Crise acad mica coimbra 1969 l.jpg
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 196

CRISE ACAD??MICA-Coimbra 1969 PowerPoint PPT Presentation

Crise Académica 1969

Download Presentation

CRISE ACAD??MICA-Coimbra 1969

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Crise Académica – Coimbra 1969

As fotografias

ordenadas e legendadas por:

José Veloso e João Gonçalves (JOCA)


Crise Académica – Coimbra 1969

Estas fotografias são o reflexo do trabalho e dedicação dos Fotógrafos de Coimbra:

- dos Fotógrafos-Amadores daSecção Fotográfica da Associação Académica de Coimbra.

Dirigentes e colaboradores desta Secção, que acompanharam todos os momentos da Luta dos Estudantes, pondo o seu entusiasmo juvenil e o seu talento num fundamental trabalho de memória fotográfica futura:


Crise Académica – Coimbra 1969

Do lado dos estudantes estiveram:

José Miguéns, José Veloso, Carlos Valente, Renato Leitão, Armando Cunha, António José Mendes, José Manuel Antunes, Hélio Fidalgo

e tantos outros, como António Portugal, fundador da Secção Fotográfica da A.A.C., além de muitos colaboradores anónimos que fizeram “bonecos” que ficaram para a História!


Crise Académica – Coimbra 1969

Ainda uma palavra de gratidão para os FotógrafosProfissionais como:

Fernando Marques (Formidável), Varela Pé Curto (Hilda), Carlos Ramos (Secção Fotográfica da A.A.C.), e tantos outros fotógrafos, que emprestaram o seu talento à justa e nobre luta dos estudantes.


Crise Académica – Coimbra 1969

A maioria das fotos que vão ver são o espólio da “Exposição 17 de Abril”, que circulava ao tempo pelo País em mais uma iniciativa da Secção Fotográfica, e que foi entregue por Carlos Valente, em 1969, à Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, que a preservou até hoje.


Documento com que a Direcção da Secção Fotográfica anunciava a Exposição 17 de Abril


17 de Abril – Chegada da comitiva com o Presidente Tomás à Praça D. Dinis, para a inauguração do novo edifício das “Matemáticas”


17 de Abril – A comitiva a caminho dos Gerais (Fac. Direito)


17 de Abril – Povo e estudantes, empunhando cartazes de protesto, aguardam o desfile militar que sempre acompanhava estas inaugurações


17 de Abril – Povo e estudantes, empunhando cartazes de protesto, aguardam o desfile militar que sempre acompanhava estas inaugurações


17 de Abril – Do lado oposto onde estavam os estudantes,as “meninas das Ciências” aguardam “S.Exªs” para estenderem as capas aos seus pés…


17 de Abril – Aguardando a chegada da comitiva(foto tirada da varanda do Hospital)


17 de Abril – Aguardando a chegada da comitiva(foto tirada da varanda do Hospital)


17 de Abril – O desfile militar, povo, estudantes e cartazes!


17 de Abril – O desfile militar, povo, estudantes e cartazes!


17 de Abril – O desfile militar, povo, estudantes e cartazes!


17 de Abril – Tomás e Saraiva aproximam-se do edifício das “matemáticas”, rodeados de conhecidos pides


17 de Abril – Os pides atentos enquanto Tomás e Saraiva se aproximam das “matemáticas”


17 de Abril – A comitiva, já com o Reitor e o Ministro das Obras Públicas, aproxima-se do edifício(foto tirada da varanda do Hospital)


17 de Abril – Toda a comitiva repara na manifestação e nos cartazes de protesto


17 de Abril – A comitiva aproxima-se da entrada do edifício(foto tirada da varanda do Hospital)


17 de Abril – A comitiva a entrar no edifício das “matemáticas”


17 de Abril – A comitiva a entrar no edifício(foto tirada da varanda do Hospital)


17 de Abril – Os estudantes deixam o passeio e avançam para o edifício das “matemáticas”


17 de Abril – Celso Cruzeiro convida os estudantes a entrar no edifício


17 de Abril – Celso Cruzeiro convida os estudantes a entrar no edifício(foto tirada da varanda do Hospital)


17 de Abril – No átrio do edifício das “matemáticas”


17 de Abril – No átrio do edifício das “matemáticas”


17 de Abril – Estudantes com os cartazes no átrio


17 de Abril – Estudantes com os cartazes no átrio


17 de Abril – A comitiva oficial à entrada da sala 17 de Abril


17 de Abril – Américo Tomás toma lugar na mesa


Sala 17 de Abril – Sala cheia. Alberto Martins sentado ao centro.


