Teoria dos ciclos econ micos
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 57

TEORIA DOS CICLOS ECONÔMICOS PowerPoint PPT Presentation


  • 50 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

TEORIA DOS CICLOS ECONÔMICOS. Prof. Giácomo Balbinotto Neto Notas de Aula. Introdução. As economias tendem a crescer ao longo do tempo, mas de uma maneira irregular. Tendem a oscilar em torno de suas tendências de longo prazo. Questões?. - Por que o produto flutua?

Download Presentation

TEORIA DOS CICLOS ECONÔMICOS

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Teoria dos ciclos econ micos

TEORIA DOS CICLOS ECONÔMICOS

Prof. Giácomo Balbinotto Neto

Notas de Aula


Introdu o

Introdução

As economias tendem a crescer ao longo do tempo, mas de uma maneira irregular. Tendem a oscilar em torno de suas tendências de longo prazo.


Quest es

Questões?

- Por que o produto flutua?

- A teoria dos ciclos econômicos está preocupada com o fato de porque as economias não crescem de modo suave, mas sim apresentam flutuações recorrentes.


Desemprego durante a grande depress o de 1929 eua

Desemprego durante a Grande Depressão de 1929 [EUA]


As flutua es econ micas e os ciclos econ micos

As flutuações econômicas e os ciclos econômicos

A produção agregada flutua de modo marcante nas economias capitalistas. Elas possuem uma forte tendência [de crescimento econômico], mas longe de ser um crescimento suave, ele flutua em torno desta tendência com significativa amplitude.

Tais flutuações são chamadas de ciclos econômicos.


As fases de um ciclo econ mico

As Fases de um Ciclo Econômico

Schumpeter (1939) definiu quatro fases para um ciclo econômico:

(i) boom;

(ii) recessão;

(iii) depressão;

(iv) recuperação.


Ciclo econ mico

.

O produto corrente flutua

em torno de sua tendência

de crescimento de longo prazp

Produto

corrente

Tendência

do produto

Ciclo Econômico

produto

tempo

0


Ciclo econ mico1

Tendência do

crescimento

PIB real

Tempo

Ciclo Econômico

Pico

Pico

Pico

vale

vale


As fases de um ciclo econ mico1

As Fases de um Ciclo Econômico

Iniciando de uma média, um boom é um aumento que dura até o pico; uma recessão é uma queda do pico até a média; uma depressão é uma queda do produto da média até o vale; uma recuperação é um aumento do produto até a média.

.


Fatos estilizados sobre os ciclos econ micos burda wyplosz 2005 cap 14

Fatos Estilizados Sobre os Ciclos Econômicos [Burda & Wyplosz (2005, cap. 14)]

Fato #1 – em economias avançadas, o crescimento do PIB real oscila de maneira recorrente, mas irregular, com uma duração média do ciclo de cinco a oito anos.

Fato # 2- medida em relação ao PIB médio e ao processo de crescimento, a amplitude das oscilações do ciclo econômico é pequena.


Fatos estilizados sobre os ciclos econ micos burda wyplosz 2005 cap 141

Fatos Estilizados Sobre os Ciclos Econômicos [Burda & Wyplosz (2005, cap. 14)]

Fato # 3- os componentes dos gastos privados são pró-ciclícos, enquanto o consumo médio do governo é acíclico.

Fato #4 – algumas variáveis sistematicamente saem na frente do PIB ao longo do ciclo (estoques, utilização da capacidade, preço das ações, saldos monetários reais) enquanto outros (inflação, desemprego) seguem atrás. Outras ainda (taxa de juros) são coincidentes.


Fatos estilizados sobre os ciclos econ micos burda wyplosz 2005 cap 142

Fatos Estilizados Sobre os Ciclos Econômicos [Burda & Wyplosz (2005, cap. 14)]

Fato #5 – o investimento – especialmente o investimento em estoque – é mais volátil, e o consumo, menos volátil que o PIB. As exportações e as importações são altamente variáveis, enquanto as compras do governo são relativamente acíclicas.


