Advertisement
1 / 49

Diversidade das Plantas


E.B 2, 3 Padre Vítor Melícias. Diversidade das Plantas. Prof.ª Casimira/Ciências da Natureza/09/03/06. Diversidade das Plantas. Plantas com flor. Plantas sem flor. Morfologia das Plantas. Fetos. Musgo. Orquídeas . Estrelícias. Constituição das plantas com flor.

Presentation posted in : General

Download Presentation

Diversidade das Plantas

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other sites. SlideServe reserves the right to change this policy at anytime.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.











- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




Presentation Transcript


Diversidade das plantas

E.B 2, 3 Padre Vítor Melícias

Diversidade das Plantas

Prof.ª Casimira/Ciências da Natureza/09/03/06


Diversidade das plantas1

Diversidade das Plantas

Plantas com flor

Plantas sem flor

Morfologia das Plantas

Fetos

Musgo

Orquídeas

Estrelícias


Constitui o das plantas com flor

Constituição das plantas com flor


Constitui o das plantas sem flor

Constituição das plantas sem flor

Musgo

Feto

Cápsula

SOROS

Cápsula

Cápsula

Cápsula

FOLHAS

Cápsula

RIZOMA

Cápsula

RAÍZES


Constitui o das plantas sem flor1

Talo

Constituição das plantas sem flor

Alga


Plantas com flores

Plantas com Flores

  • Muitas das plantas que existem na Natureza dão flor.

  • Embora apresentem aspectos muito diferentes, as plantas com flor são normalmente constituídas por:

    • Raiz;

    • Caule;

    • Folha;

    • Flor;

    • Fruto.


Ra zes

É através da raiz que a planta absorve a água e os sais minerais necessários para o seu desenvolvimento.

É a raiz que permite que a planta se fixe no meio em que vive.

Raízes


Constitui o da raiz

Constituição da Raiz


Diversidade das plantas

Tipos de Raízes

Subterrânea

Aérea

Hera

Couve

Aquática

Nenúfar


Diversidade das plantas

Tipos de Raízes

subterrâneas


Classifica o de ra zes subterr neas

Classificação de raízes subterrâneas

  • Raiz Aprumada

Tem uma raiz principal desenvolvida e dela partem raízes secundárias menos desenvolvidas.

Exemplos: papoila e feijoeiro


Diversidade das plantas

  • Raiz Fasciculada

Tem a raiz em forma de feixe, não se distingue a raiz principal, pois todas tem igual desenvolvimento.

Exemplo: milho, trigo

  • Raiz Tuberoso-aprumada

Tem uma raiz principal carnuda que armazena grandes quantidades de substâncias de reserva.

Exemplo: cenoura, nabo


Diversidade das plantas

  • Raiz Tuberoso-fasciculada

Possui um feixe de raízes carnudas que armazenam substâncias de reserva.

Exemplo: dália, batata doce


Caule

Tem como função suportar as folhas, flores e frutos;

Transportar a água e os sais minerais através dos vasos que existem no seu interior;

Acumular substâncias de reserva.

Caule


Constitui o do caule

Constituição do Caule

  • O caule é o órgão da planta que liga a raiz às folhas. É constituído por:

  • Nós - são zonas espessas onde se inserem as folhas;

  • Entrenós - são os espaços compreendidos entre os nós;

  • Gemas – que são as responsáveis pelo crescimento do caule e pelo aparecimento das folhas.


Diversidade das plantas

Tipos de Caules

Subterrâneo

Aéreo

Jacinto

Pinheiro

Aquático

Nenúfar


Diversidade das plantas

Tipos de Caules Aéreos

Bambú

Pinheiro

Palmeira


Classifica o de caules a reos

Classificação de caules aéreos

  • Tronco

Caule mais grosso na base do que em cima e com ramos.

Exemplos: oliveira, pinheiro e tília


Diversidade das plantas

  • Espique

Caule cilíndrico que termina num grupo de ramos ou folhas.

Exemplo: palmeira

  • Colmo

Tem um caule geralmente oco e com nós salientes.

