slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
Fases da industrialização 1ª Revol. Industrial (1750 – 1870) 2ª Revol. Industrial (1870 – II GM)

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 33

Fases da industrialização 1ª Revol. Industrial (1750 – 1870) 2ª Revol. Industrial (1870 – II GM) - PowerPoint PPT Presentation


  • 129 Views
  • Uploaded on

Fases da industrialização 1ª Revol. Industrial (1750 – 1870) 2ª Revol. Industrial (1870 – II GM) 3ª Revol. Industrial (pós II GM). Tipos de indústrias. Fatores locacionais: Indústrias de bens de consumo duráveis e não-duráveis: proximidade de mercado consumidor e mão-de-obra.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Fases da industrialização 1ª Revol. Industrial (1750 – 1870) 2ª Revol. Industrial (1870 – II GM)' - rob


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Fases da industrialização

1ª Revol. Industrial (1750 – 1870)

2ª Revol. Industrial (1870 – II GM)

3ª Revol. Industrial (pós II GM)

slide3
Fatores locacionais:

Indústrias de bens de consumo duráveis e não-duráveis: proximidade de mercado consumidor e mão-de-obra.

slide4
Fatores locacionais:

Indústrias de bens de capital / bens de produção / de base:proximidade dos recursos minerais e energéticos e de infra-estruturas em transportes.

slide5

Modelos produtivos

Taylorismo

  • Separação do trabalho por tarefas e níveis hierárquicos.
  • Racionalização da produção.
  • Controle do tempo.
  • Estabelecimentos de níveis mínimos (cotas) de produtividade.
slide6

Fordismo

  • Produção em série (em grandes quantidades) para consumo em massa.
  • Extrema especialização do trabalho (atividades ultra-repetitivas) / linha de montagem.
  • Rígida padronização da produção / pouca variedade de modelos.
slide7

Pós-fordismo / toyotismo - (3ª R. Ind.)

  • Estratégias de produção (produção de acordo com a demanda – redução do estoque).
  • Consumo em escala planetária, obedecendo as especificidades de cada mercado.
  • Desenvolvimento de novas tecnologias.
  • Flexibilização dos contratos de trabalhos.
  • Células de produção no lugar da linha de montagem.
  • Grande variedade de produtos com marcas e modelos diferentes.
slide8
(Fuvest-SP) As novas formas de organização da produção industrial foram chamadas por alguns autores de pós-fordismo, para diferenciá-las da produção fordista.

a) Apresente dois aspectos do processo industrial fordista e dois do pós-fordista.

b) Caracterize o espaço industrial no fordismo e no pós-fordismo.

slide9
a) A era fordista se caracterizava pela existência da linha de montagem, fabricação em série de produtos padronizados (produção em escala) e as tarefas dos trabalhadores eram repetitivas, como mostra o filme Tempos Modernos, de Charles Chaplin; os sindicatos eram fortes e organizados. Na era pós-fordista, também chamada de produção flexível, o trabalho é organizado em equipes encarregadas das tarefas diárias e do controle de qualidade, os Círculos de Controle de Qualidade (CCQ), os estoques são reduzidos, fabrica-se uma série bem diversificada de produtos, há crescente terceirização da produção e enfraquecimento da organização dos trabalhadores.

b) A produção fordista se caracterizava pela existência de grandes fábricas, enormes almoxarifados exigindo processos de controle complexos; as fábricas estavam concentradas nos países desenvolvidos. O pós-fordismo se caracteriza pela desconcentração espacial das indústrias no mundo, entregas diárias de peças (just-in-time), controle simplificado, maior dinamismo.

slide10

O papel das transnacionais

As transnacionais se espalharam pelo mundo mais intensamente após a II G.M. São as principais responsáveis pela integração econômica global e pela revolução técnico-científica e, tiveram importante papel na contenção do socialismo.

