Indicadores hospitalares - usos e abusos
Download

Indicadores hospitalares - usos e abusos







Advertisement
/ 23 []
Download Presentation
Comments
robert
From:
|  
(285) |   (0) |   (0)
Views: 74 | Added: 04-06-2012
Rate Presentation: 0 0
Description:
Indicadores hospitalares - usos e abusos. Denise Schout. Indicadores . Definição: dados coletados rotineiramente , padronizados e que permitem a comparação dentro e/ou fora do serviço. Devem fornecer informações a respeito das características do problema escolhido para ser monitorado.
Indicadores hospitalares - usos e abusos

An Image/Link below is provided (as is) to

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use only and may not be sold or licensed nor shared on other sites. SlideServe reserves the right to change this policy at anytime. While downloading, If for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.











- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




Slide 1

Indicadores hospitalares - usos e abusos

Denise Schout

Slide 2

Indicadores

  • Definição: dados coletados rotineiramente , padronizados e que permitem a comparação dentro e/ou fora do serviço. Devem fornecer informações a respeito das características do problema escolhido para ser monitorado.

  • Padrão no numerador e denominador

    • como definir padrões

    • Leitos

    • Cálculos automáticos - fórmulas incorretas

  • Rotina de coleta - revisão sistemática

Slide 3

Indicadores de desempenho hospitalar

  • Média de permanência (número de pacientes-dia/ número de saídas)

  • Taxa de ocupação (número de pacientes-dia/ número de leitos-dia)

  • Índice de rotatividade (número de saídas/número de leitos)

  • Taxa de mortalidade institucional (número de óbitos/número de saídas)

Slide 4

Indicadores Infecção hospitalar

Taxa de infecção hospitalar (%) :

número de infecções hospitalares

número de saídas

Taxa de doentes com infecção hospitalar (%) :

número de pacientes com infecção hospitalar

número de saídas

Taxa de infecção por proced. de risco (%0):

nº de pac. submetidos ao proced. com infecção

nº de pacientes submetidos ao procedimento

Taxa de Densidade de infecção hospitalar (%0):

número de infecções hospitalares

número de pacientes-dia

Slide 5

Indicadores hospitalaresHC-FMUSP

  • História dos indicadores no HC

    • Até 1996 - manual

    • Agosto 1997 - 1º relatório

    • Discussão com as clínicas

    • Repercussões

  • Construção de um novo modelo

  • Implantação em 1998

  • Relatórios mensais enviados pelo DAME para as chefias de Clínica

  • 2000 - Taxa substituída por densidade de infecção hospitalar

Slide 6

Indicadores hospitais privados

  • Problemas nos Censos diários

  • Muitos indicadores x alguns consistentes

  • Disseminação das informações

  • Uso inadequado

  • Comparação interna e externa

Slide 7

Indicadores ambulatoriais

Para cada clínica:

  • % Faltas / Consultas agendadas

  • % Consultas novas/ realizadas

  • Consultas de amb. Breve

  • % faltas consultas realizadas Amb. Breve

  • Consultas de procedimentos

  • Exames laboratoriais

  • Exames radiológicos

Slide 8

Modelo Relatório mensal

98/99

Slide 9

Morbidade hospitalar - para que?

  • Análise do perfil clínico e epidemiológico da demanda atendida

  • Monitoramento de protocolos clínicos - avaliação de “intervenções”

  • Avaliação do cuidado utilizando-se de protocolos clínicos

  • Organização da informação para dar suporte a decisão gerencial

    • Indicadores de desempenho e outros indicadores

  • Indicadores x Morbidade

  • Responder perguntas estratégicas internas e externas (ambiente)

Slide 10

Prontuários

  • Modelos x prática médica

  • Valorização do registro preciso

  • Dados clínicos x “conta”x controle de estoque

  • Informatização hospitalar x qualidade das informações

  • Prontuário eletrônico

  • Monitoramento do cuidado prestado - protocolos clínicos

Slide 11

Registros - sistemas de informação

  • Tabelas: CEP/municípios/Estados, escolaridade/ocupação, médicos e especialidades dos profissionais, diagnóstico e procedimento, medicamentos, materiais...

