Robert alexy e ronald dworkin
Download
1 / 15

Robert Alexy e Ronald Dworkin - PowerPoint PPT Presentation


  • 169 Views
  • Uploaded on

Robert Alexy e Ronald Dworkin. Thaís Sousa. Ronald Dworkin: Nasceu 1931 em Worcester , Massachusetts, USA; é filósofo do Direito norte-americano e atualmente professor de Jurisprudência na University College London e na New York University School of Law.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Robert Alexy e Ronald Dworkin' - shen


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  • Ronald Dworkin:

  • Nasceu 1931 em Worcester, Massachusetts, USA; é filósofo do Direito norte-americano e atualmente professor de Jurisprudência na UniversityCollegeLondon e na New York UniversitySchoolof Law.

  • Fez o seu bacharelado (BA) na Universidade de Harvard (Harvard College, Cambridge, Massachusetts, EUA) e também na Universidade de Oxford (Oxford, UK). Após seu bacharelado, Dworkin freqüentou a escola de Direito de Harvard (Harvard Law School).


  • O objetivo básico de sua teoria é construir uma teoria geral do direito que não exclua nem o argumento moral nem o argumento filosófico. Propõe, por conseguinte, uma teoria baseada nos direitos individuais, o que significa que sem direitos individuais não existe "o Direito".


  • Combate o positivismo e o utilitarismo. geral do direito que não exclua nem o argumento moral nem o argumento filosófico

  • Busca construir uma “Teoria da Única Resposta Possível”.

  • Normas, político, os direitos e a moral estariam intrinsecamente ligados.



  • Segundo Dworkin, o positivismo seria um sistema composto apenas por regras.

  • Regras não abrangem tudo, por isso, o sistema seria aberto.

  • Na falta de previsão das regras, cabia ao juiz decidir o caso.

  • O positivismo não era capaz de atingir uma única resposta correta, verdadeira.



  • O Direito sob a óptica da interpretação. contra a opinião da maioria e contra a própria lei que são prévios aos direitos criados pela legislação.

  • Proposta de um sistema jurídico composto por regras e princípios.

  • O juiz ideal – “Hércules” - e o juiz real.

  • Negação do juiz como legislador e a criatividade inerente.



  • Tese da separação forte: critério da generalidade.

  • Tudo ou nada/graus de aplicação.

  • Contradição/tensão.

  • Mandatos de otimização.

  • Conceitos jurídicos determinados/indeterminados.


  • Teoria dos princípios: forte/débil. critério da generalidade.

  • Débil: relação dos princípios sem a determinação do grau de hierarquia entre eles.

  • Forte: além da relação de princípios, traz qual a solução para o conflito entre eles no caso concreto.


  • Colisão de princípios e colisão de valores. critério da generalidade.

  • Ordem estrita dos princípios: escalas numérica.

  • Ordem débil dos princípios: sistema de condições de prioridade; estruturas de ponderação e um sistema de prioridades “prima facie”.


  • O sistema de condições de prioridade é obtido por meio dos casos concretos, os quais permitem a extração do peso relativo dos princípios em função das regras do ordenamento jurídico e da decisão de casos anteriores.

  • As estruturas de ponderação são embasadas na característica dos princípios como sendo comandos de otimização, pois esses devem ser realizados na maior possibilidade possível de acordo com as condições fáticas e jurídicas. Isso faz referência também ao princípio da proporcionalidade, que carrega em si três outros princípios: o da adequação, o da necessidade e o da proporcionalidade em sentido estrito. Desse modo, cria-se uma estrutura de argumentação racional que permite decidir qual princípio tem maior peso no caso concreto.

  • A prioridade “prima facie” cria certa ordem hierárquica no campo dos princípios. Ela não é definitiva e é construída por meio da argumentação.


  • Os casos difíceis são aqueles em que não há nenhuma contemplação normativa para a resolução da lide. Como já mencionado anteriormente, dworkin era contra o juiz desenvolver uma atividade legislativa, portanto, nesses casos ele deveria utilizar de princípios, diretrizes políticas e outros estatutos para encontrar a solução.

  • Os princípios ao serem utilizados, exigiriam uma dimensão de moralidade, de justiça, o que reforça a tese de Dworkin de que moral, política, direitos e normas estariam interligados. Além disso, como um mandato de otimização e por ser dotado de uma dimensão de peso, ao aplicar os princípios ao caso concreto, o juiz inevitavelmente teria que fazer juízos de ponderação que atribuiriam uma racionalidade à solução obtida.


  • Ressalta-se que Dworkin não determina a forma para se chegar à única resposta correta. Ele apenas demonstra que ele é atingível por meio de um procedimento racional, entretanto, não há garantia de que sempre ela seja alcançada.

  • Dworkin mostra, também, o quanto a argumentação é fundamental na questão do balanceamento e ponderação dos princípios, idéia que mais adiante foi desenvolvida por Alexy.


ad