Interesses Difusos e Coletivos – 2009.2
Download
1 / 25

Interesses Difusos e Coletivos – 2009.2 Mandado de Segurança Coletivo Profa Beatriz Roland - PowerPoint PPT Presentation


  • 44 Views
  • Uploaded on

Interesses Difusos e Coletivos – 2009.2 Mandado de Segurança Coletivo Profa Beatriz Roland. Conceito.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Interesses Difusos e Coletivos – 2009.2 Mandado de Segurança Coletivo Profa Beatriz Roland' - tara


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

Interesses Difusos e Coletivos – 2009.2Mandado de Segurança ColetivoProfa Beatriz Roland


Conceito
Conceito

  • “Mandado de segurança é o meio constitucional posto à disposição de toda pessoa física ou jurídica, órgão com capacidade processual, ou universalidade reconhecida por lei, para a proteção de direito individual ou coletivo, líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habeas data, lesado ou ameaçado de lesão, por ato de autoridade, seja de que categoria for e sejam quais forem as funções que exerça (CF, art. 5º, LXIX e LXX; Lei n. 1.533/51 art. 1º)”. (MEIRELLES, Hely Lopes. Mandado de Segurança. 23ª ed. São Paulo: Malheiros, 2001).


Natureza jur dica
Natureza Jurídica

  • Ação civil de cunho mandamental processada por rito sumário especial, enquadrada no conceito de causa para fins de fixação de foro e juízo competentes para seu julgamento quando a parte interessada for a União.

  • Qualquer que seja a natureza do ato impugnado (administrativo, judicial, civil, penal, policial, militar, eleitoral, trabalhista etc.), o MS será sempre processado e julgado como ação civil, no juízo competente.

  • O MS tem prioridade sobre todos os atos judiciais, exceto o HC (LMS, art. 20).

    • Art. 20.  Os processos de mandado de segurança e os respectivos recursos terão prioridade sobre todos os atos judiciais, salvo habeas corpus. 


Assento legal
Assento Legal

  • CF art. 5º, LXIX – conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por “habeas corpus” ou “habeas data”, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público.

  • CF art. 5º, LXX – o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por:

    • a) partido político com representação no Congresso Nacional;

    • b) organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano, em defesa dos interesses de seus membros ou associados.

  • L. 12.016/2009 > Lei do Mandado de Segurança (LMS)


Ms coletivo requisitos
MS Coletivo - Requisitos

  • Art. 1o  Conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas corpusou habeas data, sempre que, ilegalmente ou com abuso de poder, qualquer pessoa física ou jurídica sofrer violação ou houver justo receio de sofrê-la por parte de autoridade, seja de que categoria for e sejam quais forem as funções que exerça. 


Ms coletivo requisitos1
MS Coletivo - Requisitos

  • (a) lesivo a direito líquido e certo

    • “Direito líquido e certo é o que se apresenta manifesto na sua existência, delimitado na sua extensão e apto a ser exercitado no momento da impetração” (MEIRELLES, op. cit., pp. 35 – 36).

  • (b) praticado com ilegalidade ou abuso de poder

    • Ilegalidade = atos vinculados

    • Abuso de poder = atos discricionários

      • excesso de poder = praticado por autoridade incompetente

      • desvio de poder = desvio de finalidade por autoridade competente


Ms coletivo requisitos2
MS Coletivo - Requisitos

  • Art. 21. O mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por partido político com representação no Congresso Nacional, na defesa de seus interesses legítimos relativos a seus integrantes ou à finalidade partidária, ou por organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funcionamento há, pelo menos, 1 (um) ano, em defesa de direitos líquidos e certos da totalidade, ou de parte, dos seus membros ou associados, na forma dos seus estatutos e desde que pertinentes às suas finalidades, dispensada, para tanto, autorização especial.


Ms coletivo objeto
MS Coletivo - Objeto

  • Art. 21, parágrafo único. Os direitos protegidos pelo mandado de segurança coletivo podem ser: 

  • I - coletivos, assim entendidos, para efeito desta Lei, os transindividuais, de natureza indivisível, de que seja titular grupo ou categoria de pessoas ligadas entre si ou com a parte contrária por uma relação jurídica básica; 

  • II - individuais homogêneos, assim entendidos, para efeito desta Lei, os decorrentes de origem comum e da atividade ou situação específica da totalidade ou de parte dos associados ou membros do impetrante. 


Ms coletivo objeto1
MS Coletivo - Objeto

  • Correção de ato ou omissão de autoridade que ilegal e ofensivo a direito individual ou coletivo, líquido e certo, do impetrante.


Ms coletivo objeto2
MS Coletivo - Objeto

  • Inadmissibilidades específicas legais:

    • Art. 1º § 2o  Não cabe mandado de segurança contra os atos de gestão comercial praticados pelos administradores de empresas públicas, de sociedade de economia mista e de concessionárias de serviço público. 