Exemplo: cana e milho


Diversidade das plantas

Tipos de Caules Subterrâneos

Cebola

Lírio

Batateira


Classifica o de caules subterr neos

Classificação de caules subterrâneos

  • Rizoma

Caule alongado horizontalmente, com raízes e pequenas escamas.

Exemplos: morangueiro e lírio


Diversidade das plantas

  • Bolbo

Caule arredondado e rodeado de folhas em forma de escamas.

Exemplo: cebola e túlipa

  • Tubérculo

Caule arredondado e sem raízes.

Exemplo: batateira


Folhas

A folha é o órgão da planta onde se produz o alimento de que as plantas necessitam.

É nas folhas que ocorrem as trocas gasosas.

Têm normalmente cor verde porque possuem um pigmento chamado clorofila.

Tendo em conta o tempo que duram as folhas dizem-se:

- caducas quando caem no outono

- persistentes se as folhas duram todo o ano.

Folhas


Constitui o da folha

Constituição da Folha

Uma folha completa é constituída por:

  • Bainha – zona de ligação da folha com o caule.

  • Pecíolo – pé da folha que suporta a superfície da folha, isto é o limbo.

  • Limbo – superfície da folha, limitada pela margem, que possui duas página.


Diversidade das plantas

Classificação quanto ao recorte do limbo

Inteira

(margem sem recorte)

Dentada

(margem com recortes

Superficiais)

Eucalipto

Olaia

Sobreiro

Castanheiro

Figueira

Fendida

(margem com recortes

profundos)

Oliveira

Amoreira

Plátano

Carvalho


Diversidade das plantas

Classificação quanto à divisão do limbo

Simples

(limbo único)

Composta

(limbo dividido em

várias partes - folíolos)

Amoreira

Sobreiro

Sobreiro

Castanheiro

Recomposta

(limbo dividido em

várias partes - folíolos)

Oliveira

Acácia

Avenca


Diversidade das plantas

Classificação quanto à nervura do limbo

Uninérvia

(Nervura única)

Paralelinérvia

(Várias nervuras paralelas)

Pinheiro

Peninérvia

(Nervura central de onde partem

nervuras secundárias)

Lírio

Palminérvia

(Várias nervuras centrais)

Pereira

Videira


Flores

Flores

  • As flores apresentam uma grande variedade de cores, formas e odores para atraírem os agentes de polinização (insectos e aves).

  • A principal função duma flor é a reprodução, pois contem os órgãos reprodutores.


Constitui o da flor

Constituição da Flor

Numa flor completa distinguem-se as seguintes peças:

  • Órgãos de suporte: pedúnculo e receptáculo;

  • Órgãos de protecção: sépalas e pétalas;

  • Órgãos de reprodução: Estames (masculino) e carpelo (feminino).


Diversidade das plantas

Constituição da Flor

  • O conjunto das sépalas chama-se cálice;

  • O conjunto de pétalas chama-se corola;

  • O conjunto dos carpelos chama-se gineceu;

  • Ao conjunto de estames chamamos androceu.


Influ ncia dos factores do meio

Influência dos factores do meio


Factores do meio que influenciam as plantas

Factores do meio que influenciam as plantas

  • Tal como os animais, também as plantas são influenciadas pelos factores do ambiente, nomeadamente:

    • Temperatura;

    • Humidade;

    • Luz;

    • Solo;

    • Seres Vivos.


Influ ncia da temperatura

Influência da temperatura

  • A temperatura é um dos factores do meio que mais influencia a distribuição das plantas.

  • A variação de temperatura ao longo do dia e também nas estações do ano, obriga as plantas a encontrarem forma de sobrevivência.


Influ ncia da temperatura1

Influência da temperatura

  • Algumas árvores e arbustos perdem as folhas durante a estação fria - folha caduca.

  • Enquanto que outras as mantém durante todo o ano – folhas perenes.

Oliveira


Influ ncia da temperatura2

Influência da temperatura

  • Existem dois tipos de plantas:

    • Plantas anuais

    • Plantas vivazes ou perenes.

Nas plantas anuais, as sementes são os únicos órgãos a resistir às baixas temperaturas e que renovam o ciclo de vida da planta

Nas plantas perenes, com órgãos de reserva, perdem a parte aérea no Inverno, mas a parte subterrânea sobrevive à custa das reservas

Papoila

Gladíolo


Influ ncia da humidade

Influência da humidade

  • Existem plantas que sobrevivem em locais onde chove muito e outras em locais onde praticamente não chove.

