A GESTÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO PLANEJAMENTO E GESTÃO SISTÊMICOS/INTEGRADOS
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 52

ATUAR: NAS CAUSAS E NAS CONSEQ ÜÊNCIAS PowerPoint PPT Presentation


  • 38 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

A GESTÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO PLANEJAMENTO E GESTÃO SISTÊMICOS/INTEGRADOS Busca: Sustentabilidade/Efetividade Paz – interna e externa. ATUAR: NAS CAUSAS E NAS CONSEQ ÜÊNCIAS. Qual é a relação com a Conferência Mundial sobre o Desenvolvimento de Cidades ?. 1º Tema Direito à Cidade

Download Presentation

ATUAR: NAS CAUSAS E NAS CONSEQ ÜÊNCIAS

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Atuar nas causas e nas conseq ncias

A GESTÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO PLANEJAMENTO E GESTÃO SISTÊMICOS/INTEGRADOSBusca: Sustentabilidade/EfetividadePaz – interna e externa

ATUAR:

NAS CAUSAS E

NAS CONSEQÜÊNCIAS


Qual a rela o com a confer ncia mundial sobre o desenvolvimento de cidades

Qual é a relação com a Conferência Mundial sobre o Desenvolvimento de Cidades ?

1º TemaDireito à Cidade

POLÍTICAS LOCAIS SOBRE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS CIDADÃOS

2º TemaGovernança e Democracia em Cidades

EXPERIÊNCIAS INOVADORAS DE GESTÃO E PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA


Atuar nas causas e nas conseq ncias

Devemos Verificar:

1-Qual é, normalmente, o foco das políticas locais e das experiências de gestão e participação = Ciclo dos Extremos

2-O que podemos fazer? =Ciclo do Equilíbrio


Resumo dos gr ficos que ser o apresentados

RESUMO DOS GRÁFICOS QUE SERÃO APRESENTADOS


Sustentabilidade em termos gerenciais efetividade

SUSTENTABILIDADE – em termosgerenciais - EFETIVIDADE

MINISTÉRIO PÚBLICO - FOCO – PRIORIDADES:

A - 2005-2006 – Entre outras:

Planejamento Familiar:

Fóruns – projetos nas comarcas

(Rio Grande – mortalidade infantil 2007 = 9,3 óbitos/1000 nascidos vivos)

B - 2007 – Posicionamento Estratégico

Mapa Estratégico – GEMP 2022


Atuar nas causas e nas conseq ncias

A GESTÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO PLANEJAMENTO E GESTÃO SISTÊMICOS/INTEGRADOSBusca: Sustentabilidade/EfetividadePaz – interna e externa

Atuar:

nas Causas e nas Conseqüências


Atuar nas causas e nas conseq ncias

Retomando, em um contexto mais amplo ...

Quais são as verdadeiras causas do crescente desrespeito à natureza e à dignidade da pessoa humana, própria e dos demais?


Atuar nas causas e nas conseq ncias

  • Parece que as causas são sistêmicas,

    ou seja,

  • Decorrem de RELAÇÕES interdependentes e inter-relacionadas entre diversos componentes do HABITAT.


Atuar nas causas e nas conseq ncias

  • Como remediá-las?

    PLANEJAMENTO E GESTÃO SISTÊMICOS/INTEGRADOS

    Que possibilitam a visão e a integração de recursos multidisciplinares, intersetoriais e transdisciplinares, cujo desempenho podem afetar, positiva ou negativamente, a sociedade como um todo.


Atuar nas causas e nas conseq ncias

RESUMO DO GRÁFICO QUE SERÁ APRESENTADO

O Objetivo do Gráfico Planejamento e Gestão Sistêmicos/Integrados é permitir o mapeamento e a integração que possibilitam ser atingida a Paz, interna e externa, exteriorizada em efetividade e sustentabilidade. Levando em consideração que as causas do crescente desrespeito à natureza e à dignidade humana (própria e dos demais), são sistêmicas, ou seja, decorrem de relações interdependentes e interrelacionadas entre diversos componentes do Habitat, preconiza-se o planejamento e gestão sistêmicos/integrados, que possibilitam a visão e a integração de recursos multidisciplinares, intersetoriais e transdisciplinares, cujos desempenhos podem afetar, positiva ou negativamente, a sociedade como um todo. Nesse contexto, pode-se estabelecer o que fazer, como, quem, onde, e quando/porque, bem como de que forma mapear e integralizar todos esses componentes. Para isso, verifica-se a importância de tornar-se consciente a missão comum, percebida como “benefícios mútuos” e concretizada através do atendimento de necessidades fisiológicas, psicológicas - segurança, pertencimento e auto-estima - e auto-realização (diferentemente de desejos), nos três eixos da sustentabilidade (econômico, social – saúde, educação, cidadania e segurança – e ambiental), com foco prioritário na família, de modo a gerar efeitos públicos, agregando valor sustentável. Essa missão comum exige e favorece a formação de redes de cooperação para a atuação sistêmica, priorizando o núcleo familiar e permitindo a integração dos três setores (público, privado e sociedade civil organizada) e da comunidade em geral.