Sala 17 de Abril – Não entra mais ninguém – prof. Manuel dos Reis prepara a intervenção


Sala 17 de Abril – Toma a palavra prof. Manuel dos Reis


Sala 17 de Abril – Toma a palavra o reitor


Sala 17 de Abril – Toma a palavra o ministro Saraiva(o bigode e as orelhas feitas na fotografia original em papel são fruto da itinerância que as fotografias tiveram – em Coimbra e ao longo do País)


Sala 17 de Abril – No uso da palavra, o ministro Saraiva(o bigode e as orelhas feitas na fotografia original em papel são fruto da itinerância que as fotografias tiveram – em Coimbra e ao longo do País)


Alberto Martins levanta-se e diz:“Em nome dos Estudantes de Coimbra, PEÇO A PALAVRA!” (Foto cedida pelo blog IÉ-IÉ)


Tomás conferencia com Hermano Saraiva, enquanto o Presidente da Associação Académica de Coimbra, de pé, aguarda


A sala continua a aguardar resposta ao pedido do Presidente da A.A.C.


A resposta de Tomás: “Bem, mas agora vai falar o sr. Ministro das Obras Públicas!”


Afinal não foi dada a palavra aos estudantes, e as autoridades abandonam intempestivamente a sala


17 de Abril - Já no exterior, as autoridades retomam as suas viaturas


Os estudantes, finalmente, tomam posse da Sala 17 de Abril


Os estudantes, finalmente, tomam posse da Sala 17 de Abril


Sala 17 de Abril - Alberto Martins prepara-se para a verdadeira inauguração, perante o entusiasmo dos estudantes


Alberto Martins fala aos estudantes. Celso Cruzeiro aplaude


Panorâmica da sala a escutar Alberto Martins


Alberto Martins no uso da palavra


Carlos Batista, da Junta de Delegados de Ciências, falando aos estudantes


Os estudantes abandonam a sala 17 de Abril, após a condigna inauguração!


17 de Abril - Os estudantes abandonam o edifício das “matemáticas”


17 de Abril - Os estudantes na Praça D. Dinis, após inauguração!(reconhecem-se Alberto Martins, Rui Silva, Fernanda Bernarda, José Salvador e António Jorge)


17 de Abril - Celso Cruzeiro, Osvaldo Castro e José Roupiço Simões


17 de Abril - Nas escadas monumentais


17 de Abril - Professores solidários com os estudantes


17 de Abril - Professores solidários com os estudantes(reconhecem-se os profs. Orlando de Carvalho, Avelãs Nunes e Correia Pinto)


17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C.


17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C.


17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C.


17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C.(Francisco Sardo no uso da palavra)


17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C.


17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C.(Luciano conversando com os presentes)


17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C.(reconhecem-se José Campino, Carlos Guimarães e Barbosa)


18 Abril – Alberto Martins e Celso Cruzeiro visitam o “Mário do café Oásis”, barbaramente espancado pela polícia de choque e mordido pelos cães, na noite de 17 de Abril, em frente à PIDE


18 Abril – Alberto Martins, Celso Cruzeiro e Fernando Soromenho dirigem-se para a Assembleia Magna nos Gerais


18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais


18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais


18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais


18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais


18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais(reconhecem-se Osvaldo Castro, Matos Pereira, “Arouca”…)


18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais


18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais


Cartazes nas Assembleias Magnas


18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais


Cartazes nas Assembleias Magnas


Cartazes nas Assembleias Magnas


Cartazes nas Assembleias Magnas


Cartazes nas Assembleias Magnas(à esquerda João Botelho)


18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais


18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais


22 Abril – 8 estudantes são suspensos da frequência das aulasNesse dia, a Assembleia Magna no ginásio da A.A.C. decreta oLuto Académico com greve às aulas(Décio de Sousa no uso da palavra)


22 Abril - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decreta o Luto Académico


22 Abril - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decreta o Luto Académico


22 Abril - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decreta o Luto Académico


1 de Maio - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decide a continuidade do Luto Académico (reconhecem-se José Barata, Silva Pinto, Barbosa, Osvaldo, Fernanda Bernarda, Barros Moura e Celso Cruzeiro)