Classifica o dos ciclos econ micos dura o

Classificação dos Ciclos Econômicos: Duração

a) curto prazo: 3 – 4 anos [40 meses] –

Ciclos de Kitchin.

- evidências para os EUA

Cycles and Trends in Economic Factors, 1923, REStat.

Identificou um ciclo de estoques de 3 a 5 anos.


Classifica o dos ciclos econ micos dura o1

Classificação dos Ciclos Econômicos: Duração

b) ciclos de Juglar: 7 – 10 anos

- duração entre os vales de 7 a 10 anos;

- era um padrão associado ao RU no século XIX;

- evidências para o Reino Unido;

"Des crises commerciales", 1856, Annuaire de l'economie politique.

Des Crises commerciales et leur retour periodique en France, en Angleterre, et aux Etats-Unis, 1862.

Du Change et de la liberte d'émission, 1868.

Les Banques de depôt, d'escompte et d'émission, 1884


Classifica o dos ciclos econ micos dura o2

Classificação dos Ciclos Econômicos: Duração

c) Ciclos de Kuznets: 15-20 anos

- é conhecido também como ciclo de construção e transporte.

http://nobelprize.org/economics/laureates/1971/press.html


Classifica o dos ciclos econ micos dura o3

Classificação dos Ciclos Econômicos: Duração

d) ciclos de Kondratiev – duração de 50 anos

- relacionados a mudanças tecnológicas;

- a duração e o tempo de maturação dos equipamentos de capital é que explicariam a duração dos ciclos econômicos.

- os investimentos vêem em ondas;

- Kondratiev (1922) buscou computar os ciclos de longo prazo, destacando suas características cíclicas.


Os ciclos de kondratiev kuznets 1940

Os Ciclos de Kondratiev [Kuznets (1940)]

(1) A Revolução Industrial (1787-1842) constitui-se na mais famosa onda de Kondratiev: o boom iniciou por volta de 1787 e tournou-se uma depressão no inicio das Guerras napoleônicas em 1801 e, em 1814 aprofundou-se numa depressão que durou até 1827, quando inicia uma recuperação que dura até 1842.

Esta onda de Kondratiev baseou-se nas indústrias têxteis, ferro e das máquinas a vapor.


Os ciclos de kondratiev kuznets 19401

Os Ciclos de Kondratiev [Kuznets (1940)]

(2) The Bourgeois Kondratiev (1843-1897): após 1843, o boom reemergiu e uma nova onde de Kondratiev iniciou.

Ela foi resultado dos investimentos em ferrovias no Norte da Europa e Estados Unidos e foi acompanhada pela expansão das indústrias do fero e carvão.

O boom acabou em torno de 1857 quando se inicia uma recessão. A recessão torna-se uma depressão em 1870, a qual dura até 1885. A recuperação inicia depois de 1885 e dura até 1897.


Os ciclos de kondratiev kuznets 19402

Os Ciclos de Kondratiev [Kuznets (1940)]

(3) The Neo-Mercantilist Kondratiev (1898-1950?): O boom inicia por volta de 1898 com a expansão do uso da energia elétrica e da indústria automobilística e duraria até 1911. A recessão que se segue torna-se uma depressão em torno de 1925 que iria durar até aproximadamentente 1935.

A recuperação incia-se após 1935 e dura até 1950.


Os ciclos de kondratiev kuznets 19403

Os Ciclos de Kondratiev [Kuznets (1940)]

(4) The Fourth Kondratiev (1950?- 2010?). Há muito debate sobre a datação da quarta onde de Kondratiev – em grande parte devido as confusões geradas pelas baixa flutuações nos níveis de preços e pelas políticas keynesianas de demanda agregada. Assim sendo este debate está ainda para ser resolvido. Talvez as datas mais aceitáveis seja que o boom tenha iniciado em torno de 1950 e tenha durado até 1974, onde se inicia uma recessão. Quando (e se) esta recessão se transforma em depressão é por volta de 1981.

