Movimentos sociais do campo mst
Download
1 / 26

MOVIMENTOS SOCIAIS DO CAMPO MST - PowerPoint PPT Presentation


  • 514 Views
  • Updated On :
  • Presentation posted in: General

Tipos de Movimentos Sociais: Os movimentos sociais diferem quanto abrangncia da mudana pretendida. Alguns so relativamente limitados em seus propsitos, querem modificar alguns aspectos da sociedade sem tocar o ncleo de sua estrutura institucional. Outros movimentos pretendem mudanas m

Related searches for MOVIMENTOS SOCIAIS DO CAMPO MST

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha

Download Presentation

MOVIMENTOS SOCIAIS DO CAMPO MST

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


MOVIMENTOS SOCIAIS DO CAMPO

MST


Tipos de Movimentos Sociais:

Os movimentos sociais diferem quanto abrangncia da mudana pretendida.

Alguns so relativamente limitados em seus propsitos, querem modificar alguns aspectos da sociedade sem tocar o ncleo de sua estrutura institucional.

Outros movimentos pretendem mudanas mais profundas, que atingem as bases da organizao social.


Tipos de Movimentos Sociais:

Os movimentos sociais surgem em momentos determinados, desenvolvem-se, passam por fases distintas, decaem e cessam.

A dinmica interna dos movimentos, distinguem-se em quatro estgios principais: origem, mobilizao, desenvolvimento estrutural e trmino.


Os movimentos sociais apresentam-se ao longo da Histria de diversas maneiras e por diversos motivos mas, como se ver em seguida, h algumas caractersticas em comum a todos eles, por exemplo: em todo movimento social h um princpio norteador.


Qual seria este princpio norteador?


Trata-se de um projeto construdo coletivamente, na maioria das vezes buscando a soluo de um problema, a transformao de uma situao, ou ainda, o retorno a uma situao anterior, na qual os indivduos entendem que havia uma melhor condio para suas vidas.


Para uma melhor compreenso do que est sendo dito no slide anterior, podemos usar como exemplo as reivindicaes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Este tem como projeto a realizao da reforma agrria


A QUESTO AGRRIA NO BRASIL.


importante salientar que a questo da terra no Brasil sempre foi uma das bandeiras dos movimentos sociais, pois em nossa estrutura agrria a concentrao de terras e a existncia de latifndios esto presentes desde o incio de nossa colonizao.


Isto porque nossa formao social deu-se em dependncia de outros pases, consequentemente, nossa produo agrria tambm.


Assim, temos como caracterstica estruturante em nosso pas, a subordinao de parte importante da produo agrcola a uma produo em larga escala e s necessidades do exterior, o que leva a um modelo baseado na utilizao de grandes propriedades rurais, produzindo uma pequena variedade de produtos.


Porcentagem sobre o total de terras do Brasil

Montado a partir de dados do INCRA, 1992


Em suma, a questo da terra torna-se uma bandeira para os movimentos sociais, pois sua concentrao transforma-se em um problema num pas de grandes dimenses, e com uma populao sem acesso terra e sem condies de ter acesso quilo que ela produz.


No caso dos movimentos sociais que lutam pela mudana na estrutura agrria, fica evidente a presena de interesses de classe em jogo. Por exemplo, trabalhadores do campo X grandes proprietrios.


H pelo menos de 4 a 6 milhes de famlias sem-terra, cerca de 1% dos proprietrios rurais possuem 46% das terras produtivas e cadastradas no Brasil (Censo do IBGE 1996). As propriedades com menos de 100 ha representam neste ltimo censo, 89,3% das propriedades, mas representam cerca de 20% das terras brasileiras. Neste mesmo Censo foram registradas 17.930.890 pessoas ocupando atividades no campo, contrapondo-se aos dados de 1985 que registram 23.394.881 trabalhadores portanto, percebe-se uma reduo do trabalho no campo em 23%.


Existe um outro indicativo que contribui para destacarmos a importncia da pequena propriedade na produo agrcola no Brasil. Segundo os dados estatsticos sobre o montante da produo das pequenas e mdias propriedades produzidos pelo IBGE no Censo Agropecurio de 1996, temos que: a produo de reas com menos de 100 ha correspondem a 47% da produo nacional, os estabelecimentos entre 100 ha a 1.000 ha correspondem a 32%; j as reas com 1.000 ha a 10.000 ha correspondem a 17% da produo, e ainda, as reas acima de 10.000 ha produzem apenas 4% do valor total da produo no Brasil.


M.S.T


O movimento, embora j existisse desde o final da dcada de 1970, s ganha estatuto de movimento organizado nacionalmente em 1984 com o 1 Encontro Nacional, na cidade de Cascavel, no estado do Paran. Em 1985, acontece o 1 Congresso Nacional do MST, na diadade de Curitiba-Pr.


Em vrias ocasies h conflitos entre os integrantes do MST e a polcia, que , por vezes, incumbida pela justia de restaurar a posse da terra. Outras vezes enfrentam milcias armadas pelos fazendeiros para evitar que ocupem suas terras. Os latifundirios no Brasil possuem uma organizao prpria criada em 1985, chamada UDR (Unio Democrtica Ruralista), cujo objetivo a defesa da propriedade fundiria, que seus possuidores julgam estar ameaadas pelo MST.


Alm de tudo, deve-se levar em considerao que a concorrncia do pequeno produtor com a produo em larga escala e mecanizada no campo, na maioria das vezes, desleal, j que o latifndio no s possui toda uma infra-estrutura para sua produo como tambm, consegue muito mais facilmente crditos dos governos, geralmente por sua produo ter como finalidade a exportao.


Dentre as tentativas de superao destes obstculos, o MST tambm possui como alternativa no s a capacitao poltica, mas tambm tcnica do assentado, formao preocupada em fornecer conhecimentos adequados para um melhor aproveitamento da terra.


O MST, alm de ser contrrio a um nico tipo de produo agro-exportadora (monocultura), tambm incentiva a realizao de culturas que deixem de utilizar agrotxicos em seus produtos, bem como o de sementes transgnicas, realizando inclusive encontros agroecolgicos, na tentativa de gerir novas experincias.


Certamente, a repercusso do MST, no Brasil, aumentou em muito a partir de meados dos anos 1990, quando alguns conflitos ocorreram em diversas ocupaes. Tendo em vista sua capacidade de articulao, o movimento tambm aumentou sua atuao na sociedade, participando de uma srie de outras discusses como, por exemplo, colocando-se contra a ALCA (rea de Livre Comrcio das Amricas), discutindo o papel da mulher e produzindo um projeto poltico-pedaggico para os processos educacionais que acontecem nos seus assentamentos.


O MST certamente fruto de um conjunto de fatores histricos nacionais e internacionais do desenvolvimento do capitalismo que criaram uma realidade social cheia de conflitos e contradies, da mesma forma que as Ligas Camponesas foram uma tentativa de luta e reivindicao por melhores condies do trabalhador rural.


ad
  • Login