Introdu o
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 38

INTRODUÇÃO PowerPoint PPT Presentation


  • 64 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

INTRODUÇÃO. CAP. I- OUVINDO ELUCIDAÇŌES . CAP. II- A PALESTRA DO INSTRUTOR. CAP. III- ENTENDIMENTO. CAP. IV- NUMA CIDADE ESTRANHA. INTRODUÇÃO. PRINCIPAIS Personagens . Desencarnados Gúbio : instrutor e condutor do processo de resgate

Download Presentation

INTRODUÇÃO

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Introdu o

INTRODUÇÃO

  • CAP. I- OUVINDO ELUCIDAÇŌES

  • CAP. II- A PALESTRA DO INSTRUTOR

  • CAP. III- ENTENDIMENTO

  • CAP. IV- NUMA CIDADE ESTRANHA


Principais personagens

INTRODUÇÃO

PRINCIPAIS Personagens

Desencarnados

Gúbio: instrutor e condutor do processo de resgate

André Luiz: relator do livro e membro da equipe de resgate

Elói: colega de André no serviço de resgate

Matilde: entidade bastante elevada que fora mãe de Gregório

Gregório: filho de Matilde, líder de um grupamento das trevas e razão do resgate

Saldanha: líder de uma equipe de obsessores

Encarnados

Margarida: filha de Gúbio em encarnações anteriores e também ligada a Gregório sofre processo obsessivo

Juiz: pai de Margarida, responsável pela prisão de Jorge

Lia: filha de Jorge, neta de Gregório, serviçal da casa do juiz


Pref cio ante as portas livres

INTRODUÇÃO

PREFÁCIO – ANTE AS PORTAS LIVRES

  • O PeixinhoVermelho

EMMANUEL

Pedro Leopoldo, 22 de fevereiro de 1949.


Pref cio ante as portas livres1

INTRODUÇÃO

PREFÁCIO – ANTE AS PORTAS LIVRES

André, buscandoacenderluznastrevas, ésemelhanteàmissão do peixinhovermelho.

Encantado com as descobertas do caminhoinfinito, realizadas

depois de muitosconflitos no sofrimento, volveanunciando o acuradoaprimoramentoindividual para a travessia da estreitapassagem de acessoàsclaridadesda sublimação.

Há, contudo, muitospeixeshumanosquesorriem e passam,

entre a mordacidade e a indiferença, procurandolocaspassageirasoupleiteandolarvastemporárias.

Esperam um paraísogratuito com milagrososdeslumbramentos

depois da morte do corpo.

“A cada um será dado de acordocom as suasobras.”

EMMANUEL

Pedro Leopoldo, 22 de fevereiro de 1949.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

  • CAP. I- OUVINDO ELUCIDAÇŌES

  • Nossa estória começa quando Gúbio, André e Eloi, assistem à palestra do Ministro Flácussobre regiões purgatórias.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Reunião no Centro de Preparação de Mensageiros

Flácus solicita a meditação a algumas centenas de candidatos aos serviços de socorro.

“O espíritohumanolida com a força mental, tantoquantomaneja a eletricidade, com a diferença de que se jáaprende a gastar a eletricidade, sem mal conhecer a existência da força mental, quenos preside a todososatos da vida.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Reunião no Centro de Preparação de Mensageiros

A rigor nãotemoscirculosinfernais, e simesferasobscurasresidindoconscienciasignorantes, ondeapenasnecessitam de amparoeficientequelhesmodifique o tom vibratório, elevando-lhes o modo de sentir e pensar.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

“Cadaespécie de seres, do cristalaté o homem, e do homematéo anjo, abrangeinumeráveisfamílias de criaturas, operando

emdeterminadafrequenciado Universo.

E o amordivinoalcança-nos a todos, àmaneira do Sol queabraçaossábios e osvermes.

Quemavançademora-se emligação com quemse localizanaesferapróxima.

“O domínio vegetal vale-se do império mineral parasustentar-se e evoluir. Osanimaisaproveitamosvegetaisnaobra de

aprimoramento. Oshomensreajustamosmaisfracos, sendovigiados e reajustados

pelosmaisfortesaoSupremoBem.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

“Atritamosreinos da vida, conhecidosnaTerra.“Torturam-se e entredevoram-se milhōes de espíritos, afetando ambos osplanos, congregandomilhōes de vidasembrionárias, atravésde rudesexperiências, a fim de queosvaloresespirituais se desenvolvam, refletindoa divinaluz...”