Contudo, há um certo consenso de que a recuperação inicia-se por volta de 1992 e é projetada que dure até um próximo boom que se iniciará em torno de 2010 (?).


Teorias pr keynesianas do ciclo econ mico teorias monet rias

Teorias Pré-Keynesianas do Ciclo Econômico: Teorias Monetárias

Teorias Monetárias do Ciclo Econômico: relacionavam a explicação das flutuações do nível de produto as flutuações da taxa de juros, que geravam flutuações no nível de crédito da economia e consequentemente, flutuações no nível de investimento e renda.

Autores:

R. G . Hawtrey

Frederick von Hayek

Knut Wicksell

Dennis Robertson


Teorias pr keynesianas do ciclo econ mico

Teorias Pré-keynesianas do Ciclo Econômico

(ii) Teorias não monetárias: explicavam a existência do ciclo econômico como uma decorrência do desajustamento entre o estoque de capital e o volume de demanda de consumo.

Autores:

Arthur Spientoff

Hobson (subconsumo)

Gustav Cassel

Mikhail I. Tugan-Baranovsky (1894) - superinvestimento


Arthur spiethoff 1873 1957

Arthur Spiethoff, 1873-1957

Vorbemerkungen zu einer Theorie der Überproducktion", 1902, Schmoller's Jahrbuch.

"Die Krisentheorien von M. v. Tugan- Baranovsky und L.Pohle", 1903, JfGVV.

Outline of General Economic History, 2 vols, 1900/04.

"Business Cycles", 1923, Handworterbuch der Staatswissenschaften.

"Krisen", 1925, Handworterbuch der Staatswissenschaften

"Die Allgemeine Volkswirtschaftslehre als Geschichtliche Theorie", Schmoller's Jarhbuch, 1932.

"The Historical Character of Economic Theories", 1952, JEH.

"Pure Theory and Economic Gestalt Theory", 1953, in Lane and Riemersma, editors, Enterprise and Secular Change


Teorias pr keynesianas do ciclo econ mico1

Teorias Pré-keynesianas do Ciclo Econômico

Teorias do Lado da Oferta – explica o ciclo econômicos devido as variações de custo e da margem de lucro das empresas.

Wesley Clair Mitchell, 1874-1948


Clima e ciclos econ micos

Clima e Ciclos Econômicos

William Stanley Jevons, 1835-1882.

Henry Ludwell Moore, 1869-1958.

http://www.ecn.bris.ac.uk/het/moore/Backup%20of%20index.wbk

Johan Henryk Åkerman, 1896-1982

Rhythmics of Economic Life (1928),


Teoria keynesiana do ciclo econ mico

Teoria Keynesiana do Ciclo Econômico

O modelo multiplicador-acelerador de Samuelson (1939)

http://cepa.newschool.edu/het/profiles/samuelson.htm


Teorias p s keynesianas do ciclo econ mico

Teorias Pós Keynesianas do Ciclo Econômico

M. Kalecki (1935)

N. Kaldor (1940)

R. Goodwin (1948)

Arrow-Domar (1948, 1949)

J. Hicks (1949)

A. Smithies (1957)


Michal kalecki 1899 1970 1935 1937 1939 1943 1954

Michal Kalecki, 1899-1970(1935, 1937, 1939, 1943, 1954)


Bibliografia

Bibliografia

Burns, Arthur F., and Wesley C. Mitchell. Measuring Business Cycles. 1946.

Friedman, Milton, and Anna J. Schwartz. "Money and Business Cycles." Review of Economics and Statistics 45 (February 1963): 32-64.

Gordon, Robert J., ed. The American Business Cycle: Continuity and Change. 1986.

Romer, Christina D. "Is the Stabilization of the Postwar Economy a Figment of the Data?" American Economic Review 76 (June 1986): 314-34.


