Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 45

DERMATOSCOPIA DE LESÕES pigmentadas NÃO MELANOCITICAS PowerPoint PPT Presentation


  • 609 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

DERMATOSCOPIA DE LESÕES pigmentadas NÃO MELANOCITICAS. ADRIANA LLAMAS AYALA. Lesões pigmentadas não melanociticas. CBC (pigmentado) Ceratoses seborréicas Lesões vasculares Dermatofibroma Os componentes estruturais típicos das lesões melanocíticas estão ausentes: rede pigmentada

Download Presentation

DERMATOSCOPIA DE LESÕES pigmentadas NÃO MELANOCITICAS

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

DERMATOSCOPIA DE LESÕESpigmentadas NÃOMELANOCITICAS

ADRIANA LLAMAS AYALA


Les es pigmentadas n o melanociticas

Lesões pigmentadas não melanociticas

CBC (pigmentado)

Ceratosesseborréicas

Lesões vasculares

Dermatofibroma

  • Os componentes estruturais típicos das lesões melanocíticas estão ausentes: rede pigmentada

    glóbulos agregados

    estrias

  • Seu diagnóstico individual esta baseado em:

    - Ausência dos componentes característicos das l. melanociticas

    - Detecção de critérios essenciais para diagnostico especifico

Clinicamente podem simular uma lesão melanocítica


Carcinoma basocelular

CARCINOMA BASOCELULAR

  • Neoplasia cutânea maligna mais freqüente

  • Fatores de risco: pele clara, historia de exposição solar prolongada, radioterapia, uso de arsênico, cicatrizes...

  • Crescimento lento, pode levar a destruição intensa do tecido subjacente

  • Varias formas clinicas, sendo as mais comuns:

    Nodular ulcerado: mais freqüente

    Morfeiforme: placa plana, endurada, bordas mal definidas

    Superficial: mais freqüente no tronco

    Fibroepitelioma: lesão nodular pedunculada

    Pigmentado: pigmentação acastanhada ou enegrecida por hiperplasia de melanócitos. Dx dif com melanoma.


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

HISTOPATOLOGIA: Ninhos de células basalóides que se dispõem na periferia conformando uma paliçada

DERMATOSCOPIA DO CBC

Dois padrões vasculares:

  • Presença de finos vasos ramificados de diâmetros iguais.

  • Presença de vasos mais calibrosos, de diâmetros variados e ramificados


Vasos arboriformes

VASOS ARBORIFORMES

Vasos vermelho brilhantes, de grande diâmetro (≥ 0,2mm) que se ramifica em capilares terminais finos


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

DERMATOSCOPIADOCBCPIGMENTADO

  • Geralmente apresenta um padrão global multicomponentes, globular ou inespecífico

  • Seu achado mais característico:

    presença de ninhos ovóides que tendem a crescer em direção à pele normal formando estruturas semelhantes ao formato dos dedos das mãos ou da folha do bordo (mapleleaf): “estrutura em folha”

  • Eventualmente: presença de pontos/glóbulos azul-acinzentados irregulares


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

Menzieset al. (2000) definiram um modelo diagnostico para CBC pigmentado (S:93% e E:89-92%).

CARACTERISTICA NEGATIVA

Rede pigmentar não deve estar presente na lesão

CARACTERISTICAS POSITIVAS: 1 ou mais das seguintes

  • Áreas em “raio de roda”

  • Grandes ninhos ovóides azul acinzentados

  • Múltiplos glóbulos azul-acinzentados

  • Áreas “em folhas de bordo”

  • Teleangiectasias arboriformes

  • Ulceração


Raio de roda

RAIO DE RODA

DESCRIPCAO: projeções radiais bem delimitadas, castanhas ou azul-acinzentadas com eixo central mais pigmentado

HISTOPATOLOGIA: crescimento radial de ninhos de células basalóides pigmentadas


Ninhos ovoides azul acinzentados

NINHOS OVOIDES AZUL-ACINZENTADOS

DESCRIPCÃO: áreas pigmentadas maiores que os glóbulos. Alongadas ou ovóides, bem delimitadas; não estão conectadas intimamente ao corpo tumoral

HISTOPATOLOGIA: agregados de células basalóides na derme superficial


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

MULTIPLOS GLOBULOS AZUL ACINZENTADOS: podem estar dispersos dentro do corpo tumoral.


Areas em folha cbc

AREAS EM FOLHA CBC

DESCRIPCAO: extensões bulbosas acastanhadas ou azul-acinzentadas que assume aspecto de folha ou de dedo de luva.

