Slide1 l.jpg
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 12

Trabalho sobre Sophia De Mello Breyner Andresen Realizado por: Ana Rita, nº3; Ana Sofia, nº4; Laura Maia, nº12; Soraia Matos, nº19 Do 9ºA PowerPoint PPT Presentation


  • 759 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Trabalho sobre Sophia De Mello Breyner Andresen Realizado por: Ana Rita, nº3; Ana Sofia, nº4; Laura Maia, nº12; Soraia Matos, nº19 Do 9ºA Escola secundária Abel Salazar 2008/2009 . índice. Biografia 3 Livros Publicados 4

Download Presentation

Trabalho sobre Sophia De Mello Breyner Andresen Realizado por: Ana Rita, nº3; Ana Sofia, nº4; Laura Maia, nº12; Soraia Matos, nº19 Do 9ºA

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Slide1 l.jpg

Trabalho sobre Sophia De Mello Breyner Andresen

Realizado por:

Ana Rita, nº3;

Ana Sofia, nº4;

Laura Maia, nº12;

Soraia Matos, nº19

Do 9ºA

Escola secundária Abel Salazar 2008/2009


Slide2 l.jpg

índice

  • Biografia 3

  • Livros Publicados 4

  • Prémios 7

  • Poema Liberdade 9

  • Resumo do conto “ A Saga” 10

  • Bibliografia 12


Slide3 l.jpg

Biografia

1919 - Nasce no Porto a 6 de Novembro.

1926 – Frequenta o colégio do Sagrado Coração de Maria até aos 17 anos.

1944 – Publica o seu primeiro livro, A Poesia.

1946 – Casa com Francisco Sousa Tavares, passando a residir desde então em Lisboa. Tem 5 filhos.

1975 – Deputada pelo Partido Socialista à Assembleia Constituinte eleita a 25 de Abril.


Slide4 l.jpg

Livros Publicados

1947 – “ O Dia do Mar”.

1950 – “ O Coral”.

1954 – “No Tempo Dividido”.

1956 – “ O Rapaz de Bronze”(infantil).

1958 – “Mar Novo”, “A Menina do Mar”(infantil),”A Fada Oriana”(infantil).Escreve o artigo “A Poesia de Cecília Meireles”, Cidade Nova.

1960 – “Noite de Natal”(infantil).

1962 – “Contos Exemplares” e “Livro Sexto”.

1964 – “O Cavaleiro da Dinamarca”(infantil).


Slide5 l.jpg

1965 – “Os três Reis do Oriente”.

1967 – “Geografia”.

1968 – “ A Floresta”(infantil) e “Antologia”(poesia).

1970 – “Grades”.

1971 – “ 11 Poemas”.

1972 – “ Dual”.

1978 – “ O Tesouro”.

1980 – “ A Casa do Mar”(contos).

1981 – “Poemas Escolhidos”.

1983 – “Navegações”(poesia).

1985 – “Árvore”(infantil).

1991 – “Primeiro Livro de poesia”(infanto-juvenil)


Pr mios l.jpg

Prémios

Grande Prémio de Poesia da Sociedade Portuguesa de Escritores, 1964 (Canto Sexto) Prémio Teixeira de Pascoaes, 1977 (O Nome das Coisas)

Prémio da Crítica, da Assoc. Internacional de Críticos Literários, 1983 (pelo conjunto da obra)

Prémio D. Dinis, da Fundação da Casa de Mateus, 1989 (Ilhas)

Grande Prémio de Poesia Inasset/Inapa, 1990 (Ilhas)

Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças, 1992 (pelo conjunto da obra)


Slide8 l.jpg

Prémio 50 Anos de Vida Literária, da Associação Portuguesa de Escritores, 1994

Prémio Petrarca, da Associação de Editores Italianos

Homenageada pelo Carrefour des Littératures, na IV Primavera Portuguesa de Bordéus e da Aquitânia, 1996.

Prémio da Fundação Luís Miguel Nava, 1998 (pelo livro O Búzio de Cós e Outros Poemas)

Prémio Camões, 1999 (pelo conjunto da obra) 

Prémio Rosalia de Castro, do Pen Club Galego, 2000

Prémio Max Jacob Étranger, 2001

Prémio Rainha Sofia de Poesia Iberoamericana, 2003


Slide9 l.jpg

PoemaLiberdade

Aqui nesta praia ondeNão há nenhum vestígio de impureza,Aqui onde há somenteOndas tombando ininterruptamente,Puro espaço e lúcida unidade,Aqui o tempo apaixonadamenteEncontra a própria liberdade.


Slide10 l.jpg

Resumo do contoA Saga

Numa ilha no mar do Norte, de nome Vig, vivia Hans um jovem com catorze anos que não temia as tempestades e que adorava ver o mar, a sua grande paixão. Hans vivia com a sua família: a sua irmã Cristina, o seu pai Sören e a sua mãe Maria no interior da ilha. Sören perdera dois irmãos mais novos, Gustav e Niels, num naufrágio de um veleiro e começara a odiar e a temer o mar. Hans queria ser um homem do mar e viajar por outras terras no seu próprio barco, mas o pai queria que ele fosse estudar, que se afastasse do mar. Contudo, Hans era um sonhador destemido e adorava o mar.

Numa noite, fugiu de Vig num cargueiro e um dia chegou a uma cidade misteriosa que o encantou. Teve de fugir novamente, desta vez após ser chicoteado pelo capitão do navio, por lhe ter desobedecido, e abandonou o navio. Então, andou a vaguear por essa cidade maravilhosa que era o Porto. Hoyle, um homem de negócios inglês, acolheu-o em sua casa, onde ficou a viver como “ filho adoptivo”. Aí aprendeu tudo e em sonhos preparava-se para regressar a Vig. Escreveu várias vezes para casa, mas a resposta era sempre a mesma: a mãe dizia-lhe que o pai nunca o receberia em Vig.


Slide11 l.jpg

Os anos passaram e, com vinte e um anos, Hans era capitão de um navio e com ele muitas viagens fez.

Mandava cartas enquanto estava fora, mas quando regressava a resposta era sempre a mesma. Algum tempo depois Hoyle, velho e cego pediu a Hans que lhe tomasse conta dos seus negócios.

Hans casou com Ana, uma minhota, e pouco tempo depois Hoyle morre. Teve o seu primeiro filho a quem deu o nome de Sören, mas que acabou por morrer ainda recém-nascido, e mais seis filhos. Tornou-se um homem rico e respeitado na cidade. Maria, mãe de Hans morreu e ele escreveu ao pai, mas este nunca lhe respondeu. Então Hans percebeu que jamais voltaria a Vig.

No Porto, foi construindo a sua casa e mandou fazer grandes obras. Foi envelhecendo, já tinha filhos e netos e na sua casa davam grandes jantares em família. De vez em quando, as memórias de Vig assaltavam Hans. Houve um tempo em que o herói ficou velho, mais parecido com o pai em feitio e físico.

Hans acaba por morrer de doença, após seis dias de sofrimento. Na sua sepultura, colocam um navio em cima da campa, pedido de Hans à família antes e morrer, segundo ele era um navio naufragado. Esse era o navio que nas noites de temporal ia para norte, para Vig.


Bibliografia l.jpg

Bibliografia

  • www.12f.inesc-id.pt/~joana/poesia.html

  • http://poesiaeprosa.no.sapo.pt/sophia_m_b_andresen/poetas_sophiambandresen.01.htm

  • http://www.astormentas.com/din/poema.asp?key=1943etitulo=25+de+Abril


  • Login