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

“Como aconteceaoscorposgigantescos do Cosmos, tambémnós outros, espiritualmente, caminhamosparaevolução,experimentando as radiaçõesuns dos outros. Nesseprocessomultiforme de intercâmbio, atração, imantação e repulsão, aperfeiçoam-se mundos e almas, nacomunidade universal.

“E entendendo a nossacondição de trabalhadoresincompletos, detentoresde velhasdificuldades e terríveisinibições, naordemdo aprimoramentoiluminativo,

cabe-nosprepararrecursosde auxílio, reconhecendoque a obraredentoraétrabalhoeducativoporexcelência,

radicado no coraçāo.

Precisamosaprendera utilizarospoderes da luz.Somente o amorsentido, crido e vividopornósprovocaráa eclosão dos raios de amoremnossossemelhantes.

“Incapacitados de prosseguiralém do túmulo, a caminhodo Céuquenãosouberamconquistar, osfilhos do desesperoorganizam-se emvastascolônias de ódio e miséria moral, disputando, entre si, a dominação da Terra, confinadosàfaixavibratóriaquenosé peculiar.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

  • CAP. II- A PALESTRA DO INSTRUTOR

  • Instrutor Gúbio explica sobre as zonas organizadas de entidades malignas.

  • André lembra dos momentos no pantano, porém nāo identificara que as entidades maléficas gozassem de organismo diretor.

A: Porquemotivo se aglomeramassim?

G: Se desenterrarmoso pretérito, meucaro, encontraremoslamentáveisreminiscênciasparecidas...

Apesar da resposta André sentidificuldade de entendertantaignörancia.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

O Espíritoencarnadorespiranumazona de vibraçõesmaislentas, enfaixadonumveículoconstituído de trilhões de célulasquesãooutrastantasvidasmicroscópicasinferiores.

Sendocada um de nósumaforçainteligente, detendofaculdades

criadoras e atuando no Universo, através da energia mental, exteriorizamos o pensamentoe com eleimprovisamoscausaspossíveis, atravésda energiamental.

Cadavida, porém, pormaisinsignificante, possuiexpressãomagnética especial.

A vontade, nãoobstante condicionada

por leis cósmicas e morais, inclinaráa comunidade dos corpúsculosvivosquepermanecem a seuserviçoportempo limitado, a trabalharàmaneira do eletricistaqueliga as forçasda usinaparaatividadesnumcharcoounumatorre.

Abstendo-nos de mobilizar a vontade, seremosinvariáveisjoguetesdas circunstânciaspredominantes, no ambientequenosrodeia. Quandodeliberemosmanobrá-la, éindispensávelresolvamosparaquedireção. Nossosestadospessoaisnosrefletirão a escolhaíntima


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Existemprincípios, forças e leis no universominúsculo, tantoquanto no universomacrocósmico. Dirijaum homem a suavontadepara a idéia de doença e a moléstialheresponderáaoapelo, com todas as características dos moldesestruturadospelopensamentoenfermiço.

A sugestão mental positivadetermina a sintonia e receptividade da regiãoorgânica, e as entidadesmicrobianas, quevivem e se reproduzem no campo mental das milhõesde pessoasque as entretêm, acorrerãoemmassa, absorvidaspelascélulasque as atraem, emobediênciaàsordensinterioresrecebidas, formando no corpo a enfermidadeidealizada.

Educação da Vontade


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Reunião no Centro de Preparação de Mensageiros

Nossoorganismoperispiritual, podesercomparadoaospólosde um aparelho magneto-elétrico.

O espíritoencarnadosofre a influenciação inferior, através

das regiõesemque se situam o sexo e o estômago, e recebeos

estímulossuperiores, aindamesmoprocedentes de almas não

sublimadas, através do coração e do cérebro.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Quando a criatura

buscamanejar a própriavontade, escolhe a companhiaqueprefere

e lança-se aocaminhoquedeseja.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Com a perda do corpo o Espíritobuscaosprazeresaosquaiscultivava. Fazemvidacoletivaprovisoriasustentadas a força de sugarem as energias dos encarnados.

Nãopodemosolvidar, dessemodo, o amorquedevemosaosignorantes, aosfracos, aosinfelizes. Imprescindível se tornacaminharnospassosdaquelesqueigualmente, um dia, nosestenderamcompassivasmãos.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

  • CAP. III- ENTENDIMENTO

G: Explicaque a enferma Margarida quevãoatender, forasuafilhaemvidaspassadas.

O Enigma da obsesssão a resolver nosleva a buscartodosenvolvidos, perseguidores e perseguidos.