1 de Maio - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decide a continuidade do Luto Académico


1 de Maio - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decide a continuidade do Luto Académico


1 de Maio - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decide a continuidade do Luto Académico


1 de Maio - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decide a continuidade do Luto Académico (Barros Moura no uso da palavra)


1 de Maio - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decide a continuidade do Luto Académico


1 de Maio - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decide a continuidade do Luto Académico


Maio - Reuniões permanentes, em vez das aulas, dando cumprimento aoLuto Académico


Maio - Reuniões permanentes, em vez das aulas, dando cumprimento aoLuto Académico


Maio - Reuniões permanentes, em vez das aulas, dando cumprimento aoLuto Académico(reconhecem-se Carlos Batista, Trigo, César Cordeiro, Nilton Vieira…)


Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Actuação do Coro Misto


Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Actuação do Coro Misto


Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Actuação do Coro Misto


Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Actuação do CITAC


Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Actuação do CITAC


Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Actuação do CITAC


Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico


Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico


Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Zeca Afonso estava connosco!


Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Rui Pato acompanha Zeca Afonso


Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Zeca Afonso estava connosco!


Maio - Prepara-se o ambiente para a Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames


Maio - Prepara-se o ambiente para a Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames


Maio - Prepara-se o ambiente para a Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames


Maio - Prepara-se o ambiente para a Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames – reacção ao discurso do ministro Saraiva


Maio - Prepara-se o ambiente para a Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames


Maio - Convocação para a Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames


Foi a Dignidade que levou 6000 estudantes a votarem:Greve a Exames!


28 de Maio - Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames(6000 estudantes presentes)


28 de Maio - Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames(6000 estudantes presentes)


28 de Maio - Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames(6000 estudantes presentes)


28 de Maio - Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames(6000 estudantes presentes)


28 de Maio - Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames Votação – mais de 5000 votos a favor


28 de Maio - Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames Votação – mais de 5000 votos a favor


28 de Maio - Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames Votação – mais de 5000 votos a favor


28 de Maio - Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames Votação “contra” – 190 votos


Greve a Examesna 2ª feira 2 de Junho 1969


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR – nem a Sé Velha escapou…


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada - a “conquista” da Praça da República


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada - a “conquista” da Praça da República


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada - a “conquista” da Praça da República


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada – nem se podia namorar nos passeios!


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesUma traidora (fura greves) vai a exame levada pelo papá!(reconhece-se, ao fundo, Rui Namorado)


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada pela GNR


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesCoimbra cidade ocupada


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a ExamesJipes da GNR com grades de arame farpado


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Jipes da GNR com grades de arame farpado


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Jipes da GNR com grades de arame farpado


2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Jipes da GNR com grades de arame farpado


3 de Junho 1969 – Operação FlorOs estudantes descem à baixa da cidade, distribuindo flores à população(aqui o momento da compra)


3 de Junho 1969 – Operação FlorOs estudantes descem à baixa da cidade, distribuindo flores à população(outro momento da compra das flores)


3 de Junho 1969 – Operação FlorApós a compra das flores


3 de Junho 1969 – Operação FlorCada estudante com uma flor, lá fomos a caminho da baixa


3 de Junho 1969 – Operação FlorA caminho da baixa, com as flores para distribuir à população


3 de Junho 1969 – Operação FlorA caminho da baixa, com as flores para distribuir à população


3 de Junho 1969 – Operação FlorCaras bonitas e jovens aceitam as flores oferecidas pelos estudantes


3 de Junho 1969 – Operação FlorCaras bonitas e jovens aceitam as flores oferecidas pelos estudantes


Depois do sucesso da Operação Flor, veio a Operação Balão

Dia 14 de Junho, os estudantes desceram de novo à baixa, levando balões onde estavam inscritas “frases revolucionárias” que expressavam os motivos da luta dos estudantes e a sua ligação à população.

