Estabelecimento de pastagens
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 39

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PowerPoint PPT Presentation


  • 55 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS. 1 – SITUAÇÕES PARA FORMAÇÃO DE PASTAGENS. Áreas novas – Áreas desmatadas ou limpeza de áreas sujas. Áreas de culturas ou rotação culturas = Integração lavoura - pecuária Substituição de espécies – Novas necessidades da produção animal

Download Presentation

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Estabelecimento de pastagens

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS


1 situa es para forma o de pastagens

1 – SITUAÇÕES PARA FORMAÇÃO DE PASTAGENS

  • Áreas novas – Áreas desmatadas ou limpeza de áreas sujas.

  • Áreas de culturas ou rotação culturas = Integração lavoura - pecuária

  • Substituição de espécies – Novas necessidades da produção animal

  • Recuperação de áreas degradadas


2 caracteriza o do sistema de produ o e do ambiente

2 – CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO E DO AMBIENTE

  • Objetivos da propriedade: Abate aos 2 anos, produção de bezerros, produção de leite (15 L/vaca/dia);

  • Produtor: Capacidade administrativa e investimentos;

  • Outros: Manejo, mão-de-obra disponível, remuneração da atividade;


2 caracteriza o do sistema de produ o e do ambiente1

2 – CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO E DO AMBIENTE

  • Verificar as condições do ambiente:– clima (distribuição de chuvas, temperatura,...);– solo.

  • Resultados das análises destas informações = Escolha da espécie e/ou cultivar (Marandu, Mombaça, Tifton 85).Ex: Brachiaria brizantha cv. Marandu


3 an lise de solo antes do preparo

3 – ANÁLISE DE SOLO (Antes do Preparo)

  • Coleta de amostra (Amostragem);

  • Nº amostras: ...

  • Profundidade: normalmente 0 - 20 cm;

  • Análises: Macronutrientes e/ou micronutrientes e/ou granulometria.


4 aspectos importantes no estabelecimento de pastagens

4 – ASPECTOS IMPORTANTES NO ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS

  • Análise de solo;

  • Definição da espécie forrageira (objetivos e características);

  • População de plantas;

  • Época de semeadura;


4 aspectos importantes no estabelecimento de pastagens1

4 – ASPECTOS IMPORTANTES NO ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS

  • Aplicação de calcário / gesso (Ca, S);

  • Incorporação calcário (aração, gradagem pesada ou leve);


4 aspectos importantes no estabelecimento de pastagens2

4 – ASPECTOS IMPORTANTES NO ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS

  • Controle de plantas daninhas (antes/depois da semeadura);

  • Adubação: P2O5, N, K2O, S, micronutrientes (lanço ou linha);


4 aspectos importantes no estabelecimento de pastagens3

4 – ASPECTOS IMPORTANTES NO ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS

  • Semeadura:– Semeadora em linhas;– Lanço – tipo vicon;

  • Incorporação: Gradeação leve ou rolo compactador


Sistemas de cultivo

SISTEMAS DE CULTIVO

  • Sistema de cultivo convencional: uma aração e gradagens, após semeadura a lanço seguido de um rolo compactador ou gradagem;

  • Sistema de cultivo direto: semeadura direta por meio de uma semeadora sem sulcador apenas com disco de corte;

  • Sistema de cultivo mínimo: por meio de uma gradagem ou escarificação, após semeadura a lanço seguido de um rolo compactador.


5 preparo do solo

5 – PREPARO DO SOLO

  • Objetivos, implementos e uso:– Controle de plantas daninhas;– Romper camadas de impedimento (compactadas); – Produzir uma camada de solo revolvido e fina (contato íntimo da semente com o solo e a água disponível);– Plantio direto;– Conservação do solo.


5 preparo do solo1

5 – PREPARO DO SOLO

  • Época de preparo– Condições da área– Capacidade operacional ou disponibilidade de máquinas


5 preparo do solo2

5 – PREPARO DO SOLO

  • Implementos– Arado de discos– Grade pesada ou aradora(melhor rendimento)


5 preparo do solo3

5 – PREPARO DO SOLO

  • Implementos– Escarificador (pé-de-pato)


5 preparo do solo4

5 – PREPARO DO SOLO

  • Implementos– Grade leve ou niveladora

  • Deficiência de preparo: terreno muito irregular, variação da profundidade das sementes.

  • Excesso de preparo: compactação e erosão mais fácil.


6 poca de semeadura

6 – ÉPOCA DE SEMEADURA

  • Espécies de estação fria- Depende das condições de ambiente (temperatura e umidade);- Exemplo: Região Sul (março a maio);- Exemplo: SP, MS (abril a maio).


6 poca de semeadura1

6 – ÉPOCA DE SEMEADURA

  • Espécies perenes de estação quente (Brachiaria brizantha, Mombaça, ...) – Normalmente no início do período das águas (outubro a dezembro);– Ver área e condições operacionais;– Com Irrigação período mais flexível.


6 poca de semeadura2

6 – ÉPOCA DE SEMEADURA

  • Espécies anuais de estação quente- Utilizadas na estação quente e em outras épocas na integração lavoura- pecuária.– Milheto– Sorgo


7 densidade de semeadura

7 – DENSIDADE DE SEMEADURA

  • Espécies perenes de estação quente

    Fontes (Detomini & Douraddo Neto, 2004 ).