slide13
Japão

As reformas socioeconômicas e a aproximação com o Ocidente (abertura econômica) no governo Meiji deram início à industrialização japonesa. A recuperação da economia japonesa após a II Guerra Mundial aliada à robotização, à política de redução de custos, a busca por novos mercados e a desvalorização do iene contribuíram para o seu milagre econômico na segunda metade do século XX.

slide14
Industrialização dos Tigres Asiáticos (fatores condicionantes): mão-de-obra barata e disciplinada, incentivos fiscais, creditícios e comerciais oferecidos pelo governo, regimes políticos autoritários, com exceção de Hong Kong, investimentos japoneses, produção voltada para o mercado externo (plataforma de exportação) e contexto da Guerra Fria.
  • 1ª etapa: Coréia do Sul, Hong Kong, Taiwan e Cingapura.
  • 2ª etapa: Malásia, Indonésia, Tailândia e Filipinas.
slide15
China
  • O panorama econômico recente da China começou a formar-se com as reformas iniciadas por Deng Xiaoping na década de 1970 com a política das Quatro Grandes (indústria, agricultura, ciência e tecnologia e forças armadas) e a criação das ZEEs, abertas a investidores estrangeiros.
  • Fatores condicionantes: Mão-de-obra barata, abundante e disciplinada, legislação trabalhista rigorosa, regime político autoritário, disponibilidade abundante de energia e matérias-primas e legislação ambiental flexível.
slide16

Industrialização Brasileira

  • Industrialização no Brasil Império:pouco dinamismo em função da(o):
  • Permanência de relações escravistas;
  • Pequeno mercado interno;
  • Estado alheio à industrialização;
  • Força de trabalho e infra-estruturas pouco desenvolvidas.
slide17

Final do séc. XIX até 1930:surgimento de vários ramos industriais que exigiam pouco investimento de capitais e tecnologias e destinavam a atender as necessidades imediatas da população (indústrias leves).

Década de 1930 até os anos de1950: forte participação do Estado no economia por meio da criação das indústrias de base (siderúrgicas, metalúrgicas) e da ampliação da infra-estrutura energética (keynesianismo). Durante o governo Jk, período conhecido como desenvolvimentista, o crescimento industrial foi calcado na forte participação do capital estrangeiro (internacionalização da economia).

slide18

Motivos:

  • As consequências da 1ª Guerra Mundial;
  • A crise do café ocasionada pela crise mundial de 1929;
  • As disponibilidades de capitais e infra-estruturas criadas pelo ciclo do café;
  • Aumento da oferta da mão-de-obra e do mercado consumidor com o êxodo rural e a chegada dos imigrantes;
  • Plano de metas do governo JK; etc...
slide19
OBS: O capital externo que entrou no Brasil antes de 1930 era reduzido e foi aplicado em infra-estruturas de energia e transportes e, depois, principalmente após a 2ª Guerra Mundial, o capital externo passou a entrar na forma de indústrias de bens de consumo duráveis (eletrodomésticos, automobilística) e indústrias químico-farmacêutico e sídero-metalúrgico.
slide20

Governos militares: deram continuidade à política desenvolvimentista que culminou com o “milagre econômico”. Isso foi possível graças a uma série de incentivos para aumentar a exportação, o consumo interno, principalmente da classe média e alta, a repressão política e a oferta de dólares no mercado internacional.

slide21

Anos 80 – a década perdida: a má distribuição da renda e a inflação elevada que impedia o aumento do consumo interno, o baixo nível de instrução da população brasileira e o elevado endividamento externo aliada ao contexto mundial vigente (gastos com a guerra fria e com o Estado de bem-estar social nos países desenvolvidos, a crise do petróleo nos anos 70 e o esgotamento do modelo keynesianista) contribuíram para por fim ao milagre econômico brasileiro.

slide22

Década de 1990:

Plano real;

Neoliberalismo;

Desconcentração industrial;

Terceira revolução industrial brasileira (?).

