Apela o generalidades
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 40

APELAÇÃO - GENERALIDADES PowerPoint PPT Presentation


  • 86 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

APELAÇÃO - GENERALIDADES. O recurso de apelação, como prevê o art. 513 do CPC, é o que a parte sucumbente em primeiro grau de jurisdição pode interpor contra a sentença, provocando o reexame por tribunal de segundo grau de seu conteúdo ou de sua validade. APELAÇÃO - GENERALIDADES.

Download Presentation

APELAÇÃO - GENERALIDADES

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Apela o generalidades

APELAÇÃO - GENERALIDADES

O recurso de apelação, como prevê o art. 513 do CPC, é o que a parte sucumbente em primeiro grau de jurisdição pode interpor contra a sentença, provocando o reexame por tribunal de segundo grau de seu conteúdo ou de sua validade.


Apela o generalidades1

APELAÇÃO - GENERALIDADES

  • Não importa o conteúdo da sentença, se definitiva (de mérito) ou se terminativa (sobre preliminar processual). Para que a apelação se torne manejável, basta que o ato decisório tenha posto fim ao processo em primeira instância, ou seja, tenha sido proferido pelo juiz como ato determinador da extinção da relação processual perante ele (CPC, art. 162, § 1º).


Apela o generalidades2

APELAÇÃO - GENERALIDADES

  • A função desse tipo de recurso é sempre transferir o conhecimento da causa, no todo ou em parte, do juiz singular para o tribunal imediatamente superior (efeito devolutivo), de maneira que o julgamento do órgão de segundo grau venha a substituir a seu tempo a sentença apelada (CPC, art. 512), na extensão daquilo que foi objeto de recurso.


Apela o generalidades3

APELAÇÃO - GENERALIDADES

  • Além do efeito devolutivo, a apelação, em regra, suspende também a imediata exeqüibilidade da sentença impugnada (efeito suspensivo). No entanto, há casos especiais em que o Código retira do recurso essa eficácia, permitindo, assim, a execuçãoprovisória da decisão, isto é, franqueando ao beneficiário da sentença a actio iudicarti, antes que a coisa julgada torne a condenação imutável e indiscutível (CPC, art. 520, incisos I a V).


Pressupostos

Pressupostos

  • A Lei nº 8.950, de 13/12/94, introduziu, no regime da apelação, importantes alterações no tocante à tempestividade e ao preparo.


Pressupostos1

Pressupostos

  • Quanto ao requisito da tempestividade, o parágrafo único acrescentado ao art. 506 do CPC submete o seu controle ao protocolo do cartório ou do juízo, que obrigatoriamente deverá ocorrer dentro do prazo legal de interposição do recurso.


Pressupostos2

Pressupostos

  • Quer isso dizer que não basta colher o despacho do juiz, é indispensável que a petição seja entregue ao protocolo antes de expirar o prazo da apelação.


Pressupostos3

Pressupostos

  • Aliás, nem é preciso que o despacho judicial se dê dentro daquele prazo. O que se leva em conta, para efeito da tempestividade, é simplesmente o ingresso do recurso em juízo por meio do protocolo, com ou sem manifestação prévia do juiz.


Pressupostos4

Pressupostos

  • Em relação às custas e às despesas de remessa e retorno do processo, a Lei nº 8.950, ao dar outro texto ao caput do art. 511 do CPC, implantou o sistema de preparo prévio de todos os recursos, inclusive, portanto, o da apelação.


Pressupostos5

Pressupostos

  • Assim ficou estatuído que, "no ato de interposição do recurso", caberá ao recorrente exibir o comprovante de já ter procedido ao necessário preparo.


Pressupostos6

Pressupostos

  • Há quem pretenda abrandar o rigor da lei para tolerar que o preparo seja feito após o protocolo do recurso, mas ainda dentro do prazo legal estabelecido para a respectiva interposição. A exegese predominante, todavia, tem sido a de que a lei instituiu o preparo prévio como um requisito ou pressuposto do exercício do direito de recorrer, fixando, com precisão, o momento de cumprir a exigência procedimental.


Pressupostos7

Pressupostos

  • Explica Carreira Alvim, por isso, que o problema é de preclusão ocorrida no momento em que a parte exerce o direito de recorrer, após o qual não remanesce prazo algum para reiterar ou modificar o ato recursal.


