3 bimestre
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 34

3º Bimestre PowerPoint PPT Presentation


  • 80 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

3º Bimestre. Queridos e queridas, neste terceiro bimestre estudaremos o impacto das artes pós-década de 1950 no Brasil e no mundo. Portanto, este período remontará a geração de nossos pais e por consequência, a nossa própria geração. Parece tudo muito fácil, pois vivemos nesta época, certo?

Download Presentation

3º Bimestre

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


3 bimestre

3º Bimestre

Queridos e queridas, neste terceiro bimestre estudaremos o impacto das artes pós-década de 1950 no Brasil e no mundo. Portanto, este período remontará a geração de nossos pais e por consequência, a nossa própria geração. Parece tudo muito fácil, pois vivemos nesta época, certo?

Mas você conhece e/ou interpreta tudo o que o rodeia? Então se liga aí e vamos ressignificar o nosso cotidiano.


A escultura no brasil

A escultura no Brasil

  • No Brasil, a Escultura esteve sempre muito ligada à movimentos específicos, tais como o da Semana da Arte de 1922;

  • Porém, com a chegada da geração de 1950, os estilos artísticos começaram a ser questionados e repensados pelos críticos de arte e pelos próprios artistas, ávidos de mudança na velha estrutura;


Ernesto de fiori e bruno giorgi

Ernesto de Fiori e Bruno Giorgi

  • Pertencem ainda à geração modernista da Escultura brasileira;

  • Ernesto de Fiori dominava além da escultura a pintura;

  • Bruno Giorgi aderiu ao movimento modernista e, na década de 1950 suas obras valorizavam o ritmo, vazios, movimentos e linhas curvas. Utilizou como materiais expressivos o bronze e o mármore.


Alguns exemplos

Alguns exemplos...

Mulher despida, 1938, Ernesto de Fiori.

Candangos, Bruno Giorgi.


Maria martins e s rgio camargo

Maria Martins e Sérgio Camargo

  • Maria iniciou seu trabalho ligada ao movimento Surrealista;

  • Teve influencia muito forte de Marcel Duchamp;

  • Sua temática remeta ao Surrealismo e retoma mitos e a natureza brasileira;

  • Sérgio Camargo produziu esculturas de extremo rigor formal, explorando figuras geométricas em relevos monocromáticos.


Exemplificando

Exemplificando...

O Impossível (1945), Maria Martins.

Double-Sided Module (1964), Sérgio Camargo


Frans kracjberg e francisco brennand

FransKracjberg e Francisco Brennand

  • Frans foi um polonês naturalizado brasileiro e sua obra tem profundo engajamento com a questão da preservação do meio ambiente;

  • Já Francisco Brennand trabalhou principalmente com a cerâmica, criando um universo de monstros, corpos, ovos, animais e seres híbridos (sem forma definida).


3 bimestre

Flor do Mangue, FransKracjberg.


3 bimestre

Esculturas no Jardim, Francisco Brennand.


Rubem valentim mestre didi e mestre vitalino

Rubem Valentim, Mestre Didi e Mestre Vitalino

  • Rubem Valentim – Representava em suas obras, símbolos das tradições populares dos negros da Bahia;

  • Mestre Didi teve em seus objetos a inspiração da tradição religiosa afro-brasileira;

  • Mestre Vitalino teve forte influencia de sua mãe, que era artesã. Por isto, Vitalino brincava com os restos de barro, onde foi apreendendo a elaborar pequenos objetos, até se tornar um dos maiores ceramistas populares brasileiros. Representava o mundo que vivia, cujas cenas remontam a região sertaneja de Pernambuco.


Arte concreta

Arte Concreta

  • Indica uma arte totalmente desprendida da imitação da natureza;

  • Baseia-se na concepção matemática, nas formas geométricas;

  • No Brasil, surge como uma reação à Arte Figurativa, dominada por pintores como Lasar Segall, Di Cavalcanti e Candido Portinari;


Max bill

Max Bill

  • Sua arte está baseada no uso de fórmulas matemáticas;

Unidade Tripartida (1948-1949)


Movimento concreto e suas vertentes

Movimento Concreto e suas vertentes

  • O movimento concreto no Brasil teve duas Vertentes, das quais passaremos a estudar agora:

  • A primeira aconteceu no Rio de Janeiro, onde ex-alunos de Ivan Serpa formaram o Grupo Frente, para o qual a linguagem geométrica era um campo aberto à experiência e ao questionamento;

  • Membros: Franz Weissmann, Lygia Clark, Helio Oiticica, Abraão Palatnik, Aluísio Carvão e Ivan Serpa.


Enquanto isso o outro lado se manifestava

Enquanto isso, o outro lado se manifestava...

  • Em São Paulo, o concretismo foi representado pelo Grupo Ruptura, que contava com os artistas: Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, LuisSacilottoe HermelindoFiaminghi.


Principais pontos dissonantes

Principais pontos dissonantes...

  • Durante a 1ª exposição Nacional de Arte Concreta, foi revelado inúmeras divergências entre paulistas e cariocas;

  • Os paulistas defendiam firmemente os princípios racionalistas concretos, enquanto os cariocas eram mais abertos à experimentação e à expressão;

  • Os cariocas romperam com o concretismo paulista e criaram o Neoconcretismo.


Lygia clark

Lygia Clark

  • Para esta artista, o artista ultrapassa a mera condição de espectador visual da obra e passa a recriá-la;

Bichos, Lygia Clark.


H lio oiticica

Hélio Oiticica

  • Fez parte do movimento de arte Concreta e, logo após, do Neoconcretismo;

  • Foi Pioneiro na divulgação da arte ambiental e do processualismo em nosso país;

  • Adepto do experimentalismo e do questionamento das regras e da moralidade de nossa sociedade.