A teoria dos ciclos reais

A Teoria dos Ciclos Reais


A teoria dos ciclos reais1

A Teoria dos Ciclos Reais

Plosser (1989)

Froyen (1999, cap.12)

Mankiw (1990)

Mankiw (2004, cap. 19)

Burda & Wyplosz (2005, cap. 14)

Dornbusch & Fisher (1991, p. 803-806)


A teoria dos ciclos reais2

A Teoria dos Ciclos Reais

O modelo dos ciclos reais (RBC Model) foi desenvolvido originalmente por developed by F. Kydland and E. Prescott (ganhadores do Prêmio Nobel de 2004).

"for their contributions to dynamic macroeconomics: the time consistency of economic policy and the driving forces behind business cycles

http://nobelprize.org/economics/laureates/2004/press.html


A teoria dos ciclos reais3

A Teoria dos Ciclos Reais

Segundo Mankiw (1990,p.1653), a teoria dos ciclos reais parte do pressuposto de que existem significativas flutuações aleatórias na taxa de mudança tecnológica.

Devido aquelas flutuações na tecnologia, há flutuações mos preços e os indivíduos racionalmente alteram sua oferta de trabalho e consumo.

O ciclo econômico é, de acordo com esta teoria, uma resposta natural e eficiente da economia a mudança na produção de tecnologia disponível.


A teoria dos ciclos reais4

A Teoria dos Ciclos Reais

A TCR assume que a maioria dos ciclos econômicos pode ser explicada por choque temporários de oferta (A):

Y = AF(K,N) = AK0.3N0.7

A = Y/K0.3N0.7


A teoria dos ciclos reais5

A Teoria dos Ciclos Reais

O mecanismo da TCE

Dois efeitos imediatos se seguem de uma mudança na produtividade.

- Mudança na demada por investimento;

- Demanda por mudança na mão-de-obra.


Produtividade total dos fatores nos eua

Produtividade Total dos Fatores nos EUA


Desvios da tend ncia no pib real e o choque de oferta a

Desvios da Tendência no PIB real e o Choque de Oferta (A)


Choques tecnol gicos

Choques Tecnológicos

Na teoria dos ciclos reais, as flutuações econômicas são causadas por choques de produtividade.

O Resíduo de Solow é uma medida dos choques de produtividade: ela mostra as mudanças no produto que não podem ser explicadas por mudançcas no capital e na mão-de-obra.


Res duo de solow e crescimento do produto

Resíduo de Solow e Crescimento do Produto

% por ano

10

8

Crescimento do produto

6

4

2

0

-2

Resíduo de Solow

-4

1945

1950

1955

1960

1965

1970

1975

1980

1985

1990

1995

2000

Ano


Choques tecnol gicos1

Choques Tecnológicos

Os proponentes da TCR argumentam que a forte correlação entre o crescimento do produto e os resíduos de Solow é uma evidência de que os choques de produtividades são uma importante fonte das flutuações econômicas.


Choques tecnol gicos2

Choques Tecnológicos

Os teóricos dos ciclos reais assumem que a economia experimenta significativas e inesperadas mudanças na produção de tecnologia disponíveis.

Assim, muitos modelos da teoria dos ciclos reais explicam as recessões como sendo períodos de regressão tecnológica – isto é - como declínio na capacidade tecnológica da sociedade.


Real business cycles

Real Business Cycles

Choque de oferta

adverso

Queda na

demanda por M.O

Queda na Oferta

De M.O

Queda na demanda

por investimento


Real business cycles1

Real Business Cycles

Real GDP per hour of work

PF1

20

PF2

15

10

100

50

Capital per

hour of work

16


Decl nio na produtividade

Declínio na Produtividade

A função de produção desloca-se para baixo.

O produto marginal da mão-de-obra declina e a demanda por mão-de-obra cai.

O produto marginal do capital declina. Os investimentos diminuem.


Neutralidade da moeda

Neutralidade da Moeda

Os proponentes da teoria dos ciclos reais assumem que a oferta de moeda é endógena [cf. King & Plosser (1984)]:

Assim, supondo que se espera que o nível de produto irá cair; o Banco Central reduz a oferta de moeda em resposta a uma queda esperada na demanda por moeda.


