AMBIENTE e PULMÃO
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 74

António Jorge Ferreira PowerPoint PPT Presentation


  • 56 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

AMBIENTE e PULMÃO. António Jorge Ferreira. Uma Nova Abordagem para um Ambiente Mais Saudável.

Download Presentation

António Jorge Ferreira

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Ant nio jorge ferreira

AMBIENTE e PULMÃO

António Jorge Ferreira


Uma nova abordagem para um ambiente mais saud vel

Uma Nova Abordagem para um Ambiente Mais Saudável

  • Apesar da esperança de vida ter aumentado substancialmente no último século, continua a registar-se uma enorme incidência de doenças relacionadas com problemas ambientais e com o desenvolvimento dos países.


Ant nio jorge ferreira

  • Os dados apresentados pela Comissão Europeia na "Estratégia Europeia de Ambiente e Saúde" são preocupantes.

  • Estima-se que nos países industrializados 20% das doenças registadas sejam imputáveis a factores ambientais, registando-se um aumento significativo de casos de asma e alergias.

  • Estudo efectuado em 124 cidades (80 milhões de habitantes):

    exposição a situações prolongadas de poluição do ar por partículas não é negligenciável, inclusive na análise dos casos de morte.


Ant nio jorge ferreira

  • Os europeus passam 85% a 90% do seu tempo em ambientes fechados;

  • outros estudos revelam que os níveis de poluição do ar interior são duas vezes mais elevados do que no exterior, favorecendo a existência de diversos tipos de patologia.


Qualidade interior dos edif cios

Qualidade interior dos edifícios

  • As deficientes condições do ar interior num edifício traduzem-se em termos sociais num acréscimo de custos com cuidados de saúde, com condições de absentismo, com redução da produtividade.

  • As razões da falta de qualidade do ar devem-se a diferentes factores que podem ter origem no sistema de climatização, na falta de sistema de climatização adequado, na envolvente do edifício ou na deficiente utilização do edifício.


Qualidade interior dos edif cios1

Qualidade interior dos edifícios

  • Nos casos mais graves uma percentagem significativa dos ocupantes dum edifícios pode sentir problemas de saúde diversos (dores de cabeça, dificuldades respiratórias, tonturas, cansaço generalizado).


Ant nio jorge ferreira

  • Um dos factores relevantes na garantia da qualidade interior dum edifício é a qualidade do ar exterior. Uma boa qualidade do ar nunca é possível num edifício com uma envolvente de muito fraca qualidade térmica.

  • A qualidade da envolvente influencia o nível de conforto interior, independentemente da existência ou não de sistema mecânico de climatização.


Ant nio jorge ferreira

  • Uma concepção sustentada dum edifício deve:

  • privilegiar a iluminação natural

  • garantir que os materiais utilizados na construção não libertam compostos orgânicos voláteis nem partículas ou fibras

  • reduzir as cargas térmicas


Os aspectos mais relevantes para garantir a qualidade do ar interior s o

Os aspectos mais relevantes para garantir a qualidade do ar interior são:

  • Garantir a boa qualidade térmica da envolvente

  • Garantir a instalação de correcto sistema de ventilação e filtragem

  • Evitar o uso de materiais que libertem compostos orgânicos voláteis, incluindo o formaldeído (no mobiliário, em alcatifas e carpetes, em cortinados, em revestimentos)


Ant nio jorge ferreira

  • Utilizar soluções que evitem ou reduzam o uso produtos químicos durante as operações de manutenção

  • Manter as condições de temperatura, humidade e velocidade do ar dentro de condições de conforto

  • Evitar a possibilidade de existência de condições propícias ao desenvolvimento de agentes patológicos, em especial ácaros e bactérias.


Ant nio jorge ferreira

  • Na generalidade, resulta difícil estabelecer com precisão em que medida a qualidade do ar interior pode afectar a saúde, já que não se dispõe de suficiente informação sobre a relação entre a exposição e o efeito nas condições a que costumam estar presentes os contaminantes.