Absolutismo informal

Absolutismo informal

  • Caráter das figuras não é geométrico, mas informal, gestual;

  • Influencia desta vertente são os artistas: Antoniotapies, Georges Mathieu, Francis Bacon e o grupo CoBrA (das iniciais das cidades e de alguns dos integrantes do movimento – Copenhague, Bruxelas e Amsterdã);


Anos 1960

Anos 1960

  • Surgimento do Cinema Novo, com Glauber Rocha;

  • Em 1965, surgiu o programa Jovem Guarda;

  • A década de 1960 marca a volta da figuração nas artes;

  • Aparecimento da Pop Art, OpArt, Arte Conceitual e Body Art.


Pop art

Pop Art

  • A cultura Pop absorve o capitalismo de consumo (Objetos e pessoas)

  • Andy Warhol utiliza o silkscreen, usando como temáticas as imagens de ícones como Marilyn Monroe, Elvis Presley, Mick Jagger;

  • Roy Lichtenstein fez pinturas usando a linguagem das HQs;

  • É uma crítica a sociedade do consumo e da massificação que a arte atravessava. São valores considerados decadentes.


Alguns exemplos1

Alguns exemplos...


Grupo rex

Grupo Rex

  • Era formado pelos artistas Wesley Duke Lee (quem introduziu a linguagem Pop no Brasil), e seus ex-alunos Carlos Fajardo, José Resende e Frederico Nasser, além de Waldemar Cordeiro e Nelson Leirner.

  • Visavam produzir uma arte de caráter experimental, além de criar um espaço próprio para a produção de vanguarda, que a crítica e o mercado em geral rejeitavam.

  • Leirner incorporou a ironia e o sarcasmo em sua arte, que atribuiu à participação do público grande importância.


Op art

OpArt

  • Opart é um termo usado para descrever a arte que explora a falibilidade do olho e pelo uso de ilusões ópticas.

  • A expressão "op-art" vem do inglês (opticalart) e significa “arte óptica”. Defendia para arte "menos expressão e mais visualização". Apesar do rigor com que é construída, simboliza um mundo mutável e instável, que não se mantém nunca o mesmo.

  • Os trabalhos de opart são em geral abstratos, e muitas das peças mais conhecidas usam apenas o preto e o branco. Quando são observados, dão a impressão de movimento, clarões ou vibração, ou por vezes parecem inchar ou deformar-se.


Arte conceitual

Arte Conceitual

  • A arte conceitual foi iniciada nos anos 60 do século XX (1965); prevaleceu pela década de 70 o que implicou uma remodelação dos processos criativos e expressivos.

  • Nesta arte valoriza-se mais a ideia da obra do que o produto acabado, sendo que às vezes este (produto) nem mesmo precisa de existir. É bastante expressada através de fotografias, vídeos, mapas, textos escritos e performances. Não existem limites muito bem definidos para que uma obra seja considerada Arte Conceptual já que esta abrange vários aspectos tendo como intenção desafiar as pessoas a interpretar uma ideia, um conceito, uma crítica ou uma denúncia. O objetivo é que o observador reflita sobre o ambiente, a violência, o consumo e a sociedade. Esta arte é vivenciada por todos os observadores do mesmo modo ou seja, ela não possui nenhuma singularidade aos olhos de quem a vê.


3 bimestre

A fonte – Marcel Duchamp


Body art

BodyArt

  • A BodyArt (do inglês, arte do corpo) é uma manifestação das artes visuais onde até o corpo do próprio artista pode ser utilizado como suporte ou meio de expressão. Surgiu no final da década de 60 como uma das mais populares e controvertidas formas de arte a se disseminar.

  • Em uma abordagem mais específica, surgiu como reação à impessoalidade da arte conceitual e do minimalismo, em análise mais ampla tem sido considerada um prolongamento destes.

  • O espectador pode atuar não apenas de forma passiva mas também como voyeur (observador) ou agente interativo.

  • Foi na década de 1960 que essa forma de arte se popularizou e se espalhou pelo mundo.

  • Suas origens encontram referências na premissa de Marcel Duchamp em que "tudo pode ser usado como uma obra de arte", inclusive o corpo. Além de Duchamp, podem ser considerados precursores da Bodyart o francês Yves Klein, que usava corpos femininos como "pincéis vivos", o americano VitoAcconci, o italiano Piero Manzoni entre outros.


Anos 1970

Anos 1970

  • Década marcada pela intensa repressão e endurecimento do regime militar, que tomou grande forma após o AI-5, e pela censura;

  • Inicio da Arte Conceitual, onde os artistas se expressavam através de fotografias e vídeos;

  • Esta arte também questiona o mercado , o sistema de arte, o museu, a crítica e o público;

  • As vanguardas desta década exercitavam a multiplicidade de estilos, a mescla de técnicas, a fusão de gêneros, a ruptura de suportes (escultura, por exemplo), valorizando o caráter heterogêneo e multidisciplinar da arte.


Anos 1980

Anos 1980

  • Acentua-se a tendência internacionalizante da arte, veiculada pelos mecanismos de divulgação em massa recentes, como a televisão, cinemas e revistas.

  • Marco desta geração aconteceu em 1984, com a exposição: Como vai você, Geração 80?


Anos 1990

Anos 1990

  • Os anos 90 revelaram poéticas pessoais de difícil rotulação;

  • A produção artística desse período refletiu as características do mundo globalizado, antenada com a produção artística mundial e, ao mesmo tempo e em alguns casos, profundamente conectada com a realidade brasileira (ao incorporar elementos da cultura popular, ou referências à religiosidade brasileira);

  • Permaneceram as referências à vida urbana.


  • Login