  • A humidade tem grande influencia na reprodução:

    • O ar deve estar pouco húmido para que as antenas abram e deixem cair o pólen;

    • As sementes só germinam com elevada quantidade de humidade.


Influ ncia da humidade1

Influência da humidade

  • Tendo em conta a quantidade de humidade que precisam, podemos agrupar as plantas em:

    • Plantas hidrófilas – necessitam de muita humidade;

    • Plantas mesófilas – necessidade moderada de humidade;

    • Plantas xerófilas – vivem em ambientes secos.


Influ ncia da humidade2

Influência da humidade

Planta aquática

Nenúfar

Planta hidrófila

Feto

Planta mesófila

Pereira


Influ ncia da humidade3

Influência da humidade

  • As plantas xerófilas apresentam várias adaptações aos meios secos:

  • Raízes muito longas e profundas para melhor fixação ao solo e procura de água;

  • Raízes longas e superficiais, para aproveitarem toda a água das chuvas;

Pinheiro


Influ ncia da humidade4

Influência da humidade

  • Caules carnudos onde armazenam água;

  • Folhas reduzidas em forma de espinhos ou protegidas por pêlos, para evitar perdas de água.

Cactos


Influ ncia da luz

Influência da luz

  • A luz é indispensável para que as plantas produzam o seu próprio alimento.

  • Tendo em conta a quantidade de luz que precisam, as plantas chamam-se:

    • Plantas de sol ou heliófilas

    • Plantas de sombra ou esquiófilas


Influ ncia da luz1

Influência da luz

  • Plantas de sol ou heliófilas – necessitam de muita luz para viverem. É o caso do girassol e milho;

  • Plantas de sombra ou esquiófilas – precisam de sombra para se desenvolverem. É o caso dos musgos e fetos.

Girassol

Milho

Fetos

Musgo


Influ ncia da luz2

Influência da luz

  • Existem plantas que movimentam alguns dos seus órgão em função da luz. Estes movimentos têm o nome de fototropismo.

    • fototropismo positivo – quando o movimento é no sentido da luz – maioria dos caules ( ex. girassol e cactos);

    • fototropismo negativo – quando o movimento se faz em sentido contrário ao da luz – maioria das raízes.


Influ ncia da luz3

Influência da luz

  • A luz também influencia a floração. Há plantas que só dão flor nos meses de dias longos e outras quando os dias são mais curtos.

  • Assim temos:

Planta de dia curto

Planta de dia longo

Trigo

Crisântemo

Cravo


Influ ncia do solo

Influência do solo

  • A composição dos solos varia de local para local, sendo um factor do ambiente importante para a sobrevivência das plantas;

  • Existem vários tipos de solos: solos arenosos, argilosos, calcários e francos.


Influ ncia do solo1

Influência do solo

  • Solos arenosos – possuem grande quantidade de areia Não retêm água e humidade e, por isso, são pobres em plantas.

  • Solos argilosos – possuem grande quantidade de argila. Retêm muita água.

  • Solos calcários – possuem calcário na sua composição. Retêm alguma água e secam rapidamente. São pobres em vegetação.

  • Solos francos – são constituídos por uma mistura equilibrada de areia, argila, matéria orgânica, ar e água. É um solo fértil, onde abunda vegetação.


Perigos que amea am as plantas

Perigos que ameaçam as plantas

  • O homem tem contribuído, com a sua acção, para a destruição de muitas espécies vegetais:

    • Devasta florestas, causando a destruição dos solos;

    • Aumenta a poluição, provocando a morte das plantas;

    • Colhe plantas indiscriminadamente.


Esp cies vegetais em vias de extin o

Espécies vegetais em vias de extinção

Azevinho

Planta espontânea abundante na Serra da Estrela. Os seus frutos, são bagas azuis ou pretas, usados para fazer aguardente

Arbusto de flores brancas, com frutos semelhantes a bagas vermelhas Venenosas.

Zimbro


Diversidade das plantas

FIM