Ant nio jorge ferreira

  • A qualidade do ar interior num edifício depende de uma série de variáveis, como qualidade do ar exterior, o desenho do sistema de ventilação e acondicionamento do ar, as condições em que opera e se mantém este sistema, a divisão em compartimentos do edifício e as fontes interiores de contaminantes e sua magnitude.

  • Em suma, pode afirmar-se que os defeitos mais frequentes são consequência de una ventilação inadequada, da contaminação gerada no interior e a procedente do exterior.


Ant nio jorge ferreira

  • Edifícios mais herméticos

  • Menor entrada de ar fresco

  • Preocupações com a eficiência térmica e redução de perdas.


Ant nio jorge ferreira

  • Uma característica importante dos contaminantes do ar interior é que as suas concentrações variam espacial e temporalmente mais que as do exterior.


Ant nio jorge ferreira

  • os níveis elevados de contaminantes gerados por combustão, em particular de dióxido de nitrogénio e monóxido de carbono em espaços interiores, costumam proceder de aparelhos de combustão mal ventilados ou com deficiente manutenção e do fumo do tabaco.


S ndroma do edif cio doente

Síndroma do Edifício Doente

  • A designação de "Síndroma do Edifício Doente" manifesta-se pela aparição nos locais de trabalho dos seguintes sintomas, num número significativo de ocupantes desses locais:


Ant nio jorge ferreira

Symptoms and illnesses related to the quality of indoor air


S ndroma do edif cio doente1

Síndroma do Edifício Doente

  • -Irritação das mucosas do globo ocular, nariz e garganta;

  • -Distúrbios neuropsiquiátricos;

  • -Afecções cutâneas (pele seca, comichão);

  • -Sintomatologia asmática;

  • -Odor e gosto desagradáveis;

  • Normalmente os sintomas agravam-se ao longo do dia, quando a permanência nos edifícios é prolongada, diminuindo à noite e nos fins de semana, ou quando se melhoram as condições de ventilação dos locais.


Sindroma do edif cio doente

Sindroma do Edifício Doente

  • Algumas das consequências mais graves, a nível médico, do "Sindroma do Edifício Doente” podem ser:

  • - Alergias;

  • - Pneumonias - Legionelose;

  • - Asbestose;

  • --Carcinoma do pulmão;

  • - Mesotelioma.


Contaminantes qu micos caracter sticos

Contaminantes químicos característicos

  • gases e vapores (inorgânicos e orgânicos)

  • partículas

  • podem ter penetrado no interior desde o ambiente exterior ou terem-se formado dentro do edifício.


Contaminantes qu micos principais e mais comuns no ar interior

Contaminantes químicos principais e maiscomuns no ar interior

  • 1. dióxido de carbono (CO2), um produto metabólico que se utiliza como indicador do nível general de contaminação do ar em relação com a presença de seres humanos no interior.


Contaminantes qu micos principais e mais comuns no ar interior1

Contaminantes químicos principais e maiscomuns no ar interior

  • 2. monóxido de carbono (CO), óxidos de nitrogénio (NOx) e dióxido de enxofre (SO2),gases de combustão inorgânicos formados fundamentalmente durante a combustão de combustíveis.


Contaminantes qu micos principais e mais comuns no ar interior2

Contaminantes químicos principais e maiscomuns no ar interior

  • 3. compostos orgânicos que se originam a partir de diversas fontes interiores e do exterior.


Quatro grupos de compostos org nicos

Quatro grupos de compostos orgânicos:

  • a) compostos orgânicos muito voláteis (COMV);

  • b) compostos orgânicos voláteis (COV);

  • c) compostos orgânicos semivoláteis (COSV),

  • d) compostos orgânicos associados a partículas (COAP).


Fumo de tabaco ambiental

Fumo de Tabaco Ambiental

  • A contaminação do ar interior por fumo de tabaco procede do fluxo lateral e do fluxo principal de fumo exalado, geralmente recebe o nome de fumo de tabaco ambiental (ETS).