  • Diagnóstico - tabela CID: diferença entre lógica classificação e lógica clínica

  • Procedimento - qual a melhor tabela???

    • Atualização - incorporação tecnológica e $$$

    • Diferença entre especialidade médica e especialidade do procedimento

Slide 12

Fonte de dados

  • Dados de morbidade de base hospitalar

    • Registros de doenças: registros de câncer, registros de transplantes, traumas, doenças cardio-vasculares....

    • Infecção Hospitalar

    • DNC - Núcleos hospitalares de Vig. Epidemiológica

Slide 13

Morbidade Hospitalar - HCFMUSP

Slide 14

Internações Hospitalares - HCFMUSP

Slide 15

Internações Cap. Neoplasias - HCFMUSP

Slide 16

Interpretação dos Indicadores

  • Como comparar???

  • Ajustes por critérios que caracterizem melhor a demanda dos serviços: case-mix, critérios de severidade, outros fatores de risco de acordo com o tipo de assistência oferecida

  • Avaliação de qualidade de acordo com a complexidade do hospital

  • Indicadores específicos??? Vantagens e desvantagens

  • Indicadores clínicos - panacéia

Slide 17

Indicadores

  • Dificuldades atuais

  • Perspectivas

  • Tendências

Slide 18

Morbidade hospitalar - como?

  • Bases de dados geradas a partir dos sistemas de informação de pacientes dos hospitais

  • Dados necessários: RG, data nasc., sexo, end., município, estado, data int., data alta, diag. Prov., diag. principal, diag. sec., nome médico, especialidade, procedimento principal, convênio, tipo de alta, unidade de internação e origem do paciente.

  • Inicialmente levantamento dos boletins de alta hospitalar (106/CAH), em meio magnético, encaminhados para Sec. Saúde

Slide 19

Morbidade hospitalar - como?

  • Cada banco de dados é processado incluindo faixa etária, núcleos de saúde, capítulos da 10ª revisão e os diagnósticos são agregados segundo três caracteres, procedimentos agrupados segundo tabelas de procedimentos e intervalos de tempo de permanência

  • Inconsistências corrigidas: perinatais e congênitas fora da faixa, gravidez em sexo masculino, fimose em meninas, etc....data de nascimento e data de internação, entre outras.

  • Relatórios de consistência

Slide 20

Perguntas estratégicas

Onde devo desenvolver protocolos e/ou pacotes?

Aumentou a complexidade das cirurgias no hospital?

Quais os procedimentos em que ganham melhor o médico e o hospital?

Investir em trauma é rentável?

Qual o perfil dos pacientes que internam do convênio A, B e C? Como uso essa informação para negociar?

Quais são os médicos nos quais preciso investir para ter impacto na padronização dos procedimentos do aparelho digestivo?

Quais foram as mudanças ocorridas com a introdução dos novos equipamentos?

Slide 21

Análise Morbidade

  • Análise de morbidade

    • Relatórios sobre o perfil clíncio-epidemiológico da demanda atendida

  • Melhora do registro de diagnósticos - aprimoramento da codificação dos diagnósticos

    • Diagnóstico principal (3 dígitos) / sexo e faixa etária / procedimento por faixa etária...

Slide 22

Distribuição do número de tipos de diagnósticos e os não especificados – 1997 a 2000

Slide 23

Mudanças Gerais

  • Na maior parte dos hospitais crescimento do volume de internações

  • Neoplasias - principal motivo de internação nos diversos serviços - tendência de crescimento em todos

  • Diminuição do tempo de permanência significativo


Copyright © 2014 SlideServe. All rights reserved | Powered By DigitalOfficePro