VII SEMANA CIENTÍFICA DO CURSO DE TURISMO DA FAVA - PowerPoint PPT Presentation

Vii semana cient fica do curso de turismo da fava
Download
1 / 18

  • 75 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

VII SEMANA CIENTÍFICA DO CURSO DE TURISMO DA FAVA. RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL. CONCEITOS LIGADOS À RESPONSABILIDADE SOCIAL

I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.

Download Presentation

VII SEMANA CIENTÍFICA DO CURSO DE TURISMO DA FAVA

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Vii semana cient fica do curso de turismo da fava

VII SEMANA CIENTÍFICA DO CURSO DE TURISMO DA FAVA

RESPONSABILIDADE

SÓCIO-AMBIENTAL


Vii semana cient fica do curso de turismo da fava

  • CONCEITOS LIGADOS À RESPONSABILIDADE SOCIAL

    Muito tem se falado sobre “empresas social e ambientalmente responsáveis”. Entretanto, percebemos um perigoso hiato entre os conceitos existentes e as práticas efetivas. Para que se busque alguma luz sobre essa questão, a partir de agora, vamos discutir dentro do espaço que o tempo nos permite, os conceitos de “Responsabilidade Sócio-ambiental”. Temos que buscar respostas, primeiramente, para saber as diferenças entre “o que se diz” e “o que se faz”.


Vii semana cient fica do curso de turismo da fava

Em primeiro lugar devemos considerar questão: “O que é e como surgiu a Responsabilidade Sócio-ambiental Empresarial”? Podemos dizer que “Responsabilidade Social Empresarial” é um processo contínuo e progressivo de envolvimento e desenvolvimento de competências cidadãs da empresa, com a assunção de responsabilidades sobre questões sociais e ambientais relacionadas a todos os públicos com os quais ela interage: o corpo de colaboradores diretos (público interno), sócios e acionistas, fornecedores, clientes e consumidores, mercado e concorrentes, poderes públicos, imprensa, comunidade e o próprio meio ambiente (ESG). Durante séculos ações de responsabilidade se atinham a fatores emocionais, ou seja, levadas pela comiseração de situações anômalas. Vejamos esses conceitos:

CONCEITOS LIGADOS À RESPONSABILIDADE SOCIAL


Vii semana cient fica do curso de turismo da fava

  • CONCEITOS LIGADOS À RESPONSABILIDADE SOCIAL

  • FILANTROPIA CARIDADE, ALTRUÍSMO  REMETE A AÇÕES EXTERNAS DAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS, EM BENEFÍCIO DE DETERMINADA COMUNIDADE OU GRUPO SOCIAL. É UM TERMO CADA VEZ MAIS EM DESUSO, POIS É FREQÜENTEMENTE ASSOCIADO ÀS ANTIGAS PRÁTICAS DE RELACIONAMENTO COM A COMUNIDADE, ONDE NÃO RARO O QUE SE FAZIA ERAM AÇÕES PONTUAIS E NÃO PROJETOS DE LONGO PRAZO, BASEADOS EM DIAGNÓSTICOS DE REAIS NECESSIDADES E CONSTANTE PROCESSO DE AVALIAÇÃO A FIM DE CORRIGIR RUMOS E APRIMORAR AS TECNOLOGIAS SOCIAIS. “A FILANTROPIA É APENAS PARTE DA RESPONSABILIDADE SOCIAL. MAS NÃO ADIANTA PROMOVER UMA AÇÃO SOCIAL ISOLADA, SE O LIXO É LANÇADO AO RIO OU SÉ É CONIVENTE COM ATOS DE CORRUPÇÃO”.

  • RESPONSABILIDADE SOCIAL TEM UM OBJETIVO ESTRATÉGICO E ESTÁ, NECESSARIAMENTE, INCORPORADA À CADEIA DE NEGÓCIOS DA EMPRESA

  • MARKETING SOCIAL O SEU PRINCIPAL OBJETIVO É ALAVANCAR OS NEGÓCIOS DA EMPRESA ATRAVÉS DA DIVULGAÇÃO DE UMA IMAGEM POSITIVA PERANTE A OPINIÃO PÚBLICA E O CONSUMIDOR.

