Cl usula penal stipulatio poenae
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 48

Cláusula penal Stipulatio poenae PowerPoint PPT Presentation


  • 104 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Cláusula penal Stipulatio poenae. Aula nº 10. Sinonímia. A cláusula penal é também chamada de pena convencional ou multa contratual . O que é.

Download Presentation

Cláusula penal Stipulatio poenae

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Cl usula penal stipulatio poenae

Cláusula penalStipulatio poenae

Aula nº 10


Sinon mia

Sinonímia

  • A cláusula penal é também chamada de pena convencional

    ou multa contratual.


O que

O que é

  • É a cláusulaacessória a um contrato, através da qual as partes fixam previamente o valor das perdas e danos que venham a se verificar em consequência da inexecução culposa – parcial ou total - da obrigação ou pela mora em seu cumprimento.


Mora guimar es esposa do saudoso dr ulysses

MoraGuimarães, esposa do saudoso Dr. Ulysses?

  • Lamento, não.

  • Nossa mora

    é a da demora mesmo


Cl usula penal stipulatio poenae

CCB

  • Art. 408. Incorre de pleno direito o devedor na cláusula penal, desde que, culposamente, deixe de cumprir a obrigação ou se constitua em mora.


Para maria helena diniz

Para Maria Helena Diniz

  • [A cláusula penal] constitui uma estipulação acessória, pela qual uma pessoa, a fim de reforçar o cumprimento da obrigação, se compromete a satisfazer certa prestação indenizatória, seja ela uma prestação em dinheiroou de outra natureza, como a entrega de um objeto, a realização de um serviço ou abstenção, se não cumprir o devido ou o fizertardia ou irregularmente, fixando o valor das persas e danos devidos à parte inocente em caso de inexecução contratual.


Tardia ou irregularmente

Tardia ou irregularmente

“Tempus interpellat pro homine".


Mora na forma da lei ccb

Mora na forma da lei - CCB

  • Art. 397. O inadimplemento da obrigação, positiva e líquida, no seu termo, constitui de pleno direito em mora o devedor.

  • Parágrafo único. Não havendo termo, a mora se constitui mediante interpelação judicial ou extrajudicial.


A cl usula penal

Cabe em qualquer contrato

A cláusula penal


Exemplinho

Jogador de futebol se obriga a cumprir um ano atuando em determinado clube e, já no contrato, fixa-se que, se ele não cumprir a obrigação até seu termo, pagará uma cláusula penal

Jogador descumpridor de contrato

Exemplinho


Outro exemplinho

Outro exemplinho

  • Um promotor de eventos contrata um cantor para fazer um show e já fixa no contrato que, se o artista desistir, terá de pagar uma indenização de R$ 150 mil


Acess ria n o obrigat ria

Acessória não é obrigatória

  • Se a obrigação não for adimplida, id est, se o artista não fizer o show, não havendo cláusula penal no contrato, ficará a cargo do juiz fixar a indenização devida pelo cantor ao promoter.


Cl usula penal versus perdas danos

Cláusula penal versusperdas & danos


Cl usula penal stipulatio poenae

A cláusula penal é forma de pré-fixar as perdas e danos (Art. 402 CCB) em caso de descumprimento culposo da obrigação principal, de alguma das cláusulas do contrato ou em caso de mora.

CP

X

P&D


Cl usula penal stipulatio poenae

Na pena convencional (cláusula penal) o quantum já está antecipadamente fixado pelos contratantes, e, nas perdas e danos,o juiz é que fixará o seu montante, após regular liquidação ou comprovação


Cl usula penal stipulatio poenae

CCB

  • Art. 402. Salvo as exceções expressamente previstas em lei, as perdas e danos devidas ao credor abrangem, além do que ele efetivamente perdeu, o que razoavelmente deixou de lucrar.


Reitera o e refor o

Reiteração e reforço

  • A lei já prevê (Art. 389 CCB) punição ao devedor impenitente, mas a cláusula penal reforça e reitera essa sanção


Cl usula penal stipulatio poenae

CCB

  • Art. 389. Não cumprida a obrigação, responde o devedor por perdas e danos, mais juros e atualização monetária segundo índices oficiais regularmente estabelecidos, e honorários de advogado


Assim

Assim

  • A pena convencional tem a função precípua de pré-liquidar danos, em caráter antecipado, para o caso de inadimplemento culposo, absoluto(total) ou relativo(cumprimento imperfeito) da obrigação


Para o preclaro cl vis

Para o preclaro Clóvis

  • “não se confunde esta pena convencional com as repressões impostas pelo direito criminal, as quais cabe somente ao poder público aplicar em nossos dias. A pena convencional é puramente econômica, devendo consistir no pagamento de uma soma, ou execução de outra prestação que pode ser objeto de obrigações”


Inexecu o volunt ria

Inexecução voluntária

  • Abrange tanto o dolo(inexecução voluntária) quanto a culpa stricto sensu(imprudência e negligência).

  • Se o cantor não fez o show porque não quis haverá dolo.


Imprudente

Imprudente

  • Se bebeu demais e perdeu a voz haverá culpa (imprudência)


Inexecu o in volunt ria

Inexecução involuntária

  • Se o artista devedor, no entanto, sofrer um acidente ou pegar uma pneumonia, estará isento de responsabilidade, em virtude da ocorrência de caso fortuito


Cl usula penal stipulatio poenae

CCB

  • Art. 393. O devedor não responde pelos prejuízos resultantes de caso fortuito ou força maior, se expressamente não se houver por eles responsabilizado.

