Redes de alta velocidade
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 25

Redes de alta velocidade PowerPoint PPT Presentation


  • 61 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Redes de alta velocidade. Aula 6: SDH. Redes PDH. Redes PDH. Nas redes PDH um sinal à 64 Kbps deve ser multiplexado até a taxa de 2 Mbps e, após outros estágios de multiplexação, à taxa de 140 Mbps.

Download Presentation

Redes de alta velocidade

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Redes de alta velocidade

Redes de alta velocidade

Aula 6:

SDH


Redes pdh

Redes PDH


Redes pdh1

Redes PDH

  • Nas redes PDH um sinal à 64 Kbps deve ser multiplexado até a taxa de 2 Mbps e, após outros estágios de multiplexação, à taxa de 140 Mbps.

  • Entretanto, para se comutar este sinal à 64 Kbps, todo o sinal de 140 Mbps deve ser multiplexado. Para tanto, é necessário todo um conjunto de multiplexadores em cada ponta do enlace de transmissão.

  • Este arranjo se torna bastante caro quando, na prática, apenas alguns sinais de 64 Kbps necessitam ser comutados.


Redes sdh

Redes SDH

  • Definição

    • A SDH é uma rede síncrona de transporte de sinais digitais, formada por um conjunto hierárquico de estruturas de transportes padronizadas objetivando a transferência de informação sobre redes digitais e oferecendo aos operadores e usuários flexibilidade e economia.


Redes sdh1

Redes SDH

  • Caracterísitcas

  • Compatibilidade com a PDH;

  • Acesso facilitado aos tributários;

  • Transporte de serviços de taxas variáveis;

  • Facilidade para aumentar as taxas;

  • Compatibilidade com ATM;

  • Compatibilidade entre fabricantes;

  • Maximiza a capacidade de transmissão do meio.


Redes sdh2

Redes SDH


Redes sdh3

Redes SDH

  • Nas redes SDH o uso da multiplexação síncrona permite a utilização dos DXCs (“Digital Cross-Connects”) permite o roteamento dos sinais através da rede sem que seja necessária a demultiplexação prévia.

  • Os DXCs da rede SDH são controlados por meio de um conjunto de menssagens padronizadas permitindo que novos circuitos sejam provisionados em alguns milisegundos à partir de uma estação de controle centralizada.


Redes sdh4

Redes SDH

Para resolver os problemas da Tecnologia PDH, foi criada a hierarquia digital síncrona (SDH), na qual os 8 bits de cada canal são mantidos juntos.

A velocidade básica do primeiro nível do SDH (STM-1 - (synchronous tranporte module level 1) ) é de 155,520 Mbps. Tal velocidade é produto do tamanho da carga útil transportada no campo de dados do quadro SDH.

9 linhas x 261 bytes x 8(bits/byte) x 8000 (quadros/seg) = 150336000 bits

Adiciona-se depois as informações de cabeçalho para se atingir os 155,520 Mbps.( 9 x 270 x 8 x 8000)


Redes sdh5

Redes SDH

Conjunto de padronizações definindo os seguintes itens:

  • - Taxa de bits

  • - Estrutura multiplexação

  • - Estrutura de quadro

Nível SDH

Taxa (Mbps)

Designação

1

155,520

STM-1

4

622,080

STM-4

16

2.488,320

STM-16

64

9.953,280

STM-64


Hierarquias de multiplexagem sdh e sonet taxas

Hierarquias de Multiplexagem SDH e SONET - taxas


Redes sdh6

Redes SDH

O procedimento para se obter níveis superiores ao STM-1 (synchronous tranporte module level 1) e a multiplexagem por intercalação de bytes ( e não bits), sendo que a velocidade de transmissão dos níveis superiores é múltipla inteira da velocidade do STM-1.

O STM-1 é desmontado e remontado na multiplexação, mas aparece nos níveis superiores com as mesmas características, porém com uma identificação no seu cabeçalho de seção, que o diferencia dos outros.


Redes sdh7

Redes SDH

Para os níveis inferiores ao STM-1 o procedimento é de adaptar vários tipos de sinais (PDH, ATM, FDDI, etc...) para serem transportados pela rede SDH. Isto é feito por meio de processos de :

  • Mapeamento

  • Alinhamento

  • multiplexação


Redes sdh8

Redes SDH

  • Mapeamento: É o processo pelo qual tributários são adaptados em VCs.