A essaaltura da instrutivaconversação, chegamos a graciosomtemplo, onde se consagraàmaterialização. A melodia, as florestornam o ambiente sublime.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

A materialização de Matilde

  • Após a cooperação de vários médiuns de materialização, uma nuvem esbranquiçada adensa-se em derredor e pouco a pouco emerge a figura respeitável de veneranda mulher.

  • Matilde explica a Gúbio que espera há séculos a renovação do filho querido. Gregório, chefe responsável de uma falange com centenas de espíritos cristalizados no mal.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

  • Há 50 anos aproxima-se dele, e agora experimenta algum tédio e dúvida da vitória do mal. Já não é tão severo no comando dos espíritos desventurados e o colapso da sua resistência não lhe parece remoto.

  • “Tenho permissão de fazer planos regeneradores para a próxima reencarnação de Gregório”. “Vá e fale em meu nome..., e ao final da tarefa irei ao teu encontro nos campos de saída” (lugares-limites entre as esferas inferiores e superiores).


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

As duasmoçasqueformavam a comissão de serviços:

– MãequeridaAbençoa-nospara a grandejornada!...temosveladopelopaizinho, porémaindaenvolvidoporentidadesvampirizadoras, nãonospercebe.

– Filhasamadas o sol combate a trevatodososdias. Desculpemos o papaiqueenvenenou um parenteparaconseguir a riqueza material queofereceueducação e conforto a nostres. Elas se abraçaram e choraram.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

-Quevale paranós a paisagem celestial sem a libertaçãodaquelesqueamamos? Abandonarquemnosserviu de degrauem plena ascensãodivinaédas maishorrendasformas de ingratidão,

– Olvidemos, pois, minhasfilhas, o quehojesomos, parasocorrerosque, com o propósito de nosservirem, resvalaram a

despenhadeirosinistro e tormentoso. Saldemosnossasdívidassecretascom abnegação e devotamento.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Gúbioagradeçosuaajuda, queajudarana

Libertação do meu Gregorio. Depois da morteele se especializouemoprimirignorantes e infelizes, tornando-se um sacerdotechefiandoumafalangecristalizados no mal.

Peranteos outros falo de um mostro, mas

paraumamaētrata-se um umaperolaperdidanum mar de lamas.

Nãoencontrareio Céu, semqueossentimentos de Gregório se voltemigualmenteparaa EternaSabedoria.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

M:– Descerei, dentroembrevesanos, para o torvelinho de lutascarnais, a fim de esperarGregórioemexistência de resgatedifícil

e doloroso. Educá-lo-ei sob osprincípiossuperiores.

Elereceberaa aflitivaprova da riqueza. É do

planoqueeleacolha a extensalegião de ser-

Vidoresviciadosa fim de encaminha-los.

Vaiapegar-se ao me carinhodurantesua

Mocidade e madureza.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Na colheita de provaçōesmaisduraseujatereipartido.

Enfrentaratentaçōes de todaespecie dos

Falsos amigos quehoje se filia, abandono, a enfermidade, a velhice e a solidão.

Atélá, porém, Gúbio, compete-me trabalharmuito. Movereias cordas da intercessão sublime, mobilizareimeus amigos, rogareia Jesus fortaleza e serenidade. Iniciaremos a liberação com o teuabnegadoconcursonazonaabismal.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

– Atenderás Margarida quetefoifilhae quea Gregórioainda se encontraimantadaporteiasescuras do passadoe colaborarás com o meudevotamentomaternoparaquenaalma dele se converta.

Encontrando-o, veste a capa do servo prestimoso e fala-lheemmeunome, pois sob o geloencontra-se a chama do amorquenosune.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Eladiz saber do sacrificio dele, porquesóaquelequesabeamar e suportarconseguetriunfonasconsciênciasquese degradaramno mal; entretanto, O Senhornosenriquece

paraqueenriqueçamos a outrem, dá-nosalgumacoisaparaensaiarmosa distribuição de benefíciosqueLhepertencem.Maisrecolhequemmaissemeia...

Gúbioagradecepeloamparo e quequeemnomedelasalvara a filha Margarida.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

  • CAP. IV- NUMA CIDADE ESTRANHA

  • Após a travessia de várias regiões “em descida”, com escalas por diversos postos e instituições penetraram vasto domínio de sombras. A volitação era impossível.

  • A vegetaçãoeramsecas, as avescomocorvossemelhante a monstrosalados.

