A simula o computacional aplicada em projetos de espa os p blicos urbanos a luz natural nas pra as
Sponsored Links
This presentation is the property of its rightful owner.
1 / 35

A SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL APLICADA EM PROJETOS DE ESPAÇOS PÚBLICOS URBANOS: A LUZ NATURAL NAS PRAÇAS PowerPoint PPT Presentation


  • 54 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

UNB- UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Programa de Pós-Graduação de Arquitetura e Urbanismo. A SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL APLICADA EM PROJETOS DE ESPAÇOS PÚBLICOS URBANOS: A LUZ NATURAL NAS PRAÇAS. Tatiana Santana Yeganiantz Orientador: Evangelos Dimitrios Chistakou. Estruturação.

Download Presentation

A SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL APLICADA EM PROJETOS DE ESPAÇOS PÚBLICOS URBANOS: A LUZ NATURAL NAS PRAÇAS

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


UNB- UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

Programa de Pós-Graduação de Arquitetura e Urbanismo

A SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL APLICADA EM PROJETOS DE ESPAÇOS PÚBLICOS URBANOS: A LUZ NATURAL NAS PRAÇAS

TatianaSantanaYeganiantz

Orientador: Evangelos Dimitrios Chistakou


Estruturação

  • Capítulo 1- Introdução

  • Capítulo 2- Observações Preliminares

  • Capitulo 3- A Simulação Computacional e a Luz Natural

  • Capítulo 4- O Espaço Público e os Princípios Bioclimáticos

  • Capítulo 5- Consideração Sobre o Espaços Públicos: Praças de Brasília

  • Capítulo 6- Estudo de Caso


Introdução

Panteão /Roma iluminação zenital

O uso da Luz Natural (LN) sempre fez parte dos projetos arquitetônicos ao longo dos tempos.

Após a II Guerra Mundial devido à abundância de combustível, os avanços dos recursos tecnológicos e a utilização intensiva da luz artificial elétrica, o uso da LN foi deixado em segundo plano.

Porém nos últimos anos com a crise energética, as mudanças climáticas e a procura por uma arquitetura sustentável, o conceito de qualidade ambiental através do aproveitamento racional dos recursos da natureza tornou-se requisito indispensável no processo construtivo.


Introdução

A qualidade ambiental de espaços abertos depende do projeto urbano.

Em zonas tropicais não devemos expor as pessoas por um período prolongado à radiação solar pelo fato de causar desconforto térmico e visual.

Os espaços públicos devem ser pensados e construídos com os mesmos cuidados que um edifício.


  • Problemática

    Na maioria dos projetos de praças em espaços urbanos de Brasília não há preocupação com o controle da luz natural que de forma geral é abundante.


  • Objetivo

    A contribuição desse trabalho é incentivar o arquiteto a incluir no processo de concepção de espaços urbanos públicos, tais como praças, a avaliação da luz natural através do uso de softwares de simulação computacional.


Hipótese

  • O uso de simulações computacionais pode auxiliar o arquiteto na tomada de decisão no processo de elaboração de projetos urbanísticos permitindo predizer os resultados do desempenho ambiental de suas propostas.


Luz Natural

  • A LN que ilumina os ambientes é constituída basicamente por três componentes: a luz direta do sol, luz difusa do céu e luz refletida pelo solo e outras superfícies do entorno.


Aspectos da Luz

  • È importante lembrar que os raios luminosos não são visíveis, a sensação de luminosidade é decorrente da reflexão desses raios por uma superfície.

  • Iluminância- luz incidente, não visível (lúmen por metro quadrado =1 lux)

  • Luminância- luz refletida, visível (candela por metro quadrado= 1 nit)

  • Os objetos possuem diferentes capacidades de reflexão da luz, portanto, uma certa iluminância pode gerar diferentes luminâncias .


Ofuscamento

  • O ofuscamento é o maior responsável pelo desconforto. Este parâmetro de desconforto é o efeito desagradável causado por excessivo contraste das luminâncias no campo visual.


Vantagens da Luz Natural

  • -A visão humana se desenvolve melhor com a luz natural;

  • -A constante mudança da quantidade de luz natural é favorável, pois proporciona efeitos estimulantes nos ambientes;

  • -A luz natural é fornecida por fonte de energia renovável, é o uso mais evidente da energia solar


Uso da LN no Projeto de Arquitetura e Urbanismo

  • É possível tirar partido ou evitar a luz e o calor solar em um espaço projetado, e o critério mais sábio para definir o que fazer é ter como premissas básicas o conforto térmico e visual dos ocupantes.

  • No planejamento de espaços urbanos a radiação solar pode ser interceptada pelos elementos vegetais e topográficos do local.