  • ENTIDADE FILANTRÓPICA TRATA-SE DE UMA SOCIEDADE SEM FINS LUCRATIVOS (ASSOCIAÇÃO OU FUNDAÇÃO), CRIADA COM O PROPÓSITO DE PRODUZIR O BEM, TAIS COMO: ASSISTIR À FAMÍLIA, À MATERNIDADE, À INFÂNCIA, À ADOLESCÊNCIA, À VELHICE, PROMOVENDO AINDA A HABILITAÇÃO E REABILITAÇÃO DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA E INTEGRAÇÃO AO MERCADO DO TRABALHO. PARA SER RECONHECIDA COMO FILANTRÓPICA PELOS ÓRGÃOS PÚBLICOS, A ENTIDADE PRECISA COMPROVAR TER DESENVOLVIDO, NO MÍNIMO PELO PERÍODO DE TRÊS ANOS, ATIVIDADES EM PROL DOS MAIS DESPROVIDOS, SEM DISTRIBUIR LUCROS E SEM REMUNERAR SEUS DIRIGENTES.


Vii semana cient fica do curso de turismo da fava

  • SOLIDARIEDADE AUXÍLIO MÚTUO; LIGAÇÃO RECÍPROCA ENTRE PESSOAS OU COISAS INDEPENDENTES.

  • VOLUNTARIADO É A ATIVIDADE PRESTADA EM PROL DE UM BEM SOCIAL, SEM A EXPECTATIVA DE QUALQUER CONTRAPARTIDA FINANCEIRA, PODENDO OU NÃO SER PRATICADA POR INTERMÉDIO DE UMA ENTIDADE BENEFICENTE. ATUAÇÃO CONTRA A MISÉRIA, AS MÁS CONDIÇÕES DE EDUCAÇÃO, DE MORADIA, DE CULTURA, ETC. SENTIMENTO QUE LEVA UM GRUPO DE PESSOAS A SE UNIR PARA SE AUTO-AJUDAR, PIEDADE, DÓ

  • VOLUNTÁRIO É QUEM, MOVIDO POR VALORES DE SOLIDARIEDADE E RESPONSABILIDADE, DOA SEU TEMPO, TRABALHO E TALENTO PARA AÇÕES QUE BENEFICIAM OUTRAS PESSOAS E MELHORAM A VIDA DE TODOS. O VOLUNTÁRIO NÃO PODE SER REMUNERADO, APENAS PODE SER RESSARCIDO DAS DESPESAS QUE COMPROVADAMENTE REALIZAR NO DESEMPENHO DAS ATIVIDADES VOLUNTÁRIAS, TAIS COMO: LOCOMOÇÃO E REFEIÇÃO.

  • COMPAIXÃO

  • INDIGNAÇÃO


Vii semana cient fica do curso de turismo da fava

A aplicação desses conceitos a setores localizados e às leis ambientais, não são, na verdade, atitudes suficientes para empresas que querem ampliar seu leque de atividades. “Atualmente, o mercado exige das instituições cada vez mais ações em prol do meio ambiente, cobrando não apenas os tradicionais balanços econômicos, como também os sociais”. Sintetizando, o consumidor, o investidor, enfim, o público alvo de seu produto exige mais.


Vii semana cient fica do curso de turismo da fava

O mundo empresarial não concebe decisões

ou ações, por menor que sejam, calcadas em conceitos emocionais. Hoje, com o processo de globalização que o mundo atravessa, a competitividade fez com que o setor se deparasse com verdadeiro quadro de guerra. Aprimorando a sistemática de participação de mercado, as empresas voltaram seus olhos para uma ação que despertasse nas pessoas uma ótica diferente, que angariasse a simpatia de todos os setores. O alvo foi, então, ações de responsabilidade sócio-ambientais.


Vii semana cient fica do curso de turismo da fava

Diante dessa realidade, tornou-se imprescindível para as organizações promoverem projetos que possibilitam a melhoria na qualidade de vida da comunidade e que reduzam o impacto sobre o meio ambiente. Surgiu então a responsabilidade sócio-ambiental. Nasceu de forma profissional e metódica, transformando o enfoque emocional das ações assistenciais em atitudes bem ordenadas, organizadas e eficientes.


Responsabilidade s cio ambiental

RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

A Responsabilidade Sócio-ambiental corresponde a um compromisso de empresas que atuam na vanguarda, atendendo à crescente conscientização da sociedade, principalmente nos mercados mais maduros. Diz respeito à necessidade de revisar os modos de produção e padrões de consumo vigentes de tal modo que o sucesso empresarial não seja alcançado a qualquer preço, mas ponderando-se os impactos sociais e ambientais decorrentes da atuação administrativa e negocial da empresa.


Responsabilidade s cio ambiental1

RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

Desde que o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan, lançou, em 1999, a idéia (concretizada em 2000) do Pacto Mundial – um conjunto de princípios que dá forma ao conceito de “cidadania corporativa” –, surgiram inúmeras iniciativas nessa direção. Responsabilidade empresarial, investimento sustentável, respeito aos acionistas e aos vários públicos de interesse da empresa (os stakeholders, ou seja, clientes, fornecedores, trabalhadores, comunidade, governos). Ação segundo normas éticas e legais são expressões que vêm se impondo gradativamente no dia-a-dia e na estratégia das organizações.


