Cons rcio brasileiro de p d e tt em pesca e aquicultura cbpa uma proposta de estrutura o
Download
1 / 42

Consórcio Brasileiro de P&D e TT em Pesca e Aquicultura (CBPA) Uma proposta de estruturação - PowerPoint PPT Presentation


  • 73 Views
  • Uploaded on

Consórcio Brasileiro de P&D e TT em Pesca e Aquicultura (CBPA) Uma proposta de estruturação. Carlos Magno Campos da Rocha Chefe Geral da Embrapa Pesca e Aquicultura Reunião do CONAPE-MPA Brasília-DF, 12 de setembro de 2012. O Maior Agronegócio do Mundo. US$ 600 bilhões

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Consórcio Brasileiro de P&D e TT em Pesca e Aquicultura (CBPA) Uma proposta de estruturação' - tamar


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Cons rcio brasileiro de p d e tt em pesca e aquicultura cbpa uma proposta de estrutura o

Consórcio Brasileiro de P&D e TT em Pesca e Aquicultura (CBPA)Uma proposta de estruturação

Carlos Magno Campos da Rocha

Chefe Geral da Embrapa Pesca e Aquicultura

Reunião do CONAPE-MPA

Brasília-DF, 12 de setembro de 2012


O Maior Agronegócio do Mundo

  • US$ 600 bilhões

  • Responde por 16,6% da oferta mundial de proteína animal;

  • Soma US$ 125 bilhões em exportações anuais;

  • Mercado duas vezes maior do que o complexo soja;

  • Sete vezes maior do que o negócio de carne bovina;

  • Nove vezes maior do que o de carne de frango ;

  • 20% maior do que o de calçados.


Pesca e Aquicultura Mundial

2006 a 2011

FAO 2012


Produção Mundial da Pesca e da Aquicultura

Milhões de toneladas

Produção da aquicultura

Produção da pesca de captura

FAO 2012


Pesca e Aquicultura Mundial

2006 a 2011

Utilização do pescado

Milhões de toneladas

População (bilhões de habitantes)

Fornecimento de alimento (kg per capita)

Alimento

Uso não alimentício

População

Fornecimento de alimento

FAO 2012


Brasil – O maior potencial do mundo

  • 8.500 Km de costa marítima;

  • 4,3 milhões de km² de ZEE;

  • 12% do Total de Reserva de água doce do planeta;

  • 5,5 milhões de hectares de terras alagadas, reservatórios (Estados e municípios que tiveram parte de seus territórios inundada pelos reservatórios de usinas hidrelétricas recebam 5,4% do valor da energia elétrica produzida, a título de compensação financeira);

  • Consumo crescente – de 6,8 kg/hab/ano em 2002 para 9,75 Kg/hab/ano em 2010 – Amazônia consome 36 kg/hab/ano;

  • A FAO recomenda 12 kg/ha/ano;

  • Déficit mundial em 2010, conforme a FAO, 25 milhões de toneladas;

  • Brasil teria condições de participar do mercado mundial com 10 milhões de toneladas, segundo a FAO;

  • Produção/captura atual 1.264 milhão de toneladas.




Aquicultura no Brasil

Vantagens comparativas

PIB da agricultura

bovinos

aves

suínos

pescado

Consumo per capita (kg)

