Paran 30 de outubro de 2013
Download
1 / 43

SUBSÍDIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA - PowerPoint PPT Presentation


  • 61 Views
  • Uploaded on

PARANÁ, 30 DE OUTUBRO DE 2013. SUBSÍDIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Apresentação Introdução Nota Metodológica 1. Caracterização Econômica 1.1 Evolução do PIB e composição do VAB 1.2 Comércio exterior 2. O Mercado de Trabalho no Estado do Paraná

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' SUBSÍDIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA ' - tyrone


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Paran 30 de outubro de 2013

PARANÁ,

30 DE OUTUBRO DE 2013

SUBSÍDIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA


Estrutura

Apresentação

Introdução

Nota Metodológica

1. Caracterização Econômica

1.1 Evolução do PIB e composição do VAB

1.2 Comércio exterior

2. O Mercado de Trabalho no Estado do Paraná

2.1 Caracterização geral do Mercado de Trabalho do Paraná

2.2 Caracterização setorial e por atividade econômica do emprego formal do Paraná

Estrutura


Estrutura1

3. Subsídios para a identificação das necessidades de qualificação profissional no Paraná

3.1 Indicadores de escolaridade e tempo de permanência para as famílias ocupacionais com maior participação no estoque de empregos formais

4. Análise da Educação profissional no Paraná

5.1 Ensino básico e qualificação profissional

Considerações finais

Estrutura


Informações Populacionais qualificação profissional no Paraná

Urbana

86,8%

População Total

10.701.823

(2012)

Mulheres

51,1%

Tx. de crescimento médio anual

0,8%

(2012/2002)

Fontes: IBGE.PNAD


Informações Econômicas qualificação profissional no Paraná

5ª maior economia

PIB

R$ 217,2 bilhões

(2010)

Tx. de crescimento médio 3,7% (a.a)

Projeção IPARDES:

2011: 4,0%

2012: 0,9%

Fontes: IBGE: Sistema de Contas Nacionais/PIB dos municípios. Nota: O Índice de Atividade Econômica Regional – Paraná, divulgado pelo BC, registrou em agosto uma estimativa de variação anualizada do PIB do Paraná da ordem de 3,3%.


Dez maiores economias do Paraná (PIB) qualificação profissional no Paraná

Fontes: IBGE: Sistema de Contas Nacionais/PIB dos municípios


Gráfico 01 qualificação profissional no Paraná

Evolução da distribuição do Valor Adicionado Bruto por setores de atividade

Paraná, 2000-2010

Fontes: IBGE: Sistema de Contas Nacionais/PIB dos municípios


Valor Adicionado Bruto por Mesorregião (em %) qualificação profissional no Paraná

Fontes: IBGE: Sistema de Contas Nacionais/PIB dos municípios; PNAD


Informações Sobre a Indústria Paranaense qualificação profissional no Paraná

18,0%: - Ind. de transformação

VAB da Indústria

27,5%

(2010)

5,3% - Construção Civil

SIUP – 4,0%

Fontes: IBGE: Sistema de Contas Nacionais/PIB dos municípios / Nota: a indústria extrativa registrou um percentual de 0,2%


Informações Sobre os Serviços Paranaenses qualificação profissional no Paraná

16,2%: - Comércio

VAB do Serviços 64,1%

(2010)

11,4% - Adm. pública

7,4% - Intermediação financeira

Fontes: IBGE: Sistema de Contas Nacionais/PIB dos municípios / Nota: Adm. Pública: Saúde, educação e seguridade social


Comércio Exterior: (US$ 1000 FOB) - 2012 qualificação profissional no Paraná

Fonte: Secex-MDIC


Comércio Exterior: Principais produtos exportação (%) qualificação profissional no Paraná

Paraná, 2012

Fonte: Secex-MDIC


Exportação segundo produto selecionado, qualificação profissional no Paraná

Paraná, 2005 e 2012

Fonte: Secex-MDIC / Nota: Indústria não alimentícia: Automóveis c/motor explosao,1000<cm3<=1500,ate 6 passag; Automóveis c/motor explosão,1500<cm3<=3000,ate 6 passag; Outros motores de explosão,p/veic.cap.87,sup.1000cm3; Outs.madeiras compensadas,com folhas de espessura<=6mm.