slide23

Em suma: a industrialização brasileira baseou-se no tripé econômico e caracterizou-se por ser tardia, invertida e dependente de capitais e tecnologias.

slide25
Até a década de 1990, o Estado colaborava com a desconcentração industrial por meio das Superintendências (SUDAM, SUDENE, SUDESUL e SUDECO). Com a extinção dessas Superintendências, a desconcentração industrial passa a ser estimulada pela “guerra fiscal” que é travada entre os Estados da federação e os municípios.
slide26
Região Nordeste: A industrialização da Região Nordeste foi muito dependente da ação do Estado (através da SUDENE). Na sua maioria eram empresas sediadas no Centro-Sul. Muitas dessas empresas que pra lá se dirigiram possuíam certo nível tecnológico, portanto eram poupadora de mão-de-obra e seus produtos eram voltados para mercados extra-regionais. Isso pouco dinamizava a economia regional.
slide27
Região Sul: A industrialização teve forte apoio da mão-de-obra imigrante. Capitais e a iniciativa privada eram direcionadas para as indústrias de bens de consumo não-duráveis. Assim, a indústria sulista se desenvolveu de forma integrada à economia regional, utilizando-se das matérias-primas fornecidas pela agropecuária e pelos recursos naturais. Recentemente a região Sul vem recebendo ramos industriais mais modernos.
slide28
AS NOVAS REGIÕES INDUSTRIAIS
  • Vale do Paraíba corresponde a um corredor de passagem entre São Paulo e Rio de Janeiro. No caso da indústria bélica de São José dos Campos seu desenvolvimento foi favorecido pela presença de institutos de pesquisa na região, como o ITA, INPE e CTA.
slide29
Cubatão – indústrias químicas, petroquímicas e metalúrgicas. Esta cidade situa-se entre a grande São Paulo e o porto de Santos, no sistema Anchieta-Imigrantes.
  • Problemas ambientais graves
slide30
Campinas / São Carlos – caracterizada como um tecnopólo, ou seja, é uma sede de indústrias de alta tecnologia, destacando-se as de telecomunicações e de novos materiais, como polímeros e cerâmicas. Os elementos que mais favorecem este tipo de industrialização são: a presença de centros de pesquisa e mão-de-obra qualificada, proximidade da grande São Paulo e malha de transporte densa e moderna (Bandeirantes e Anhangüera).
slide31
Região Sul: a industrialização dessa região se deu, principalmente, por investimentos de empresas brasileiras no setor de bens de consumo não-duráveis. Destacam-se: as indústrias alimentícias, têxteis, de couros e de louças. Suas principais regiões industriais são: Vale do Itajaí (SC) nas cidades de Blumenau e Joinville onde se localizam indústrias têxteis; Serras Gaúchas, principalmente em Bento Gonçalves e Caxias do Sul, local de indústrias vinícolas; Novo Hamburgo e São Leopoldo, próximas a Porto Alegre, tem forte indústria de couro e calçados.
slide32
Zona Franca de Manaus: é uma área de livre importação de quase todos os produtos estrangeiros, isto é, é uma região isenta de tarifas alfandegárias. Assim, a importação de máquinas, matérias-primas e componentes é facilitada para o desenvolvimento industrial da região. A maior parte das indústrias é de capital transnacional, em fábricas que produzem, principalmente, bens de consumo duráveis, como eletroeletrônicos e mecânicos. Os mercados consumidores são extra-regionais, dentro e fora do país. Os problemas de crescimento desordenado da cidade de Manaus constituem o elemento negativo desta tentativa de instalação de um parque industrial no meio da selva amazônica.
slide33
IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA INDÚSTRIA
  • Contaminação dos recursos hídricos;
  • Poluição do ar: chuva ácida, efeito estufa, inversão térmica, ilhas de calor, buraco na camada de ozônio;
  • Lixo;
  • Poluição sonora e visual.
ad