HISTOPATOLOGIA: agregados de células basaloides na derme papilar.


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

CBC

TELEANGIECTASIAS

E

ULCERACAO


Caso clinico

Caso clinico

Paciente de 45 anos, com lesão pigmentada de 4 anos de evolução, com aumento de tamanho nos últimos 6 meses

Teleangiectasias, múltiplos glóbulos azul acinzentados, ninhos ovóides e áreas em folhas


Caso clinico1

Caso clinico

Paciente de 76 anos com lesão nodular, pigmentada no couro cabeludo

Ninhos ovóides azulados e teleangiectasias


Ceratose seborr ica

CERATOSE SEBORRÉICA

  • Neoplasia epidérmica benigna, mais freqüente no tronco e na face

  • Geralmente surge após a 4° década da vida

  • Clinica: lesão bem delimitada, coloração amarelo-amarronzada-enegrecida.

  • Podem ser únicas ou mais freqüente múltiplas, de alguns mm a alguns cm

  • Inicialmente são planas de limites bem definidos, e quando evoluem se sobre-elevam e se tornam verrucosas.

  • Alguns autores consideram CS plana = lentigo solar

  • Quando traumatizadas podem inflamar com surgimento de crostas.


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

HISTOPATOLOGIA:

Lesões epidérmicas compostas por pequenas células basalóides, pigmentadas ou não, com um excesso na produção de queratina que tende a formar cistos córneos que não alcançam a superfície cutânea (pseudocistos) ou que si alcançam e se comunicam com ela (pseudoaberturas foliculares)

DERMATOSCOPIA

Os 2 critérios típicos e característicos das CS são:

1. Pseudo aberturas foliculares:

2. Pseudocistos córneos.


Histopatologia cs acant tica

HISTOPATOLOGIA: csacantótica


Criterios para cs cl ssica

CRITERIOS PARA CS CLÁSSICA

PSEUDOCISTOS


Pseudoaberturas foliculares

PSEUDOABERTURAS FOLICULARES

Descrição: estruturas de cor amarelo, marrom claro, marrom escuro ou preto, arredondadas, pequenas que apresentam o aspecto típico de poro ou comedão.

HISTOPATOLOGIA: acúmulos de ceratina intrepidérmica que alcançam a superfície cutânea.


Fissuras e criptas giros e sulcos

FISSURAS E CRIPTAS (giros e sulcos)

Têm aspecto característico que assemelha a superfície do cérebro


Padr o vascular

PADRão VASCULAR

Estruturas vasculares delicadas superficiais e bem demarcadas em forma de grampo de cabelo


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

Vasos em grampo


Criterios para cs plana lentigo solar

CRITERIOS PARA CS PLANA (LENTIGO SOLAR)

ESTRUTURAS COM ASPECTO DE IMPRESSO DIGITAL

Estruturas cor marrom, constituídas por linhas finas em forma paralela (similar a uma impressão digital)

Observadas geralmente na periferia da lesão


Ro do de tra a

Roído de traça

Borda côncava da lesão que simula uma mordedura de traça.


Sinal da gel ia

Sinal da geléia

Coloração marrom clara ou amarelada que simula uma camada muito fina de geléia que se secou sobre a superfície cutânea.


Caso clinico2

CASO CLINICO

Paciente masculino de 78 anos com historia de lesão pigmentado no dorso há 1 ano

Psuedocistos e pesudoaberturas foliculares


Caso clinico3

Caso clinico

Paciente feminina de 62 anos com lesão pigmentada localizada na região malar


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

Paciente feminina de 50 anos que consulta por lesão pigmentada e pruriginosa no dorso


Les es vasculares

Lesões vasculares

HEMANGIOMAS

Apresentam padrão lagunar característico: áreas arredondadas ou ovais, bem delimitadas de coloração vermelha, vermelho-azulada ou vermelho enegrecida (lagos).

  • Geralmente são múltiplas, podem estar juntas ou dispersas e situadas sobre uma pigmentação vermelho azulada.

  • Tonalidade mais enegrecida: presença de trombose nos vasos.

  • Na superfície das lesões podem ser observadas crostas hemáticas (de limites bem demarcados a diferencia dos glóbulos).


Dermatoscopia

dermatoscopia

  • Ausência de estruturas pigmentadas (rede pigmentada, glóbulos, estrias)

  • Lagunas bem delimitadas sobre um fundo de pigmentação azul-avermelhada

  • Despigmentação cicatricial (ao redor dos espaços vasculares, delimitando as estruturas dos lagos)


Caso clinico4

Caso clinico


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

ANGIOCERATOMAS

Dos 5 tipos descritos (de Fabry, de Mibeli, de fordyce, circunscrito e solitário), só o tipo solitário tem interes dermatoscópico por apresentar diagnostico diferencial com melanoma.