Taxa de conversão

bovinocultura

avicultura

aquicultura

suinocultura


Embrapa – PerfilInstitucional

Fundadaem 1973

Empregados: 9.506

Pesquisadores: 2.355

PHDs: 2.061

47 Centros e Serviços

CentrosNacionaisTemáticos

CentrosNacionais de Produtos

CentrosEcorregionais e Agroflorestais

Serviços


Centros da Embrapa

47 Centros de Pesquisa

e Serviços

Nacionais Temáticos

Nacionais de Produtos

Ecorregionais/Agroflorestais

Serviços

Novos Centros

Pesca e Aquicultura

Cocais

Agrossilvipastoril

Agroenergia

Estudos Estratégicos e Capacitação

Gestão Territorial Estratégica

Estação Quarentenária e Intercâmbio de

Germoplasma Vegetal


Cooperação Internacional

Cooperação Científica

Cooperação Técnica

Negócios


Laboratórios Virtuais e Projetos Embrapa no Exterior

Laboratórios Virtuais Embrapa

Projetos Embrapa no Exterior


Cooperação Internacional

Parcerias Internacionais

  • AcordosBilaterais : 78

  • Países: 56

  • Instituições: 89

  • AcordosMultilaterais : 20

Cooperação Científica

  • Labex Estados Unidos:…………..USA

  • Labex Europa:…………………......França e Reino Unido

  • Labex Coréia:………………..….....Coréia do Sul

  • Labex China:………………..…......China

  • Labex Japão:………………..…......Japão

Cooperação Técnica

  • Embrapa África :Projetos TTxCT (Gana, Moçambique, Mali, Senegal)

  • Embrapa Américas :Projetos TTxCT (Panamá e Venezuela)


Cooperação Científica

  • Cooperação Bilateral

  • Institutos, Universidades, Empresas Privadas

  • 14 Projetos com a U.E. - Framework Program FP-7

  • Acordos Multilaterais

  • CGIAR

  • PROCIS – Procisur, Procitrópicos

Laboratory of Pathogenomics – Dr. AlexandreMorais do Amaral, Dr. Jason Rudd, and Prof. Kim Kosack-Hammond. Rothamsted Research, Harpenden, UK, 2010.


Cooperação Científica

  • Labex Estados Unidos

  • Recursos genéticos - Genômica aplicada à bovinocultura

  • Mudanças climáticas - Estudos com sequestro de carbono no solo

  • Saúde animal

  • Bioenergia

  • Manejo florestal

  • Nanotecnologia/biomateriais

  • Aquicultura

  • Intercambio de germoplasma

  • 2.292 acessos foram transferidos da Embrapa à ARS, nos últimos dois anos.

  • O Brasil recebeu 6.618 acessos de plantas da ARS.


Cooperação Científica

  • Labex Estados Unidos

  • Publicações 27 artigos científicos em revistas especializadas,77 resumos em congressos,9 capítulos de livros,

  • Colaborações em P&D13 cientistas brasileiros colaboraram para o Programa Labex/EUA,

  • Ações de suporte em P&D 23 cientistas norte-americanos participaram de eventos no Brasil,26 cientistas brasileiros participaram de eventos nos EUA,55 notícias jornalísticas, 48 projetos em execução com o envolvimento do Labex-EUA.


Cooperação Científica

  • International Agricultural Research Centers / CGIAR

  • Desenvolvimento conjunto de projetos de pesquisa e treinamento

  • Introdução de germoplasma de espécies importantes para o agronegócio brasileiro

  • Exemplos:

  • Culturas forrageiras (Brachiaria e Panicum): melhoramento da pecuária

  • nacional

  • Frutas, arroz, feijão, milho, trigo: melhoria em termos de maior variabilidade


Cooperação Técnica

ABC

Embrapa

Países

  • Quatro maiores instrumentos:

  • Pequenos projetos

  • Treinamento via Embrapa Estudos e Capacitação

  • “Innovation Marketplace” (Africa, Americas)

  • Projetos Estruturantes



Exemplo de Projeto Estruturante / ABC

ProSavanas - Moçambique

Porque o Corredor de Nacala?

Brasil

Moçambique

13º S

Lichinga

Corredor de Nacala

Nampula

17º S

  • Biomas similares

  • Desafios similares

  • Oportunidades de negócios

  • Uma visão comum para o futuro

  • Oportunidades em comum de aprendizagem


Negócios

  • Venda de produtos e sementes

  • Licenciamento para a produção de sementes

  • Licenciamento para a utilização de tecnologias

  • Suporte para empresas brasileiras no exteriorEx.: Case Venezuela



A criação do centro de pesquisa

  • Programa de Aceleração do Crescimento

  • PAC Embrapa 2009-2010 – revitalização

  • e modernização da Embrapa:

    • criação de Unidades da Embrapa nos estados do MT, TO e MA

  • Plano Plurianual - PPA 2008-2011 – Ação 117A

    • prevê a construção e implantação de centros de pesquisa da Embrapa


A escolha do Tocantins

Fonte: Adalberto Tokarski - ADECON


Criada em 12 de agosto de 2009 com a missão de:

“Viabilizar soluções por meio de pesquisa, desenvolvimento e inovação, soluções para a sustentabilidade de cadeias produtivas da pesca, aquicultura e sistemas agrícolas em benefício da sociedade” (a ser confirmada).