Pressupostos8

Pressupostos

  • Daí que, depois de protocolada a apelação antes de completados os quinze dias da lei, não há de se pensar em disponibilidade de tempo útil para cumprir as exigências ou requisitos que o Código impõe à respectiva interposição


Pressupostos9

Pressupostos

  • O caso é, em suma, de preclusão consumativa, por força da qual "com a prática do ato, consuma-se o direito (ou faculdade) de fazê-lo, não podendo a parte fazê-lo de novo"


Pressupostos10

Pressupostos

  • Como destaca Barbosa Moreira, o requisito do preparo consiste "no pagamento prévio das despesas relativas ao processamento do recurso", e a sanção para "a falta de preparo oportuno" é a deserção.


Pressupostos11

Pressupostos

  • "A omissão em preparar a tempo o recurso é causa puramente objetiva de inadmissibilidade, que prescinde de qualquer indagação sobre a vontade do omisso"


Pressupostos12

Pressupostos

  • A falta de divulgação de normas claras e precisas sobre o quantum do preparo recursal representa justo motivo para que a parte se esquive da deserção, dentro do que permite o art. 183 do CPC.


Ju zo de admissibilidade

Juízo de admissibilidade

  • A petição de apelação, embora busque a revisão da sentença pelo tribunal, é imediatamente endereçada ao juiz de primeiro grau, isto é, ao juiz que prolatou a sentença apelada. A ele cabe, portanto, a função de deferir ou não o processamento do recurso, após examiná-lo à luz dos requisitos legais traçados para sua admissibilidade.


Ju zo de admissibilidade1

Juízo de admissibilidade

  • O juízo de admissibilidade, portanto, configura, em primeira instância, uma decisão interlocutória, que deveria ensejar agravo, ou simplesmente ficar em suspenso sob condição de ser referendado pelo tribunal ad quem quando conhecesse da causa, no efeito devolutivo.


Ju zo de admissibilidade2

Juízo de admissibilidade

  • No entanto, por evidente e elogiável preocupação de celeridade e economia processual, o novo parágrafo único, acrescentado pela Lei n. 8.950 ao art. 5l8 do CPC, conferiu, desde logo, ao juiz a quo a faculdade de reexaminar os pressupostos de admissibilidade da apelação, depois de recebida a resposta do apelado.


Ju zo de admissibilidade3

Juízo de admissibilidade

  • Está, então, o juiz, que antes admitira o recurso, autorizado a revogar a decisão permissiva do processamento da apelação, sem necessidade de uso do agravo.


Ju zo de admissibilidade4

Juízo de admissibilidade

  • É claro, porém, que, se o juiz revoga a admissão do apelo, profere decisão interlocutória e assim autoriza o apelante a lançar mão do agravo de instrumento para levar a questão ao exame do tribunal.


Ju zo de admissibilidade5

Juízo de admissibilidade

  • Normalmente, o reexame em tela será feito por provocação do apelado junto com suas contra-razões. Nada impede, porém, que o juiz aja de ofício, ao constatar a ausência de condição de admissibilidade da apelação, mesmo antes de provocação do recorrido


Efeito devolutivo

Efeito devolutivo

  • Diz o atual art. 516, completando a regra principal antes enunciada no art. 515 (não alterado), que: "Ficam também submetidas ao tribunal as questões anteriores à sentença ainda não decididas".


Efeito devolutivo1

Efeito devolutivo

  • Antes de analisar o novo art. 516, é necessário determinar o conteúdo de seu antecedente lógico, isto é, o art. 515, que é o seguinte:

  • "a) o apelante tem o poder de delimitar o objeto de seu recurso, de modo que ao tribunal será, em regra, devolvido "o conhecimento da maté-ria impugnada", nos termos do caput do art. 515: tantum devolutum quantum appellatum; logo, se o recurso é parcial, não pode a instância ad quem rever a sentença naquilo que não foi questionado na apelação; a parte não atacada transita em julgado;


Efeito devolutivo2

Efeito devolutivo

  • b) dentro dos limites da apelação, a devolução compreende, em profundidade, todas as questões relacionadas com os fundamentos do pedido e da defesa, quer tenham sido efetivamente decididas em primeiro grau, quer não tenham sido julgadas por inteiro (art. 5l5, § 1º);


Efeito devolutivo3

Efeito devolutivo

  • O que a apelação permite ao órgão recursal apreciar é:

  • a) a questão de mérito que a sentença não examinou por inteiro, porque a solução encontrada não permitiu que o exame se completasse. Exemplo: o pedido de indenização foi julgado improcedente, por isso não se cuidou do valor das perdas e danos. O Tribunal, se reformar a sentença, para deferir a indenização terá competência para decidir sobre o respectivo valor (art. 515, § 1º);


Efeito devolutivo4

Efeito devolutivo

  • b) toda matéria pertinente aos fundamentos do pedido ou da defesa, quando um ou outro tenha sido acolhido, sem exame de todos os motivos argüidos. Em tal hipótese a questão foi solucionada, sem que houvesse necessidade de analisar todos os fundamentos invocados. Bastou um deles para que a defesa ou o pedido fosse acolhido.