Clinica: pápula de coloração vermelho-azulada ou enegrecida, superfície ceratósica, localizada mais freqüentemente nos membros inferiores.

São assintomáticos, mas podem apresentar sangramento e crostas se sofrer traumatismo ou desenvolvem trombose.


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

Dermatoscopia

  • Ausência de estruturas pigmentadas (rede pigmentada, glóbulos e estrias)

  • As lagunas estão menos limitadas que nos hemangiomas

  • Coloração branco-amarelada por acantose e hiperceratose

  • Periferia translúcida em forma de geléia.


Angioceratoma

ANGIOCERATOMA


Angioceratoma1

angioceratoma

Trombose

Laguna enegrecida

Laguna vermelha

Véu esbranquiçado


Dermatofibroma

dermatofibroma

  • Neoplasia cutânea benigna de etiologia desconhecida, encontrada mais freqüentemente nos membros

  • Clinica: pápula, placa ou nódulo, de alguns mm, coloração variável do amarelo ao marrom-enegrecido, endurecida e quando palpado apresenta uma leve depressão central “sinal da covinha”

  • Diagnostico diferencial: DFSP, nevos e melanoma


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

DERMATOSCOPIA

  • Padrão global geralmente é inespecífico

  • Achado mais característico: presença de uma placa branca central circundada por rede pigmentada fina periférica

  • Eventualmente pontos/glóbulos acastanhados podem ser vistos na sua parte central.

  • Outro achado: halo avermelhado periférico, provavelmente secundário a traumatismo local

  • Representa uma exceção ao algoritmo melanocítico de Stolz .


Dermatofibroma1

DERMATOFIBROMA

DESCRIPCAO: placa branca central circundada por rede pigmentada fina periférica

HISTOPATOLOGIA: proliferação fibrohistiocitaria do dermatofibroma, subjacente à epiderme acantósica e pigmentada


Abordagem dermatoscopica das lesoes pigmentadas

ABORDAGEM DERMATOSCOPICA DAS LESOES PIGMENTADAS

Lesão pigmentada

1° passo

  • Lesão melanocítica:

  • Rede pigmentar

  • Glóbulos agregados

  • Estrias ramificadas

  • Padrão paralelo

  • Áreas azul homogêneas

Lesão não-melanocítica

C. seborréica, CBC, lesão vascular, dermatofibroma

2° passo

Métodos analíticos

Benigna

Suspeita

Alt. suspeita


Em resumo

Em resumo....

Critérios de lesões pigmentadas não-melanociticas

  • 2. CBC

  • Vascularização arboriforme

  • Estruturas em folha

  • Raio de roda

  • Ulceração

  • Ninhos ovóides azul acinzentados

  • Múltiplos glóbulos azul-acinzentados

  • 1.CERATOSE SEBORRÉICA

  • Pseudocistos córneos

  • Pseudoaberturas foliculares

  • Padrão cerebriforme

  • Estruturas em

  • formato de impressão digital

  • 3. LESÃO VASCULAR

  • Lagunas vermelho-azuladas

  • Áreas homogêneas vermelho-azuladas

  • 4. DERMATOFIBROMA

  • Placa central esbranquiçada

  • Rede fina periférica

Lesão não classificada ou inespecífica = lesão melanocítica


Dermatoscopia de les es pigmentadas n o melanociticas

1

2

3

4


Bibliografia

bibliografia

  • Cabo H, Argenziano G, Carlos B et al. Dermatoscopia. Buenos Aires: EdicionesJournal, 2008.

  • Stolz W, Braun-Falco O, Bilek P et al. Atlas colorido de dermatoscopia 2° ed. 2002

  • Gargantini RG, Costa B, Izar R. Atlas de dermatoscopia aplicada. São Paulo: livraria e editora Martiani, 2010.

  • Martins C, Barcaui C, Piñeiro-Maceira J. Dermatoscopia: aplicação clínica e correlação histopatológica. São Paulo: editora Atheneu, 2004.

  • Menzies S, Westerhoff K, Rabinivitz H, et al. Surfacemicroscopyofpigmented basal cell carcinoma. ArchDermatol 2000; 136: p 1012-6

  • www.dermoscopyatlas.com

  • www.dermoscopic.blogspot.com

  • www.dermoscopy.org


  • Login