  • Equipe – total previsto de 90 empregados:

    • - 30 pesquisadores efetivos (30)

    • - 60 colaboradores de apoio à pesquisa (45)

  • Investimentos PAC Embrapa:

    • - R$ 12 milhões para instalação da Unidade no Tocantins


CONSÓRCIO BRASILEIRO DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA EM PESCA E AQUICULTURA (CBPA)

BRAÇO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICO DO MPA


Estrutura inteligente, eficiente e barata de Gestão de P&D e TT

MAPA

MD

MS

MCT

MPA

Fiocruz

FNS

CBPA

Embrapa

Ceplac

ITA

IME

CBPF, CTI,

INPE, LNA,

MAST, ON,

CETEM, IBICT,

CETENE, INSA,

MPEG, INPA,

LNCC, INT

Investimento

R$ 0,00


Modelo Geral de Gestão do CBPA e TT

Componente

Operacional

Componente

Tático

Componente Estratégico


Modelo Aplicado à Gestão de P&D e TT em Pesca e Aquicultura

Unidades

de

Inovação

Grupo

Temático

Conselho Gestor da Estratégia


Visão Organizacional do CBPA Aquicultura

  • Consórcio Brasileiro de P&D e TT em

  • Pesca e Aquicultura – Natureza Estratégica

    • Representante oficial das Consorciadas

Conselho Gestor da Estratégia

  • Grupo Temático em Pesca e Aquicultura

    • Pesquisadores e Técnicos da ATER e

    • demais “transferidores” de

    • reconhecida competência técnica no Tema.

GrupoTemático

  • Unidades de Inovação em Pesca e Aquicultura

    • Unidades Descentralizadas da Embrapa

    • Institutos Federais e Estaduais de Pesquisa

    • Empresas Estaduais de Pesquisa

    • Universidades Federais

    • Universidades Estaduais

    • Terceiro Setor

    • Setor Privado

Unidades Operacionais

de Inovação


Componente Estratégico Aquicultura

  • Consórcio Brasileiro de P&D e TT em Pesca e Aquicultura

  • – Natureza Estratégica

    • Representante oficial das Consorciadas: QUAIS CRITÉRIOS PARA ESCOLHA????

    • Nº de consorciadas, representatividade...?????

Conselho Gestor da Estratégia

  • Atribuições

    • Propor políticas e diretrizes estratégicas para a pesquisa, desenvolvimento e transferência de tecnologia em Pesca e Aquicultura;

    • Definir prioridades para compor uma programação nacional de Pesquisa e Desenvolvimento em Pesca e Aquicultura, consolidada em uma agenda de P&D em Pesca e Aquicultura;

    • Definir estratégias de captação e alocação de recursos para financiamento da programação;

    • Definir estratégias de integração institucional para financiamento e execução da programação de Pesquisa e Desenvolvimento em Pesca e Aquicultura; e

    • Propor políticas de capacitação de recursos humanos.

  • Composição

    • Presidência – Representante do Ministério da Pesca e Aquicultura

    • Secretaria Executiva – Chefe Geral da Embrapa Pesca e Aquicultura

    • 1 (um) representante de cada uma das consorciadas



Componente Tático Aquicultura

  • Atribuições

    • Alinhar a programação às prioridades sistematizadas na agenda consolidada no componente estratégico;

    • Identificar prioridades ainda não efetivadas na programação e propor formas e meios para sua contemplação;

    • Acompanhar e avaliar a programação sistematicamente quanto a qualidade e respectivos resultados ;

    • Identificar oportunidades de financiamento da programação, sugerir projetos e divulgar entre as Unidades Operacionais;

    • Identificar competências , bem como promover sua integração visando complementaridade de equipes;

  • Grupo Temático em Pesca e Aquicultura

    • Pesquisadores e “Transferidores” de

    • reconhecida competência

    • técnica no Tema.

Grupo Temático

  • Composição

    • Coordenador – 1 (um) Pesquisador da Embrapa Pesca e Aquicultura

    • Coordenador suplente - 1 (um) Pesquisador do SNPA ou Academia ou ATER

    • (quatorze) pesquisadores e profissionais de transferência de tecnologia de reconhecida competência pelos pares, com origem na Embrapa, OEPA’s e Universidades Federais e Estaduais (máximo 1/3 de profissionais de TT).