A Simulação Computacional e a Luz Natural

  • Historicamente é a partir da década de 50 que se desenvolveu a idéia de que todos os sistemas e processos podem ser objeto de simulação matemática.

  • Atualmente, existem diversas ferramentas para simulação da iluminação natural .


Aplicação das Ferramentas Computacionais

Fatores envolvidos em simulação computacional


Validade da Simulação

  • Nem sempre é possível confiar completamente nos resultados obtidos; por isso, é importantíssimo que o usuário tenha capacidade de interpretar os dados do que está simulando, e perceber possíveis falhas do programa.

  • A simulação paramétrica, que compara situações com a mudança de parâmetros.


Simulação Computacional nas Diversas Fases do Projeto


O uso do ECOTECT em Avaliações de Conforto Ambiental em Espaços Urbanos


O uso do ECOTECT em Avaliações de Conforto Ambiental em Espaços Urbanos

Calculo de visibilidade urbana

Calculo de obstruções

Resultado tridimensional da

Carta solar

Calculo de horas de insolação


O ESPAÇO PÚBLICO E OS PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS

  • O desenho do espaço deve ser condicionado e adaptado às características do meio, tais como topografia, revestimento do solo, ecologia, latitude, clima e princípios históricos.

  • Os espaços públicos urbanos podem ser definidos como aqueles espaços fundamentais que freqüentemente condicionam os espaços construídos.

  • Espaços de vida , que “percebe” a cidade.


O Espaço Público Urbano/ Praça

  • A praça é o espaço mais típico da vida urbana.

  • As praças podem ser definidas como espaços livres públicos urbanos destinados ao lazer e ao convívio da população, acessíveis aos cidadãos e livres de veículos.


Planejamento Urbano e a Luz Natural

  • A luz pode ser trabalhada de diversas formas, criando vários efeitos, entre os quais podemos destacar: o ritmo, a ênfase e o contraste.

  • Uma área gramada pode absorver maior quantidade de radiação solar, e por sua vez, irradiar uma quantidade menor de calor que qualquer superfície construída, pelo fato de grande parte da energia absorvida pelas folhas é utilizada para seu processo metabólico, enquanto em outros materiais toda a energia absorvida é transformada em calor


ESPAÇOS PÚBLICOS: PRAÇAS DE BRASÍLIA

Esplanada dos Ministérios

Praça dos Três Poderes

Praça do Conjunto Nacional

Praça do Buriti


Histórico do Setor de Diversões Norte

  • A construção do setor norte do Conjunto de Diversões como um único edifício representou uma grave modificação do pensamento de Lúcio Costa.


Estudo de Caso - Praça do Conjunto Nacional


Praça do Conjunto Nacional


Avaliações Ambientais utilizando o ECOTECT- Simulação da Velocidade/ Orientação dos Ventos


Simulação da Melhor Orientação

A melhor orientação de um edifício seria noroeste a 330°


Simulação Térmica Média dos dias mais frios

A temperatura do exterior mais alta é de 24° e a mais baixa é de 8°.

As temperaturas mais elevadas estão entre os horários de 13:30 às 15:30 que varia de 22° a 24°, já as temperaturas mais baixas estão entre os horários de 5:30 e 6:30 (horário em que a praça não é freqüentada) variando entre 8° a 9°.


Simulação Térmica Média dos dias mais Quentes

Na media dos dias mais quentes a temperatura mais elevada é 33° e a mais baixa é de 21°.

As temperaturas mais elevadas então entre os horários de 12:30 às 16:30 variando entre 33° e 32°, já as mais baixas : 3:30 às 5:30 variando de 21° e 22°.


Simulação da Projeção de Sombra – Solstício Junho

Junho 09 horas

Junho 12 horas

Junho 17

horas

Junho 15 horas


Simulação da Projeção de Sombra – Equinócio Setembro

Setembro 9 horas

Setembro 12 horas

Setembro 15

horas

Setembro 17 horas


Simulação da Projeção de Sombra – Solstício Dezembro

Dezembro 9 horas

Dezembro 12 horas

Dezembro 15 horas

Dezembro 17 horas


Solstício Junho /Dezembro e Equinócio de Setembro

Equinócio de setembro

Solstício de junho

Solstício de

dezembro


Conclusão

  • O presente trabalho confirma que a hipótese de que a simulação computacional pode auxiliar na avaliação do desempenho do conforto ambiental também em espaços urbanos.


  • “A luz natural é de importância decisiva para sentirmos a arquitetura. Para muitas pessoas uma boa luz significa apenas muita luz. E, com muita freqüência, verificamos que tal noção é inconseqüente, já que a quantidade de luz está longe de ser tão importante quanto a sua qualidade”

    Rasmussen,1986


  • Login