E no largo da Portagem, quando a polícia se preparava para carregar sobre os estudantes, estes largaram os balões que subiram aos céus aos milhares, e, enquanto estudantes e população se misturavam felizes, a polícia ficou sem saber sobre quem carregar…


14 de Junho 1969 – Operação BalãoConcentração nos jardins da Associação


14 de Junho 1969 – Operação BalãoConcentração nos jardins da Associação


14 de Junho 1969 – Operação BalãoConcentração nos jardins da Associação


14 de Junho 1969 – Operação BalãoConcentração nos jardins da Associação


14 de Junho 1969 – Operação BalãoConcentração nos jardins da Associação


14 de Junho 1969 – Operação BalãoJunto ao Teatro Gil Vicente


14 de Junho 1969 – Operação BalãoRua Ferreira Borges, a caminho do largo da Portagem


14 de Junho 1969 – Operação BalãoRua Ferreira Borges, a caminho do largo da Portagem


14 de Junho 1969 – Operação BalãoNo largo da Portagem


14 de Junho 1969 – Operação BalãoNo largo da Portagem


14 de Junho 1969 – Operação BalãoNo largo da Portagem


14 de Junho 1969 – Operação BalãoOs balões sobem aos céus…


A censura amordaçava a imprensa! Só eram publicadas as “notas oficiosas”. O DIÁRIO de COIMBRA, enganando a censura, publica esta maravilhosa prosa referente à operação balão…(recorte original do jornal da época)


Junho - Greve a ExamesAcompanhamento pelos estudantes do evoluir da Greve


Junho - Greve a ExamesAcompanhamento pelos estudantes do evoluir da Greve


Junho - Greve a ExamesCaricaturas retiradas de livros da Queima das Fitas de anos anteriores, e afixadas pela cidade para divulgação dos traidores (fura greves)


Caminhada para a Final da Taça de Portugal em futebol

Em Coimbra, a Académica elimina o Sporting nas meias finais da Taça.

Aparecem nos campos de futebol os cartazes e faixas de apoio à luta dos estudantes


15 de Junho 1969 –Estádio do Calhabé em CoimbraMeia final da Taça de PortugalAcadémica 1 Sporting 0


15 de Junho 1969 –Estádio do Calhabé em CoimbraMeia final da Taça de PortugalAcadémica 1 Sporting 0


15 de Junho 1969 –Estádio do Calhabé em CoimbraMeia final da Taça de PortugalAcadémica 1 Sporting 0


15 de Junho 1969 –Estádio do Calhabé em CoimbraMeia final da Taça de PortugalAcadémica 1 Sporting 0


15 de Junho 1969 –Estádio do Calhabé em CoimbraMeia final da Taça de PortugalAcadémica 1 Sporting 0


22 de Junho - Final da Taça de Portugal(Académica – Benfica)

Pela 1ª vez o Presidente da República não está presente na final da Taça!

Nenhum membro do governo está presente!

Pela 1ª vez a RTP não transmite a final da Taça!

São distribuídos mais de 35000 comunicados dando conta da luta dos estudantes!


22 de Junho 1969 – Chegada de comboio a Sta Apolónia com estudantes para a Final da Taça


22 de Junho 1969 – Entrada para o Estádio Nacional em LisboaFinal da Taça de Portugal


22 de Junho 1969 – Estádio Nacional completamente cheioFinal da Taça de Portugal


22 de Junho 1969 – Os cadeirões governamentais vazios, com o estádio completamente cheioFinal da Taça de Portugal


22 de Junho 1969 – Comunicados à população “voam” no estádioFinal da Taça de Portugal


22 de Junho 1969 – Comunicados caem sobre os espectadores!Final da Taça de Portugal


22 de Junho 1969 – Depois de lidos, os comunicados protegemFinal da Taça de Portugal


22 de Junho 1969 – Policias aos molhosFinal da Taça de Portugal


Novamente o DIÁRIO de COIMBRA usa a metáfora para enganar a censura e apoiar e divulgar a luta dos estudantes.Esta a prosa do editorial do dia 23 de Junho, onde os turistas eram…os polícias(recorte original do jornal da época)


22 de Junho 1969 – Faixas denunciam a luta dos estudantesFinal da Taça de Portugal


22 de Junho 1969 – Faixas denunciam a luta dos estudantesFinal da Taça de Portugal


22 de Junho 1969 – Faixas denunciam a luta dos estudantesFinal da Taça de Portugal


22 de Junho 1969 – Os jogadores da Académica com as capas caídas, em sinal de Luto!Final da Taça de Portugal(Gervásio, Vítor Campos, Mário Campos, Manuel António, Belo, Peres, Rui Rodrigues, Viegas, Vieira Nunes, Marques e Néné)


  • Login