Atuar nas causas e nas conseq ncias

RESUMO DO GRÁFICO QUE SERÁ APRESENTADO

Essas redes, que tornam visíveis esforços isolados e possibilitam a integração e a Paz (interna e externa), geram um modelo de desenvolvimento integrado e sustentável, planejado pela base da sociedade, no qual é propiciada a democracia, participativa e representativa. Em outras palavras, garantem a sobrevivência. Contudo, para que isso possa ser concretizado, o planejamento e a gestão deverão produzir o pensamento sistêmico, contemplando o mapeamento das necessidades, possibilidades e atividades, com o que se poderá atuar de forma sistêmica. Desse modo, possibilita-se a inclusão das pessoas principalmente naquelas ações nas quais se sentem entusiasmadas, fazem a diferença (‘slice of heart’) na sociedade, sendo, por isso, lembradas, reconhecidas e valorizadas. Assim, os membros da sociedade constatarão que são úteis no contexto maior, o que aumenta a motivação na busca de aperfeiçoamento, gerando sustentabilidade no ambiente interno e externo. Isso propicia a conscientização da co-responsabilidade e a compreensão do binômio dever-direito, despertando a noção de contexto e afastando práticas imediatistas baseadas exclusivamente na punição ou vitimização. Cria, assim, o verdadeiro pensamento sistêmico, assemelhando-se ao pensamento complexo de Edgar Morin (no qual a transdisciplinaridade é um dos focos principais).


Atuar nas causas e nas conseq ncias

RESUMO DO GRÁFICO QUE SERÁ APRESENTADO

Em termos mais amplos, esse contexto permite o acesso a recursos aptos a implementar ações (voluntariado, Agenda Habitat, CAIXA, BNDES - Redes Sociais, etc.), bem como garante o cumprimento de diversos Tratados, Convenções, Pactos e Planos de Ações das várias Conferências das Nações Unidas (Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher, Convenção Sobre os Direitos da Criança, Plano de Ação da Conferência Mundial de População e Desenvolvimento, etc.). Ademais, se o planejamento e gestão sistêmicos utilizarem metodologias, ferramentas e sistema de avaliação, poderão ser elaborados um Índice de Desenvolvimento Sistêmico e/ou um Índice de Desenvolvimento Integrado transparentes e, portanto, confiáveis. Desse modo, diminui o risco dos investimentos efetivados no local, o que atrai recursos nacionais e internacionais para a região (por exemplo, via investimento sistêmico na bolsa de valores, através do ISE - Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa, DJSI - Dow Jones Sustainability Indexes da Bolsa de Nova York, etc.).

Assim, desenvolve-se um ciclo de efeitos públicos, ambiente no qual é atingida a efetividade e a sustentabilidade. Na verdade, a Paz, interna e externa.


A gest o do minist rio p blico no planejamento e gest o sist micos interconex es

A GESTÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO PLANEJAMENTO E GESTÃO SISTÊMICOSINTERCONEXÕES

Impacto

Social

Sociedade

(BSC – Primeiro Processo = Tradução da Visão e da Estratégia

- Primeira Perspectiva: Cliente)


Atuar nas causas e nas conseq ncias

  • PGS:

  • GEMP 2022

  • (BSC - Segunda Perspectiva = Acionista/Financeira X Recursos)


Atuar nas causas e nas conseq ncias

  • PGS

  • GEMP

  • (BSC - Quarta perspectiva - Aprendizado e Crescimento/Inovação)


Atuar nas causas e nas conseq ncias

O Ministério Público estabeleceu para implementação: OBJETIVOS-DESCRIÇÃO DO OBJETIVO-IDICADORES-UNIDADE DE MEDIDA-PERIODICIDADE


Atuar nas causas e nas conseq ncias

  • QUAIS OS REFLEXOS SISTÊMICOS DESSA FORMA DE ATUAÇÃO?

  • 1- Cumprimento de diretrizes nacionais e internacionais:

  • Exemplos:

  • Conferência Internacional das Nações Unidas sobre População e Desenvolvimento – Cairo;

  • Declaração de Istambul sobre Assentamentos Humanos;

  • - 8° Objetivo de Desenvolvimento do Milênio –

  • Criar uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento;

  • - Fundação Nacional de Qualidade – Fundamentos de Excelência; etc.