  • Multiplexação: É o processo pelo qual sinais da Camada de Via de Ordem Inferior são adaptados na Camada de Via de Ordem Superior ou sinais da Camada de Via de Ordem Superior são adaptados na Camada de Seção Multiplexadora.

  • Alinhamento: É o processo pelo qual a informação de “offset” é incorporada ao ponteiro de TU ou AU.


Redes sdh9

Redes SDH

  • Container (C): consiste em uma estrutura de tamanho apropriado que transportará o sinal tributário enquanto este permanecer na rede SDH:

    Container C-11: Tributário mapeado 1.544 Kbps

    Container C-12: Tributário mapeado 2.048 Kbps

    Container C-2: Tributário mapeado 6.312 Kbps

    Container C-3: Tributário mapeado 44.736 Kbps

    Container C-4: Tributário mapeado 139.264 Kbps


Redes sdh10

Redes SDH

Container:

Os container´s servem como um envelope para os sinais de mais baixa velocidade que o STM-1. Ao se acomodar sinais pleosiócronos dentro de um container ocorre a necessidade de adaptação do relógio ao sinal síncrono.

O sinal a ser transportado é mapeado bit a bit com a estrutura do container que é muito bem definida.


Redes sdh estrutura de multiplexa o

Processamento de Ponteiro

Multiplexação

Alinhamento

Mapeamento

Redes SDH – estrutura de multiplexação

x N

x 1

AU-4

STM-N

VC-4

AUG

C-4

139.264 Kbps

x 3

x 3

x 1

C-3

TUG-3

VC-3

TU-3

x 7

AU-3

VC-3

x 1

C-2

TU-2

VC-2

TUG-2

x 7

6.312 Kbps

x 3

TU-12

C-12

VC-12

x 4

2.048 Kbps

TU-11

C-11

VC-11

1.544 Kbps


Redes sdh11

Redes SDH

  • Container Virtual (VC): consiste em uma estrutura de informação formada por uma carga útil acrescida de um overhead de via (POH) que permite a monitoração do caminho percorrido pelo sinal.

  • A carga útil (“container”) transportada pelo VC é chamada

    “payload”. Os VCs podem ser de ordem inferior (LO VC) ou de ordem superior (HO VC).


Redes sdh12

Redes SDH

  • Unidade tributária: É a adição de um ponteiro de unidade tributária a um container virtual.

    O ponteiro de unidade tributária se faz necessário para indicar o local onde se inicia o container virtual dentro da unidade tributária (que não é fixa). A posição do ponteiro é sempre fixa.


Redes sdh13

Redes SDH

Grupo de unidade tributária: É formado pela intercalação de bytes de unidades tributárias de mesma ordem (multiplexação).

Composição do Grupo de Unidades Tributárias (TUG)


Redes sdh14

Redes SDH

  • Grupo de unidade tributária: É formada pela adição de um ponteiro de unidade administrativa a um container virtual de ordem superior mapeado dentro de STM-1. O ponteiro indica o local do inicio do container virtual, possibilita ainda a justificação.


Redes sdh15

Redes SDH

  • Grupo de Unidades Administrativas (AUG): O AUG é uma estrutura de informação constituída pelo entrelaçamento byte à byte de três AU-3 ou uma AU-4.


Redes sdh stm1

Redes SDH - STM1


Redes sdh16

Redes SDH

Um resumo do caminho de multiplexação

  • sincroniza o sinal e forma o Container (C)

  • coloca um POH e forma o Virtual Container (VC)

  • mais um ponteiro, forma-se uma Tributary Unit (TU)

  • junta vários TUs, formando um TUG (TU Group)

  • multiplexa vários TU, formando um novo VC

  • adiciona um ponteiro, forma um novo TU

  • adiciona os overheads, forma-se o STM-n


Redes sdh composi es

Redes SDH - composições

Composição do VC de Ordem Inferior

Composição do VC de Ordem Superior


Redes sdh composi es1

Redes SDH - composições

Qadro stm-1


  • Login