A flexibilidade dos pre os e sal rios

A Flexibilidade dos Preços e Salários

A RBC assume que os preços e salários são completamente flexiíveis, e que , portanto, os mercados sempres estão em equilíbrio.


A teoria dos ciclos reais6

A Teoria dos Ciclos Reais

Os modelos de ciclos reais são modelos de equilíbrio geral dinâmicos que geram uma ampla gama de predições empíricas para variáveis macroeconômicas.

Os modelos dos ciclos reais são descendentes diretos dos modelos de Lucas (1975) e Barro (1976), na qual têm em comum a ênfase na substituição intertemporal, a ênfase na otimização individual, bem como no requisito de que os mercados se equilibra, - no sentido de que nenhum ganho inexplorado das trocas é permitido.


A teoria dos ciclos reais7

A Teoria dos Ciclos Reais

Para os teóricos dos ciclos reais, as flutuações macroeconômicas representam respostas ótimas – e na ausência de externalidades - também torna difícil ver como uma política de estabilização pode levar a uma melhoria no bem-estar econômico.


A teoria dos ciclos reais resumo e pontos principais

A Teoria dos Ciclos Reais – Resumo e Pontos Principais

A TCR explica os ciclos econômicos através de modelos com mercados perfeitos e expectativas racionais.

As flutuações observadas são consideradas como sendo um resultado eficiente que resulta da interação entre os agentes que possuem um comportamento maximizador [os agentes maximizam utilidade (trabalhadores) e as firmas (maximizam lucros)].


A teoria dos ciclos reais resumo e pontos principais1

A Teoria dos Ciclos Reais – Resumo e Pontos Principais

Consumidores

maximizam a satisfação ao longo do ciclo da vida

  • Escolhendo e decidindo sobre:

    • consumo: c

    • Poupança: s

    • lazer: l

  • Restrição:os indivíduos não podem gastar mais do que ganham ao longo do seu ciclo de vida.


Teoria dos ciclos econ micos

A Teoria dos Ciclos Reais –

Resumo e Pontos Principais

FIRMAS

Maximizam os lucros esperados:

  • Escolhem:

    • capital para empregasr: K

    • Quantidade de trabalho para contratar: L

    • O produto a produzir: Y

  • Restrição tecnológica: Y = z ·F(K, L)

    • z: choque tecnológico: z ~ G(z)


A teoria dos ciclos reais resumo e pontos principais2

A Teoria dos Ciclos Reais – Resumo e Pontos Principais

A TCR ignora o lado da demanda e oferece uma explicação do ciclo econômico puramente do lado da oferta.

A teoria dos ciclos reais busca explicar as flutuações obervadas nas variáveis econômicas não somente qualitativamente, mas também numericamente. Os modelos calibrados da TCR geram séries de tempo para o produto, consumo e investimento cujas propriedades estatísticas buscam reproduzir os momentos estatísticos obserados na séries reais.


A teoria dos ciclos reais8

A Teoria dos Ciclos Reais

Segundo Stockman (1988,p. 24) – o objetivo do modelo de ciclos reais é o de explicar as flutuações agregadas no ciclo econômico sem referência a política monetária.


A teoria dos ciclos reais9

A Teoria dos Ciclos Reais

Hun e Trehan (1991, p. 3) destacam que a principal implicação das teorias dos ciclos reais é que as flutuações no produto agregado, bem como no emprego, são manifestações de falhas de coordenação em alguns mercados, mas o resultado natural de uma economia competitiva onde agentes racionais tomam decisões ótimas intertemporalmente em respostas a mudanças na função de produção.


Sites recomendados

Sites Recomendados

http://cepa.newschool.edu/het/essays/multacc/hicksacc.htm

http://www.nber.org/cycles.html

http://www.nber.org/papers/w11422

http://cepa.newschool.edu/het/profiles/schump.htm

http://www.sfu.ca/~bkrauth/econ808/808_lec5.pdf


Sites recomendados1

Sites Recomendados

http://dge.repec.org/

http://www.nber.org/papers/W11401


Teoria dos ciclos econ micos

FIM


  • Login