  • Em decorrência disso e por gerar diminuição no risco dos investimentos...


Atuar nas causas e nas conseq ncias

  • 2- Acesso a recursos humanos e monetários:

  • Exemplos:

  • - ISE – Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa;

  • - DJSI – Dow Jones Sustentability Indexes;

  • Parágrafo 50 da Agenda Habitat para Municípios

  • (via financiamentos da CAIXA);

  • - etc.

  • Em verdade, o Planejamento e Gestão Sistêmicos/Integrados,

  • com foco prioritário na família e com a utilização de indicadores cria, com transparência,

  • um ciclo de efeitos públicos,

  • apto desenvolver a consciência dos direitos e das responsabilidades,

  • propiciando, Com Governança e Democracia, o Direito à Cidade,

  • local de Paz, interna e externa, exteriorizada em efetividade e sustentabilidade.


Mais do que isso possibilita compreender

mais do que isso...POSSIBILITA COMPREENDER

  • Que todos fizemos parte de uma grande família e

  • que Gestão é INTEGRAÇÃO!


Atuar nas causas e nas conseq ncias

Aliás, Peter Drucker já afirmava:

“ A essência da administração é o ser humano. Seu objetivo é tornar as pessoas capazes do desempenho em conjunto, tornar suas forças eficazes e suas fraquezas irrelevantes. Isso é a organização, e a administração é o fator determinante.” (As Novas Realidades)


Atuar nas causas e nas conseq ncias

No mesmo sentido, o parágrafo primeiro da Agenda Habitatpara os Municípios:

“ ...Há um senso de grande oportunidade e esperança de que pode ser construído um novo mundo, no qual o desenvolvimento econômico e social e a proteção ambiental, como componentes do desenvolvimento sustentável interdependentes e que se reforçam mutuamente, podem ser realizados por meio da solidariedade e cooperação dentro e entre países através de parcerias eficazes em todos os níveis.”


Com esses conceitos podemos efetivar o 3 tema da confer ncia mundial

Com esses conceitos podemos efetivar o 3º tema da conferência mundial:

Desenvolvimento Local em Cidades

Processos de investimentosem Capital Social paraDesenvolver Ativos Econômicos, Ambientais, Humanos, Sociais e Políticos


Atuar nas causas e nas conseq ncias

ESTRATÉGIAS GERAIS

  • Mapeamento de necessidades (fisiológicas; psicológicas e de auto-realização), de possibilidade e de atividades, dos três setores e da comunidade em geral (constituição de banco de dados; mapeamento sistêmico - Balanced Scorecard- Tradução da Visão e da Estratégia)

  • Integração (A-Reuniões; B-Modelos - projetos e indicadores; C- Replicação - fóruns, seminários, jornadas, internet, etc.) (Balanced Scorecard - Tradução da Visão e da Estratégia; Comunicação e Conexão; Planejamento de Negócios; Aprendizado e Feedback)

  • IDS - Índice de Desenvolvimento Sistêmico

    (ou/e IDI -Índice de Desenvolvimento Integrado)

  • (Implementando as estratégias gerais é possível a elaboração do IDS e de indicadores de desenvolvimento sistêmico pessoal, familiar, municipal, estadual, regional, federal e internacional - que priorizam a qualidade das relações)


Atuar nas causas e nas conseq ncias

Mapear:1- Necessidades

(fisiológicas, psicológicas e que permitam a auto-realização);2-Possibilidades3- Atividades+ Dos três setores e da comunidade em geral=(Banco de Dados)


Atuar nas causas e nas conseq ncias

IntegrarA) Reuniões

B) Modelos –Projetos e Indicadores

C) Replicação(fóruns, seminários, jornadas, internet, etc.)


Atuar nas causas e nas conseq ncias

Referimos INDICADORESnão como método mecanicista de controle,mas sim orientadores de qualidade das relações, como afirmado na obra “Kaplan e Norton na Prática”:

- “Os indicadores destinam-se acongregar as pessoas em busca da visão geral”;

- “Ao combinar as perspectivas..., o balanced scorecard ajuda os gerentes acompreender, pelo menos implicitamente, muitasinterconexõesdentro da empresa.”;

- O balanced scorecard induz as empresas a olhar- e a se movimentar - para frente, ao invés de para trás”.


Atuar nas causas e nas conseq ncias

Nesse contexto, podemos acrescentar uma reflexão na busca de compreender a última pergunta da Conferência Mundial:

4º temaSustentabilidade e Cidade-Rede

A Emergência das Redes Sociais e a Cidade Sustentável do Futuro

40 - Quais as RELAÇÕESentre a sustentabilidade das cidades, democracia local e sistemas de governança que incorporem a participação da população em novos modelos sistêmicos de gestão pública compartilhada?


  • Login