  • Parágrafo único. O caso fortuito ou de força maior verifica-se no fato necessário, cujos efeitos não era possível evitar ou impedir.


A natureza acess ria da cp

A natureza acessória da CP

  • A CP tem natureza acessória, ou seja, não existe por si, devendo sempre estar acompanhando um contrato principal

  • Pode, entanto, ser estipulada na obrigação principal ou em separado (artigo 409 do Código Civil).


Cl usula penal stipulatio poenae

CCB

  • Art. 409. A cláusula penal estipulada conjuntamente com a obrigação, ou em ato posterior, pode referir-se à inexecução completa da obrigação, à de alguma cláusula especial ou simplesmente à mora.


Fun es da cl usula penal

Funções da cláusula penal


Coer o preven o ressarcimento

Coerção, prevenção, ressarcimento

  • A cláusula penal tem a função de forçar o cumprimento da obrigação, atuando como elemento da coerção


Cl usula penal stipulatio poenae

Em caráter preventivo e repressivo tem a função de evitar o total descumprimento da obrigação, prefixando perdas e danos


Extin o e nulidade da cl usula penal

Extinção e nulidade da cláusula penal


Cl usula penal stipulatio poenae

Cumprida a obrigação pelo devedor, a cláusula penal naturalmente se extingue

Em caso de nulidade da obrigação principal, a cláusula penal também o será(accessorium sequitur suum principale)


Cl usula penal stipulatio poenae

CCB

  • Art. 184. Respeitada a intenção das partes, a invalidade parcial de um negócio jurídico não o prejudicará na parte válida, se esta for separável; a invalidade da obrigação principal implica a das obrigações acessórias, mas a destas não induz a da obrigação principal.


Esp cies de cl usulas penais

Espécies de cláusulas penais


Compensat ria

Compensatória

  • É aquela que se aplica em caso de inexecução total da obrigação, podendo o credor optar, à semelhança de uma obrigação alternativa, entre a obrigação principal e a cláusula penal


Cl usula penal stipulatio poenae

CCB

  • Art. 410. Quando se estipular a cláusula penal para o caso de total inadimplemento da obrigação, esta converter-se-á em alternativa a benefício do credor.


Morat ria

Moratória

  • É aquela que se estipula em caso de atraso (mora, retardamento) do devedor no cumprimento da obrigação

  • O devedor pagará a multa pelo atraso e cumprirá a obrigação


Cl usula penal stipulatio poenae

CCB

  • Art. 409. A cláusula penal estipulada conjuntamente com a obrigação, ou em ato posterior, pode referir-se à inexecução completa da obrigação, à de alguma cláusula especial ou simplesmente à mora.


Cl usula penal stipulatio poenae

CCB

  • Art. 411. Quando se estipular a cláusula penal para o caso de mora, ou em segurança especial de outra cláusula determinada, terá o credor o arbítrio de exigir a satisfação da pena cominada, juntamente com o desempenho da obrigação principal.


Exemplinho1

Exemplinho

  • Purga da mora em ação de despejo por falta de pagamento acompanhada do pagamento da multa contratual


Op o do credor

Opção do credor

  • O credor não está obrigado a reclamar a cláusula penal, podendo optar pela execução da obrigação


Desnecessidade de comprova o e preju zo superior cp

Desnecessidade de comprovação e prejuízo superior à CP


Desnecessidade de comprova o do preju zo

Desnecessidade de comprovação do prejuízo

  • Para que o credor faça jus à cláusula penal não é necessária a comprovação de prejuízo


Preju zo superior cp

Prejuízo superior à CP

  • Se a cláusula penal não cobrir todo o prejuízo, a parte prejudicada pode ingressar com ação de perdas e danos, mas terá o ônus de provar o prejuízo


Cl usula penal stipulatio poenae

CCB

  • Art. 416. Para exigir a pena convencional, não é necessário que o credor alegue prejuízo.

  • Parágrafo único. Ainda que o prejuízo exceda ao previsto na cláusula penal,não pode o credor exigir indenização suplementar se assim não foi convencionado. Se o tiver sido, a pena vale como mínimo da indenização, competindo ao credor provar o prejuízo excedente.


Cl usula penal de valor excessivo e cumprimento parcial

Cláusula penal de valor excessivo e cumprimento parcial

  • Se a cláusula penal compensatória tiver um valor excessivo(muito alto ou superior ao da obrigação principal), o juiz deverá reduzi-la equitativamente.


Cl usula penal stipulatio poenae

CCB

  • Art. 413. A penalidade deve ser reduzida eqüitativamente pelo juiz se a obrigação principal tiver sido cumprida em parte, ou se o montante da penalidade for manifestamente excessivo, tendo-se em vista a natureza e a finalidade do negócio.


Doutrina contra legem

Doutrina contra legem

  • A doutrina manifesta-se contrária a essa intromissão indevida do Poder Público na seara particular, com o Estado imiscuindo-se nos negócios celebrados por particulares.

  • O argumento é o de que está havendo uma publicização do Direito Privado, o que é de todo inaceitável.


The end

THE END


  • Login