  • Identificaram-se milhares de compostos diferentes do fumo do tabaco, cujas quantidades individuais varíam em função do tipo de cigarro e das condições de produção de fumo: nicotina, nitrosaminas, HPA, CO, CO2, NOx, acroleína, formaldeído e cianeto de hidrogénio.


Contamina o biol gica

Contaminação Biológica


Ant nio jorge ferreira

TIPOS DE FUNGOS NO AR INTERIOR

QUE PODEM CAUSAR RINITE E ASMA


Ant nio jorge ferreira

MICRORGANISMOS QUE PODEM CAUSAR

ALVEOLITE ALÉRGICA EXTRINSECA

RELACIONADA COM OS AR INTERIOR


Ar exterior

AR EXTERIOR


Ant nio jorge ferreira

  • A poluição atmosférica é um problema ambiental transfronteiriço, que provoca efeitos nocivos, a curto ou longo prazo, constituindo, por isso, preocupação internacional.

  • O aumento do nível das emissões de poluentes atmosféricos numa região pode vir a intensificar esses mesmos efeitos, nessa ou noutra região.

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Ant nio jorge ferreira

  • A Revolução Industrial acelerou o crescimento económico e demográfico, tendo acentuado o ritmo de exploração de recursos renováveis (como o ar) e não renováveis (como os combustíveis fósseis), provocando a degradação da qualidade destes e da paisagem natural e cultural, nomeadamente pela poluição do ar.

  •  O uso de veículo próprio aumentou consideravelmente no século XX, intensificando o tráfico rodoviário e a poluição atmosférica, pela emissão de poluentes atmosféricos, como o NOx (óxidos de azoto), SOx (óxidos de enxofre), Pb (chumbo), CO (monóxido de carbono) e CO2 (dióxido de carbono).

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Consequ ncias efeitos

Consequências/Efeitos

  • Os poluentes atmosféricos são responsáveis por vários efeitos sobre a saúde humana, ecossistemas, em materiais e construções (como monumentos de mármore e metais) e no clima (nevoeiro fotoquímico e efeito de estufa.

  • A gravidade desses efeitos irá depender da:

  • concentração do poluente

  • tempo de exposição a este

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Ant nio jorge ferreira

  • A maior parte dos poluentes atmosféricos gasosos são transparentes (excluindo o NO2 - dióxido de azoto - de cor castanha), pelo que grande parte dos efeitos visíveis da poluição atmosférica são causados pela interacção da luz com partículas em suspensão.

  • As propriedades de dispersão e absorção de luz são assim frequentemente usadas para estimar a emissão de partículas em diversas fontes.

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Ant nio jorge ferreira

  • Os poluentes atmosféricos SO2 (dióxido de enxofre), NOx, NH3 (amoníaco) e COVNM (compostos orgânicos voláteis não metânicos) são gases acidificantes (GA), tendo como principal orIgem as actividades de combustão, incluindo as provenientes de:

  • sector energético

  • transportes

  • actividades agrícolas (aplicação de fertilizantes e pecuária)

  • processos industriais com utilização de solventes.

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Efeitos gen ricos da polui o do ar

Efeitos genéricos da poluição do ar

A poluição do ar tem vindo a ser a causa de um conjunto de problemas, nomeadamente:

-Degradação da qualidade do ar; -Exposição humana e dos ecossistemas a substâncias tóxicas; -Danos na saúde humana; -Danos nos ecossistemas e património construído; -Acidificação; -Deterioração da camada de ozono estratosférico; -Aquecimento global/alterações climáticas


Http www qualar org

http://www.qualar.org


Os poluentes usados no c lculo do ndice de qualidade de ar

Os poluentes usados no cálculo do índice de qualidade de ar

Existem diversos poluentes atmosféricos, mas vai-se focar a atenção apenas naqueles que fazem parte do cálculo do índice de qualidade do ar não só por fazerem parte deste último mas também por serem comuns, especialmente nas áreas urbanas e industriais quotidianas.São cinco os poluentes englobados no índice de qualidade do ar:Monóxido de carbono (CO);Dióxido de azoto (NO2);Dióxido de enxofre (SO2);Ozono (O3);Partículas finas ou inaláveis (medidas como PM10)


Ant nio jorge ferreira

LIMIARES DE ALERTA E INFORMAÇÃO


Principais efeitos da presen a de ozono troposf rico

Principais efeitos da presença de ozono troposférico

  • a)Saúde humana – tosse, dor de cabeça, náuseas, falta de ar, irritações oculares e danos na função pulmonar.