      • STJ - Súmula 333: Cabe mandado de segurança contra ato praticado em licitação promovida por sociedade de economia mista ou empresa pública.

    • Art. 5o  Não se concederá mandado de segurança quando se tratar: 

      • I - de ato do qual caiba recurso administrativo com efeito suspensivo, independentemente de caução; 

      • II - de decisão judicial da qual caiba recurso com efeito suspensivo; 

      • III - de decisão judicial transitada em julgado. 


Ms coletivo objeto3
MS Coletivo - Objeto

  • I – ato que caiba recurso administrativo, com efeito suspensivo, independente de caução:

    • não se exige o exaurimento da via administrativa

    • proibição do recurso administrativo com efeito suspensivo juntamente como MS,

      • racionalidade: se os efeitos já estão sobrestados pelo recurso, não haverá produção de lesão.


Jurisprud ncia
Jurisprudência

  • RE 233582 / RJ - RIO DE JANEIRO

  • RECURSO EXTRAORDINÁRIO

  • Relator(a):  Min. MARCO AURÉLIO

  • Relator(a) p/ Acórdão:  Min. JOAQUIM BARBOSA

  • Julgamento:  16/08/2007   

  • EMENTA: CONSTITUCIONAL. PROCESSUAL TRIBUTÁRIO. RECURSO ADMINISTRATIVO DESTINADO À DISCUSSÃO DA VALIDADE DE DÍVIDA ATIVA DA FAZENDA PÚBLICA. PREJUDICIALIDADE EM RAZÃO DO AJUIZAMENTO DE AÇÃO QUE TAMBÉM TENHA POR OBJETIVO DISCUTIR A VALIDADE DO MESMO CRÉDITO. ART. 38, PAR. ÚN., DA LEI 6.830/1980. O direito constitucional de petição e o princípio da legalidade não implicam a necessidade de esgotamento da via administrativa para discussão judicial da validade de crédito inscrito em Dívida Ativa da Fazenda Pública. É constitucional o art. 38, par. ún., da Lei 6.830/1980 (Lei da Execução Fiscal - LEF), que dispõe que "a propositura, pelo contribuinte, da ação prevista neste artigo [ações destinadas à discussão judicial da validade de crédito inscrito em dívida ativa] importa em renúncia ao poder de recorrer na esfera administrativa e desistência do recurso acaso interposto". Recurso extraordinário conhecido, mas ao qual se nega provimento.


Ms coletivo objeto4
MS Coletivo - Objeto

  • II – de despacho ou decisão judicial, quando haja recurso previsto nas leis processuais ou possa ser modificado por via de correição:

    • Súmula 267/STF – Não cabe mandado de segurança contra ato judicial passível de recurso ou correição.

  • Mitigação pelo próprio STF com os seguintes requisitos:

    • (a) não-suspensividade do recurso > lei permite efeito suspensivo e devolutivo e o juiz a quo recebe o recurso apenas no efeito devolutivo.

    • (b) ilegalidade do ato

    • (c) ineficácia do remédio processual adequado para impedir dano irreparável (celeridade do MS).

  • Assim, o MS não pode ser substituto de recurso próprio, que, por sua vez, deve ser impetrado concomitantemente com o MS.


Ms coletivo objeto5
MS Coletivo - Objeto

  • III – de decisão judicial transitada em julgado

    • ação própria > rescisória


Ms coletivo prazo
MS Coletivo - Prazo

  • Art. 23.  O direito de requerer mandado de segurança extinguir-se-á decorridos 120 (cento e vinte) dias, contados da ciência, pelo interessado, do ato impugnado. 

  • Observação:

  • Súmula 430/STF – Pedido de reconsideração na via administrativa não interrompe o prazo para o mandado de segurança.


Quid juris
Quidjuris?

  • Como fica a questão do prazo de 120 dias da ciência do ato impugnado quando a segurança visa uma omissão?


Ms coletivo prazo1
MS Coletivo - Prazo

  • RMS 23657 / DF - DISTRITO FEDERAL

  • RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA

  • Relator(a):  Min. MARCO AURÉLIO

  • Julgamento:  21/11/2000  

  • Ementa DECADÊNCIA - MANDADO DE SEGURANÇA - ATO OMISSIVO. Tratando-se de ato omissivo - no caso, a ausência de convocação de candidato para a segunda fase de certo concurso -, descabe potencializar o decurso dos cento e vinte dias relativos à decadência do direito de impetrar mandado de segurança, prazo estranho à garantia constitucional. CONCURSO PÚBLICO - EDITAL - PARÂMETROS - OBSERVÂNCIA BILATERAL. A ordem natural das coisas, a postura sempre aguardada do cidadão e da Administração Pública e a preocupação insuplantável com a dignidade do homem impõem o respeito aos parâmetros do edital do concurso. CONCURSO PÚBLICO - EDITAL - VAGAS - PREENCHIMENTO. O anúncio de vagas no edital de concurso gera o direito subjetivo dos candidatos classificados à passagem para a fase subseqüente e, alfim, dos aprovados, à nomeação. Precedente: Recurso Extraordinário nº 192.568-0/PI, Segunda Turma, com acórdão publicado no Diário da Justiça de 13 de setembro de 1996.


