Monitoria de imagenologia
Download
1 / 29

MONITORIA DE IMAGENOLOGIA - PowerPoint PPT Presentation


  • 156 Views
  • Uploaded on

MONITORIA DE IMAGENOLOGIA. Introdução à Imagenologia e princípios da formação da imagem. Monitora: Sara F. Lucas. IMAGENOLOGIA. Wilhelm Konrad Roentgen. IMAGENOLOGIA. Raios X * Radiologia convencional * Exames contrastados * Mamografia Ultra-sonografia * Geral

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' MONITORIA DE IMAGENOLOGIA' - star


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Monitoria de imagenologia

MONITORIA DE IMAGENOLOGIA

Introdução à Imagenologia e princípios da formação da imagem

Monitora: Sara F. Lucas


Imagenologia
IMAGENOLOGIA

  • Wilhelm Konrad Roentgen


Imagenologia1
IMAGENOLOGIA

  • Raios X

    * Radiologia convencional

    * Exames contrastados

    * Mamografia

  • Ultra-sonografia

    * Geral

    * Color-doppler

    * Ecocardiograma

  • Tomografia Computadorizada

  • Ressonância Magnética

  • Medicina Nuclear

  • Radiologia Intervencionista


Radia o ionizante
Radiação Ionizante

  • Raio X

    É uma radiação eletromagnética capaz de causar ionização devido ao seu alto conteúdo de energia. No tecido humano esta ionização pode causar dano ao DNA e às células, mas também pode penetrar no corpo e permitir a visualização não invasiva da anatomia interna.

  • Radiologia convencional

  • Exames contrastados

  • Mamografia

  • Tomografia Computadorizada


Princ pio da forma o de imagens
Princípio da formação de imagens

  • Ampola de raio xPaciente Filme

  • Hipotransparente X Hipertransparente

  • Os tecidos do corpo tem densidades diferentes e, por isso, formam imagens diferentes.


Exames contrastados
Exames Contrastados

  • Utilização de meios de contrastes para visibilização de estruturas internas

SEED

Urografia Excretora


Mamografia
MAMOGRAFIA

  • Uso de raios-x para detecção do câncer de mama


Ultra sonografia
ULTRA-SONOGRAFIA

  • Usa ondas sonoras de alta freqüência, além da audição humana, para visibilizar estruturas do organismo

  • Princípio da formação da imagem:

    Transdutor onda sonora órgão eco Transdutor

  • Color-doppler:

    Avaliação da vascularização e do fluxo sanguíneo

  • Ecocardiograma:

    USG do coração

  • Imagens:

    -hiperecóicas(brancas)

    -hipoecóicas (escuras)


Doppler de veia porta

Cálculos biliares


Tomografia computadorizada
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

  • Utiliza radiação ionizante

  • Princípio semelhante ao da radiologia convencional

  • Densidade ( Escala de Hounsfield)

  • Tomógrafos: axial, helicoidal e multislice

  • Formação de imagens:

    Tubo Rx Corpo Detectores Equações Imagem

  • Pode ser feita com contraste venoso iodado


TC de abdome

Angiotomografia


Esquerdo

Direito

Metais

Osso

400

Partes Moles

Água

Gordura

Ar


Resson ncia magn tica
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

  • Utiliza campo magnético e pulsos de radiofreqüência

  • Princípio da formação de imagens:

    Campo magnético Paciente Pulso Bobina


Resson ncia magn tica1
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

  • Indicação:

    * Músculo-esquelético

    * Neurologia

    * Abdome

    * Angio-RM

    * Colangio-RM

    * Difusão/Perfusão

    * Espectroscopia


Medicina nuclear
MEDICINA NUCLEAR

  • Fornece dados funcionais dos órgãos estudados

  • Raios gama são originados de medicação radioativa que é injetada no paciente. Esses raios gama são captados por uma gama-câmera e transformados em imagens

  • Tecnécio, iodo, tálio, gálio


Radiologia intervencionista
RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA

  • Utilização dos métodos de imagem para orientar procedimentos diagnósticos ou terapêuticos minimamente invasivos

Biópsias orientadas por USG, TC ou RM

Drenagem de coleções viscerais

Vias biliares

Vias urinárias

Vascular

Neurologia

Vertebroplastia

TIPS

Embolização


F sica das radia es
Física das Radiações

  • Raios-X: Radiologia convencional e TC

  • Produção de Raios-X


Fatores radiol gicos
FATORES RADIOLÓGICOS

1) Diferença de potencial (Kv)

- Emitida ao catodo. Importante na penetração do raio.

2) Intensidade de corrente (mA)

- Emitida ao anodo. Importante na resolução da imagem.

3) Tempo de exposiçãoà radiação

4) Distânciatubo-filme


Intera o da radia o com a mat ria
INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO COM A MATÉRIA

  • O elemento de + densidade fica sempre mais branco!

  • Fatores fundamentais na interação:

  • Efeito Fotoelétrico

  • Efeito Compton


Efeito fotoel trico

M

N

O

L

K

EFEITO FOTOELÉTRICO

  • Ajuda o médico pois determina a absorção do feixe de raio-x

  • Camada Z3 (K e L)

  • Quanto mais alto o Z3, maior será

    absorção dos R-x e mais “branco”

    ficará a imagem.

  • Ex.:

  • Osso:

    Z3= forte bloqueio dos fótons = IMAGEM BRANCA

    (não chegam ao filme)

  • Gordura:

    Z3= fraco bloqueio dos fótons= IMAGEM ESCURA

    (não chegam ao filme)


Efeito compton
EFEITO COMPTON

  • É nocivo e atrapalha o médico. Faz a imagem ficar borrada e por isso usamos artifícios para atenuá-lo (grade).

  • Os elétrons são translocados e espalhados, gerando radiação secundária e sem direção, borrando o filme. Independe do número atômico.

CHASSIS RADIOLÓGICO

COM GRADE ANTIDIFUSORA


Contraste
CONTRASTE

  • A aplicação de contraste no paciente faz com que aumente a densidade na cavidade e a imagem fique branca.

  • O contraste tem alto Z3 então aumenta o efeito fotoelétrico e a absorção, fazendo com que os fótons não cheguem ao filme.


Forma o da imagem
FORMAÇÃO DA IMAGEM

  • Quando os raios X se chocam contra o objeto, alguns atravessam e outros são absorvidos. Os raios que atravessam irão formar a imagem radiológica.

  • Colimador: limita a emissão de raios quando regulado.

LIMITADOR


Forma o da imagem1

chassis anterior

acolchoamento anterior

ecran anterior

filme

ecran posterior

acolchoamento posterior

chumbo

chassis posterior

FORMAÇÃO DA IMAGEM

  • ECRAN:

    São sais de terras raras (cristais de fósforo aglutinados) que geram luminescêcia com a interação de raio-x (brilham).

  • CHASSIS:

    No chassis posterior tem uma placa de chumbo que não deixa o raio-x passar para a parede e se dissipar pela sala, servindo para proteger o paciente e o técnico da radiação excessiva.


revestimento

emulsão

gelatina

  • Filmes:

    São registros duradouros compostos por gelatina, emulsão e revestimento.

  • Gelatina:

    Composta por haletos de prata (revelação rápida, segura, estável e duradoura).

  • Revelação de filme radiográfico:

    Revelador, fixador, lavagem e secagem


OBS.: O numerador fica sempre do lado direito do paciente e sempre do lado esquerdo do médico que observa!!!

Radiografia de tórax PA


Obrigada! sempre do lado esquerdo do médico que observa!!!

Sara F. Lucas


ad