  • Gruposhostisde entidadesespirituaisemdesequilíbrionosdefrontavam, seguindoadiante, indiferentes, incapazesde registrar-nos a presença. Avançavamosmas o ambientepassoua sufocar-nos. Repousamos, de algummodo, vencidos de fadiga


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

  • CAP. IV- NUMA CIDADE ESTRANHA

  • Era necessário adensar o perispírito. A inalação das substâncias densas, como se o ar fosse constituído de fluidos viscosos, pouco a pouco espessou o revestimento perispiritual a ponto de lhes parecer vestir de novo o corpo de carne.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

As regiões inferiores

Atravessamosimportanteslimitesvibratórios e cabenosentregara forma exterior aomeioquenosrecebe, a fimde sermosrealmenteúteisaosquenospropomosauxiliar.

Elóiestirou-se, ofegante, e não obstante experimentar, porminhavez, asfixianteopressão, busqueipadronizaratitudespela

conduta do instrutor,quetolerava a metamorfose, silenciosoe palidíssimo.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Os seres da estranha cidade

Reparei, confundido, que a voluntáriaintegração com oselementos

inferiores do planonosdesfiguravaenormemente. Poucoa pouco, sentimo-nospesados e tive a idéia de quefora, de improviso, religado, de novo, aocorpo de carne, porque, emborame sentissedono da própriaindividualidade, me via revestido de

matériadensa, como se fosse obrigado a envergarinesperadaarmadura.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Os seres da estranha cidade

Aquihágovernoestabelecido, sob a direção dos poderessuperiores, que se intitula de Grande Juiz, assistidopor politicos e religiososperversos. Grande aristocracia de geniosaqui se alinha, senhoreandomentespreguiçosas, delinquentes e enfermiças….

E:– E porqueDeus permiteesteabsurdo? Pelasrazōeseducativas, mas oschoquesbiologicos do nascimento e mortevãocolaborando no afastamentodestessitios.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Os seres da estranha cidade

Gubioorientouque de agora emdiante a prece era o unicorecursoparamanter as reservasmentaissuperiorespara as necessidades de reeestabelecimentopsiquico.

Qualquerprecipitaçāopodearrojar-nos a estadosprimitivistas, lençando-nosemnivel inferior.

A medidaqueadentravamosrostoshorrendosnoscomtemplavamcom atitudeagressiva. Mutilados, aleijados, umamultidãodeformada.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Os seres da estranha cidade

A: Porquetãoextensacomunidade de sofredores?

-Depois da morteencontraminimigos no medo e navergonha de simesmo. Nada se perdenasnossasaçōes, palavras e pensamentos. O registro de nossavida opera-se emduasfasesdistintas, perseverando no exterior, através dos efeitos de nossaatuaçãoemcriaturas, situações e coisas, e persistindoemnósmesmos, nosarquivos da própriaconsciência, querecolhematematicamentetodososresultados de nossoesforço, no bemouno mal, ao interior delaprópria.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

  • Espíritoemqualquer parte move-se no centro das criaçōesquedesenvolveu. Defeitosescurose qualidadeslouváveisenvolvem-no, onde se encontre. O perispiritovairefletirsuaviciaçãoouqualidadesemvirtude dos tecidosrarefeitos de que se constitui.

  • A: observeiqueaquinãohabitamcrianças.

  • – E porqueemgeraltantaociosidadenesteplano? Quase todos aqueles seres humanos sugam e vampirizam as energias dos encarnados utilizando-se do “furto” psíquico.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

Palacios estranhossurgiram no cenario. Praças

bemcuidadas, cheias de gente, ostentavam

carrossoberbos, puxadosporescravos e animais. O aspectoidentificava-se com o das grandescidadesdo Oriente, de duzentosanosatrás. Carruagenstransportavampersonalidadestrajadas de modosurpreendente. Um edificioem forma de tempo o orientadorexplicouser um espetaculosocultoexterno.

Um homemnosinterpelouperguntando o quefaziamos?


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

  • -Procuramos o sacerdote Gregorio disseGúbio.

  • Elenoslevou a um casarão de feioaspecto e disseéaqui. Gregório os recebe desconfiado e Gúbio informa que desejam falar-lhe em nome de Matilde. Ele estremece e diz não saber que é, mas determina que a entrevista seja marcada para o dia seguinte e os recomenda passar pelo processo de seleção.


Introdu o

INTRODUÇÃO

CAPÍTULOS 1 A 4

  • CAP. IV- NUMA CIDADE ESTRANHA

Entregues a um servidor de fisionomiadesagradável, demandamos

porãoescuro, e confessoqueacompanheiGúbio e Elói, de

alma conturbadaporreceioabsorvente e indefinível.


  • Login