Ms coletivo legitimidade ativa
MS Coletivo – Legitimidade Ativa

  • Art. 21. O mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por partido político com representação no Congresso Nacional, na defesa de seus interesses legítimos relativos a seus integrantes ou à finalidade partidária, ou por organização sindical, entidade de classe ou associaçãolegalmente constituída e em funcionamento há, pelo menos, 1 (um) ano, em defesa de direitos líquidos e certos da totalidade, ou de parte, dos seus membros ou associados, na forma dos seus estatutos e desde que pertinentes às suas finalidades, dispensada, para tanto, autorização especial.


Legitimidade ativa
Legitimidade Ativa

  • partido político com representação no CN

    • na defesa de seus interesses legítimos relativos a seus integrantes ou à finalidade partidária

  • organização sindical

  • entidade de classe

    • associação > constituição = 1 ano

  • requisitos

    • defesa de membros / associados

    • pertinência com a finalidade

    • desnecessidade de autorização

    • STF - Súmula 629: A impetração de MS Coletivo por entidade de classe em favor dos associados independe da autorização destes.


Ms coletivo legitimidade passiva
MS Coletivo - Legitimidade Passiva

  • CF art. 5º, LXIX – ... autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público.

  • L. 12016/2009, art. 1o  Conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas corpusou habeas data, sempre que, ilegalmente ou com abuso de poder, qualquer pessoa física ou jurídica sofrer violação ou houver justo receio de sofrê-la por parte de autoridade, seja de que categoria for e sejam quais forem as funções que exerça. 

  • STF - Súmula 510: Praticado o ato por autoridade, no exercício de competência delegada, contra ela cabe o mandado de segurança ou a medida judicial.


Ms coletivo legitimidade passiva1
MS Coletivo – Legitimidade Passiva

  • Para MS > autoridade = pessoa física que praticou ou ordenou o ato, e não a PJ ou pessoa política a quem o agente público está vinculado funcionalmente.

  • Autoridade coatora = autoridade superior que pratica ou ordena a execução ou não execução do ato impugnado e responde pelas suas conseqüências administrativas.

  • Executor = agente subordinado que cumpre a ordem por dever hierárquico, sem se responsabilizar por ela.


Ms coletivo legitimidade passiva2
MS Coletivo – Legitimidade Passiva

  • Exemplo:

    • impugnação de ato da administração fiscal >não é o Ministro ou Secretário, que expedem instruções para a arrecadação do tributo, nem o funcionário subalterno que cientifica o contribuinte da exigência tributária.

      • autoridade coatora = o chefe do serviço que arrecada o tributo e impõe as sanções fiscais, usando o seu poder de decisão.


Ms coletivo legitimidade passiva3
MS Coletivo – Legitimidade Passiva

  •  Jurisprudência:

    • MS 97010170-1/RJ: A orientação preponderante é no sentido de se considerar escusável eventual erro na indicação da autoridade coatora, para se viabilizar o exercício amplo da garantia constitucional do mandado de segurança, que não poderia restar prejudicado pelo desconhecimento, por parte do Impetrante, da complexa estrutura administrativa.


Ms coletivo entes federativos
MS Coletivo – Entes Federativos

  • Atenção: a União, os Estados e o DF só ingressarão nos autos como seus assistentes ou litisconsortes por seus procuradores (CPC art. 12, I). Já o Município pode ser representado em juízo diretamente pelo Prefeito (CPC art. 12, II).


Ms coletivo senten a e liminar
MS Coletivo – Sentença e Liminar

  • Art. 22.  No mandado de segurança coletivo, a sentença fará coisa julgada limitadamente aos membros do grupo ou categoria substituídos pelo impetrante. 

    • § 1o  O mandado de segurança coletivo não induz litispendência para as ações individuais, mas os efeitos da coisa julgada não beneficiarão o impetrante a título individual se não requerer a desistência de seu mandado de segurança no prazo de 30 (trinta) dias a contar da ciência comprovada da impetração da segurança coletiva. 

    • § 2o  No mandado de segurança coletivo, a liminar só poderá ser concedida após a audiência do representante judicial da pessoa jurídica de direito público, que deverá se pronunciar no prazo de 72 (setenta e duas) horas. 


ad