Custo de capital e or amento de capital an lise de investimentos
Sponsored Links
This presentation is the property of its rightful owner.
1 / 27

CUSTO DE CAPITAL e ORÇAMENTO DE CAPITAL ANÁLISE DE INVESTIMENTOS PowerPoint PPT Presentation


  • 101 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

CUSTO DE CAPITAL e ORÇAMENTO DE CAPITAL ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. O custo de capital é a taxa de juros que as empresas usam para calcular o valor do dinheiro no tempo.

Download Presentation

CUSTO DE CAPITAL e ORÇAMENTO DE CAPITAL ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


CUSTO DE CAPITAL e ORÇAMENTO DE CAPITALANÁLISE DE INVESTIMENTOS

O custo de capital é a taxa de juros que as empresas usam para calcular o valor do dinheiro no tempo.

O custo do capital equivale ao retorno que a empresa tem que obter em seu investimento para satisfazer as exigências de retorno de seus investidores

A idéia mais importante do orçamento de capital é o conceito do valor do dinheiro no tempo, pois o dinheiro pode ter um retorno, e esse valor depende do tempo que levou para ser recebido.


AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOSConceito de Investimento

Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios futuros.

  • Abertura de umanova fábrica

  • Lançamento de umnovo produto

  • Compra de novosequipamentos

  • Abertura de umafilial

  • Projetos deredução de custos

  • Aquisiçãode uma empresa


CUSTO DE CAPITAL e ORÇAMENTO DE CAPITAL

Valor do Dinheiro no Tempo

Fluxo de Caixa

Análise de Investimento

Taxa de Desconto


AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS

Uma vez que o dinheiro tem um valor no tempo, a idéia primordial é lembrar que, no orçamento de capital, volumes de dinheiro recebidos em períodos diferentes devem ser convertidos, para uma data comum, a valores correspondentes e corrigidos, a fim de que sejam comparados.

Por definição, um ativo de longo prazo é adquirido e pago antes que gere resultados que durem dois ou mais anos. A idéia principal da avaliação é de que, em se tratando do ativo de longo prazo, é necessário avaliar se seus resultados futuros justificam seu custo inicial.


AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS

  • Refere-se a tomada de decisão de longo prazo – inversão de capital em aquisição de ativos reais;

  • Para minimizar os riscos envolvidos nas análises de projetos de LP recorre-se as técnicas de orçamento de capital;

  • Finalidade das técnicas de orçamento de capital: identificar alternativas onde o investidor além de recuperar o capital investido obtenha certas vantagens num certo período de tempo.


AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS

  • Principais etapas do processo de avaliação de um projeto de investimento:

  • Estimar os fluxos de caixa incrementais (livre) esperados para o projeto;

  • Avaliação do risco do projeto e determinação do custo do capital.

Tipos de Projetos

  • Independentes- projetos sem nenhuma relação entre si.

  • Dependentes - para se investir no projeto "B" há a necessidade de se investir primeiro no projeto "A”.

  • Mutuamente Excludentes - a opção pelo projeto "B" implica na rejeição automática do projeto "A”.


Fluxo de Caixa Livre

  • O Fluxo de Caixa Livre é Obtido:

    • EBITDA

    • ( - ) Imposto de Renda (1)

    • = Fluxo de Caixa Operacional (FCO)

    • ( - ) Investimentos (2)

    • = Fluxo de Caixa Livre

  • (1) A base de cálculo do Imposto de Renda deve considerar as despesas de depreciação e amortização.

  • (2) Considera os investimentos feitos tanto em ativo permanente como capital de giro


Fluxo de Caixa Livre

EBITDA = EarningsBeforeInterest, Taxes, DepreciationandAmortization

( Lucro Antes dos Juros, Impostos sobre o Lucro, Depreciação e Amortização )

Permiti ao investidor medir a performance da empresa em termos de fluxo de caixa explorando basicamente a capacidade de geração de recursos dos ativos da empresa.


CMPC

VPL, TIR

PAYBACK

Fluxo de Caixa Livre

Vendas Líquidas

(-) CMV

(=) Lucro Bruto

(-) Despesas Operacionais

. Vendas

. Administrativas

. Outras

(=) EBITDA

(-) Depreciação e Amortização

(=) EBIT

(-) I.Renda/ C.Social

(=) Lucro Líquido

(+) Depreciação

(=) Fluxo de Caixa Operacional

(-) Investimentos

. Ativo Fixo

. Capital de Giro

(=)Fluxo de Caixa Livre

Ano 1

Ano 3 ....

Ano n


Analisando um Projeto na sua Empresa

Você está examinando a possibilidade de adquirir um novo equipamento no valor de R$ 150.000,00. Este equipamento propiciará uma economia de R$ 80.000,00 por ano com gastos de mão-de-obra e manutenção.

Você, dono da empresa, quer saber se esse projeto do ponto de vista financeiro deve ser aprovado ou não. O custo de capital de sua empresa é de 18% ao ano.


Compra de Nova Máquina

  • Preço de aquisição $ 150.000

  • Economias anuais com mão-de-obra $ 80.000

  • Depreciação da nova máquina 10 anos

  • Custo de Capital 18% a a

    Com estes dados em mãos devemos calcular o Fluxo de Caixa Livre do projeto.


TECNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

  • Técnicas limitadas

  • Desconsideram o valor do dinheiro no tempo; usam o resultado contábil

  • ex. Payback e Payback descontado

  • Técnicas não limitadas

  • Consideram toda vida útil do projeto; utilizam fluxos de caixa e os descontam a uma taxa especifica.

  • ex. VPL; TIR, AUE; CUAE


TECNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

  • PayBack

    • Período de tempo necessário para se recuperar o investimento inicial

    • Critério de decisão: determinar o período de payback máximo aceitável para servir de padrão de referência

    • Vantagens

  • facilidade de cálculo

  • mede em certa medida o risco do projeto

    • Desvantagens

  • não especifica o período apropriado pois não utiliza fluxos de caixa descontados

  • não considera integralmente o fator tempo no valor do dinheiro

  • não reconhece os fluxos de caixa após o período de pay-back


  • Cálculo do payback de uma série uniforme


    Cálculo do payback de uma série uniforme


    Cálculo do payback para fluxos de caixa irregulares

    x = 3 + (3/8) anos = o payback é de 3,375 anos


    Payback descontado

    • Busca eliminar uma das desvantagens do payback nominal , ou seja, a não consideração do valor do dinheiro no tempo

    • É calculado de forma similar ao payback nominal, mas calcula-se o tempo de retorno do capital investido a partir do valor presente ou atual dos fluxos de caixa (considerando o custo do capital).


    TECNICAS NÃO LIMITADAS DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

    • São aquelas que atendem a um conjunto de três características:

    • Trabalham com fluxos de caixa;

    • Utilizam em seu cálculo toda a vida econômica do projeto;

    • Levam em consideração o valor do dinheiro no tempo.

    • Atendem as características do valor presente líquido (VPL) e da taxa interna de retorno (TIR).

    • MÉTODOS E CRITÉRIO ECONÔMICO PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

    • As alternativas de investimento só podem ser comparadas se os valores monetários forem medidos num ponto comum de tempo.

    • Os métodos de comparações de alternativas baseiam-se no princípio de equivalência de capitais, isto supõe o uso de uma taxa de desconto. Qual seria essa taxa?


    TECNICAS NÃO LIMITADAS DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

    TAXA MÍNIMA DE ATRATIVIDADE

    Uma nova proposta para ser atrativa deve render, no mínimo, a taxa de juros equivalente à rentabilidade das aplicações correntes e de pouco risco. Esta taxa também é chamada de taxa de desconto, custo de oportunidade ou custo do capital.

    É a taxa de retorno que o investimento precisa obter para manter, pelo menos, o valor de mercado da empresa.


    TECNICAS NÃO LIMITADAS DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

    VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

    A técnica do valor presente líquido (VPL) consiste na diferença entre o valor presente das entradas líquidas de caixa descontadas ao custo de capital da empresa e o valor da saída de caixa para investimento.

    VPL = - Valor do Investimento Inicial + Valor Presente do Investimento

    Um investimento vale a pena quando possui VPL positivo. Se o VPL for negativo, deverá ser rejeitado.


    TECNICAS NÃO LIMITADAS DE ORÇAMENTO DE CAPITAL


    Considere-se a proposta de investimento que envolve investir R$ 10.000,00 hoje para receber R$ 2.000,00 anuais, nos próximos 10anos, conforme o diagrama de fluxo de caixa que se segue. A taxa mínima de atratividade é de 10% a.a.. É atrativo o investimento?


    TECNICAS NÃO LIMITADAS DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

    Se, competindo com a proposta de investimento acima, houvesse uma alternativa B, de se investir R$ 14.000,00 para obter-se R$ 3.000,00 anuais durante 10 anos, qual seria a proposta escolhida?

    .


    TECNICAS NÃO LIMITADAS DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

    TAXA INTERNA DE RETORNO

    A taxa interna de retorno - TIR - independe da taxa de juros do mercado financeiro.

    É uma taxa intrínseca do projeto, dependendo apenas dos fluxos de caixa projetados. É a taxa que remunera o investimento e que torna nulo o valor presente líquido dos fluxos de caixa. Também denominada de taxa de retorno do fluxo de caixa atualizado.


    TECNICAS NÃO LIMITADAS DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

    A TIR encontrada deverá ser comparada com a taxa de desconto no momento da decisão do investimento ou financiamento.

    Para aceitar o investimento, a TIR deverá ser maior do que o custo de oportunidade.

    VPL>0TIR>iviável economicamente

    VPL=0TIR=i indiferente investir ou não

    VPL<0TIR<i inviável economicamente


    TECNICAS NÃO LIMITADAS DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

    É normal a confusão entre TIR e custo de oportunidade de capital

    porque ambos aparecem como taxas de atualização na fórmula do VPL.

    Observação: A utilização da TIR produz resultados equivalentes à do VPL na grande maioria dos casos. No entanto, o cálculo da TIR pode apresentar problemas algébricos e depende de hipóteses que nem sempre são verdadeiras. Por essa razão, a teoria considera o VPL como método superior à TIR


  • Login