Hidrost tica
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 16

HIDROSTÁTICA PowerPoint PPT Presentation


  • 64 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

HIDROSTÁTICA. CONCEITOS BÁSICOS. 2. HIDROSTÁTICA. É a parte da Hidráulica que estuda os líquidos em repouso , bem como as forças que podem ser aplicadas em corpos neles submersos. Conceito de Pressão. ÁREA A.

Download Presentation

HIDROSTÁTICA

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Hidrost tica

HIDROSTÁTICA

CONCEITOS BÁSICOS


2 hidrost tica

2. HIDROSTÁTICA

É a parte da Hidráulica que estuda os líquidos em repouso, bem como as forças que podem ser aplicadas em corpos neles submersos.


Conceito de press o

Conceito de Pressão

ÁREA A

Pressão é o quociente da intensidade da força que se exerce uniformemente sobre uma superfície, e perpendicularmente a esta, pela área dessa superfície.

Pressão = Força /Área

PESO P

(FORÇA)

PRESSÃO= P/A


Press o hidrost tica

Pressão Hidrostática

Um elemento sólido, colocado no interior de um fluido em equilíbrio, experimenta, da parte desse fluido, forças perpendiculares às suas superfícies.


Press o em s lidos e em l quidos

Pressão em sólidos e em líquidos

Se uma força for aplicada a um ponto de um objeto rígido, o objeto como um todo sofrerá a ação dessa força. Isto ocorre porque as moléculas (ou um conjunto delas) do corpo rígido estão ligadas por forças que mantêm o corpo inalterado em sua forma. Logo, a força aplicada em um ponto de um corpo rígido acaba sendo distribuída a todas as partes do corpo.


Press o em s lidos e em l quidos1

Pressão em sólidos e em líquidos

Em um fluido isto não acontece, pois as forças entre as moléculas (ou um conjunto delas) são muito menores. Um fluido não pode suportar forças de cisalhamento, sem que isto leve a um movimento de suas partes.

Um fluido pode escoar, ao contrário de um objeto rígido.


Press o versus profundidade em um fluido est tico

Pressão versus profundidade em um fluido estático

A pressão a uma mesma profundidade de um fluido deve ser constante ao longo do plano paralelo à superfície.

Supondo que a constante da gravidade local, g, não varie apreciavelmente dentro do volume ocupado pelo fluido, a pressão em qualquer ponto de um fluido estático depende apenas da pressão atmosférica no topo do fluido e da profundidade do ponto no fluido.

Patm

h1

h2


Press o devida a uma coluna l quida

PRESSÃO DEVIDA A UMA COLUNA LÍQUIDA

Supondo que há um ponto 1 na superfície do líquido e um ponto 2 em uma profundidade h, a pressão no primeiro ponto será a pressão atmosférica local e a pressão p2 no segundo ponto, poderá ser obtida pela relação:

Patm

1

h

2


Press o atmosf rica

Pressão Atmosférica

O ar, como qualquer substância próxima à Terra, á atraído por ela, isto é, o ar tem peso. Em virtude disto, a camada atmosférica que envolve a Terra, atingindo uma altura de dezenas de quilômetros, exerce uma pressão sobre os corpos nela mergulhados. Esta pressão é denominada Pressão Atmosférica.

Na verdade, vivemos no fundo de um oceano de ar e que esse oceano, como a água de um lago, exerce pressão nos corpos nele imersos.


Press o atmosf rica1

Pressão Atmosférica

Torricelli, físico italiano, realizou uma famosa experiência que, além de demonstrar que a pressão existe realmente, permitiu a determinação de seu valor:

Torricelli encheu de mercúrio (Hg) um tubo de vidro com mais ou menos 1 metro de comprimento; em seguida fechou a extremidade livre do tubo e o emborcou numa vasilha contendo mercúrio. Quando o dedo foi retirado, a coluna de mercúrio desceu, ficando o seu nível aproximadamente 76 cm acima do nível do mercúrio dentro da vasilha.


Experi ncia de torricelli

EXPERIÊNCIA DE TORRICELLI

Torricelli concluiu que a pressão atmosférica, patm, atuando na superfície livre do líquido no recipiente, conseguia equilibrar a coluna de mercúrio. O espaço vazio sobre o mercúrio, no tubo, constitui a chamada câmara barométrica, onde a pressão é praticamente nula (vácuo).


Valor da press o atmosf rica

VALOR DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA

Como a altura da coluna líquida no tubo era de 76 cm, Torricelli chegou à conclusão de que o valor da pressão atmosférica, patm, ao nível do mar equivale à pressão exercida por uma coluna de mercúrio de 76 cm de altura.

A pressão de 76 cm Hg é denominada pressão atmosférica normal e equivale a outra unidade prática de pressão chamada atmosfera (atm).

Patm = 13.600kg/m3 x 9,8m/s2 x 0,76m = 1,02 x 105 Pa


Valor da press o atmosf rica1

VALOR DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA

Depois de Torricelli, o cientista francês Pascal, repetiu a experiência no alto de uma montanha e verificou que o valor da pressão atmosférica era menor do que ao nível do mar.

Concluiu, então, que quanto maior for a altitude do local, mais rarefeito será o ar e menor será a espessura da camada de ar que está atuando na superfície de mercúrio.


Varia o da press o atmosf rica com a altitude

VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA COM A ALTITUDE


Modos de expressar as medidas de press o

MODOS DE EXPRESSAR AS MEDIDAS DE PRESSÃO

Patm

1

h

2

(PRESSÃO ABSOLUTA)


Manometria

MANOMETRIA

Manometria é o estudo dos manômetros.

Manômetros são dispositivos utilizados na medição de pressão efetiva em função das alturas das colunas líquidas.


  • Login