C lculo da densidade

CÁLCULO DA DENSIDADE

Mede-se a qualidade da semente pelo seu valor cultural (% VC):

VC (%) = % pureza x germinação

100

Quantidade de sementes por ha:

Brachiarias (decumbens, humidícoloa, ruziziensis, brizanta e dictyoneura)

kg de sementes/ha = 380

VC

Ex: VC de Brachiaria brizanta = 32%

Kg de sementes/há = 380 = 11,9 kg de sementes/ha

32


7 densidade de semeadura1

7 – DENSIDADE DE SEMEADURA

  • Espécies perenes de estação quente

    Fontes (Detomini & Douraddo Neto, 2004 ).


7 densidade de semeadura2

7 – DENSIDADE DE SEMEADURA

  • Espécies perenes de estação quenteFontes (Detomini & Douraddo Neto, 2004 ).


Cuidados especiais com as sementes

CUIDADOS ESPECIAIS COM AS SEMENTES

  • TRANSPORTE: proteger da umidade e do calor excessivo;

  • ARMAZENAMENTO: deve ser feito em local seco, fresco e ventilado, sobre estrados de madeira e afastado das paredes, a fim de não absorver umidade do piso e paredes. Cuidado com roedores.


7 densidade de semeadura3

7 – DENSIDADE DE SEMEADURA

  • Fatores para a Brachiaria sp (Matsuda) em função das condições e tipo de semeadura.Densidade (kg/ha) = Fator (pontos) / VC


Semeadura

SEMEADURA

  • Momento ideal para o plantio: após normalização da estação das chuvas, com temperaturas mais altas;

  • Verificar com antecedência se as máquinas que serão utilizadas no plantio estão em boas condições, a fim de evitar desperdício de sementes;

  • Nunca misturar as sementes com adubos nitrogenados e potássicos, pois poderão prejudicar o embrião;

  • IMPORTANTE: A profundidade recomendada para o plantio é de aproximadamente 5 vezes o diâmetro da semente. Normalmente de 1 a 2 cm de profundidade.


Semeadura1

SEMEADURA

  • Para incorporação das sementes, após a semeadura a lanço, deve-se passar o rolo compactador ou grade niveladora fechada, variando conforme o solo;

  • Na semeadura aérea, que é um plantio de risco, recomenda-se aumento de 50 a 80% a quantidade de sementes.


Fatores que podem comprometer o plantio

FATORES QUE PODEM COMPROMETER O PLANTIO

  • Semeadura em profundidade maior que a recomendada;

  • Enterrio superficial, não permitindo a incorporação das sementes;

  • Plantio em solo com alta umidade, seguido de longo período de sol;

  • Ataques de insetos (lagartas, gafanhotos, cupins e formigas);

  • Ataques de aves e roedores;

  • Fazer o teste de germinação para testar e comprovar a qualidade das sementes.


Plantio de mudas ex tifton 85

Plantio de Mudas (Ex. Tifton 85)

  • Preparo do solo, calagem, adubação de formação;

  • Viveiro de mudas: 1 ha para 20 ha formados;

  • Época: outubro a fevereiro (sequeiro);

  • Abrir sulcos ou covas;

  • Espaçamento:- Entrelinhas: 0,5 a 1 m;- Entre plantas: 0,5 m.

  • Tempo para formação: 90 a 120 dias.


Controle de plantas invasoras

Controle de plantas invasoras

  • O controle das plantas daninhas através de herbicidas tem-se mostrado muito eficiente com uma relação de custo/benefício bastante favorável;

  • Em pastagens recém-implantadas ou reformadas, a aplicação do herbicida deve ser realizada cerca de 30 a 45 dias após a semeadura. Nessa aplicação, utiliza-se de uma baixa dosagem de herbicida (Ex. 2,4-D: Em torno de 1,5 a 2,0 litros/ha), o que se torna altamente vantajoso;

  • Produtos: 2,4-D, Tordon e outros.


Utiliza o da pastagem

Utilização da pastagem

  • A utilização da pastagem (pastejo), se a formação estiver adequada, ocorre após 90-120 dias da semeadura ou plantio;

  • Caso a forrageira não cubra o solo, deve-se deixar sementear para posterior pastejo. O primeiro pastejo deve ser feito com poucos animais e serem leves;

  • Adubação de cobertura.


Colabora o e agradecimentos

Colaboração e Agradecimentos

  • FERNANDO SALVADOR PARRA

  • JOÃO RICARDO RONCHESEL

  • JÚLIO CESAR MACHADO

  • MICHELE PORTO PIRES


Cultivo associado de arroz e pastagens

Cultivo associado de arroz e pastagens

  • Integração lavoura-pecuária (reforma da pastagem e produção simultânea de grãos);

  • Realizar o preparo do solo de preferência com aração e 20 a 30 dias após a emergência da cultura, plantar o capim nas entrelinhas do arroz.


Cultivo associado de arroz e pastagens1

Cultivo associado de arroz e pastagens

  • Alguns cuidados devem ser tomados pelo produtor durante o plantio do capim:

  • Evitar plantios muito tardios do capim. O plantio entre 20 a 30 dias após a emergência do arroz tem mostrado resultados promissores no campo. O trânsito de máquinas na lavoura após esse período pode causar danos mecânicos as plantas;

  • Não realizar a semeadura do capim com solo muito úmido. Em determinadas condições e tipos de solo, o trânsito de máquinas danifica a lavoura.


Cultivo associado de arroz e pastagens2

Cultivo associado de arroz e pastagens

A

B

  • Cinco dias após a colheita do arroz (A). Com a ausência da competição por luz (arroz-pasto), o capim passa a emitir novas folhas e aumentar sua massa verde. Quinze dias após a colheita (B). Capacidade de enfrentar a seca e reduzir custos com suplementação do rebanho.


  • Login