Intoxica o ex gena plantas
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 27

Intoxicação Exógena: Plantas PowerPoint PPT Presentation


  • 119 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Intoxicação Exógena: Plantas. Andressa Lopes Ojea Garcia. VEGETAIS BELADONADOS – Solanaceae. Conhecida como saia-branca, trombeta, trombeteira, zabumba. A substancia tóxica presente nesta é um alcalóide : daturina . Este é encontrado em todas as partes da planta, principalmente em sementes.

Download Presentation

Intoxicação Exógena: Plantas

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Intoxica o ex gena plantas

Intoxicação Exógena: Plantas

Andressa Lopes Ojea Garcia


Vegetais beladonados solanaceae

VEGETAIS BELADONADOS – Solanaceae

  • Conhecida como saia-branca, trombeta, trombeteira, zabumba. A substancia tóxica presente nesta é um alcalóide : daturina. Este é encontrado em todas as partes da planta, principalmente em sementes.


Vegetais beladonados solanaceae1

VEGETAIS BELADONADOS – Solanaceae

  • QC: midriase , dist do comportamento, alucinações visuais e auditivas, delírios, hiperexcitabilidade, hipertermia, pele seca, quente e avermelhada, mucosas secas , taquicardia, disúria , oligúria, agitação psicomotora, confusão mental .

  • Tratamento: sintomáticos, não há antídoto especifico. Hipertermia controlado por meios físicos – antitérmicos não fazem efeito.

  • A fisiostigmina para adultos é de 2mg por injeção intravenosa, podendo ser repetida a cada 15 minutos. A dose nunca deve exceder 4mg em meia hora


Pinh o paraguai jatropha curcas

PINHÃO-PARAGUAI : Jatrophacurcas

  • Conhecida como pinhão-de-purga, pinhão bravo, purga de cavalo, mandubiguaçu. Apresenta fruto atraentes de sabor agradável. A substancia tóxica é a curcina, uma toxoalbumina que provoca aglutinação, hemólise, e lesões gastrointestinais acentuadas; é encontrada principalmente nas sementes.


Pinh o paraguai jatropha curcas1

PINHÃO-PARAGUAI : Jatrophacurcas

  • QC: náuseas , vômitos , cólicas abdominais, e diarréia intensa, distúrbios hidroeletrolítico, pode ter IRA.

  • Tratamento: sintomáticos, não há antídoto especifico. Realizar seguimento a fim de detectar precocemente insuficiência renal aguda.


Mamona ricinus communis

MAMONA: Ricinuscommunis

  • Conhecida como mamoneiro, carrapateiro. Apresenta intoxicações freqüentes devido a ingestão de sementes. A substancia tóxica é a ricina, encontrada no embrião, carúncula e tegumento da amêndoa.


Mamona ricinus communis1

MAMONA: Ricinuscommunis

  • QC: náuseas, cólicas abdominais, vômitos e diarréia mucossanguinolenta levando a distúrbio hidroeletrolítico, pode ter insuficiência renal

  • Tratamento: sintomáticos.


Mandioca brava

MANDIOCA BRAVA

  • Mandioca brava ou amarga. A substnciatóxica é a faseolunatosideo que por decomposição hidrolítica libera acido cianídrico, glicose e aldeído.

  • O íon cianeto inibe certas enzimas celulares oxidantes (citocromoxidase) o que acarreta uma anóxia citotóxica.


Mandioca brava1

MANDIOCA BRAVA

  • QC: náuseas , vômitos, cólicas abdominais , diarréia, hiperpnéia, dispnéia, hipotensão, cianose com distúrbios hidroeletrolíticose depressão neurológica podendo ter crises convulsivas( convulsão tônica,) asfixia, diminuição da freqüência respiratória , irregularidade de pulso.

  • Tratamento: nitrito de amilo seguido de nitrito de sódio 0,3ml/kg da solução a 3%

    hipossulfitode sódio 25% 1ml/kg

    vitamina B12 50-100mg/kg

    assistência ventilatória


Comigo ninguem pode dieffenbachia picta

COMIGO-NINGUEM-PODE : Dieffenbachiapicta

  • Afeta mais crianças de 0 a 6 anos. Folhagem ornamental. Os efeitos tóxicos decorrem da grande quantidade de oxalato de cálcio presente na planta.