Exportação segundo países selecionados qualificação profissional no Paraná

Paraná, 2005 e 2012

Fonte: Secex-MDIC


Importação segundo países selecionados qualificação profissional no Paraná

Paraná, 2005 e 2012

Fonte: Secex-MDIC


Importação segundo produtos qualificação profissional no Paraná

Paraná, 2005 e 2012

Fonte: Secex-MDIC


Mercado de Trabalho Formal qualificação profissional no Paraná

Ensino médio: 40,6%

Total

2.713.715

(2010)

Ensino superior (20,1%)

Permanência no emprego < 1 ano: 36,6%

Fontes: MTE:RAIS


Indicadores do Mercado de Trabalho Formal qualificação profissional no Paraná

Paraná, 2010

Fontes: MTE:RAIS


Indicadores do Mercado de Trabalho Formal qualificação profissional no Paraná

Paraná, 2010

Fontes: MTE:RAIS


Metodologia

  • CBO – indica escolaridade e tempo de experiência requeridos para o desempenho das atividades para as famílias ocupacionais

  • Método

    • 1. Cálculo do % de trabalhadores, por família ocupacional, abaixo da escolaridade indicada na CBO.

    • 2. Comparação do tempo de experiência indicado na CBO com o tempo de permanência do trabalhador no último vínculo de trabalho

METODOLOGIA


Metodologia1

  • Limitação requeridos para o desempenho das atividades para as famílias ocupacionais: RAIS não informa se o trabalhador possui ou não educação profissional

  • Pressuposto: Estudos mostram que há correlação positiva entre escolaridade e formação profissional

METODOLOGIA


Metodologia2

A metodologia utilizada trará indícios de potenciais focos de ação da política pública de qualificação, porém o estudo resultante deve ser complementado por outros, além do estabelecimento do diálogo social

Importante ressaltar também que a experiência profissional pode eventualmente suprir uma deficiência na formação (educação) profissional do trabalhador

METODOLOGIA


TABELA 1 de ação da política pública de qualificação, porém o estudo resultante deve ser complementado por outros, além do estabelecimento do diálogo socialRanking das famílias ocupacionais com pelo menos 1% de participação no estoque do emprego formal em 2011Paraná – 2004 e 2011

Fonte: RAIS/MTE

Elaboração: DIEESE

Nota: -Famílias ocupacionais com pelo menos 1% de participação no estoque de empregos formais do município em 2011.

A família ocupacional dos Trabalhadores nos serviços de manutenção de edificações só passou a figurar no estoque em 2008. Existe outra família ocupacional, os Mantenedores de edificações que apresentava registros de empregos até 2007.

(a) Não houve registro de empregos nessa família ocupacional em 2004. (b) Inclui os ignorados


TABELA 2 de ação da política pública de qualificação, porém o estudo resultante deve ser complementado por outros, além do estabelecimento do diálogo socialIndicadores de escolaridade das famílias ocupacionais com maior participação no estoque de empregos formaisParaná, 2004-2011

Fonte: RAIS/MTE e Classificação Brasileira de Ocupações (CBO)/MTE

Elaboração: DIEESE

(1) Ver no Glossário – Famílias ocupacionais, as especificações dos cursos técnicos ou profissionalizantes indicados para as famílias ocupacionais indicadas.

(2) Famílias ocupacionais cujas ocupações apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de escolarização, não permitindo a execução do teste partindo da análise das famílias.

(3) Essa família ocupacional não fazia parte da CBO em 2004. (4) Famílias com requerimento de ensino superior, não objeto do presente estudo.

(5) Para essa família não há requerimento de escolaridade. (6) Em caráter opcional.


TABELA 3 de ação da política pública de qualificação, porém o estudo resultante deve ser complementado por outros, além do estabelecimento do diálogo socialTempo médio de permanência no emprego e tempo de experiência indicado pela CBO, em anos, para as famílias ocupacionais com maior participação no estoque de empregos formaisParaná, 2011

Fonte: RAIS/MTE e Código Brasileiro de Ocupações (CBO)/MTE Notas no próximo slide


Notas

Notas: (a) Famílias ocupacionais cujas ocupações apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo.