Responsabilidade s cio ambiental2

RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

Antes segmentado e dirigido a objetivos específicos, esse comportamento vai ganhando abrangência, partindo do setor produtivo e invadindo com vigor a seara das instituições financeiras. De tal sorte, que ganha agora o mundo inteiro a sigla ESG (Environment, Society, Governments), que são os fatores ambientais, sociais e de governança corporativa. Ouviremos falar, e muito, ainda desse amplo guarda-chuva que acolhe todos os aspectos da responsabilidade sócio-ambiental.


Responsabilidade s cio ambiental3

RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

Há várias iniciativas nesse campo:

  • Fundos globais de investimento que têm a sustentabilidade sócioambiental ou a responsabilidade corporativa lato sensu como critério de aplicação de recursos (ABN, Itaú, Unibanco, por exemplo, no Brasil)

  • Índices como o Dow Jones Sustainability Index (DJSI), que tem empresas brasileiras listadas, como Aracruz, Banco Itaú, Bradesco e Cemig.

  • Índice sócioambiental de empresas de energia da Goldman Sachs (que lista a Petrobras), cujos nomes falam por si só.


Responsabilidade s cio ambiental4

RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

  • Os Princípios do Equador, formulados pela International Finance Corporation (IFC), braço do Banco Mundial para o setor privado, estabelecem critérios ambientais e de responsabilidade social para concessão de créditos a projetos de valor superior a US$ 50 milhões (a eles já aderiram Bradesco, Banco do Brasil, Itaú, Itaú-BBA e Unibanco)

  • Os Princípios para o Investimento Responsável (PRI, na sigla em inglês), destinados a nortear a ação dos fundos de pensão.


Responsabilidade s cio ambiental5

RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

A iniciativa mais recente, mais ampla, mais ambiciosa e formulada para abarcar todas as personagens do mercado financeiro nasceu há um ano e meio e já começa a mostrar a que veio. Trata-se do programa que americanos e europeus batizaram de Who Cares Wins - “quem se preocupa com as coisas do mundo vai ganhar” (lá na frente) -. Ele pretende abrir o foco para as questões ESG, que vinham sendo tratadas de certa forma isoladamente, como, por exemplo, pelas gerências de meio ambiente das empresas.


Responsabilidade s cio ambiental6

RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

Deseja levá-las à alçada das diretorias e dos Conselhos, tornando-as componente intrínseco da estratégia das companhias – incrustando-as no núcleo central da tomada de decisões. Em outras palavras, deixariam de ser um apêndice, um anexo, um algo mais, nos documentos / relatórios das empresas , para transformar-se em sua própria razão de ser.


Responsabilidade s cio ambiental7

RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

Seu argumento central define a proposta com clareza. “As instituições que apóiam este relatório estão convencidas de que, num mundo mais globalizado, interdependente e competitivo, o modo como são geridas as questões ambientais, sociais e de governança corporativa é parte integrante da própria administração geral da companhia e isso é necessário para competir com sucesso”, diz o documento.


Responsabilidade s cio ambiental8

RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

“Companhias de melhor desempenho nesse campo podem aumentar seu valor para os acionistas, por exemplo, administrando adequadamente os riscos, antecipando ações nos marcos regulatórios ou tendo acesso a novos mercados, contribuindo ao mesmo tempo para o desenvolvimento sustentável das sociedades nas quais operam”. Em suma: “Mais que tudo, essas questões podem ter forte impacto na reputação e nas marcas, um item crescentemente importante na agregação de valor para a companhia”.


Responsabilidade s cio ambiental9

RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

Infelizmente, porém, a ambição desmedida da maioria das empresas, desvirtuaram os princípios de RSA. Vejamos: segundo a reportagem de capa da edição 839 da revista EXAME, intitulada “A Vergonha do Lucro”, 90% dos programas de RSA são geridos pelos departamentos de marketing das empresas. Esse dado revela que, a rigor, a “Responsabilidade Social” nada mais é do que um mero instrumento, utilizado para impulsionar campanhas de promoção da imagem de empresas e das marcas de seus produtos. Isso poderá trazer sérios problemas de descrédito num futuro bem próximo, porque talvez tenhamos uma competição voltada para as ações de Responsabilidade Sócio-ambiental e a guerra travada no mercado, irá também para os bastidores e terão como protagonistas a miséria, o analfabetismo, a fome e a degradação ambiental. Quem vencerá essa batalha?


  • Login