Efeito devolutivo5

Efeito devolutivo

  • Lembra, outrossim, Barbosa Moreira, que o efeito devolutivo confere também ao Tribunal o conhecimento da matéria examinável de ofício, conquanto não a tenha apreciado o juiz a quo, como por exemplo, as nulidades absolutas e as questões puramente de direito


Efeito suspensivo

EFEITO SUSPENSIVO

  • Nos termos do caput do art. 520 do CPC, a apelação deverá ser recebida tanto no efeito devolutivo como no suspensivo.

  • Os casos previstos no próprio art. 520 que a apelação não contém efeito suspensivo são: a) Homologar a divisão ou demarcação de terras: trata-se de uma hipótese em que as sentenças constitutivas podem produzir efeitos imediatos, ainda que na pendência do recurso.


Efeito suspensivo1

EFEITO SUSPENSIVO

  • b) Condenação a prestação de alimentos: não é o caso de sentença que majora ou diminui o valor da pensão, porquanto sejam hipóteses de sentença constitutiva.

  • c) Julgar o pedido de providência cautelar.

  • d) Rejeitar liminarmente ou julgar improcedentes os embargos opostos pelo devedor à execução


Efeito suspensivo2

EFEITO SUSPENSIVO

  • e) julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem

  • f) confirmar antecipação de tutela

  • g) decretar interdição

  • Obs: Nos casos que a apelação não possui o efeito suspensivo, poderá o juiz concedê-lo, caso haja requerimento da parte. Dá-se o nome de efeito suspensivo ope judicis, se preenchidos os requisitos da verossimilhança e alegações de perigo.


Procedimento

Procedimento

  • Do ato de admissão do recurso pelo juiz aquo, determina a redação atual do art. 518 que deverá constar a declaração dos efeitos em que a apelação é recebida.


Procedimento1

Procedimento

  • É claro que o juiz não tem o poder de alterar a vontade da lei no que toca à eficácia recursal. Mas se por erro vier a atribuir efeito diverso do previsto em lei, caberá à parte prejudicada interpor agravo, pois, do contrário, a decisão interlocutória, mesmo equivocada, prevalecerá no caso decidido, por força da preclusão


Procedimento2

Procedimento

  • Outras inovações procedimentais foram introduzidas no regime de apelação pela Lei n. 8.952, de 13/12/94, ao alterar a redação do art. 296 do CPC, relativa à impugnação do ato judicial que indefere a petição inicial.


Procedimento3

Procedimento

  • Duas importantes alterações foram feitas pela Lei n. 8.952:

  • a) não há mais citação do réu; se a relação processual ainda está na linearidade entre autor e juiz, o ato de indeferimento liminar da petição inicial só diz respeito àqueles dois sujeitos do processo. Não havia razão para justificar a citação do réu, onerando-o com o encargo de ter de responder a um recurso que lhe é indiferente. A apelação do autor, na fase vestibular do processo, portanto, subirá imediatamente ao tribunal;


Procedimento4

Procedimento

  • b) por outro lado, se as razões do apelo do autor convencerem o juiz de ter incorrido em erro ao indeferir a inicial, a nova redação do art. 296 permite-lhe o juízo de retratação, que deverá dar-se nas quarenta e oito horas seguintes ao conhecimento do recurso. Trata-se de providência de evidente intuito de economia processual.


Procedimento5

Procedimento

  • Se o indeferimento da inicial ocorrer no saneamento do processo depois que o réu já se encontrar presente na relação processual, não terá obviamente aplicação integral o procedimento abreviado do art. 216.


Procedimento6

Procedimento

  • Já então a relação processual não será mais linear e o recurso terá de processar-se em face do réu, segundo os moldes normais dos arts. 513 a 521 do CPC, embora seja de manter-se a faculdade do juízo de retratação


Procedimento7

Procedimento

  • Pela Lei n. 9.139, de 30/11/95, que alterou o art. 523 do CPC, ficou claro que a decisão que inadmitir a apelação configurará decisão interlocutória, desafiando, por isso, agravo que será sempre de instrumento e nunca retido


  • Login