  • b)Ecossistemas – redução da produção agrícola e florestal e do crescimento da vegetação natural e semi-natural.

  • c)Materiais e Construção – o O3 é muito reactivo quimicamente causando fragilidade, fendas e outras alterações químicas nos diversos materiais (diminuição da elasticidade da borracha, corrosão de metais e redução da resistência dos tecidos e dos plásticos, entre outros).

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Ant nio jorge ferreira

SO2

  • a)Saúde humana – gás directamente tóxico para os humanos; perturbação das vias respiratórias, especialmente em doentes com asma e outras doenças pulmonares crónicas;

  • b)Ecossistemas, Materiais e Construção – poluente acidificante.

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Ant nio jorge ferreira

NOx

  • a)Saúde humana – Inflamação das vias respiratórias; reduções na função pulmonar; agravamento de reacções alérgicas de indivíduos sensíveis;

  • b)Ecossistemas, Materiais e Construção – poluente acidificante e precursor da formação de ozono.

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Ant nio jorge ferreira

NH3

  • a)Saúde humana - pode ser sufocante, de extrema irritação aos olhos, garganta e trato respiratório e até causar severas lesões no corpo, incluindo queimaduras (extensas queimaduras podem levar à morte).

  • b)Ecossistemas, Materiais e Construção - poluente acidificante.

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Compostos org nicos vol teis

Compostos orgânicos voláteis

  • a)Saúde humana - está incluída neste grupo uma grande variedade de poluentes orgânicos com efeitos que vão desde problemas respiratórios ligeiros a cancro;

  • b)Ecossistemas e Materiais e Construção - poluente precursor da formação de ozono.

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Mat ria particulada

Matéria Particulada

  • As PM10 (matéria particulada com diâmetro igual ou inferior a 10 mm) na atmosfera podem resultar de emissão directa (PM10 primárias) ou da emissão de precursores de partículas, parcialmente transformados em partículas através de reacções químicas atmosféricas (PM10 secundárias).

  • As PM10 resultam assim das mesmas emissões que causam acidificação, eutrofização e ozono troposférico.

  • A perigosidade das PM depende do seu tamanho (as PM2.5 são as mais perigosas em termos de mortalidade) e da sua composição química. O transporte rodoviário e a indústria energética são os principais contribuintes da emissão de PM.

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Ant nio jorge ferreira

  • Para além dos precursores de partículas, as partículas PM10 constituem também uma importante ameaça sobre a saúde humana e o ambiente, podendo aumentar a severidade de problemas respiratórios (sobretudo Asma e DPOC), aumento do risco de cancro do pulmão e de morte prematura.

  • (a OMS estimou que anualmente, 100 000 mortes prematuras na Europa devem-se à exposição a PM).

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Eutrofiza o

Eutrofização

  • A eutrofização pode resultar da deposição em excesso de poluentes atmosféricos contendo azoto, como o NOx e o NH3, nos ecossistemas, conduzindo a alterações na composição de comunidades de plantas e redução da biodiversidade destes.

Adapt. de CONFAGRI: 2006


Acidifica o

Acidificação

  • As emissões de NOx, SOx e NH3, combinadas com o vapor de água, a luz solar e o oxigénio do ar, dão origem à formação de ácidonítrico e ácido sulfúrico, que poderão cair sob a forma de precipitação em locais distantes da emissão daqueles, dando origem às chuvas ácidas.

  • O efeito acidificante de cada um dos poluentes acima identificados depende do seu potencial de acidificação e das características dos ecossistemas e materiais expostos.

Adapt. de CONFAGRI: 2006


  • Login