Comigo ninguem pode dieffenbachia picta1

COMIGO-NINGUEM-PODE : Dieffenbachiapicta

  • QC: irritação e corrosão de mucosas da boca e faringe com edema, hipersecreção e dor; esofagites e estenoses cicatriciais do esôfago são muito raras, pode ter reações alérgicas com edema angioneuróticoe mesmo edema de glote.

  • Tratamento: provocar vômitos(?) e lavagem gástrica, protetores de mucosa e antialérgicos (anti-histamínicos, epinefrina, corticóides)


Buchinha

BUCHINHA

  • O infuso do fruto é utilizado empiricamente no tratamento da sinusite, ocasionando, muitas vezes, hemorragias nasais. Acredita-se que o princípio tóxico seja a cucurbitacina B. Sintomas aparecem 24 horas após ingestão do chá.


Buchinha1

BUCHINHA

  • QC: náuseas, vômitos, dores abdominais, cefaléia e hemorragias que podem levar ao aborto e à morte.

  • Tratamento: não existem antídotos específicos; carvão ativado e sintomático.


Oficial de sala asclepsias curassavica

OFICIAL DE SALA : Asclepsiascurassavica

  • Conhecida como cega-olho, paina-de-sapo. Muito tóxica, porem pouco comum. A substancia tóxica é a asclepiadina.


Oficial de sala asclepsias curassavica1

OFICIAL DE SALA : Asclepsiascurassavica

  • QC: cólicas abdominais, vômitos e diarréia e ocasionalmente depressão neurológica.

  • Tratamento: sintomático


Cogumelos

COGUMELOS

  • Pouco freqüente em nosso meio. Possui 2 formas de intoxicação:

    • Incubação demorada: intervalo prolongado entre ingestão e sintomas, geralmente são graves, citotóxicas, com 3 síndromes.

    • incubação rápida : de aparecimento rápido, sem muitas complicações, com 5 síndromes.


Incuba o r pida

INCUBAÇÃO RÁPIDA


Sindrome muscar nica

SINDROME MUSCARÍNICA

  • Pela Clitocytos e Inocybe. Apresenta hipersecreção brônquica, digestiva e cutânea, insuficiência respiratória , miose

  • Tratamento: atropina, sintomáticos e correção de distúrbios hidroeletroliticos e calóricos.


S ndrome atrop nica

SÍNDROME ATROPÍNICA

  • Por Amanita e Pantherina. Apresenta midríase, hiperexcitabilidade , alucinações visuais, hipertermia, rubor de pele.

  • Tratamento: sintomáticos


S ndrome dismetab lica

SÍNDROME DISMETABÓLICA

  • Por Coprins. Apresenta distúrbios cardiovasculares, digestivos.

  • Tratamento: sintomáticos.


S ndrome digestiva

SÍNDROME DIGESTIVA

  • Pela Russulus, Boletos , Tricholoma. Apresenta náuseas, vômitos, cólicas abdominais e diarréia.

  • Tratamento: antiespasmódicos, correção de distúrbios hidroleletroliticos.


S ndrome psicod lica

SÍNDROME PSICODÉLICA

  • Pelos cogumelos alucinógenos (Psilocybemexicana), poucas horas após ingestão. Apresenta alucinações visuais e distúrbios neurovegetativos(taquicardia, hipotensão, midriase), agitação.

  • Tratamento: sintomático e suporte


Incuba o lenta

INCUBAÇÃOLENTA


S ndrome hep tica

SÍNDROME HEPÁTICA

  • Mais freqüente pelo cogumelo Amanita, inicia 12 a 40 horas após a ingestão com vômitos, cólicas abdominais e diarréia seguida de hepatomegalia, dor a palpação do fígado, icterícia, hemorragias, torpor e alterações graves eletrolíticas e metabólicas.

  • Tratamento: repouso , correção dos distúrbios hidroeletrolíticose metabólicos. Pode-se tentar diálise a fim de corrigir eletrólitos e tentar eliminar mais rapidamente as toxinas.


S ndrome renal

SÍNDROME RENAL

  • Pela Cortinarius. Inicia com prostração e gastrite, seguida de glomerulonefrite de evolução subaguda com insuficiência renal e óbito


S ndrome hemol tica

SÍNDROME HEMOLÍTICA

  • Pela Gyromitra. Inicia com gastrenterite prolongada, podendo evoluir para anemia hemolítica de evolução demorada

  • Tratamento: transfusão sanguínea


Obrigada

Obrigada! ;-)


  • Login