito.

Rito próprio

Pode ser elaborado pela conferência dos bispos;

Deve ser revisto pela Sé Apostólica; Deve ser mantida a norma do celebrante pedir o consentimento.

Celebrado o matrim nio l.jpgSlide 52

Celebrado o matrimônio

  • Seja registrado no livro de matrimônio da paróquia;

  • Também os com dispensa de forma;

  • O pároco tem que ser informado.

Outro registro l.jpgSlide 53

Outro registro

  • No livro de batismo de ambos.

Ainda

Matrimônio convalidado, declarado nulo ou dissolvido sem morte; O pároco da celebração seja comunicado; Registra-se o fato nos livros de batizados e de matrimônios.

Cap vi matrim nios mistos l.jpgSlide 54

CAP VI – Matrimônios Mistos

  • Matrimônio entre católico e não-católico batizado

Só com licença do bispo

diocesano.

Matrim nio misto l.jpgSlide 55

Matrimônio misto

  • A licença pode ser dada pelo ordinário; Haja causa justa e razoável; Deve afastar os perigos de defecção da fé; Instruir sobre o batizado dos filhos, informar isto ao acatólico; Sejam instruídos sobre os fins do matrimônio.

Forma de declara o l.jpgSlide 56

Forma de declaração

  • Dada pela conferência dos bispos;

  • Declaração escrita da parte católica;

  • Informação a acatólica.

Forma l.jpgSlide 57

Forma

  • Celebrante e testemunhas;

  • Católico e não católico de rito oriental, a forma é para a liceidade e o ministro sagrado para a validade;

  • Pode ser dispensada alguma forma pública;

  • É proibido novo consentimento;

  • É proibido dois pedirem juntos o consentimento.

Pastoral l.jpgSlide 58

Pastoral

  • Ajuda pastoral aos nubentes nos matrimônios mistos.

Na disparidade de culto

As mesmas normas.

Cap vii efeitos do matrim nio l.jpgSlide 59

CAP VII – Efeitos do Matrimônio

  • Matrimônio válido

Vínculo perpétuo e exclusivo; Entre cristãos é sacramento com deveres e dignidade própria.

Deveres e direitos l.jpgSlide 60

Deveres e direitos

  • Para ambos os cônjuges.

Deveres e direitos dos pais

Educação física, social,

cultural, moral e religiosa

dos filhos.

Filhos leg timos l.jpgSlide 61

Filhos legítimos

  • De matrimônios válidos ou putativos.

É pai

O que as núpcias indicam; Pode-se provar em contrário; De filho nascido 180 dias depois do casamento, ou 300 dias após a dissolução da vida conjugal.

Cap viii separa o dos c njuges l.jpgSlide 62

CAP VIII – Separação dos Cônjuges

  • Art 1 – Dissolução do Vínculo

Enunciado

Só a morte dissolve um casamento rato e consumado.

Privil gio petrino l.jpgSlide 63

Privilégio Petrino

  • Matrimônio rato e não consumado pode ser dissolvido pelo papa.

Privilégio Paulino (I Cor 7,12-15)

Matrimônio entre dois pagãos;

É em favor da fé de quem é batizado; Se a parte não batizada afastar-se.

Validade de um novo matrim nio l.jpgSlide 64

Validade de umnovo matrimônio

  • Só após interpelação à parte não batizada.

Interpela o l.jpgSlide 65

Interpelação

  • Feita pelo ordinário local da parte convertida; O não batizado é interpelado se quer também receber o batismo, se quer coabitar pacificamente; O seu silêncio é interpretado como resposta negativa; Deve-se constar a interpelação e o resultado.

Direito do novo matrim nio l.jpgSlide 66

Direito do novo matrimônio

  • Na interpelação negativa ou omitida;

  • Por afastamento do não batizado por justa causa.

No privil gio paulino l.jpgSlide 67

No Privilégio Paulino

  • A parte católica poderá casar-se com acatólico, seguindo as normas do matrimôniomisto.

Um n o batizado com v rias esposas l.jpgSlide 68

Um não batizadocom várias esposas

  • Fica com a primeira ou qualquer uma delas; Olhar a justiça social.

Em caso de dúvida

O privilégio da fé goza

do favor do direito.

Art 2 separa o com perman ncia de v nculo l.jpgSlide 69

Art 2 – Separação com Permanência de Vínculo

  • Os cônjuges

Têm dever e direito à convivência.

No adult rio l.jpgSlide 70

No adultério

  • Recomenda-se o perdão e a convivência;

  • Não havendo perdão, há o direito de dissolução da convivência;

  • O outro pode consentir o adultério ou também viver nele;

  • Há o perdão tácito na convivência espontânea sabendo;

  • O inocente pode propor à autoridade causas de separação.

Decreto de separa o l.jpgSlide 71

Decreto de separação

  • Porque há perigo na convivência;

  • Afronta à fé do outro e dos filhos;

  • Dificuldade de convivência;

  • Cessando as causas, deve-se voltar à convivência.

Na separa o l.jpgSlide 72

Na separação

  • Cuidar da educação e sustentação dos filhos.

O direito de separação

Pode ser renunciado pelo cônjuge inocente.

Cap ix convalida o do matrim nio l.jpgSlide 73

CAP IX – Convalidação do Matrimônio

  • Art 1 – Convalidação Simples

Convalidação simples

  • Cessa ou dispensa do impedimento;

  • Renovação do consentimento para validade.

Renova o do consentimento l.jpgSlide 74

Renovação do consentimento

  • Novo ato de vontade;

  • Um ou ambos sabe ter sido nulo o matrimônio.

Impedimento p blico75 l.jpgSlide 75

Impedimento público

  • Renovação do consentimento dos dois;

  • Não provado, renovação em segredo por quem sabe do impedimento.

Matrim nio nulo por consentimento l.jpgSlide 76

Matrimônio nulo por consentimento

  • Convalida-se dado o consentimento.

Matrimônio nulo por falta de forma

Deve ser contraído de novo na forma canônica.

Art 2 sana o radical l.jpgSlide 77

Art 2 – Sanação Radical

  • Sanação

É convalidação do matrimônio nulo; Não há renovação do consentimento; Supõe dispensa do impedimento, se houver; supõe dispensa da forma; Supõe retroação dos efeitos canônicos até à celebração do matrimônio; É uma graça; Supõe que as partes queiram perseverar na vida conjugal.

Consentimento l.jpgSlide 78

Consentimento

  • Objeto para a sanação radical;

  • O efeito da sanação é a partir do consentimento.

Sana o de um matrim nio nulo l.jpgSlide 79

Sanação de um matrimônio nulo

  • Por impedimento ou falta de forma legítima;

  • O consentimento persevera;

  • Impedimento natural ou divino positivo, só depois de cessados.

Cessa o da sana o l.jpgSlide 80

Cessação da sanação

  • Vale mesmo sem conhecimento de uma das partes ou ambas;

  • Só é concedida por causa grave.

Autoridades para sana o l.jpgSlide 81

Autoridades para sanação

  • Sé Apostólica;

  • Bispo diocesano, caso por caso.

Dom Paulo Mendes Peixoto.


Copyright © 2014 SlideServe. All rights reserved | Powered By DigitalOfficePro