Componente Operacional Aquicultura

  • Unidades de Inovação em Pesca e Aquicultura

    • Unidades Descentralizadas da Embrapa

    • Empresas Estaduais de Pesquisa

    • Universidades Federais

    • Universidades Estaduais

    • Setor Privado

    • Terceiro Setor e Setor Privado

Unidades Operacionais

de Inovação

  • Atribuições

    • Elaborar e executar a programação de forma integrada e alinhada às prioridades definidas para o tema;

    • Disponibilizar competências e estrutura física (laboratórios e campos experimentais) para execução da programação;

    • Submeter projetos às oportunidades de financiamento divulgadas pelo Grupo Temático e/ou outras oportunidades disponibilizadas;

    • Propor meios e estratégias para resolver os diferentes desafios colocados pelo tema;

  • Composição

    • Pesquisadores e profissionais de transferência de tecnologia


Componente Operacional Aquicultura

  • NENHUMA ORGANIZAÇÃO DETÉM TODAS AS COMPETÊNCIAS !!!

Unidades Operacionais

de Inovação

Os desafios são complexos e exigem composição de esforços, transdisciplinares e multiinstitucionais ...

... para gerar soluções para a sociedade...

Com a velocidade com que se desenvolve o mercado e a tecnologia, as instituições de P&D, e TT por si só, não têm condições de acompanhar esse desenvolvimento e manterem-se competitivas.


Perspectivas, Finalidades e Responsabilidades Aquicultura

Perspectiva do Mercado de Tecnologia

(Clientes)

Conselho Gestor da Estratégia

e Unidades Operacionais

Gestão Estratégica e

Transferência de Tecnologia –

Demandas e Adoção

EMBRAPA – SEG

MPA, MCT – Fundos, CNPq, FINEP, BNDES, Fundações Estaduais de Apoio a P&D, Setor Privado, ONG’s

Financiamento da Programação

Perspectivas

Orçamentárias/

Financeiras

Conselho Gestor da Estratégia Grupo Temático*

Instituições de Financiamento**

Unidades Operacionais da Programação e Pesquisadores

Gestão estratégica

Perspectivas

de Governança da

Plataforma

Gestão tática

Gestão Operacional

*O objetivo maior do Grupo Temático é avaliar sistematicamente a programação da diferentes instituições executoras, alinhadas às prioridades definidas, e indicar ao conselho gestor da estratégia e às instituições financiadoras a necessidade de induzir projetos que ainda não estejam contemplados na programação.

** IMPORTANTE - Diretrizes específicas para execução da programação são estabelecidas pelos modelos de fomento das instituições gestoras dos recursos disponibilizados. Quem financia, avalia, aprova, acompanha e faz a avaliação dos resultados. A executora faz a avaliação do acompanhamento e dos resultados dos projetos ou componentes de projetos sob sua responsabilidade.


Gestão da Inovação na Embrapa/CNPASA Aquicultura

O ciclo da gestão da inovação na Embrapa pressupõe a captação sistemática de informações sobre riscos, oportunidades e desafios para a Pesca e Aquicultura, por meio da análise de cenários futuros e da relação da Unidade com a sociedade e o mercado de tecnologias, para definição dos planos estratégicos e condução de projetos que levem à geração de produtos, processos, serviços e informações condizentes com as necessidades do país.


Ciclo de Gestão da Inovação na Embrapa/CNPASA Aquicultura

Estratégia Corporativa Outras Instituições

Agenda Estratégica proveniente da Plataforma de P&D em Pesca e Aquicultura

Futuro

Estratégia Corporativa Embrapa PDE

Sociedade

Mercado de Tecnologias

Plano Diretor da Unidade PDU

Macroprocesso

Gestão Global da Unidade

Macroprocesso de

Comunicação e Negócios

Macrorprocesso de

Gestão de P&D

Produtos, Processos, Serviços e Informações

Outras UDs

Parcerias Institucionais

Colaboradores

Macroprocesso

Administração


Grato pela Atenção Aquicultura

Embrapa Pesca e Aquicultura

[email protected]


ad