F bula das m os
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 11

Fábula das Mãos PowerPoint PPT Presentation


  • 176 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Fábula das Mãos. Fábula das Mãos. Quando nascem nossos filhos, as mãos são como berços em cuja concha abrigamos a fragilidade deles, como fossem cristais prestes a se romper. Fábula das Mãos.

Download Presentation

Fábula das Mãos

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


F bula das m os

Fábula das Mãos


F bula das m os1

Fábula das Mãos

  • Quando nascem nossos filhos, as mãos são como berços em cuja concha abrigamos a fragilidade deles, como fossem cristais prestes a se romper.


F bula das m os2

Fábula das Mãos

  • As mãos protegem, guardam aquele ser inaugural, desprotegido depende do calor de mãos para que nada, absolutamente nada, impeça-lhes o sono pulsando na respiração macia.


F bula das m os3

Fábula das Mãos

  • E ficamos em paz com o corpo de nosso filho protegido do mundo, na concha infinita de nosso infinito amor, como um milagre que respira.


F bula das m os4

Fábula das Mãos

  • Mas o tempo nos ensina que as mãos agora protegem longe do toque. Não serão mais as mãos em concha, porém as mãos em torno de um vazio, geografia inconcreta, em que se movem nossos filhos.


F bula das m os5

Fábula das Mãos

  • Eles se arriscam fora ninho, saem para o mundo, tentam caminhar e certamente experimentam a queda que nossas mãos não podem impedir, mas podem proteger no vazio do espaço por onde eles vacilam.


F bula das m os6

Fábula das Mãos

  • Podem evitar a queda, a dor, o susto, mas não podem impedir que o caminho suceda ao caminhar. E eles carecem de vacilar, precisam tentar, precisam cair.


F bula das m os7

Fábula das Mãos

  • E quando nossos corações disparam de ansiedade, nossas mãos desenham o vazio, sem tocar-lhes o corpo, mas antecipando os passos do provável sempre chegar para que eles possam ser. Sim, ser é ousar.


F bula das m os8

Fábula das Mãos

  • Nestes momentos, nossas mãos não podem ser mais a concha protetora de nosso amor, mas a suave muralha de nossos cuidados. E ficamos imaginando como seria bom se o mundo fosse feito de algodão.


F bula das m os9

Fábula das Mãos

  • É quando os corpos existem sem a concha de nosso afeto, sem a muralha de nosso cuidado, mas ao lado de outros corpos, cheios de vida, de energia, experimentando o vôo livre de todos os riscos.


F bula das m os10

Fábula das Mãos

  • Ficamos com nossas mãos, entrelaçadas, torcendo e rezando, para que Deus proteja com Suas mãos absolutas os passos arriscados de nossos adolescentes.

  • E assim a vida se cumpre na palma de nossas mãos.

  • CARLOS SEPÚLVEDA


  • Login