(b) A CBO não especifica o tempo de experiência requerido para estas famílias.

Notas


TABELA 4 apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo. Indicadores de escolaridade de famílias ocupacionais selecionadas da indústria de transformaçãoPARANÁ– 2004 e 2011

Fonte: RAIS/MTE e Classificação Brasileira de Ocupações (CBO)/MTE

Elaboração: DIEESE

Ver no Glossário – Famílias ocupacionais, as especificações dos cursos técnicos ou profissionalizantes indicados para as famílias ocupacionais indicadas.

Entre 2004 e 2011, essa família teve alterada sua nomenclatura, sendo a primeira "Trabalhadores de soldagem e corte de ligas metálicas"

Famílias ocupacionais cujas ocupações apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de escolarização, não permitindo o cálculo do percentual de sub-escolarizados partindo da análise das famílias. O detalhamento dos requerimentos de escolaridade para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo.


TABELA 5 apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo. Tempo médio de permanência no emprego famílias ocupacionais selecionadas DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃOPARANÁ – 2004 e 2011

Fonte: RAIS/MTE e Código Brasileiro de Ocupações (CBO)/MTE


TABELA 6 apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo. Indicadores de escolaridade de famílias ocupacionais selecionadas NOS SERVIÇOSPARANÁ – 2004 e 2011

Fonte: RAIS/MTE e Classificação Brasileira de Ocupações (CBO)/MTE

Elaboração: DIEESE

(1) Ver no Glossário – Famílias ocupacionais, as especificações dos cursos técnicos ou profissionalizantes indicados para as famílias ocupacionais indicadas.

(2) Famílias ocupacionais cujas ocupações apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de escolarização, não permitindo o cálculo do percentual de sub-escolarizados partindo da análise das famílias. O detalhamento dos requerimentos de escolaridade para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo.

(3) Entre 2004 e 2011, essa família teve alterada sua nomenclatura, sendo a primeira "Fiscais e cobradores dos transportes coletivos"


TABELA 7 apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo. Tempo médio de permanência no emprego famílias ocupacionais selecionadas NOS SERVIÇOSPARANÁ – 2004 e 2011

Fonte: RAIS/MTE e Classificação Brasileira de Ocupações (CBO)/MTE

Elaboração: DIEESE

Notas: (a) Família ocupacional sem descrição de tempo.


TABELA 8 apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo. Indicadores de escolaridade de famílias ocupacionais selecionadas na Construção CivilPARANÁ– 2004 a 2011

Fonte: RAIS/MTE e Classificação Brasileira de Ocupações (CBO)/MTE

Elaboração: DIEESE

Ver no Glossário – Famílias ocupacionais, as especificações dos cursos técnicos ou profissionalizantes para as famílias ocupacionais indicadas.

Não é obrigado a aplicação de curso técnico, dado que o aprendizado pode ser realizado no canteiro, mas também em escolas de formação profissional.

Famílias ocupacionais cujas ocupações apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de escolarização, não permitindo o cálculo do percentual de sub-escolarizados partindo da análise das famílias. O detalhamento dos requerimentos de escolaridade para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo.


TABELA 9 apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo. Tempo médio de permanência no emprego famílias ocupacionais selecionadas NA CONSTRUÇÃO CIVILPARANÁ – 2004 e 2011

Fonte: RAIS/MTE e Classificação Brasileira de Ocupações (CBO)/MTE

Elaboração: DIEESE

Notas: (a) A CBO não especifica o tempo de experiência requerido para esta família.

(b) Famílias ocupacionais cujas ocupações apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo


TABELA apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo. 10Indicadores de escolaridade de famílias ocupacionais selecionadas no Comércio. PARANÁ – 2004 e 2011

Fonte: RAIS/MTE e Classificação Brasileira de Ocupações (CBO)/MTE

Elaboração: DIEESE

(1) Ver no Glossário – Famílias ocupacionais, as especificações dos cursos técnicos ou profissionalizantes indicados para as famílias ocupacionais indicadas.

(2) Entre 2004 e 2011, essa família teve alterada sua nomenclatura, sendo a primeira "Gerentes de operações comerciais e de assistência técnica".

(3) Famílias ocupacionais cujos requisitos de escolaridade era o ensino superior completo, categoria fora do objeto de análise do estudo.


TABELA apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo. 11 Tempo médio de permanência no emprego famílias ocupacionais selecionadas no ComércioPARANÁ – 2004 e 2011

Fonte: RAIS/MTE e Classificação Brasileira de Ocupações (CBO)/MTE

Elaboração: DIEESE

Notas: (b) Não declarado o tempo de experiência requerido para a ocupação.


Informações da Educação Profissional no Paraná apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo.

2007

42.108

Número de matrículas

56.423

(2012)

Variação

34,0%

Fonte: MEC/INEP.

Elaboração: DIEESE


Informações da Educação Profissional no Paraná – apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo.

Etapa de Ensino

Fonte: MEC/INEP.

Elaboração: DIEESE


Informações da Educação Profissional no Paraná apresentavam mais de uma possibilidade de atributo de tempo de experiência requerido. O detalhamento dos requerimentos da CBO para estas famílias pode ser encontrado no Glossário deste estudo.

Fonte: MEC/INEP.

Elaboração: DIEESE


Informações da Educação Profissional no Paraná – Matrículas por eixo

Fonte: MEC/INEP.

Elaboração: DIEESE


Informações da Educação Profissional no Paraná Matrículas por eixo

Fonte: MEC/INEP.

Elaboração: DIEESE


S ntese dos resultados

  • Por essa análise da economia e do emprego no Paraná, que mostra concentrações tanto em termos econômicos como populacionais, há indícios de que a maior demanda por qualificação no estado deva estar ligada às regiões com maior peso econômico e populacional do estado, que são as mesorregiões Metropolitana de Curitiba, Norte Central e Oeste Paranaenses.

  • A discussão da qualificação profissional, portanto, se insere em um contexto de crescimento da economia e do emprego paranaense acima da população e mesmo da PIA, o que abre espaço para maior capacidade dos trabalhadores negociarem melhores condições de trabalho e de salário. No estudo de caracterização socioeconômica do Paraná produzido pelo Observatório verificou-se uma taxa média de crescimento da PIA no período de 2000 e 2010 de 1,6% ao ano.

  • A análise que mostra o grau de sub-escolarização dos trabalhadores em algumas ocupações revela a necessidade de superação de déficit de formação para o exercício pleno das atividades em que esses empregados se ocupam.

Síntese dos resultados


S ntese dos resultados1

Considerando a estrutura setorial e ocupacional do emprego no Paraná, e tendo em vista as informações possíveis de serem analisadas acerca da oferta atual de educação profissional no estado, é possível delinear algumas observações. Ao que tudo indica a oferta de cursos, ou o número de matriculados em cursos técnicos, tem pouca aderência com a atividade industrial do estado, que tem o seu maior peso na indústria de alimentação.

No eixo de Produção Alimentícia havia, em 2012, apenas 643 matriculados, que somavam apenas 1,1% do total de matrículas em cursos técnicos naquele ano. A importância desse eixo é revelada na própria taxa média de crescimento de matrículas nos cursos dessa área, que entre 2009 e 2012 foi de 110,4%. Majoritariamente, as matrículas desse eixo se encontravam em cursos de Alimentos.

Síntese dos resultados


S ntese dos resultados2

  • Verificou-se aumento da escolarização média dos trabalhadores, que implicou na redução do percentual de sub-escolarização entre 2004 e 2011.

  • Entretanto, muitas famílias ocupacionais permanecem com um percentual significativamente elevado de sub-escolarização.

  • Por outro lado, a comparação do tempo de permanência no último vínculo mostrou que, em média, os trabalhadores acumulam experiência suficiente de acordo com a CBO.

Síntese dos resultados


Considera es finais

  • Considerações metodológicas trabalhadores, que implicou na redução do percentual de sub-escolarização entre 2004 e 2011.

    • Limitações: necessidade de um acompanhamento mais sistemático

    • Caráter retrospectivo do estudo é insuficiente para elaborar política de qualificação no tempo presente e no futuro

    • Interação dos agentes “sociais” para identificação das necessidades futuras através do diálogo social entre governo, trabalhadores e empresários

Considerações Finais


ad